Crônica quinzenal – O Popular (Goiânia/GO).

Imagem

A poesia e a guerra

Destacado

Crônica no Jornal O POPULAR (Goiânia), 07/03/2022

Crônica em O POPULAR

Imagem

Recorte lírico

EM meio aos cuidados que a pandemia do Coronavírus recomenda, leio e escrevo. Esta reflexão veio daí…

Leiam e cometem — e #fiqueemcasa se possível.

Continue lendo…
Morte e Vida – uma pintura a óleo sobre tela do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt

Cinzento e impalpável

Clique para ler meu artigo quinzenal na Recorte Lírico.

Meu artigo no Recorte Lírico

Ilustr. Pôr-de-sol, por Luiz-Paiva-Carapeto.
Clique no link para ler a crônica completa.

“Destarte”, quarta-feira, 06 de junho 2018

https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fadalberto.queiroz%2Fposts%2F10157398668097538&width=500

Destarte: pensar em Natal, nos faz voltar à Bondade n´Alma…

Minha Coluna em Jornal Opção Cultural Online, neste tempo da NATIVIDADE do Cristo começo uma série de artigos sobre os Poetas e o NATAL. Confira, clicando no link abaixo:

Destarte 07 DEZ 17.PNG

Destarte “Érico Nogueira” (1)

Clique para ler o artigo em Opção Cultural Online – DESTARTE.

Destarte 30 NOV 2017.PNG

“Virgílio, o pai do Ocidente”

  No centro da poesia ocidental
Virgílio, o poeta insuperável

Para ler o artigo completo, clique na figura abaixo.

Destarte 21 NOV 2017.PNG

(*) Fontes consultadas para este artigo:Bucólicas_Capa edição UnB.jpg

[1] VIRGÍLIO. “Bucólicas”; trad. e notas de Péricles Eugênio da Silva Ramos; introdução: Nougueira Moutinho, ilustr. Marcelo Lima. — São Paulo : Melhoramentos; [Brasília] : Ed. Universidade de Brasília. Col. Clássicos da UnB. 1982, pág. 23 et passim.

[1] MACY, John. “História da literatura mundial”. Tradução de Monteiro Lobato – Cia. Editora Nacional, S. Paulo, s/data de publicação.

[1] (Franklin de Oliveira, “Entrada no alumbramento”, introdução à edição brasileira de “A morte de Virgílio, Broch, Editora Nova Fronteira, 1982).

[1] Écloga I, 27: “A Liberdade que me viu ocioso, tarde embora…” (Libertas, quae sera tamen respexit inertem”), ob. cit. pág. 35.

[1] “fugit irreparabile tempus”: “Foge o irreparável tempo”.

[1] De “Henriqueta Lisboa: Melhores poemas”, seleção de Fábio Lucas, s/nr. de página.