Bem-vindos, novos leitores!

Posted on Updated on

Welcome!
Após a palestra no PMI/GO…10o. Seminário, hoje em GYN, o WordPress me disse: Wow, estatísticas bombando.
Fico feliz com sua visita. Sinta-se acolhido(a) e à vontade para comentar.

Abraço do Beto.
********************
Clique na figura para acessar o texto de apoio à palestra.
PalestraSlide#1

Elogio a Provence

Posted on

Adalberto Queiroz:

Toujours Provence!

Publicado originalmente em Leveza & Esperança:

A primeira vez em que fui à Provence, nem sabia em que importante endereço estava…
Provence par Van Gogh
Dito assim, parece que se trata de um navegante perdido num mar de azeite e vinho Vacqueyras, mas não, eu vos afirmo: ali estava este blogueiro encantado mas perdido, porque deixado fora numa gare TGV, com um enorme armário de aço (sem lado de ser carregado) – frente a uma agenda de reuniões em que a minha mulher engenheira teria muito que fazer e eu muito o que descobrir.

Estava a poucos quilômetros de Apt e nem sabia que o publicitário inglês faria o mundo se encantar pela pequena vila com sua feira inesquecível, antes que tantos descobrissem – como eu o havia feito, por conta própria, a beleza de uma feira francesa. No meu caso, na pequena e charmosa Brive la Gallairde. Mas eis que a região e a viagem eram outras e…

Ver original 869 mais palavras

O relativismo “Pós-moderno”: o que é ou quando é Poesia?

Posted on

Adalberto Queiroz:

Do confrade-tradutor e pensador da cultura, Wagner Schadeck.

Publicado originalmente em LIVRAMENTO:

Se nos estudos da História a sua própria definição essencial serve para revelar-lhe a característica intrínseca de ser mutável, no caso da poesia, se assim fizéssemos, estaríamos fadados ao fracasso, como veremos.

Qualquer tentativa de definição enreda um limite que, no caso dos métodos científicos, são os paradigmas racionais sem os quais não há Ciência. Não é à toa que sua utilização nos estudos das artes, por ser de ordem espúria a quaisquer fenômenos artísticos, embora bastante usado pelas interpretações positivistas até pouco tempo, em voga em nossos livros didáticos, foi veementemente criticada por Sontag, em Contra a Interpretação, de 1966.

De fato, mantendo as tendências críticas daquela época efervescente, neste livro Sontag (1987) denunciará tanto o freudismo[1] quanto o marxismo como modelos hermenêuticos racionalistas, completamente estranhos à arte.

Certamente, como nos lembra bastante bem, Tarkoviski (1998, pp. 113 – 118), o século XX foi o resultado de…

Ver original 870 mais palavras

Campanha pró-Poesia Byron na Anticítera

Posted on Updated on

Lord Byron na Anticítera.
A peregrinação de Childe Harold, de Lord Byron Um dos maiores poemas da história da poesia ocidental, traduzido em versos por Francisco J. P. Guimarães, em edição luxo, com capa dura, sobrecapa e marcador de página em fita. Precedido de apresentação, o poema é acompanhado por diversas notas e imagens de edições antigas. R$ 40, 00 + frete


Eu apóio esta iniciativa. Participe
!DesenhoPerfil_Lord_Byron_Poetry_Volume_4_frontispiece

Último pio do poetinha “Vargas”

Posted on Updated on

DO ARTIGO DO amigo e parceiro do poeta Pio Vargas, hoje presidindo a Ube/Go, meu caro escritor e advogado Edival Lourenço em Colunistas Revista Bula.

Edival Lourenço em “Colunistas – Revista Bula”, 19-AGO-2015. “Até ho­je mui­tas pes­so­as di­zem que fui uma es­pé­cie de pai li­te­rá­rio de Pio Var­gas, que fui seu ori­en­ta­dor, a pes­soa que o co­nec­tou com a po­e­sia con­si­de­ra­da de boa qua­li­da­de. Eu mes­mo che­guei a ali­men­tar es­sa ilu­são por al­gum tem­po. Mas olhan­do ago­ra de lon­ge, pe­la pers­pec­ti­va que o tem­po nos dá, acre­di­to que há um equí­vo­co em tu­do is­so. Na ver­da­de, se há um pai li­te­rá­rio nes­sa re­la­ção, eu é que sou fi­lho de Pio Var­gas.” (E.L.)

