O livro escrito para mim


3 Alqueires + 1 vaca.
Essa fórmula romântica de um distributivista de direita tem mais dicas de vida e ficção do que de economia.
Convenhamos, há que se considerar como verdade absoluta que o leitor desejado pelo escritor é o que recebe o livro como carta que esperasse há muito tempo“.
É claro que um  livro nem sempre “traz a força de uma resposta” – como pretende Corção.

Partindo da frase de Stevenson de que “o livro é uma carta particular aos amigos do escritor… e o público é apenas o generoso patrocinador das despesas postais“, Corção elabora sobre os segredos da escrita…

O leitor desejado pelo escritor é, pois, o que recebe o livro como uma carta pessoal, que esperasse há muito tempo… Então, quando isso acontece (eu o digo como testemunha desse evento, não só com este livro, mas principalmente “A Descoberta do Outro“), “uma profunda reorganização se opera em nossa vida“.

Então, é o momento que o leitor termina a leitura saboreando a frase inaudita: “eis o livro que eu queria ter escrito”. Ou, frase ainda mais generosa e grata: “este é o livro que foi escrito PARA MIM…”

Há ainda, nas obras ditas por Corção ( e válidas para todos nós ainda hoje ) como GENUÍNAS uma espécie de REFRAÇÃO, quando nós leitores autênticos vemos no que lemos um reflexo dos livros que já temos como LIDOS e ASSIMILADOS.

O fato final, diz GC, é que “na cultura universal corre uma seiva comum, tornando as obras comunicantes e comunicadas“.

No entanto, este livro lido e amado continua decisivo e interessante porque situado como todo livro deveria ser “um objeto situado no mundo espírito” . Corção sempre viveu na contra-corrente e afirmar que obras de arte formam uma “trama orgânica”, citando obras díspares e autores de espectros políticos diversos mostra a generosidade e capacidade crítica de GC, juntando no mesmo pack da obra de Otávio Faria (tão esquecido!): Homero, Tertuliano, Santo Agostinho, Erasmo e Pascal, Verlaine e Proust…

Essa a essência do capítulo “Há uma carta em cada livro”. Essa a essência da leitura em todos os livros essenciais.

Por tudo isso e muito mais para quem achar e ler esse opúsculo, esse livro foi escrito pra mim… nascido 2 anos depois de sua edição (53) e lido bem recentemente, com muita emoção. Como quem repetisse o bordão: esse livro foi escrito para mim!

+++
Fonte: CORÇÃO, Gustavo. “Três Alqueires e Uma Vaca”. Ed. Agir, RJ, 1953. pág. 26 e ss.

2 comentários em “O livro escrito para mim

  1. Meu amigo e compadre,

    Ainda não li por inteiro este livro de GC apenas folheei em sua vistosa e completa biblioteca, mas, nas poucas linhas que li, percebi que GC faz uma análise das idéias de G K Chesterton. Sei que você dedica especial atenção a estes autores. Como prova, o texto escrito por você no blog Oito Colunas, logo no inicio de sua conversão ao catolicismo, intitulado “Três Alqueires do Coração ou Resposta a uma carta de 1935.”

    http://oitocolunas.blogs.sapo.pt/arquivo/228957.html

    Fraterno abraço

    Curtir

  2. Sim, sim, meu caro compadre. Corção e G.K.Chesterton tiveram muito a ver com a minha conversão ao Catolicismo e os recomendo “como se recomenda o quinino, principalmente para aqueles que por dever de ofício freqüentam os mangues da inteligência, as paragens encharcadas de lugares comuns, as baixadas do pensamento…”
    Mes Amitiés,
    BetoQ.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: