Elizabeth Bishop (1)

Meu artigo no Jornal Opção sobre a poetisa norte-americana.

elizabeth-bishopsepia

Órfã de pai, que perdeu a mãe para um hospício, a solitária Elizabeth tem o que dizer e como dizê-lo. Viveu no Brasil durante 15 anos e “entre o aconchego e a melancolia” escreveu muito e criteriosamente, mas sem jamais tem entendido o país que a acolheu…

Da série “No mínimo um poema ao dia” (7)

Duas traduções de um clássico norte-americano – Robert FROST (1874-1963).

RobertFrostMontagem.png

Robert Frost (1874-1963) – montagem com a capa e última página do livro de Louis Untermeyer (St. Martin’s Griffin, NY, 1971) com seleção de poemas e comentários de L.U. (ilustr. J. O’Hara Cosgrave II) ; foto de evento na velhice do poeta…“A diferença que a poesia poderia ter feito – este o único caminho possível para o fazendeiro falido que vem a ser 0 poeta amado da América…”

 

 

 

The Road Not Taken – a primeira tradução é de José Alberto Oliveira, do blog Vício da Poesia (link).  e a segunda, de Renato Sutanna.

 

A estrada que não foi seguida

Duas estradas separavam-se num bosque amarelo,
Que pena não poder seguir por ambas
Numa só viagem: muito tempo fiquei
Mirando uma até onde enxergava,
Quando se perdia entre os arbustos;

Depois tomei a outra, igualmente bela
E que teria talvez maior apelo,
Pois era relvada e fora de uso;
Embora na verdade, o trânsito
As tivesse gasto quase o mesmo,

E nessa manhã nas duas houvesse
Folhas que os passos não enegreceram.

Oh, reservei a primeira para outro dia!
Mas sabia como caminhos sucedem a caminhos
E duvidava se alguma vez lá voltaria.

É com um suspiro que agora conto isto,
Tanto, tanto tempo já passado:
Duas estradas separavam-se num bosque e eu —
Eu segui pela menos viajada
E isso fez a diferença toda

Tradução do poeta José Alberto Oliveira, in Rosa do Mundo, 2001 poemas para o futuro.

./.

2a.) Tradução do poema de R. Frost – A ESTRADA NÃO TRILHADA – por RENATO SUTANNA.

Robert Frost_PoetsOrg

“Frost: a única estrada que podia ter trilhado era diferente – foi a estrada da Poesia” (Louis Untermeyer)

Num bosque, em pleno outono, a estrada bifurcou-se,
mas, sendo um só, só um caminho eu tomaria.
Assim, por longo tempo eu ali me detive,
um deles observei até um longe declive
no qual, dobrando, desaparecia…

Porém tomei o outro, igualmente viável,
e tendo mesmo um atrativo especial,
pois mais ramos possuía e talvez mais capim,
embora, quanto a isso, o caminhar, no fim,
os tivesse marcado por igual.

E ambos, nessa manhã, jaziam recobertos
de folhas que nenhum pisar enegrecera.
O primeiro deixei, oh, para um outro dia!
E, intuindo que um caminho outro caminho gera,
duvidei se algum dia eu voltaria.

Isto eu hei de contar mais tarde, num suspiro,
nalgum tempo ou lugar desta jornada extensa:
a estrada divergiu naquele bosque – e eu
segui pela que mais ínvia me pareceu,
e foi o que fez toda a diferença.

./.

Conheça, neste link – o poema original The Road Not Taken (ROBERT FROST), transcrito e falado pelo Autor.

LEIA MAIS (em inglês) Robert Frost.

 

 

Emily Dickinson: beleza imortal

AO LEITOR submeto meu artigo em Opção Cultural. Clique para ler o artigo completo.
Artigo Beto_EmilyDickinsonOpcaoJan16

O café de Eliot

<<“TU! Hypocrite lecteur! – mon semblable -, mon frère!“>>
AQUI tens a 1a parte de A Terra desolada – I. O Enterro dos Mortos.
Há uma versão transcrita em inglês e, falada, tambm inglês *mp3.
Logo abaixo, terás a tradução de Ivan Junqueira. Enjoy it.
(*) Nam Sibyllam quidem … é citação de Petrônio (Caius Petronius Arbiter), assim traduzida do Satyricon por Ivan Junqueira: “Pois com meus próprio olhos em Cuma a Sibila, suspensa dentro de uma ampola, e quando as crianças lhe diziam: ‘Sibila, o que queres? ; ela respondia: ‘Quero morrer'” (N.doT.)

