Visões da poesia de W. B. Yeats

O Balão da Mente[i]

Mãos, façam o que vos é pedido:
Tragam o balão da mente
Que intumesce e se arrasta ao vento
Para o seu estreito alpendre.[i] YEATS, W. B. “Poemas escolhidos”, tradução: Frederico Pedreira, Lisboa: Relógio d´Água, 2017, p. 175.

W.B.Yeats (1865-1939), poeta visionário, prêmio Nobel de 1923
W. B. Yeats (1865-1939), poeta anglo-irlandês, visionário, ganhou o prêmio Nobel de 1923



Para este cronista, velho leitor (muito antes de ser autor) de Poesia, têm nossas mãos a tarefa principal no ofício, pois que diante do ato de criação vê-se o criador como um jovem frente a um potro a ser domado.

Nada haveria na imaginação, “essa doida da casa” (cf. Santa Teresa D´Ávila), que só a visão ocultista ou cristã, rosacruciana, espírita ou budista pudesse fazer que o “estreito alpendre” da composição, da razão poética, não contivesse o balão da mente na sua exata dimensão criativa. Às mãos, ao ofício de artesão cabe o principal da poesia – Yeats o soube até os últimos momentos de seu artesanato poético.

É poema relegado a plano secundário na poesia dele, Yeats, mas como os poetas menores que fazem a alegria, o contraponto e o charme dos gênios, ele nos ensina que pode ser um pequeno aperitivo que nos leva à refeição completa da obra deste gigante que é o anglo-irlandês William Butler Yeats.

LEIA AMANHÃ em Destarte, no Jornal Opção Cultural online.

Amor à França (2) Yves Bonnefoy

No segundo texto da série “Amor à França”, Adalberto De Queiroz escreve na coluna Destarte sobre a poesia de Yves Bonnefoy.

 Para ler o texto completo, clique no link abaixo:

Anne Sexton, por Beatriz Regina Guimarães Barboza

A tradução da poesia de Anne Sexton por Beatriz Barboza.
Vale muito a pena.
via Anne Sexton, por Beatriz Regina Guimarães Barboza

Hart Crane, poeta americano que extrai do “amuleto carbônico” sublime poesia

Confira Hart Crane, poeta norte-americano, talento que extraiu de suas angústias e anseios uma poesia sublime.
Meu artigo de hoje em Opção Cultural (Goiânia).
Destarte 20 JUN 2018

Walter Benjamin

“Porcelanas da China”, de W. Benjamin – Trad. : Rubens Rodrigues Torres Filho.

“A força de uma estrada do campo é uma se alguém anda por ela, e outra se a sobrevoa de aeroplano. Assim é também a força de um texto, uma se alguém o lê, outra se o transcreve.

“Quem voa vê apenas o modo como a estrada se insinua através da paisagem, e, para ele, ela se desenrola segundo as mesmas leis que o terreno em torno. Somente quem anda pela estrada experimenta algo de seu domínio e de como, daquela mesma região que, para o que voa, é apenas uma planície desenrolada, ela faz sair, a seu comando, a cada uma de suas voltas, distâncias, belvederes, clareiras, perspectivas, assim como o chamado do comandante faz sair soldados de uma fila.

“Assim comanda unicamente o texto copiado a alma daquele que está ocupado com ele, enquanto o mero leitor nunca fica conhecendo perspectivas de seu interior,  tais como as abre o texto, essa estrada através da floresta virgem interior que sempre volta a adensar-se: porque o leitor obedece ao movimento de seu eu no livre reino aéreo do devaneio, enquanto o copiador o faz ser comandado. A arte chinesa de copiar livros foi, portanto, a incomparável garantia de cultura literária, e a cópia, uma chave para os enigmas da China[i]

[i] BENJAMIN, Walter. “Rua de Mão Única” – Obras escolhidas, vol. II. Tradução: Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo, 3ª. ed., 1993, pág. 15/6.