DESPERTÁCULO
*Último poema de PIO VARGAS (1964-1991)

Es­tou pron­to
pa­ra a guer­ra que en­con­tro
quan­do acor­do:

bo­tei vi­gia nos sen­ti­dos
e ilu­di com com­pri­mi­dos
ou­tros se­res a meu bor­do.
Aban­do­nei o ví­cio
de es­tar sem­pre
a so­le­trar ru­í­nas,
dei li­ber­da­de a meus de­ten­tos
mi­nha pres­sa di­lu­iu nos pas­sos len­tos
e ras­guei
meu ca­len­dá­rio de ro­ti­nas.

In­ver­ti a or­dem.

Já não saio por aí
a de­vo­rar com­pro­mis­sos,
to­mei pos­se no go­ver­no de mi mes­mo
e der­ro­tei os meus omis­sos.

Ven­ci a ba­ta­lhas
de ter que es­tar sem­pre por per­to,
às ve­zes voo pa­ra den­tro
do meu so­nho a céu aber­to.

Es­tou pron­to:

eu já con­cor­do
com a guer­ra que en­con­tro
quan­do acor­do.
********************

(*) Dentro da cooperação e fraternidade literária surgida entre o “pai” e o “filho” (que se revezavam na amizade literária), havia sólida cumplicidade. Com o desaparecimento precoce do poeta, Edival recebeu da esposa de Pio um envelope e relata o que continha e o que ocorreu na noite anterior à morte:

<<“Na­que­la noi­te ele ain­da dei­xou com a Edi­le­ne Na­ves, sua mu­lher, um en­ve­lo­pe la­cra­do pa­ra ser en­tre­gue a mim. Den­tro con­ti­nha um li­vro de tí­tu­lo sin­to­má­ti­co: “Tu­do Que é Só­li­do Des­man­cha no Ar” (do americano Mars­hall Berman) e um po­e­ma pa­ra eu com­ple­men­tar. Com sua mor­te no dia se­guin­te, con­cluí que o po­e­ma es­ta­va pron­to. Por­tan­to nun­ca o com­ple­men­tei, e nun­ca vou com­ple­men­tá-lo. É a pri­mei­ra vez que mos­tro es­se po­e­ma, que tem um tí­tu­lo su­ges­ti­vo: “Despertáculo”.>>

LEIA MAIS poemas do Pio Vargas em seleta de Salomão Sousa, no website de Antonio Miranda.

A estatura do poeta Tasso (i)

Posted on Updated on

– MAS POR QUE ler e pesquisar um poeta tão velho?
A pergunta vem de gente instruída, leitores de boa cepa, conhecedores da literatura da hora e da antiga.
Não me surpreende tal desconhecimento, em relação ao Tasso da Silveira, quanto me chocou o mesmo, ao eleger o Augusto Frederico Schmidt como alvo de uma homenagem ao Cinquentenário de seu último livro (Sonetos) – o evento que realizamos, com sucesso, no primeiro semestre deste ano 2015 teve de superar o estigma do “poeta velho”.
HomeroPoeta Tasso-da-SilveiraTorquato Tasso

Minha resposta em um modo meio embaraçado é mais ou menos na linha do pesquisador que ama o assunto pesquisado. Então, hum…
Por dentro, respondo em silêncio:
– Velho? Imagina. Perto de Homero é uma criança saída dos cueros, como o outro Tasso (o Torquato) é um jovem adulto.
Não há idade na boa Poesia ou se prefere use a metáfora do vinho etc. etc.
Portanto, prossigo com minha leitura encantada da obra de um dos maiores poetas do Brasil no século passado. Poeta Tasso da Silveira_Bico-De-PenaIsmailovitch

Então, dá-se que descubro um artigo do professor José Carlos Zamboni (ver link abaixo para ler a íntegra) – o que só me fez caminhar para uma certeza: o que seria uma palestra-artigo sobre “A tríade dos poetas católicos do Brasil” há de se tornar um ensaio sobre um quarteto, em que o 4o. elemento passa de coadjuvante a protagonista. Agora são 4: Augusto, Jorge, Murilo e Tasso.

Assim provocou-me o professor Zamboni, falando sobre o Tasso da Silveira – entre os demais católicos escritores ao falar de “nomes como os romancistas Cornélio Pena, Lúcio Cardoso, Octavio de Faria (cunhado de Alceu), Gustavo Corção, José Geraldo Vieira, Plínio Salgado; e poetas como Tasso da Silveira, Murilo Mendes, Jorge de Lima, Augusto Frederico Schmidt, e até o Vinícius de Moraes da primeira fase (que depois trocaria o catolicismo da juventude pelo animismo panteísta dos terreiros de candomblé). Não se deve excluir desta lista nem o poeta Manuel Bandeira, que foi recuperando a fé à medida que envelhecia, nem Mário de Andrade, católico que fingia não o ser…

“O mais homogeneamente católico dos nossos poetas católicos foi sem dúvida o curitibano Tasso da Silveira, cuja obra se encontra infelizmente esquecida dos editores e do público. Quando for reeditado, os futuros leitores de poesia tombarão de espanto (na remota hipótese dessa espécie, a dos leitores de poesia, sobreviver aos predadores culturais desta e das próximas décadas).

