Não se esqueça de viver

A É Realizações Editora lança "Não se Esqueça de Viver — Goethe e a tradição dos exercícios espirituais", de Pierre Hadot.Estudioso responsável pela redescoberta do caráter vivencial da filosofia antiga, o autor analisa como isso está presente na visão de mundo goetheana. Pierre Hadot é unanimemente aclamado como o erudito que recuperou a dimensão prática … Continuar lendo Não se esqueça de viver

Recorte lírico

O mundo não está preparado para lidar com a pandemia do Coronavírus, mas pode aprender rapidamente -- e deve. A imprensa não pode (e não deve) criar notícias como se fossem espirros irresponsáveis, sintomas da própria pandemia

Rafael Reinehr | Escrever Por Escrever

https://www.youtube.com/watch?v=OTPhvHJaaWs&list=UUcquBDF-uPq685S2v_eDXiA O canal de RR - um polímata, autodidata e eclético. Amigo. Conheço o Rafael há uns 200 anos. Era o tempo dos blogs, tipo hard, hard... Ele era o meu amigo do Sul - RR. Hoje, é um profissional de Saúde que não se esqueceu do dom recebido para escrever e nos convencer de … Continuar lendo Rafael Reinehr | Escrever Por Escrever

Das pragas do Egito ao Apocalipse

Um livro de revelações - o Apocalipse de São João nos mostra visões de uma terra desolada. Decifre essa mensagem do evangelista e a compare com os dias atuais.

Seja bem-vindo, "Monsieur Ouine"

Bernanos foi assunto central no livro de Sebastien Lapaque (2003) e H. Sarrazin (1968) - a figura do mais brasileiro dos escritores católicos franceses ganha novas leituras Lançamento do romance de Georges Bernanos no Brasil Finalmente, o leitor brasileiro tem à sua disposição esse que é considerado a obra máxima de Georges Bernanos.A É Realizações, … Continuar lendo Seja bem-vindo, "Monsieur Ouine"

A poesia do Natal

"Adoração dos pastores" ( Bartolome Esteban Murillo - óleo sobre tela - 147 x 218 cm - 1668) 20 de dezembro de 2019 por Adalberto De Queiroz 8 Comentários Opoeta e crítico anglo-americano T.S. Eliot, em “Virgílio e o mundo cristão” compilou ideias valiosas para esta quadra da celebração do Advento de Jesus – o Natal – sobretudo a estima que o poeta romano … Continuar lendo A poesia do Natal

Adeus, ano velho…

Como Miguel Torga, o bravo poeta e narrador português, estou quase fechando 2019... "Momentos antes de fechar o cartório/De poeta…" (como dizia Miguel Torga) Certo de que este é um cartório muito especial"— Um registo civil ultra real". Preparamos a navegação para um novo ano, em que um novo ciclo se abre... como esta janela … Continuar lendo Adeus, ano velho…

The Depths of August – Image Journal

(c) Website da rev. Image.https://imagejournal.org/article/the-depths-of-august/ I was blinded by grace,A prey torn from its shadow,Entwined only to unravel.Alive in a dead calm,I was fire from whichAir is withheld,A charged element.An illegible signature,I was that whichOtherwise serves to conceal.An inaccessible room.A sky divided by lightning. Este belo poema de Eric Pankey, está na revista norte-americana "Image" … Continuar lendo The Depths of August – Image Journal

Não sei quantas almas tenho

Pessoa.

Casa de Autores

pessoa_entrada1

“Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: “Fui eu?”
Deus sabe, porque o escreveu.”

Fernando Pessoa, poeta português.

Ver o post original

W. H. Auden, “Et in Arcadia Ego”

ET IN ARCADIA EGO (Eu também estou em Arcádia – a morte como fato inexorável).

circle, uncoiled

Barbieri Barbieri

1964

This poem explores the problem of the “domesticated” being of Mother Nature (“Happily married/ Housewife, helpmate to man), beneath whose surface rages the original wild that man thinks he has tamed (screeching/ Virago, the Amazon). It seems important to discuss the poem in such gendered terms, since Nature has been subsumed as “helpmate to Man,” while “the autobahn/ Thwarts the landscape/ In godless Roman arrogance.” Nevertheless, the instrument will inevitably be turned on the master: “The farmer’s children/ Tip-toe past the shed/ Where the gelding-knife is kept.”

The title refers to the 17th-century paintings of idyllic Arcadian life by Nicolas Poussin or Giovanni Barbieri (1618). The paintings depict young shepherds coming across the tombstone of one whose death descries the fallacy of Arcadian happiness: that Time kills all. This phrase also appears in Evelyn Waugh’s Brideshead Revisited.

Poussin Poussin

Who, now, seeing Her so
Happily married,
Housewife, helpmate to…

Ver o post original 126 mais palavras