Poesia

O canto alheio


É do poema de Bruno Tolentino que me salta a inspiração:

“…busco um meio
de fazer da lição o uso mais certo,
ou menos parecido com o enxerto
que se vive a extrair ao canto alheio”.

 

E mais, falando do poeta irlandês W.B.Yeats, o bem-amado poeta do testamento literário de BT:

“Segundo o último Yeats, o acordado,
tudo o que não é Deus, se consumindo
no incêndio do intelecto, é um repentino
holocausto de sombras…”

A vida talvez seja – do que não levou adiante seu dom recebido e viveu à sombra de outras frondosas árvores frutíferas, no conforto do sonhar o sonho alheio -, a pura inspiração o canto alheio.

Transcrever, pois, é a melhor arte (justificativa do não-silêncio, quando por vezes bem ressequida a própria árvore – é como gerar sombra com a copa dos outros); mas eis que lembrar, lembrar (com Deus sempre presente na lembrança), e não deixar a memória ressecar de todo da Arte que outro de fato construiu. Eis uma saída para justificar o canto alheio. Eis um caminho para fugir ao holocausto de sombras. (AQ).
+++++
Fonte: TOLENTINO, Bruno. “Os Deus de Hoje”, Rio de Janeiro, Record, 1995, p.242.

1 thought on “O canto alheio”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s