Irrelevantes

Destacado

Irrelevante este blog ficou. Irrelevante, como o jornal impresso, a carta em papel, o DVD Player, o CD, o VHS, o Betamax, o barbeador Gillette Blue Blade. Na verdade, este blog sempre foi uma lâmina de barbear minhas emoções. Não dura mais de três minutos para postar e bum! ya se foi…

Ver a imagem de origem

E por que então, continuamos aqui, pelo menos uma meia dúzia de “good friends”?
– Talvez porque amamos manter este diário digital, para nos lembrarmos de nós mesmos no futuro, “just in case”. Tenho aqui nesta meia-dúzia uns dois ou três do tempo dos blogs. Era uma discussão que avançava noite a dentro, na caixa de comentários, que nem de longe lembra a febre do Twitter, não porque fosse mais civilizada a conversação, mas por ter sido mais inteligível.
Alguns de nós chegaram ao livro impresso via blogs. O que não é pouca coisa. E ao estrelato em TV, passando ao largo do Orkut (“o Turko” para um dos blogueros famosos ontem, hoje e sempre, Lord ASS, que abandonou o seu (dele) blog em 2016, mas tem muita coisa interessante lá nos arquivos https://alexandresoaressilva.wordpress.com/
Alguns de nós migraram para o Medium, como o Alexandre (Lord ASS). https://medium.com/@arquivoass

Suplementos literários italianos (periodicidade semanal) – uma ilha de excelência entre os irrelevantes.

Talvez não tenhamos mais jornais impressos no Brasil em dois ou três anos – os suplementos já não existem, afora o Rascunho (da Gazeta do Povo de Curitiba, que vai descendo a ladeira do culturalismo e assim pode também perder seus leitores, tornando-se o último dos moicanos entre os irrelevantes).

Na Itália, é diferente. Vivi lá no Vêneto boa parte do saudoso ano 2019 e lia pelo menos dois jornais impressos diariamente (i.e., reabilitei a função Journal do impresso!). Dizem que onde há um público leitor e boa parte deste envelhecida, o jornal impresso ainda tem sobrevida.

O diário de minha cidade vai se tornando irrelevante, como a lâmina de barbear e o DVD player e o Blockbuster, mas eu só posso dizer isso aqui no blog irrelevante pois não serei lido mesmo e corro o risco de alguém não me vetar as cartas que costumo enviar para a coluna “Cartas do Leitor”. Por enquanto, Hélas! mantenho minha irrelevância em espaço que eu mesmo edito e autorizo a publicação.

Poema inédito 2020 (2)

Destacado

Isaías fala (1) 

Qual tecelão, eu ia tecendo a minha vida,
mas agora foi cortada a sua trama
.”

Contrito, o poeta lê o livro do profeta hebreu.
Em busca de palavras, abre o livro, medita sua letra.


Antes fora o medo, é bom que se diga;
e não fonemas, o que à leitura o moveu.

Antes ainda, o apocalipse diário o deixara
frente ao oráculo, e conheceu a infertilidade.

Isaías fala em nome de Deus, que com a brasa
sob a tenaz do Anjo, este lhe tocara os lábios.

Sabemos que o rei para a parede seu rosto voltara –
e chorou, como choro eu, choras tu, choramos todos.

O rei chorou, ao ouvir do profeta o veredito:
– “Vais morrer!”.
O rosto do rei é o teu rosto, leitor apaixonado:
a face dele, dita banhada – eu te digo: de medo turvada,
é tua face; o medo que tenho eu, tens tu, temos todos.

Porém, o profeta o fez imaginar possível um novo pacto
com a vida – como a reencontrou Ezequias, rei de Judá.

Então, o rei rezou e com Deus fez novo pacto, pois não queria morrer.
(Só os vivos louvam o nome de Deus, não me tires dentre os viventes.) Naquele tempo, havia um relógio de sol –
e o Senhor reconsiderou sua sombra atrasar…

Os dez graus da sombra no relógio de Acaz atrasada
significavam 15 anos à vida do rei de Judá adicionados.

Quem sabe ao poeta Deus conceda o mesmo, Isaías amado?

Poemas inéditos, 2020 (1)

Isaías fala

Vida minha vida de tecelão,
que vai tecendo malha simples
tal qual a de todo cidadão –
era trama antes de lhe cortarem
de uma vez sua essência de trama,
agora não há tear ou urdidura,
não há pente que permita levantar
ou abaixar a vista do que tecendo estava,
não há passagem tecida; não há nada –
só a parede que recebe o pranto;
e o choro sobe ao alto: até o rei de Judá chorou.

Que agulha, qual navete a mim deixada,
antes que o relógio de Acaz seja atrasado
e produza a sombra: os quinze anos a mais
que lhe são dados de sonho antes do Sono?
Urdidura de tudo é tensa; não resolve a parada.
Sentindo o coração doente de desejo,
de morte tenho a alma adoentada.

Recorte lírico

Destacado

EM meio aos cuidados que a pandemia do Coronavírus recomenda, leio e escrevo. Esta reflexão veio daí…

Leiam e cometem — e #fiqueemcasa se possível.

Continue lendo…
Morte e Vida – uma pintura a óleo sobre tela do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt

Anápolis: trastes da memória (1)

A cidade e eu. Eu e a cidade – repito este mantra como um iogue em busca de relaxamento e liberação. Só mesmo assim para compor um texto que lança raízes nas camadas profundas do meu ser. Lembrar com precisão da cidade em que fui criado parece tarefa impossível, divagar é, pois, necessário para que o texto aflore.

Clique na imagem abaixo para continuar lendo…

Anápolis, antiga estação ferroviária

Artigo em Recorte Lírico

Leia meu artigo quinzenal na revista Recorte Lírico.

Entre três rios

Meu discurso de posse na Academia Goiana de Letras, em síntese neste artigo, na coluna “Destarte”, do Jornal Opção de Goiânia.
Abaixo, cenas do evento de posse.

Ao receber o diploma de Acadêmico das mãos de Lêda Selma, presidente da AGL

Emoção do empossado

Recebido pelo Acadêmico Brasigóis Felício, tive junto o carinho de todos os acadêmicos. O poeta traçou minha trajetória de vida e destacou, citando trechos da entrevista a Ademir Luiz, aqui no Opção, quando ele me concedeu o cognome de “o barqueiro da poesia“. Brasigóis expressou sua alegria em duplo sentido: primeiro, por ter apresentado meu primeiro livro, em 1985; e, agora, mais de 30 anos depois, de receber-me como novo integrante da Academia, “por merecimento, tendo recebido voto de todos os acadêmicos e acadêmicas presentes à sessão.

Acertei no vaticínio, ao escrever o texto de apresentação do livro “Frágil Armação”, do estreante que nos veio solicitar o endosso, a palavra de estímulo, ante a angústia dos primeiros passos na jornada. Esta é a alegria que tenho hoje” – destacou.

Eu, para não cair no terreno escorregadio da emoção pura, usei como apoio as palavras do escritor que me precedeu, o professor José Mendonça Teles, em discurso nesta mesma casa, em 1979:

Entro para a Academia Goiana de Letras consciente de que devo fazer muito ainda para merecer esta honraria. Estou convicto de que será uma experiência das mais fecundas para mim, uma vez que estarei sentado ao lado daqueles que construíram e constroem a cultura goiana.”
Continue lendo o relato.

Fui recebido pelo Acadêmico Brasigóis Felício, que traçou minha trajetória de vida e destacou, citando trechos da entrevista a Ademir Luiz, aqui no Opção, quando ele me concedeu o cognome de o barqueiro da poesia“. 

Brasigóis expressou sua alegria em duplo sentido: primeiro, por ter apresentado meu primeiro livro, em 1985; e, agora, mais de 30 anos depois, de receber-me como novo integrante da Academia, “por merecimento, tendo recebido voto de todos os acadêmicos e acadêmicas presentes à sessão.Acertei no vaticínio, ao escrever o texto de apresentação do livro “Frágil Armação”, do estreante que nos veio solicitar o endosso, a palavra de estímulo, ante a angústia dos primeiros passos na jornada. Esta é a alegria que tenho hoje” – destacou.

E, para não cair no terreno escorregadio da emoção pura, usei como apoio as palavras do escritor que me precedeu, o professor José Mendonça Teles, em discurso nesta mesma casa, em 1979:

“Entro para a Academia Goiana de Letras consciente de que devo fazer muito ainda para merecer esta honraria. Estou convicto de que será uma experiência das mais fecundas para mim, uma vez que estarei sentado ao lado daqueles que construíram e constroem a cultura goiana.”

Getúlio Targino Lima me entregou o colar acadêmico
Minha esposa Helenir Queiroz, os acadêmicos Antônio Pinheiro e Maria Augusta S. de Moraes colocaram a foto na Galeria de Acadêmicos da AGL
Com os netos Lucas e Benjamin Queiroz Foust
Com o poeta Luiz Aquino Alves Neto, primeiro a apoiar minha candidatura publicamente
Adalberto de Queiroz, no discurso de posse na AGL, 11/04/2019
Com Flávio Carneiro, que veio de Petrópolis (RJ), especialmente para a posse, à direita, o poeta Brasigóis Felício.
Brasigóis e eu, antes da posse, com o poeta Salomão Sousa, que veio de Brasília especialmente para a solenidade de posse
Celebramos o evento no Espaço Maktub, salão de festas local

Onde tive a chance de responder perguntas…

…Inteligentes e bem apanhadas pelo professor-Doutor Ademir Luiz, da UEG, colaborador do Jornal Opção (Goiânia).

Fica o convite para que meus seis leitores leiam a entrevista – clique no link para ler.

Entrevista ao Opção.PNG

Crônicas da América (final)

Amor, lar, viagem e Beleza. A síndrome de Stendhal e a cura pelo Afeto e a proximidade feminina. Clique na figura para ler.

IMG_1913.jpg

Crônicas da América (3)

A cidade dos Anjos (Los Angeles) e uma canção francesa dos anos 70 (“So far away from L.A.”) dão o mote para esta terceira crônica da série Crônicas da América. Confira, lendo o artigo completo: clique no link abaixo.

81zh69xxmqvxb3vwfhna0bxhq