Poemas de esperança (V)

V

                       “Toute lune est atroce et tout soleil amer” (Rimbaud)

00617580

Se toda lua é atroz; se todo sol, amargo
o que seria de ti, oh triste caminhante
desse destino com o peso do desencargo
trazido às costas? sulcas o solo e avante

 

segues com afinco em busca do alvo
um dia após o outro, sem olhar pra trás.
És o que não importa com o Outro; salvo
se este vau alguém te auxilia a cruzares.

 

Inerte em frente a ti, o obstáculo vil –
o Amor acre, acerbo, solidão marmórea
em tudo desconforme ao teu ardil …
é preciso que sigas – o mundo o exigiu
e tu não queres ser a esposa de Ló.

 

A massa ignara força-te a ficar irado;
agastado reages e esqueces do que és,
do que foste – não há nenhum barco –
ébrio que seja, a tomar; estás embarcado

 

em seco. Et pourtant, a jornada é louca
como dantes e nada mais és que um
dos perdidos do século mau – és uno
 entre muitos afogados na amálgama;
em plena desordem – a caminho do Nada.

./.
Drafts poemas novíssimos, JAN/2017.

Um comentário em “Poemas de esperança (V)

Deixe uma resposta