Crônica, Miscelânia, Viagens

Grand Canyon


Aos que me perguntam sobre a foto do banner de meu blog aqui no WordPress, a resposta é positiva: sim, a foto é minha. Adiciono agora reflexões antigas sobre o meu primeiro encontro com o Canyon (chance de fazer a foto do banner deste blog, porque  elas continuam válidas:

Lições de Abismo

Diante do monumento que é o Grand Canyon, a primeira atitude que tive foi respirar fundo e rezar. Rezei silencioso um Pai-Nosso e uma Ave-Maria, em meio ao burburinho dos turistas, ecoando para sempre na distância.

E o título do livro de Júlio Verne, que serviu de inspiração à história de Gustavo Corção, agora me ampara como a legenda da grandiosidade do Cannyon. Vejo homens e mulheres que descem às profundidades e que são na encosta pouco mais do que formigas no cenário.

Lembro-me do professor Lindenbrock e seu sobrinho Axel no rigoroso treinamento contra as vertigens: “antes de descer às profundezas, ele ensinava a galgar as alturas”, subindo uma estreita escada de uma antiga torre de igreja, em cima de um abrupto penhasco. A esses salutares exercícios o professor dava o nome de lições de abismo.

– E a nós, turistas embevecidos, quem dará as lições de abismo?gcanyon_2006
Eis que soam em meu coração, as palavras de Ecos Eternos, trocando a paisagem do oeste da Irlanda de O´Donohue pela paisagem única deste pedaço do Arizona:

Quando encontramos um lugar na Natureza em que a mente e o coração encontram sossego, então descobrimos um santuário para a nossa alma.

“Não se verá nada dos vinte séculos. Há somente a escultura sutil que a chuva e o vento entalharam na pedra. Quando a luz surge, a pedra fica branca e lembramos que essa é pedra viva do fundo de um oceano antigo. (…)

Nosso anseio purifica-se e ganhamos força para voltar reanimados à vida e refinar nossas maneiras de nos integrarmos ao mundo. A Natureza nos chama para a tranquilidade e o ritmo.”

++++
Post-post: concordo com Paulo Hecker Filho (não na mesma intensidade) que Lições de Abismo não é um grande romance, nem está à altura de “A Descoberta do Outro“, no conjunto da obra de Gustavo Corção.

5 thoughts on “Grand Canyon”

  1. A grandiosidade de certos pontos em que a natureza acolheu com especialidade a mão de Deus simplesmente me silenciam e me dão a dimensão da minha condição humana perante o Demiurgo e Seus planos. Gostei muito do teu comentário. Morei nos Estados Unidos mas nunca fui ao Canyon. Morei na região dos Grandes Lagos, bem a nordeste. O Lago Michigan parece o mar de tão imenso. Bom feriado amanhã. Bisous

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s