“UM POETA a ser lembrado sempre. Curitibano, cantou sua terra, viveu a poesia mesmo com a vista cansada lhe faltou. A história do “mais homogeneamente católico” dos poetas-católicos-poetas do Brasil assim se pode contar.”

Poetas católicos do Brasil
Por José Carlos Zamboni*

“Num país e numa época em que os principais críticos literários brasileiros eram homens sem fé religiosa, ou já sem entusiasmo pela fé, a conversão e militância católica de Alceu de Amoroso Lima foi uma extraordinária novidade, de extensa repercussão, sobretudo a partir de 1928, ano em que assumiu a direção do Centro Dom Vital e de sua revista “A Ordem”, criados em 1922 por Jackson de Figueiredo (mesmo ano da exageradamente famosa semana de arte moderna paulista). Jackson morreu prematuramente, em 1927, e foi o principal responsável pela conversão de Alceu.

”Ainda está por ser feito o estudo definitivo da importância do Centro Dom Vital e de sua revista “A Ordem” para o pensamento brasileiro, responsáveis pela criação de uma mentalidade cultural cristã disposta a discutir a realidade contemporânea e nela seriamente influir. Aquele periódico criou uma atmosfera favorável à expressão e expansão de uma corrente literária espiritualista, basicamente católica, que reunia nomes como os romancistas Cornélio Pena, Lúcio Cardoso, Octavio de Faria (cunhado de Alceu), Gustavo Corção, José Geraldo Vieira, Plínio Salgado; e poetas como Tasso da Silveira, Murilo Mendes, Jorge de Lima, Augusto Frederico Schmidt, e até o Vinícius de Moraes da primeira fase (que depois trocaria o catolicismo da juventude pelo animismo panteísta dos terreiros de candomblé). Não se deve excluir desta lista nem o poeta Manuel Bandeira, que foi recuperando a fé à medida que envelhecia, nem Mário de Andrade, católico que fingia não o ser.” (José Carlos Zamboni em “Poetas católicos do Brasil”).

Da tríade elevada ao quarteto e a importância do 4o. elemento. Eis o meu delicioso desafio da hora presente.

Mini-bio de TASSO DA SILVEIRA (1895-1968).LivroTassodaSilveira_CancoesCuritibaPoeta Tasso-da-Silveira

Murilo Mendes, retrato by Guignard.

Poeta e escritor nascido em Curitiba (Paraná, Brasil). Formado em Direito,  no Rio de Janeiro. Considerado um dos representantes da ala espiritualista do modernismo, ao lado de Cecília Meireles e Tristão de Ataíde. Pertenceu ao Jorge de Lima_Foto Retocadagrupo da

O grande lírico, o
O grande lírico, o “poeta-gordo”, o poeta do amor, do mar, da morte. O poeta de Deus.

Revista Festa, da qual foi um dos fundadores. Estreou como poeta com Fio d’Água, em 1918. Somente a partir do terceiro livro — Alegorias do Homem Novo—, em 1926  é que adere ao verso livre.

Seleta
A seleção de poemas de Antonio Miranda é uma amostra representativa da poesia de Tasso da Silveira e eu a li com alegria, mas o pequeno volume “Canções a Curitiba & Outros Poemas”, intr. e seleção de Cassiana Lacerda Carolo, editado pela prefeitura de Curitiba no centenário do poeta em 1996, na coleção Farol do Saber* provê ao leitor visão mais ampla da obra poética de Tasso.

Da SELEÇÃO de Antonio Miranda…entre as jóias do “mais homogeneamente católico” dos ‘católicos-poetas’ do Brasil.
***********************************
O ÚLTIMO SONETO

AINDA hoje a Vida, a carcereira,
deu-me, por entre as grades da prisão,
a minha bilha de água verdadeira
e o meu pedaço humílimo de pão.

A fome fez da minha boca mendigueira
uma cítara, e a sede deu-lhe a afinação
que têm as folhas outoniças da amendoeira
para os dedos sutis da viração.

Assim, cada bocado de centeio
que trituro nos dentes, sabe-me, antes,
a um manjar esquisito e sem igual.

E cada sorvo de água, fresco e cheio,
vibra em meu paladar cordas ressoantes
de secreta lascívia espiritual.

