Poesia

Grave elegia


As coisas só me penetram

quando estou livre e humilde.

As ondas, as músicas mais simples,

os longes,íntimas palpitações

de um mundo sem idade,

vêm aninhar-se no meu peito

como asas fluídicas da vida.

Depois vou-me embora,

leve e corajoso.”

++++
Fonte: DÉCIO Filho, José. (1918 — 1976) – “Poemas e Elegias“, Editora Lastri/Premio Caixego, 1979, pág. 29. Mais sobre o autor.

2 thoughts on “Grave elegia”

  1. A densidade que o poeta exibe já se faz sentir no título do poema. É elegia e grave. Destila sentimentos íntimos com estilo e elegância. Lembra Carlos Drummond e seu ritmo natural, distanciado de métrica e rima. É um poema profundo, belo, trabalhando emoções humanas com maturidade, engenho e arte.

    Curtir

  2. Seja sempre Bem-vinda, MAG.
    O livro de José Décio Filho é de 1953. Este poema foi retirado da reedição de 1974. Há quem veja em Zé Décio filiação à obra de Kierkegaard (Oscar Sabino, 74).
    Obrigado pela leitura atenta e pelo comentário.
    Fraternellement,
    Beto.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s