Destarte, #3 – O futuro da Poesia

LEIA minha coluna desta sexta-feira, excepcionalmente não publicada na quinta-feira —, em virtude do evento de lançamento do meu “Frágil armação”(2a. edição), editado por Livraria e Editora Caminhos.
Clique no link para ler na íntegra.
Destarte 15 09 2017

As diversas espécies de um mundo em extinção

W Whitman - Cristo Carpinteiro

Na minha coluna de hoje, em Opção Cultural, Cunningham é o mote para eu escrever sobre Whitman – crítica de “Dias exemplares” (romance de Michael Cunningham).

Confiram, clicando na figura abaixo, para ler todo o artigo.Destarte 31 AGO 2017.JPG

Queres ler o quê? (VIII)

DOSTOIÉVSKI (1)
Existem poucos escritores cuja obra tenha sido tão tenazmente mal compreendida como a de Dostoiévski. Dostoiévski é, se não o maior, decerto o mais poderoso escritor do século XIX; ou do século XX, pois a sua obra constitui o marco entre dois séculos da literatura. Literariamente, tudo o que é pré-dostoievskiano é  pré-histórico; ninguém escapa à sua influência subjugadora, nem sequer os mais contrários. Parece, porém, que toda a Europa tenta resistir-lhe, instintivamente e obstinadamente; e como esse bárbaro barbado, com a face sulcada de sofrimentos, parece irresistível, os europeus entrincheiram-se, ao menos, num baluarte de interpretações erradas.

O texto acima abre o artigo “Ensaios de interpretação dostoievskiana” em “A cinza do purgatório”, do crítico austro-brasileiro Otto Maria Carpeaux. A análise do pensamento político do escritor russo, feita por Carpeaux dá conta do que o analista chama de “interpretações erradas” diante da rica produção deste “bárbaro barbado“, pois que a Europa fixa-se no pan-eslavismo do autor que seria “um escritor político” – e, acentua o crítico austro-brasileiro: “e o é apaixonadamente”.

Para Dostoiévski político – e isso aparece não só nas “Recordações da casa dos mortos” mas, principalmente, nos “Irmãos Karamazov” trata-se de afirmar a decadência do Ocidente, a apostasia da Igreja Católica Apostólica Romana, “pregando o domínio universal dos eslavos ortodoxos”.

É irritante, constata Carpeaux, que para aprovar o escritor, tenha o leitor europeu ou ocidental (nós, brazucas, aí incluídos) que “aceitar as convicções políticas“. Não. É o que prova o belo ensaio. Podemos, adotando uma postura de C.S. Lewis, na polêmica católicos romanos versus anglicanos, falar apenas daquilo que nos une.

Se olharmos para o escritor que “fixa – com segurança, as paisagens da alma“, esse passo fica mais fácil de ser dado. Este é passo decisivo para encontrarmos o “terreno comum” entre o leitor católico romano (ou o protestante, anglicano etc) e o ortodoxo Dostoiévski, assegura Carpeaux. Para isso, é mister esquecermos o Dostoiévski que, apesar de irritar-se com a revolução política (e o advento do socialismo na Rússia), “luta pela revolução social” (similarmente ao outro grande russo Tólstoi).

O campo comum é que no fim e ao cabo, “Dostoiévski é cristão. Nós também”. Esse, no entanto, não seria ainda – para Otto Maria Carpeaux – o “campo de encontro“, porque “Dostoiévski nos recusa o direito de nos chamarmos cristãos”.  Para o escritor russo, estão lado-a-lado em “O grande inquisidor” o padre romano e o operário londrino, o burguês parisiense e o professor de Heidelberg – acentua Carpeaux.

Na censura dostoievskiana à Igreja romana, coube ao cônego e teólogo católico alemão Paul Simon a melhor defesa, ensina-nos Carpeaux: quando Dostoiévski acusa a Igreja Romana de não ser a igreja de Deus mas unicamente a igreja dos homens, cai numa especia de “… censura [que] é arquivelha; ela foi destruída e volta sempre, cada vez mais violenta. Isto – diz o cônego – deve ter uma causa profunda; e – continua – se nisto não há verdade, deve haver uma “possibilidade”. “A Igreja romana não é espiritualista” – como deseja o ortodoxo Dostoiévski, “ela é a Igreja de Deus e a igreja dos homens, ao mesmo tempo. Ela é, até, profundamente humana; daí vem a eterna “possibilidade” de “humanizar-se”… ou para lembrar o título já clássico de Jacques Maritain, é o “espaço” que une “a Pessoa da Igreja a seu Pessoal” – com suas misérias e sua Graça infundida.

Esse “humanizar-se” de que nos fala o cônego Paul Simon é estendido e entendido por Carpeaux como uma possibilidade de “humanizar-se mesmo demasiadamente, razão por que no dizer de Rosmini, “as cinco chagas do corpo humano do Cristo não cessam de sangrar sobre o corpo da sua Igreja” – numa paráfrase às Cinco chagas da Santa Igreja…

Mas é justamente por isso, assevera Carpeaux, que a Igreja deve ser a rocha de nossa condição humana, a advogada da humanidade perante o trono de Deus.” 

