Pelo Natal com poemas de Miguel Torga

É Natal!

vicio da poesia

Ao longo das páginas dos XVI volumes do Diário (1941-1993) tem Miguel Torga (1907-1995) espalhado um Cancioneiro de Natal. Não livro temático deliberado, mas poemas/apontamentos reflexivos e sentimentais sobre a data e o seu significado pessoal. Se em muitos poemas é a memória e o sentir próprio que se reflectem, noutros é a leitura social do significado da crença, o que encontramos.

Destes vinte e tal poemas explicitamente assinalados, e espalhados ao longo dos últimos cinquenta anos da vida do poeta (do Natal de 1940 ao Natal de 1991), transcrevo a seguir cinco. Se o consolo da fé não surge evocado, a esperança que a mitologia da data encerra nas suas múltiplas possibilidades, está sempre presente, à mistura com a amargura de que o mundo não seja o lugar de paz e harmonia que a cada nascimento se promete.

Loa

É nesta mesma lareira,
E aquecido ao mesmo lume,
Que…

Ver o post original 384 mais palavras

O padre Charles Moeller e “o silêncio de Deus”

Um vasto painel da literatura mundial no século XX é o desafio proposto ao leitor por Charles Moeller (1912-1986), sacerdote, teólogo, crítico literário e professor emérito de Teologia da Universidade de Lovaina, na Bélgica. Neste primeiro volume que ora tenho sobre a mesa, “O silêncio de Deus”, Moeller propõe uma releitura cristã de grandes autores do século, dando-nos lições de teologia, mesclando a crítica literária ao testemunho da fé cristã.

Para ler mais, clique no link da coluna “Destarte”, em Jornal Opção Cultural.
Destarte.


Abade Charles Moeller (1912-1986). Foto: Reprodução

Onésimo Teotónio Almeida: “Haja um pouco de senso. O papel do historiador não é condenar a História, é narrar os factos, e explicar. ” in Jornal Público com JOSÉ RIÇO DIREITINHO

Numa altura em que a palavra “Descobrimentos’” dá origem a algumas discussões acesas, e que, para alguns, será politicamente incorrecto usar, Onésimo Teotónio Almeida, em conversa com o PÚBLICO, disse que “descobrir não significa criar, inventar. Quando a Polícia descobre o criminoso, não o inventa. Os portugueses descobriram ilhas que não tinham ninguém nem estavam sequer mapeadas. Descobriram o caminho marítimo para a Índia, ninguém diz que os portugueses descobriram a Índia. Do resto são ‘Descobrimentos’ do ponto de vista europeu. Haja um pouco de senso. O papel do historiador não é condenar a História, é narrar os factos, e explicar. Na narrativa, lidamos com factos e com argumentos, não cabe absolver nem condenar a História.” (Onésimo Teotónio Almeida).

O livro O Século dos Prodígios — uma colecção de ensaios sobre a história da ciência no período da Expansão — acaba de ser publicado e distinguido com um prémio pela Fundação Calouste Gulbenkian. Onésimo Teotónio Almeida, o autor, falou com o PÚBLICO da nova mentalidade científica que surgiu em Lisboa no século XV.

Onésimo Teotónio Almeida (São Miguel, 1946) é professor catedrático no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros na Universidade de Brown, em Providence, nos Estados Unidos da América. O Século dos Prodígios (edição Quetzal) é o seu mais recente livro — que acaba de ser distinguido com o Prémio de História da Presença de Portugal no Mundo, da Fundação Calouste Gulbenkian — uma colecção de ensaios sobre a história da ciência no período da Expansão europeia, o dos Descobrimentos portugueses dos séculos XV e XVI.

Numa altura em que a palavra “Descobrimentos’” dá origem a algumas discussões acesas, e que, para…

Ver o post original 1.560 mais palavras

“O homem se agita, mas Deus o conduz” (Fénélon) – Adalberto De Queiroz

De “O elogio do conservadorismo”, de João Camilo de Oliveira Torres, org. prof. Daniel Fernandes, via “O homem se agita, mas Deus o conduz” (François… – Adalberto De Queiroz

A graça da amizade – Jornal Opção

Amigos mais próximos sabem o que representa Jacques Maritain em minha caminhada espiritual, com seu Tomismo renovado e sua experiência de vida exemplar, que não é senão o que todos devemos fazer: seguir o exemplo de Cristo. A conversão de sua esposa Raïssa tem, como a minha, influxos das experiências do Outro e da aceitação da Graça divina. Afinal, como diz um dos personagens do livro de memórias de Raïssa Maritain, “A Graça é a parte de Deus; o desejo da Graça é a minha parte”.

De Berson a Bloy, passado por todo o ensino que a Amizade pode conter

Capa do livro de Raïssa Maritain

Devo muito ao livro “As grandes amizades[i]” de autoria de Raïssa Maritain e o recomendo com entusiasmo, porque sei que pode ser uma descoberta notável para aqueles quem conhecem e para os que desconhecem a obra dos Maritain.

Jacques e Raïssa Maritain desempenham o papel de um “casal-farol” da vida intelectual e espiritual francesa, na primeira metade do séc. XX. Foram alunos do filósofo Henri Bergson, afilhados espirituais do escritor católico Léon Bloy, amigos de Ernest Psichari e de Jean Cocteau, de Charles Péguy e de numerosas outras figuras ilustres da literatura francesa.

Jacques e Raïssa superaram as crenças de sua época, marcada por duas guerras mundiais, pelo positivismo que dominava o ambiente intelectual, e se consagraram à busca da verdade cristã.

via A graça da amizade – Jornal Opção