image001

Sobre “Monsieur Ouine”, de Georges Bernanos : Lapaque, Asensio & Cadernos de JLK…be

ENQUANTO me preparo para escrever uma resenha do livro “Sob o Sol do Exílio¨ de S. LAPAQUE, vou lendo e relendo aqui e ali sobre G. Bernanos.
Boas surpresas ao leitor na 1a. ou enésima leitura…

O livro de Sébastien Lapaque, recém-lançado pela É Realizações, em português, eu o tenho lido em francês, na edição da Grasset, recebido em 2009 como presente de correspondentes en France (Merci à Marion & Sylvain).

Muito interessante a parte em que Lapaque trata de “Monsieur Ouine” (p.105 a 118 da edição francesa). As referências de Lapaque são consistentes e contribuem com a compreensão da obra bernanosiana, levando o leitor a buscar mais informações sobre a gestação do romance (confusão nas primeiras edições, má-recepção pela Crítica, recuperação diante do público e, finalmente, a paixão como romance de experiência e de afirmação da voz final do romancista).

“Ouine” – literalmente “Sim-Não” (Oui, Ne [pas]) foi originalmente intitulado “La Paroisse Morte” (A Paróquia morta), título que GB trocou num período que vai da primavera de 1936 (quando iniciou a escrita) até maio de 1940, quando o escritor envia (de Barbacena) a Maurice Bourdel, seu editor em Paris o Capítulo XIX do que ele próprio intitulara como o livro que representa(ria) seu “maior esforço como romancista“.

E foi em Minas Gerais que Bernanos colocou o ponto final no que Lapaque chama do livro que contém a “teologia bernanosiana da noite“. Outros tinteiros já se tinham esvaziado com as tintas negras mas não da parte de um católico. Seus irmãos da noite – como quer Lapaque (ou das tinta noturna – frères d’encre) agnósticos (ou ateus) saudaram Monsieur Ouine com entusiasmo de leitores que se identificaram com o livro – Céline, Simenon e A. Artaud.
Este último teria dito:

“Je ne sais pas si je suis pour vous un réprouvé, mais en tout cas, vous êtes pour moi un frère en désolante lucidité.”
(Antonin Artaud)

No livro “Cadernos de Monsieur Ouine” (Edit. Seuil), LesCahiersdeMonsieurOuinePezerildo Monsenhor Daniel Pézeril, Lapaque diz que o leitor tem a oportunidade de viver uma experiência interessante: como que lançar um olhar, espiando sobre o ombro do escritor em pleno interior das Minas Gerais (Pirapora ou Barbacena – fiquei em dúvida – checar onde estava GB em 1943/46?!), onde num caderno colegial barato, com a bandeira brasileira na capa, sob a divisa do “Ordem e Progresso”, o nosso francês errante colocava palavra-a-palavra, avançava linha-a-linha num esforço de meia-página por dia no que para o escritor seria seu maior esforço e seu mais trabalhoso romance à la (Georges) Simenon.

O que lhe sai ao final o mais Bernanos de sua ficção. Onde a voz de Bernanos mais se faz sentir, faz-se ouvida, não obstante a primeira reação negativa.

Capa de Monsieur-Ouine-Edit.Plon

Capa da edição incompleta (sem o 19o. cap.) do romance Monsieur Ouine, Plon, 1946. A 1a. edição da Ed. Atlântica (Rio, 1943) quase condenou o romance ao desprezo dos leitores e da crítica por ter sido publicada incompleta, cheia de lacunas e gralhas… Somente em 1951, graças a Albert Béguin, editor-amigo de GB, o romance ganhou sua versão definitiva e que ainda encanta leitores e críticos.

Sobre G Bernanos : no blog Carnets de JLK. ref. a Juan Asensio.

Leia trechos do livro de Sébastien Lapaque, no site da É Realizações.

+++++
Fonte principal – LAPAQUE, Sébastien. Sous Le Soleil de L’Exil : Georges Bernanos au Brésil 1938-1945. Paris, Bernard Grasset, 2003, 227 pp. Outras fontes cit. por links ou figuras. Todos os direitos reservados (c) Grasset, Plon, JLK, Asensio, Lapaque.

