Crítica Literária, Jorge Luis Borges, Literatura, Literatura hispânica

“A flor de Coleridge”, de Borges e JLG

BORGES

“Aqueles que copiam minunciosamente um escritor fazem-no de modo impessoal, fazem-no por confundir esse escritor com a literatura, fazem-no por supor que se afastar dele em um ponto é afastar-se da razão e a ortodoxia. Durante muitos anos, eu acreditei que a quase infinita literatura estava em um homem. Esse homem foi Carlyle, foi Johannes Becher, foi Whitman, foi Rafael Cansinos-Asséns, foi De Quincey” (Jorge Luis Borges, em Outras inquisições).

Borges.png

Toute la mémoire du monde

coleridge 1coleridge 2coleridge 3coleridge 4

coleridge 5 Histoire(s) du cinéma: Les signes parmi nous

“Em 1938, Paul Valéry escreveu: “a história da literatura não deveria ser a história dos autores e dos acidentes de uma carreira ou da carreira de suas obras e sim a história do Espírito como produtor ou consumidor de literatura. Essa história poderia chegar ao fim sem mencionar um só escritor”. Não era a primeira vez que o Espírito formulava essa observação; em 1844, no povoado de Concord, outro de seus amanuenses havia anotado: “diria-se que uma só pessoa havia redigido quantos livros há no mundo; tal unidade central há neles que é inegável que sejam obra de um só cavaleiro onisciente” (Emerson: Essays, 2, VIII). Vinte anos antes, Shelley julgou que todos os poemas do passado, do presente e do porvir, são episódios ou fragmentos de um só poema infinito, erigido por todos os poetas do universo (A Defence of Poetry, 1821).

Ver o post original 959 mais palavras

Catolicismo, Crítica Literária, Fiódor Dostoiévski, História e Crítica, Literatura russa, Otto Maria Carpeaux

Queres ler o quê? (VIII)

DOSTOIÉVSKI (1) "Existem poucos escritores cuja obra tenha sido tão tenazmente mal compreendida como a de Dostoiévski. Dostoiévski é, se não o maior, decerto o mais poderoso escritor do século XIX; ou do século XX, pois a sua obra constitui o marco entre dois séculos da literatura. Literariamente, tudo o que é pré-dostoievskiano é  pré-histórico;… Continuar lendo Queres ler o quê? (VIII)

Adalberto Queiroz, Catolicismo, Destino Palavra, Poesia Falada, Poesia Falada por Adalberto Queiroz

Queres ler o quê (VII)

Mais um Poema falado no SoundCloud. Fonte: "Destino palavra", edição do Autor, 2016, p.51/2. Queres ler o quê? Do poeta Jorge de Lima um poema- pergunta me assalta; e me lança a poço tão fundo, de tardia Samaria isolada: - Queres ler o que tão só se entrelê e o resto em ti está? Flor… Continuar lendo Queres ler o quê (VII)

Adalberto Queiroz, Adalberto Queiroz, Catolicismo, Poemas Católicos, Poemas de esperança

Comunicação no I Colóquio de Poesia Goiana, 2017

I Colóquio de Poesia UFG,  12 de Junho de 2017 - participação na Mesa coordenada pelo poeta Miguel Jubé, doutorando em Letras pela UFG; tema: "A nova poesia em Goiás". Participação minha com os poetas Edmar Guimarães, Fabrício Clemente e a poetisa Dheyne de Souza. Boa tarde! Concordando com o escritor britânico Gilbert Keith Chesterton… Continuar lendo Comunicação no I Colóquio de Poesia Goiana, 2017

Adalberto Queiroz, Catolicismo, Crítica Literária, FazerLiterário, Literatura, Literatura brasileira

Sobre Diogo Rosas G

Continuando a série de leituras sobre a novíssima literatura feita no Brasil, apresento artigo sobre o livro de DIOGO ROSAS G. divulgado em Opção Cultural, caderno dedicado à Cultura no Jornal Opção, Goiânia, ed. 2170, 13.02.2017. Para ler o artigo, clique na imagem abaixo.

Catolicismo, Fábio de Souza Andrade, Jorge de Lima, Poemas Católicos, Poesia de Esperança, Triade dos Poetas Católicos Brasil

Um “serpentário de erros”

JORGE DE LIMA em seu testamento poético criou uma longa "biografia épica" e recriou-se como poeta, na pele de um insular da poesia de nosso hemisfério Canto I, 1 Um barão assinalado sem brasão, sem gume e fama cumpre apenas o seu fado: amar, louvar sua dama, dia e  noite navegar, que é de aquém… Continuar lendo Um “serpentário de erros”

Catolicismo, Crítica Literária, FazerLiterário, Leituras e reflexão, Leituras Recomendadas, Literatura, Literatura Goyaz, Literatura norte-americana, Os invernos da ilha, Rodrigo Duarte Garcia, Rodrigo Gurgel, Romance de aventura

Meus posts mais lidos em 2016

Leitores amigos de Leveza & Esperança: Olá! As veredas da leitura e da reflexão. É o que posso dizer sobre meu persistente trabalho aqui no blog. Um exercício pessoal que vai ganhando adeptos, sem nunca ceder à mesmice e ao mainstream editorial - estou mais interessado naqueles "talvez uns dois em mil" leitores de que nos… Continuar lendo Meus posts mais lidos em 2016