************************************

LIBERTAÇÃO

NOSSOS desejos se purificaram
e o nosso pensamento
foi subindo, ascendendo, serenando…

Nossas paixões se altearam
como o vento,
que, depois de varrer o pó do chão,
para as estrelas tremulas se eleva,
e, mais alto que a sombra, além da treva,
fica ressoando,
longe e livre, na ignota solidão…
++++++
Fonte: SILVEIRA, Tasso da. O Canto absoluto seguido Alegria do mundo. Poemas. Rio de Janeiro: Edição dos Cadernos da Hora Presente, 1940. 143 P. 15X21 cm. “ Tasso da Silveira “ Ext. bibl. Antonio Miranda.


| Do livro “Canções a Curitiba & Outros poemas” |

INVERNO.
(c) Tasso da Silveira.
**************************
Chegou junho …
E Curitiba vestiu-se toda de branco
e apertou o seio túmido,
que cheira a malva, em rendas alvas,
e pôs no cabelo a estrela da manhã
pensando que o sol claro
era um príncipe louro e jovem
que vinha
todo coberto de ouro,
pedir-lhe a mão …
Oh, logo à noite, ela porá, sem dúvida,
o seu colar de fogueiras de São João …
++++++++
PENSAMENTO
A Jackson de Figueiredo.

Ah! ventura de ser a pedra informe
que não sonha, não pensa, não cogita,
e dentro da mudez erma e infinita
do próprio ser eternamente dorme …

A dor suprema, o orgulho desconforme,
o ódio a sangrar, – tudo o que em mim se agita –
devo-o à centelha dessa luz maldita
que mais negra me faz a treva ernome …

O mal que dela nasce, o mal tremendo,
foi subindo … aumentando … foi crescendo,
e hoje minha alma toda inteira inunda …

E hei-de ir em busca do Último-Momento,
vendo que se me torna o Pensamento
uma ferida cada vez mais funda ! …
******************************************
Do livro “Canções a Curitiba & Outros Poemas”, Tasso da Silveira, Farol do Saber, Curitiba, 1996, edição do Centenário do Poeta. p. 14 e 38/39.

FIO D’ÁGUA (1918) – poema 1
(sem título)
******************************************************
(c) Tasso da Silveira.

Fio d’água, humilde e brando,
Da transparência dos cristais:
Tão claro e límpido vais
Cantarolando,
Que deixas ver, lá, no fundo,
A areia fina alvejando …
Tão diáfano ! Até parece
Que a areia é que vai cavando …
Verso meu, fio d’água oriundo
Da fonte da dor … pudesse
(Ai de mim!)
Fazer-te tão claro assim,
que se visse, lá no fundo,
– só – minha alma cantando
ou soluçando …
++++++++++++++++++++++

O POÇO
O poço estreito e profundo
é que era o centro do mundo.
Havia outras coisas mais:
a cerca de ripa tosca,
além da cerca, o banhado,
onde as rãs em tom maguado,
cantavam na noite fosca
velhas cantigas irreais:
vago, perdido, distante,
no descampado da frente,
o dormente chafariz,
ensinando a toda gente
seu jeito de ser feliz.

Mas o poço é que era o centro
do mundo, com a água inquietante
dormindo, a sonhar, lá dentro.
Quando a branca madrugada
surgia no azul etéreo,
do fresco e puro mistério
do poço é que, em debandada,
a matinal passarada
erguia o vôo triunfante.
E quando a sombra suspensa
sobre o mundo, serenava
meu juvenil alvoroço,
as estrelas fascinadas
tombando da noite imensa
caíam na água do poço.
*******************************
Tasso da Silveira, “Canções a Curitiba & outros poemas”, edição do centenário do poeta. Farol do Saber, Curitiba, 1996. Ilustr. bico-de-pena de Dimitri Ismailovitch, 1961, retrato de Tasso da Silveira (do livro citado, p.xxv).


Coda – o último poema.
Solilóquio (i) – Tasso da Silveira(*) – Nota do livro citado:
“Este foi o último texto ditado por Tasso da SIlveira a sua mulher. Este livro [Regresso a Origem, 1960] integra textos de um período no qual o poeta já havia perdido a visão, e tinha em sua mulher uma companheira de trabalho a quem ditava seus versos. Contam os filhos que este texto foi ditado à noite, como que antevendo a morte da mulher no dia seguinte. Como o pássaro que ficou só depois que o outro ergueu o vôo,Tasso da Silveira deixou definitivamente de escrever.” (in Canções…p.123, nota do editor).

Soliloquio_Poema de Tasso Da SilveiraPara finalizar, deixo um estudo de O.M. GOMES “Tasso da Silveira e seu Itinerário Luminoso”/. Aproveitem e apaixonem-se pela poesia de deste poeta que merece estar no panteão dos católicos poetas do Brasil. Clique neste link.Tasso e seu Itinerário Luminoso (O.M.Martins)