E a coda do ensaio não podia ter senão a mesma beleza humana (e crítica) dos melhores textos do católico Otto Maria Carpeaux: “A Europa deixou, há muito tempo, de ser cristã. Porém, enquanto viver, continuará humanista. A Rússia nunca foi humanista, mas continuou, assim mesmo, cristã, até ao risco de deixar de ser humana. A morte temporal ou espiritual, nos espreita, cá e lá. Aqui, o humanismo descristianizado, petrificado na letra morta da filologia ou endurecido no disfarce de um neocatolicismo neopagão. Lá, o cristianismo desumanizado, petrificado pelo dogma da Igreja sectária ou endurecido pela dissimulação do evangelho socialista [presentemente quase inteiramente superado, digo eu, em 2017!] – Mais claramente: esses perigos já não nos espreitam, eles nos devoram. Cumpre recomeçar. Cumpre recristianizar o mundo e a fé, por um esforço de síntese, por um “humanismo cristão”, que lance uma ponte sobre o abismo.”

dostoievski

Sabendo assim o que nos separa daquilo que nos une ao “barbado bárbaro” Fiodor M. Dostoiévski”, Carpeaux nos recomenda transigir diante da “face barbada, sulcada pelos sofrimentos. O que nos une é o Cristo; et tout le reste est littérature. (1)

Assim procedendo, Dostoiévski continuará atual e desafiador ao humanista cristão que o lê sem ser o intransigente leitor católico romano pronto a desafiá-lo a um duelo imaginário.

+++++
Fonte: Otto Maria Carpeaux, “A cinza do purgatório“, Livraria Editora Danúbio, 2015, p.161/169. (1) em francês, no original: e o resto é literatura.

Rascunho

Feliz com a publicação de minha primeira colaboração no jornal Rascunho. Resenha sobre o livro “O método Albertine”, de Anne Carson, na edição nr. 206, junho/17 – , que, em breve, deverá estar online no site do jornal.

Por ora, fica o registro aos amigos do blog.♣

Meu artigo em Rascunho Jun2017

*O site e o autor são os mesmos, mas o nome da minha empresa de ação cultural encima a página a partir de hoje! Obrigado ao João Paulo pela criação do logotipo.

Shakespeare, 400 anos depois…

Exposição Biblioteca Central da Florida International University (FIU)

400 depois…Shakespeare 400_iii
O POETA-DRAMATURGO INGLÊS ESTÁ VIVO e influenciando muitos escritores ao redor do mundo.

Bem que os políticos brasileiros poderiam tomar umas lições com o bardo inglês, não é?

2 ou 3 coisas que Shakespeare poderia ensinar aos políticos brasileiros, com o Prof. João Cézar de Castro Rocha.

E mais, saiba sobre a celebração da memória do poeta-dramaturgo inglês.
http://www.folger.edu/the-shakespeare-first-folio-folger-copy-no-68#page/To+the+Reader/mode/2up

Ercília Macedo-Eckel relê e interpreta os Cadernos de Sizenando

DEVO meu amor à literatura, em grande parte, à escritora Ercília Macedo-eckel, pois foi ela a pessoa que me ensinou muito do que sei de nossa língua portuguesa e sobre a literatura em geral, quando foi minha professora no CCM, em Anápolis,na décADA de 60 do século passado.
eRcília é Mestra em Literatura e escritora de reconhecido talento – membro da Academia Feminina de Letras e Artes de Goiás, sócia da União Brasileira de Escritores – ube/gO e da Academia Petropolitana de Letras – RJ. Mestra em Letras pela UFG. 
Ercília analisa os Cadernos em aprofundada leitura
Curriculum reduzido de Ercília Macedo-Eckel

POIS BEM, através de Anatole Ramos reencontrei Ercília Macedo-Eckel na década de 80 em Goiânia e, agora, ela me brindou com um presente de Natal – um estudo aprofundado dos “Cadernos de Sizenando” que este ex-aluno e para sempre admirador da “professora Ercília“, só tem a agradecer.
O estudo que chegou para o Natal agora virou artigo…

Escritora Ercilia Macedo-Eckel
Lançamento de “Cadernos de Sizenando”, na FNAC Flamboyant, Ercília Macedo-Eckel e o Autor

Como na epígrafe do livro, aqui repito Gilbert Keith Chesterton (GKC):

…a prova de toda felicidade é a Gratidão“, portanto, só me resta dizer:
– Obrigado, amada professora!

Recebo com o coração e a mente em humilde atitude de aluno diante da Mestra, este estudo sobre meu livro de poemas & crônicas hoje publicado no Diário da Manhã – o que me deixa feliz e muito honrado (veja link abaixo). Ercília mostra com este artigo que leu, entendeu e bem decodificou a “mensagem” (o propósito) de seu ex-aluno, sabendo dali tirar, com generosíssima apreciação, muito do que o pupilo lhe servira em letra impressa.

LEIA O ESTUDO CRÍTICO em Diário da Manhã.

 

Adalberto em foto de Mônica Parreira.
O Autor é analisado em “Cadernos de Adalberto de Queiroz (Sizenando)” – DM, 25/01/2015              Foto: Mônica Parreira.