Da série “No mínimo um poema ao dia” (7)


Duas traduções de um clássico norte-americano – Robert FROST (1874-1963).

RobertFrostMontagem.png
Robert Frost (1874-1963) – montagem com a capa e última página do livro de Louis Untermeyer (St. Martin’s Griffin, NY, 1971) com seleção de poemas e comentários de L.U. (ilustr. J. O’Hara Cosgrave II) ; foto de evento na velhice do poeta…“A diferença que a poesia poderia ter feito – este o único caminho possível para o fazendeiro falido que vem a ser 0 poeta amado da América…”

 

 

 

The Road Not Taken – a primeira tradução é de José Alberto Oliveira, do blog Vício da Poesia (link).  e a segunda, de Renato Sutanna.

 

A estrada que não foi seguida

Duas estradas separavam-se num bosque amarelo,
Que pena não poder seguir por ambas
Numa só viagem: muito tempo fiquei
Mirando uma até onde enxergava,
Quando se perdia entre os arbustos;

Depois tomei a outra, igualmente bela
E que teria talvez maior apelo,
Pois era relvada e fora de uso;
Embora na verdade, o trânsito
As tivesse gasto quase o mesmo,

E nessa manhã nas duas houvesse
Folhas que os passos não enegreceram.

Oh, reservei a primeira para outro dia!
Mas sabia como caminhos sucedem a caminhos
E duvidava se alguma vez lá voltaria.

É com um suspiro que agora conto isto,
Tanto, tanto tempo já passado:
Duas estradas separavam-se num bosque e eu —
Eu segui pela menos viajada
E isso fez a diferença toda

Tradução do poeta José Alberto Oliveira, in Rosa do Mundo, 2001 poemas para o futuro.

./.

2a.) Tradução do poema de R. Frost – A ESTRADA NÃO TRILHADA – por RENATO SUTANNA.

Robert Frost_PoetsOrg
“Frost: a única estrada que podia ter trilhado era diferente – foi a estrada da Poesia” (Louis Untermeyer)

Num bosque, em pleno outono, a estrada bifurcou-se,
mas, sendo um só, só um caminho eu tomaria.
Assim, por longo tempo eu ali me detive,
um deles observei até um longe declive
no qual, dobrando, desaparecia…

Porém tomei o outro, igualmente viável,
e tendo mesmo um atrativo especial,
pois mais ramos possuía e talvez mais capim,
embora, quanto a isso, o caminhar, no fim,
os tivesse marcado por igual.

E ambos, nessa manhã, jaziam recobertos
de folhas que nenhum pisar enegrecera.
O primeiro deixei, oh, para um outro dia!
E, intuindo que um caminho outro caminho gera,
duvidei se algum dia eu voltaria.

Isto eu hei de contar mais tarde, num suspiro,
nalgum tempo ou lugar desta jornada extensa:
a estrada divergiu naquele bosque – e eu
segui pela que mais ínvia me pareceu,
e foi o que fez toda a diferença.

./.

Conheça, neste link – o poema original The Road Not Taken (ROBERT FROST), transcrito e falado pelo Autor.

LEIA MAIS (em inglês) Robert Frost.

 

 

Um comentário em “Da série “No mínimo um poema ao dia” (7)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: