Diários de um solitário


Livro I

Janela_Solidão
© Ahau1969 | Dreamstime.com

Quando do amor estiver sedento,
O peito dorido, a alma em pranto
À lágrima cede o cenho franco.

Só e triste deve o ser vivente
De todos fugir; em busca da prece
Do caminhar solitário; ausente.

Distante de todos e tudo, em busca
de si mesmo, sorvendo do mais fundo:
D’alma resgatar o butim de si mesmo.

– A poesia ao espírito solitário exalta.

Sorve e se deleita e calmamente
Se ausente do ruído geral; da orbe
Foge! O mais só; o mais nu – foge,
Pois, e sorve o que seja verdadeiro.

Longe, bem longe, não bastaria…
Que dissesse muita coisa; ouvir, sim!
Preferencial via do que sofre assim:
E saciado a sede da ausência cura.

Do amargo prazer aparente de tudo
Possuir – de todos próximo e cálido,
Está, mas de vero nada lhe pertence.

ω/ω
Beto Queiroz, drafts para Cadernos de Sizenando, vol, II.
(c)Imagem destacada – © Craig Ikegami Solitude | Dreamstime Stock Photos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: