A VITÓRIA DA SANTIDADE SOBRE AS NEUROSES

Pude compreender bem o versículo de S. Paulo: ” “…a tribulação produz a paciência, a paciência prova a fidelidade e a fidelidade, comprovada, produz a esperança. E a esperança não engana”. Obrigado, prof J.C. Zamboni.

Opus Matris Dei

O homem atual não aceita mais o sofrimento e a morte, que seriam produtos de um Deus imperfeito, a ser permanentemente recriado e aperfeiçoado pela ciência e a tecnologia humanas. É certo que para a dor já existem analgésicos bastante eficazes, mas não há remédio ou cirurgia que possam dar cabo definitivamente do aguilhão da morte: a ela pertence a vitória final. A morte é o irremovível obstáculo que ainda frustra a tão desejada autodivinização humana.

Para o cristão, ao contrário, o sofrimento nunca foi e jamais será uma coisa inútil. Quando suportado com a sabedoria da fé — que não é obra humana, mas da graça —, a dor entra como ouro puríssimo, de vinte e quatro quilates, no sagrado comércio da “comunhão dos santos”, esse intercâmbio de intercessões e oferendas que une num só conjunto espiritual — o “corpo místico” de que falava São Paulo — as almas…

Ver o post original 580 mais palavras

COMO SE TECE A CRÍTICA LITERÁRIA?

Destacado

Muito feliz por ter um leitor dessa qualidade (e generosidade). Obrigado, professor Zamboni.

Opus Matris Dei

A crítica literária de inspiração católica — e universalista em sua aplicação — parecia coisa desaparecida na literatura brasileira, e eis que surgiu, não faz muito tempo, Os fios da escrita, uma coletânea de ensaios literários do escritor e poeta goiano Adalberto de Queiroz [v. blog do autor aqui]. O livro saiu em 2020 pela editora baiana Mondrongo, de Itabuna.

O autor insere-se na tradição brasileira do ensaio jornalístico: os textos, que compõem o livro, foram escritos para o jornal goiano Opção, e pensados para o leitor que gosta de literatura, mas sem formação especializada, livres das amarras terminológicas e das firulas mentais que a crítica acadêmica, dita pós-moderna, introduziu entre nós.

A maneira de construir o texto ensaístico, adotada por Adalberto de Queiroz, pressupõe o livre jogo das ideias, conceito que atrai conceito, não por um associacionismo caótico, mas obediente a uma sutil costura de quem…

Ver o post original 386 mais palavras

“A tristeza de não ser santo”, Zamboni, via Léon Bloy

Destacado

O professor José Carlos Zamboni fala sobre a frase do francês Léon Bloy, de maneira notável. Leiam-no todos!
“É possível aprender alguma coisa com os santos? Descobrimos algo parecido à felicidade — que nada tem a ver, obviamente, com a alegria dos sentidos — quando enfim abrimos mão de pretender decidir, só com nosso limitado discernimento pessoal, sobre as questões fundamentais da vida, e convocamos o auxílio de algum grande santo. A santidade quase perfeita dos grandes santos é a única janela aberta para o outro lado, o lado verdadeiro, a verdade sem nenhum véu de disfarce. Eles souberam, afinal de contas, como viver e como morrer segundo a vontade de Deus. Continua no link. Clique na imagem para partir…

Santo Agostinho de Hipona (354-430)

Vocação nacional para a “pagodeira”

Destacado

Um texto do emérito professor J.C. Zamboni. Imperdível.

Opus Matris Dei

O desinteresse dos nossos cursos universitários de Letras pelos clássicos mais antigos parece que é congênito ao povo brasileiro. Tudo isso já estava lá, no começo de tudo, na época dos jesuítas e das primeiras caravelas.

Padre Serafim Leite, no primeiro volume de sua vasta e erudita História da Companhia de Jesus no Brasil, mostra com fartura de exemplos o imenso trabalho que os padres da Companhia de Jesus empreenderam, mundo afora, para aprimorar seu método de ensino, o “Ratio Studiorum” (estudo racional, sistemático), que inegavelmente contribuiu para o desenvolvimento da civilização ocidental. O método previa três graus, ou áreas, como preferimos dizer hoje: Letras Humanas, Filosofia e Teologia.

Letras Humanas, que vinha após o ensino elementar, equivalia ao nosso ginasial e se dividia em Retórica, Humanidades (literatura antiga e história) e Gramática (elevada, média e básica). Segundo os jesuítas, a principal preocupação do adolescente devia ser o domínio…

Ver o post original 564 mais palavras

Cultura literária medieval (3)

Destacado


Eis aqui a parte final da série sobre a cultura literária medieval.

Cultura literária medieval (3)

Ainda na minha cruzada pela boa informação sobre a Idade Média, tenho sobre a mesa outro livro do consagrado medievalista brasileiro de saudosa memória – o professor Segismundo Spina, meu mestre na viagem que refaço, e para a qual convido novamente o benévolo leitor a me seguir, sempre alertando que é preciso encontrar guias seguros para entender este período da história. Continue lendo…

Cultura literária medieval (3/ final)

Leiam todos, o artigo (a série, diria), é um antídoto à desinformação que faz comum e aceitável que jovens bem formados ainda considerem a Idade Média como uma época de atraso e que não mereça sequer ser estudada a fundo [PERNOUD, 2016[i]] e alguns destes mesmos universitários possam considerar um documento escrito na Mesopotâmia, no distante ano 2100 a.C. como literatura da idade Média.

Cultura medieval – parte 2

Uma poção, um deslize: amor e morte no Medievo

Leiam, todos – ainda que poucos…

Cultura literária medieval (2)

Seravô

Ser avô.

Mukandas do Nelsinho

Quando eu era neto pequeno e achava o meu avô muito velho, eu não fazia idéia de que viveria o suficiente para vir a ser o que sou hoje: um avô muito velho, no entendimento dos meus pequenos netos. Pensando um pouco, eu poderia muito bem ser chamado de muito velho pelos meus pequenos bisnetos, caso alguma das minhas filhas houvesse privilegiado ser mãe antes de obter uma graduação. Mas isso não aconteceu e, após as graduações, elas privilegiaram pós graduações, lutas homéricas pelo ingresso no mercado de trabalho e sobrevivência, embarcando finalmente em casamentos dos quais bem cedo resultaram descasaladas (ou será descasadas…) e sem filhos. Seguiram-se re casamentos tardios e as mães de casamentos tardios propiciam avós tardios. Não sei nem faço ideia de como prosseguir e muito menos concluir esta matéria. Fiz, pois, uma pausa e observei as duas meninas absorvidas em suas brincadeiras, no momento milagrosamente…

Ver o post original 166 mais palavras

O contágio da mentira, livro

Destacado

O livro de Martim Vasques da Cunha (MVC) intitulado "O contágio da mentira" é uma vacina contra a mentira que vem embutida na peste chamada Covid

Um pequenino, mas potente livro de MVC.
Creio que só há mesmo em formato eBook, pela Amazon, mas a leitura vale (muito) a pena.
Deixo alguns trechos e recomendo com entusiasmo aos meus leitores deste blog.

Cora Coralina ganha nova estátua em Goiás

Destacado

O escultor Cleider José de Souza se diz honrado em ter sido escolhido para fazer a nova estátua de Cora a ser inaugurada na Cidade Velha de Goiás. Não é pra menos que se sinta honrado, como todos nós o sentimos. A poetisa que não foi feita em laboratório, colheu sua poesia da existência e seus temas são comezinhos. Os ingredientes que alimentam seus devaneios poéticos foram colhidos no dia-a-dia da doceira, da velha da Ponte, da menina Aninha: espiga de milho, bonecas e colegas da infância, o sabão e a barrela das lavadeiras do Rio Vermelho, doces e frutas da terra… Tal como no poema “A Escola da Mestra Silvina” (fine), Cora é hoje personagem de seus próprios versos:
“E a Mestra?
Está no Céu.
Tem nas mãos um grande livro de ouro e ensina
a soletrar aos anjos.*”
+++++
(*)”Poemas dos becos de Goiás e Estórias mais”, Goiânia: Editora da UFG, 1977, pág. 43. Leia a matéria completa neste link: Cora Coralina ganha nova estátua na cidade de Goiás – O Popular.

FOTO_3COL-B_WEB
Cora Coralina ganha nova estátua na cidade de Goiás – O Popular
(c) Foto de Fábio Lima

https://www.opopular.com.br/…/cora-coralina-ganha-nova…