Como não encontrei a citação à medida do mundo em “colher de café”; encontrei um jeito de levá-lo, meu irmão, meu igual – leitor de Eliot para um café.

© Vincent Mo_Latte

Clique na imagem para ouvir trecho do poema           A Terra Desolada – I. O enterro dos mortos; falado em inglês.

I. The Burial of the Dead

April is the cruellest month, breeding
Lilacs out of the dead land, mixing
Memory and desire, stirring
Dull roots with spring rain.
Winter kept us warm, covering
Earth in forgetful snow, feeding
A little life with dried tubers.
Summer surprised us, coming over the Starnbergersee
With a shower of rain; we stopped in the colonnade,
And went on in sunlight, into the Hofgarten,
And drank coffee, and talked for an hour.
Bin gar keine Russin, stamm’ aus Litauen, echt deutsch.
And when we were children, staying at the archduke’s,
My cousin’s, he took me out on a sled,
And I was frightened. He said, Marie,
Marie, hold on tight. And down we went.
In the mountains, there you feel free.
I read, much of the night, and go south in the winter.

What are the roots that clutch, what branches grow
Out of this stony rubbish? Son of man,
You cannot say, or guess, for you know only
A heap of broken images, where the sun beats,
And the dead tree gives no shelter, the cricket no relief,
And the dry stone no sound of water. Only

There is shadow under this red rock,
(Come in under the shadow of this red rock),
And I will show you something different from either
Your shadow at morning striding behind you
Or your shadow at evening rising to meet you;
I will show you fear in a handful of dust.

Frisch weht der Wind
Der Heimat zu,
Mein Irisch Kind
Wo weilest du?

“You gave me hyacinths first a year ago,
“They called me the hyacinth girl.”
—Yet when we came back, late, from the Hyacinth garden,
Your arms full, and your hair wet, I could not
Speak, and my eyes failed, I was neither
Living nor dead, and I knew nothing,
Looking into the heart of light, the silence.
Oed’ und leer das Meer.

Madame Sosostris, famous clairvoyante,
Had a bad cold, nevertheless
Is known to be the wisest woman in Europe,
With a wicked pack of cards. Here, said she,
Is your card, the drowned Phoenician Sailor,

(Those are pearls that were his eyes. Look!)
Here is Belladonna, the Lady of the Rocks,
The lady of situations.
Here is the man with three staves, and here the Wheel,
And here is the one-eyed merchant, and this card,
Which is blank, is something he carries on his back,
Which I am forbidden to see. I do not find
The Hanged Man. Fear death by water.

I see crowds of people, walking round in a ring.
Thank you. If you see dear Mrs. Equitone,
Tell her I bring the horoscope myself:
One must be so careful these days.

Unreal City,
Under the brown fog of a winter dawn,

A crowd flowed over London Bridge, so many,
I had not thought death had undone so many.

Sighs, short and infrequent, were exhaled,
And each man fixed his eyes before his feet.

Flowed up the hill and down King William Street,
To where Saint Mary Woolnoth kept the hours
With a dead sound on the final stroke of nine.
There I saw one I knew, and stopped him, crying, “Stetson!
“You who were with me in the ships at Mylae!
“That corpse you planted last year in your garden,
“Has it begun to sprout? Will it bloom this year?
“Or has the sudden frost disturbed its bed?
“Oh keep the Dog far hence, that’s friend to men,
“Or with his nails he’ll dig it up again!

“You! hypocrite lecteur!—mon semblable,—mon frère!”


A TERRA DESOLADA – 1. O enterro dos mortos
**************************************Trad. IVAN JUNQUEIRA.*

Abril é o mais cruel dos meses, germina
Lilases da terra morta, mistura
Memória e desejo, aviva
Agônicas raízes com a chuva da primavera.
O inverno nos agasalhava, envolvendo
A terra em neve deslembrada, nutrindo
Com secos tubérculos o que ainda restava de vida.
O verão; nos surpreendeu, caindo do Starnbergersee
Com um aguaceiro. Paramos junto aos pórticos
E ao sol caminhamos pelas aléias de Hofgarten,
Tomamos café, e por uma hora conversamos.
Big gar keine Russin, stamm’ aus Litauen, echt deutsch.
Quando éramos crianças, na casa do arquiduque,
Meu primo, ele convidou-me a passear de trenó.
E eu tive medo. Disse-me ele, Maria,
Maria, agarra-te firme. E encosta abaixo deslizamos.
Nas montanhas, lá, onde livre te sentes.
Leio muito à noite, e viajo para o sul durante o inverno.

Que raízes são essas que se arraigam, que ramos se esgalham
Nessa imundície pedregosa? Filho do homem,
Não podes dizer, ou sequer estimas, porque apenas conheces
Um feixe de imagens fraturadas, batidas pelo sol,
E as árvores mortas já não mais te abrigam, nem te consola o
canto dos grilos,
E nenhum rumor de água a latejar na pedra seca. Apenas
Uma sombra medra sob esta rocha escarlate.
(Chega-te à sombra desta rocha escarlate),
E vou mostrar-te algo distinto
De tua sombra a caminhar atrás de ti quando amanhece
Ou de tua sombra vespertina ao teu encontro se elevando;
Vou revelar-te o que é o medo num punhado de pó.
  Frisch weht er Wind
       Der Heimat zu
       Mein Irisch Kind,
       Wo weilest du?

”Um ano faz agora que os primeiros jacintos me deste;
Chamavam-me a menina dos jacintos.”
– Mas ao voltarmos, tarde, do Jardim dos Jacintos,
Teus braços cheios de jacintos e teus cabelos úmidos, não pude
Falar, e meus olhos se enevoaram, eu não sabia
Se vivo ou morto estava, e tudo ignorava
Perplexo ante o coração da luz, o silêncio.
Oed’ und leer das Meer.

Madame Sosostris, célebre vidente,
Contraiu incurável resfriado; ainda assim,
É conhecida como a mulher mais sábia da Europa,
Com seu trêfego baralho. Esta aqui, disse ela,
É tua carta, a do Marinheiro Fenício Afogado.
(Estas são as pérolas que foram seus olhos. Olha!)
Eis aqui Beladona, a Madona dos Rochedos,
A Senhora das Situações.
Aqui está o homem dos três bastões, e aqui a Roda da Fortuna,
E aqui se vê o mercador zarolho, e esta carta,
Que em branco vês, é algo que ele às costas leva,
Mas que a mim proibiram-me de ver. Não acho
O Enforcado. Receia morte por água.
Vejo multidões que em círculos perambulam.
Obrigada. Se encontrares, querido, a Senhora Equitone,
Diz-lhe que eu mesma lhe entrego o horóscopo:
Todo o cuidado é pouco nestes dias.

Cidade irreal,
Sob a fulva neblina de uma aurora de inverno,
Fluía a multidão pela Ponte de Londres, eram tantos,
Jamais pensei que a morte a tantos destruíra.
Breves e entrecortados, os suspiros exalavam,
E cada homem fincava o olhar adiante de seus pés.
Galgava a colina e percorria a King William Street,
Até onde Saint Mary Woolnoth marcava as horas
Com um dobre surdo ao fim da nona badalada.
Vi alguém que conhecia, e o fiz parar, aos gritos: “Stetson,
Tu que estiveste comigo nas galeras de Mylae!
O cadáver que plantaste ano passado em teu jardim
Já começou a brotar? Dará flores este ano?
Ou foi a imprevista geada que o perturbou em seu leito?
Conserva o Cão à distância, esse amigo do homem,
Ou ele virá com suas unhas outra vez desenterrá-lo!
Tu! Hypocrite lecteur! – mon semblable -, mon frère

  • Tradução de IVAN JUNQUEIRA (Trecho de) ”Terra Desolada”, publicado pela Editora Nova Fronteira em ”T.S. Eliot – Poesia”, 1981 – Coleção Poiesis.

 

 

 

Poesia falada especial Emily Dickinson

image 
Basta clicar na figura para ir ao LibriVox e achar poemas de Emily lidos por voluntários do projeto LibriVox.

IF* by Rudyard Kipling

IF you can keep your head when all about you
   Are losing theirs and blaming it on you;
If you can trust yourself when all men doubt you,SPL_Poster_If_Rudyard_Kipling
But make allowance for their doubting too;
If you can wait and not be tired by waiting,
   Or, being lied about, don’t deal in lies,
Or, being hated, don’t give way to hating,
   And yet don’t look too good, nor talk too wise;
If you can dream – and not make dreams your master;
If you can think – and not make thoughts your aim;
If you can meet with triumph and disaster
   And treat those two impostors just the same;
If you can bear to hear the truth you’ve spoken;
   Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to broken,
And stoop and build’em up with wornout tools;
If you can make one heap of all your winnings
   And risk it on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
   And never breathe a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
  To serve your turn long after they are gone,Kipling e Eu
And so hold on when there is nothing in you
  Except the Will which says to them: “Hold on”;
If you can talk with crowds and keep your virtue,
  Or walk with kings – nor lose the common touch;
If neither foes nor loving friends can hurt you;
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
  With sixty seconds’ worth of distance run –
Yours is the Earth and everything that’s in it,
  And – which is more – you’ll be a Man, my son!

+++++
Fonte: KIPLING, Rudyard. (1865-1936). “Poems of Rudyard Kipling”. Random House, N.Jersey, 1995. pág.13/14. Para ler o poema em Português, siga este link.
Mais sobre Kipling: “
Romancista e poeta inglês, Rudyard Kipling nasceu em 1865, em Bombaím, na Índia colonial, filho de um professor de Artes e Ofícios e da cunhada do pintor Edward Burne-Jones, Kipling foi educado por uma aia indiana, que lhe ensinou, pela magia das histórias de encantar, a língua Hindu mesmo antes do Inglês em que viria escrever.
Quando contava seis anos de idade, foi levado pelos seus pais para Inglaterra, que o deixaram, por cinco anos, aos cuidados de um internato em Southsea. O autor, desacostumado das punições físicas tradicionais inglesas, viria mais tarde a exprimir o seu desgosto pelo tratamento em várias partes da sua obra, em particular na sua autobiografia, publicada em 1937”…
Saber Mais Sobre RK.

Para ouvir Emily Dickinson…

image 
Basta clicar na figura para ir ao LibriVox e achar poemas de Emily lidos por voluntários do projeto LibriVox.

Para ouvir Emily Dickinson…

image 
Basta clicar na figura para ir ao LibriVox e achar poemas de Emily lidos por voluntários do projeto LibriVox.

Últimas palavras de Sylvia Plath

MANHÃ de sábado de trabalho com a natureza ao nosso lado – vantagem do home office. E, no entanto, a música e a poesia chegam para nos dar um ânimo diferente.
Ouvimos (minha mulher e eu) músicas de Nana Mouskouri e, trabalhando em mesas próximas na biblioteca, chego a Sylvia Plath. Sábado geralmente é dia de Emily (Ms. Dickinson). Hoje, no entanto, trago o poema de Mrs. Plath. Vem do livro “Fifty Years of American Poetry” (1).
Minha mulher, mirando o descanso que virá ainda  (com a revelação dos prêmios do Oscar 2012), me relembra
o filme “Sylvia” com G. Paltrow (2).

image
O poema é “The Last Words”. E diz assim:

Last Words

by Sylvia Plath

I do not want a plain box, I want a sarcophagus
With tigery stripes, and a face on it
Round as the moon, to stare up.

I want to be looking at them when they come
Picking among the dumb minerals, the roots.
I see them already–the pale, star-distance faces.
Now they are nothing, they are not even babies.
I imagine them without fathers or mothers, like the first gods.
They will wonder if I was important.
I should sugar and preserve my days like fruit!
My mirror is clouding over —
A few more breaths, and it will reflect nothing at all.
The flowers and the faces whiten to a sheet.

I do not trust the spirit. It escapes like steam
In dreams, through mouth-hole or eye-hole. I can’t stop it.
One day it won’t come back. Things aren’t like that.
They stay, their little particular lusters
Warmed by much handling. They almost purr.
When the soles of my feet grow cold,
The blue eye of my turquoise will comfort me.
Let me have my copper cooking pots, let my rouge pots
Bloom about me like night flowers, with a good smell.

They will roll me up in bandages, they will store my heart
Under my feet in a neat parcel.
I shall hardly know myself. It will be dark,
And the shine of these small things sweeter than the face of Ishtar.

++++
Fonte: “Academy of American Poets”, Fifty Years of American Poetry. Introdução Robert Penn Warren. Laurel Col. Dell Publis. ed. N.York, 1995. Há várias e boas traduções em português. A meus seis leitores, a tarefa de me indicar a sua preferida. Bom sábado de poesia. Uma Dica de traduções de Felipe (Multiply).
Post-Post (1) – há muitas críticas sobre o poema e sobre a obra de Sylvia. Uma Resenha de Last Words (1). Há muitas sofisticadas, como a do livro cuja foto postei acima, que é mais do que crítica. É história sobre a sofredora Ms.Plath, que se matou aos trinta anos. Vários ensaios sobre S. Plath, by Anita Helle que coloquei na minha lista de Google Books como “Vou Ler”. Ah, sim, ia me esquecendo: o filme… Sylvia, seg. a crítica (minha mulher!) meio “deprê…”,  by the way, como foi toda a vida de Mrs. Plath (1932-1963).
Post-post (2) , em 25.02, às 19h59min– Consulto os astros e fico sabendo que “as melhores traduções de Mrs. Plath no nosso idioma vêem da portuguesa Maria Fernanda Borges, da Beatriz Horta e Ana Luiza Faria”. Também a dona Lya Luft, que já foi tradutora antes de “escrever platitudes em Veja”, como diz uma adorable friend of mine (M.), traduziu bem o The Bell Jar. Beatriz Horta, idem. “E, surpreendentemente, Ronald Polito e Deisa Chamahum Chaves fizeram um belo trabalho em XX Poemas”, arremata M. para me recomendar que eu vá caçar o volume dos XX Poemas. Hei de fazê-lo em breve.

Últimas palavras de Sylvia Plath

MANHÃ de sábado de trabalho com a natureza ao nosso lado – vantagem do home office. E, no entanto, a música e a poesia chegam para nos dar um ânimo diferente.
Ouvimos (minha mulher e eu) músicas de Nana Mouskouri e, trabalhando em mesas próximas na biblioteca, chego a Sylvia Plath. Sábado geralmente é dia de Emily (Ms. Dickinson). Hoje, no entanto, trago o poema de Mrs. Plath. Vem do livro “Fifty Years of American Poetry” (1).
Minha mulher, mirando o descanso que virá ainda  (com a revelação dos prêmios do Oscar 2012), me relembra
o filme “Sylvia” com G. Paltrow (2).

image
O poema é “The Last Words”. E diz assim:

Last Words

by Sylvia Plath

I do not want a plain box, I want a sarcophagus
With tigery stripes, and a face on it
Round as the moon, to stare up.

I want to be looking at them when they come
Picking among the dumb minerals, the roots.
I see them already–the pale, star-distance faces.
Now they are nothing, they are not even babies.
I imagine them without fathers or mothers, like the first gods.
They will wonder if I was important.
I should sugar and preserve my days like fruit!
My mirror is clouding over —
A few more breaths, and it will reflect nothing at all.
The flowers and the faces whiten to a sheet.

I do not trust the spirit. It escapes like steam
In dreams, through mouth-hole or eye-hole. I can’t stop it.
One day it won’t come back. Things aren’t like that.
They stay, their little particular lusters
Warmed by much handling. They almost purr.
When the soles of my feet grow cold,
The blue eye of my turquoise will comfort me.
Let me have my copper cooking pots, let my rouge pots
Bloom about me like night flowers, with a good smell.

They will roll me up in bandages, they will store my heart
Under my feet in a neat parcel.
I shall hardly know myself. It will be dark,
And the shine of these small things sweeter than the face of Ishtar.

++++
Fonte: “Academy of American Poets”, Fifty Years of American Poetry. Introdução Robert Penn Warren. Laurel Col. Dell Publis. ed. N.York, 1995. Há várias e boas traduções em português. A meus seis leitores, a tarefa de me indicar a sua preferida. Bom sábado de poesia. Uma Dica de traduções de Felipe (Multiply).
Post-Post (1) – há muitas críticas sobre o poema e sobre a obra de Sylvia. Uma Resenha de Last Words (1). Há muitas sofisticadas, como a do livro cuja foto postei acima, que é mais do que crítica. É história sobre a sofredora Ms.Plath, que se matou aos trinta anos. Vários ensaios sobre S. Plath, by Anita Helle que coloquei na minha lista de Google Books como “Vou Ler”. Ah, sim, ia me esquecendo: o filme… Sylvia, seg. a crítica (minha mulher!) meio “deprê…”,  by the way, como foi toda a vida de Mrs. Plath (1932-1963).
Post-post (2) , em 25.02, às 19h59min– Consulto os astros e fico sabendo que “as melhores traduções de Mrs. Plath no nosso idioma vêem da portuguesa Maria Fernanda Borges, da Beatriz Horta e Ana Luiza Faria”. Também a dona Lya Luft, que já foi tradutora antes de “escrever platitudes em Veja”, como diz uma adorable friend of mine (M.), traduziu bem o The Bell Jar. Beatriz Horta, idem. “E, surpreendentemente, Ronald Polito e Deisa Chamahum Chaves fizeram um belo trabalho em XX Poemas”, arremata M. para me recomendar que eu vá caçar o volume dos XX Poemas. Hei de fazê-lo em breve.