Grave elegia

As coisas só me penetram

quando estou livre e humilde.

As ondas, as músicas mais simples,

os longes,íntimas palpitações

de um mundo sem idade,

vêm aninhar-se no meu peito

como asas fluídicas da vida.

Depois vou-me embora,

leve e corajoso.”

++++
Fonte: DÉCIO Filho, José. (1918 — 1976) – “Poemas e Elegias“, Editora Lastri/Premio Caixego, 1979, pág. 29. Mais sobre o autor.

2 comentários em “Grave elegia

Deixe uma resposta