Diálogos espirituais

“…o ato da inteligência, do mesmo modo que o ato da fé, não termina nas fórmulas mas nas coisas – non terminatur ad enuntiabile sed ad rem”.
Ao desvendar-se, o universo desvenda o espírito a si mesmo: intencionalmente, o espírito é não apenas um universo mas o universo e todos os universos que são os outros espíritos, pois que a substância intelectual, a pessoa, é, de algum modo, todas as coisas pela sua inteligência…

(Manuel Barbosa da Costa Freitas, São Tomás de Aquino, Ed.Verbo, Lisboa, 1992). Em Lusosofia

Que dialoga com isso aqui.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.