Aos amantes do Francês Errante, deixo este recorte...de 1970.

Aos amantes do Francês Errante, deixo este recorte…de 1970.

Um livro importante para o sr. Edson e equipe É Real. publicar... Tenho-o traduzido em parte, viu!?

Um livro importante para o sr. Edson e equipe É Real. publicar… Tenho-o traduzido em parte, viu!?

Meu amigo-virtual (um irmão bernanosiano, mais preparado e mais lido), o polemista Juan Asensio escreveu e JLK transcreveu e comentou o que chama de “salamalec” à Asensio… Preguiça de traduzir por ora… quem sabe mais tarde, ao longo do feriadão?!
“Il faut lire et relire Monsieur Ouineaujourd’hui, comme on lira bientôt La Route de Cormac McCarthy, sans se demander si nos contemporains sont encore « dignes » de ce livre et qui le comprendra. Juan Asensio insiste sur l’ « apophatisme bernanosien » comme si le roman ressortissait essentiellement à une théologie négative, sans souligner assez, me semble-t-il, l’affirmation christique secrète et traversante de ce livre, qui recrache le tiède pour mieux figurer les avatars inattendus voire infinitésimaux de l’Amour. Monsieur Ouine, dans l’interprétation d’un René Girard, pourrait être dit le roman de la médiation interne portée à son point extrême, comme il en va des romans de Dostoïevski. Comme celui-ci, mais par une voie plus droite, Bernanos dépasse la tentation du désespoir et mime la sortie du cercle vicieux, comme « par défaut ». L’esprit d’enfance, au sens évangélique, irradie le tréfonds de ce livre glauque et même sale, alors même que cette souillure apparente échappe à la damnation réelle du froid et du non-être – ce que Juan Asensio décrit justement : « Le Mal c’est le froid, le Mal c’est le néant, le Mal n’est rien d’autre, finalement, que l’ennui, ce dernier parvenu à son plus idoine état de desséchement »…” (Do blog http://carnetsdejlk.hautetfort.com/bernanos/).
Juan Asensio. La littérature à contre-nuit. Sulliver, 2007.

(c)François_Barraud Femme_au_livre

2 Tecelãs de Goyaz: poetisas goianas e sua arte…

CLIQUE NO LINK para acessar o arquivo do SoundCloud>>>>
Adendo sonoro a Tecelãs de Goyaz, poetisas de minha terra

DarcyFrancaDenofrio

(c)http://www.statos.com/

Sônia Maria dos Santos e o autor deste blog.

Sônia Maria dos Santos e o autor deste blog.

(c)François_Barraud Femme_au_livre

(c)François_Barraud
Femme_au_livre

Poesia falada especial Emily Dickinson

image 
Basta clicar na figura para ir ao LibriVox e achar poemas de Emily lidos por voluntários do projeto LibriVox.

Beto Queiroz

Projeto “Poesia Falada”, uma antologia

Adendo

Alvorada (…)

Adalberto Queiroz:

Na praia do Pecado, Nelsinho lê os “Cadernos de Sizenando” e este autor sente-se no paraíso…

Publicado originalmente em Mukandas do Nelsinho:

Soleil

Amanheci uma vez mais na Praia do Pecado, espectador embevecido do nascimento do Sol. Fotografei com o mesmo entusiasmo e admiração numa jamais repetida repetição, porque não existem dois nascer-do-Sol iguais, duas fotos iguais, dois estados de alma iguais. A Natura improvisa magistralmente a cada segundo por mim respirado, suas policromáticas e fortes pinceladas sobre o Pano de Cena do imenso palco do Espetáculo da Vida…

…Depois, arrasto-me de volta ao meu status de mortal subjugado às vontades de outros mortais subjugados, que o são a uma cadeia hierárquica subjugada ao lucro, ao lucro, pelo lucro que é conditio sine qua non. Sem lucro, sem atividade – sabemos. E sem atividade, reflito, eu representaria o nascer do Sol em gravura rupestre, não em fotografia. Não falta neste mundo quem deseje e mate pela volta às cavernas. Eu não me importaria, contanto que as cavernas tivessem geladeiras, fogões, camas, etc…

Ver original 132 mais palavras