Claire vê a Cartago de Flaubert


“A CARTAGO DE FLAUBERT”
Autora: Claire Scorzi*

Por volta de 1857, Gustave Flaubert começou a planejar o romance Cartago. Viajou até a África, visitando as ruínas da cidade, leu em torno de 100 volumes para embeber-se no tema – obras de História, Arte Militar, Patologia, Religião e outras. Em suas cartas, registrou o sofrimento que era dedicar-se à realização desse livro. “Que tema miserável! Eu passo alternadamente da ênfase mais extravagante à convenção mais acadêmica” escreveu ele ao escritor Ernest Feydeau em fins de 1857. Em 29-30 de novembro de 1859, ao mesmo amigo escrevia: “É preciso ser absolutamente louco para empreender livros semelhantes! A cada linha, a cada palavra, supero dificuldades de que ninguém terá idéia, e está certo talvez que delas não se faça idéia. Pois se meu sistema é falso, a obra estará fracassada.”

Salambô, como acabou por intitular-se o romance histórico sobre Cartago, é uma obra impressionante: páginas e páginas de descrições de ambientes, vestimentas, objetos, costumes, páginas descrevendo batalhas com vividez e crueza. O efeito da leitura é monumental, o que é curioso porque o livro em si é pequeno (168 páginas em letra miúda, margens apertadas, enfim, uma edição econômica; a edição mais volumosa que encontrei possui 216 páginas). Contudo, enquanto vamos lendo, Cartago ressurge – ainda que seja decerto a Cartago de Flaubert, não se trata de um feito desprezível – aos nossos olhos, majestosa, poderosa, soberba, despótica: sua riqueza entra-nos pelos olhos, apela a nossos outros sentidos (o tato: como se tocássemos seus tecidos finíssimos; o paladar: como se provássemos suas iguarias). Desde o primeiro capítulo, com o banquete dos mercenários durante o qual fica subentendido que não receberão seu soldo após a guerra, a leitura nos prende. À medida que o romance avança, acompanhamos a revolta dos mercenários, o encontro entre o soldado Matô e a filha de Amílcar, Salambô, o roubo da túnica do deus fenício Tanit, as batalhas entre os mercenários e os cartagineses, o cerco de Cartago, a fome e a sede, a captura e o destino horrendo dos prisioneiros de ambos os lados, tudo isso perpassado da mesma monumentalidade, da mesma impressão do grandioso.

Flaubert era um grande escritor. A crítica considera Madame Bovary sua obra-prima. Pessoalmente, é no Flaubert experimental e satírico de Bouvard Pécuchet, no Flaubert escritor dedicado ao sacerdócio da Literatura nas Cartas, e agora nesse Flaubert meticuloso, fascinante e recriador de um mundo desaparecido em Salambô que encontro o gênio tantas vezes incensado; no escritor dessas últimas obras, encontro um escritor de minha predileção.

Vale ainda observar: quantos, dentre os nossos pretensos teóricos e críticos literários, terão lido Salambô? Relembro os comentários de Boris Schnaiderman, impressionado com a brutalidade dos relatos de fome e loucura em Narrativa de Kolyma de Chalamov. É verdade: Chalamov descreve fatos, não ficção. Ainda assim, é difícil não crer nas descrições que Flaubert faz do cerco e dos esforços dos mercenários para tomar Cartago – a brutalidade dos combates, a chegada da fome que leva ao canibalismo, o desespero que leva à superstição: o sacrifício de crianças ao deus Moloque. Crueza. Horror. Recriação de um tempo e de uma cultura. Numa obra-prima de 1862.”

(*Texto e pesquisa de Claire Scorzi, do ex-Blog Claire Insone)
+++++
Quase um ano depois de ter fechado seu excelente blog, Claire começou uma nova e interessante atividade, para atender a um pedido de sua irmã ela enviou uma resenha por email a amigos virtuais e instituiu o que chamou de PostMail e nós, seus amigos virtuais, fomos brindados com seus sempre consistentes textos através deste novo meio. A resenha que reproduzi acima é a terceira da série e muito mais me agradou por dizer respeito a um escritor francês que muito prezo e sobre quem já havia feito uma ou duas referências no meu antigo blog.
Por email, confessei à amiga a dificuldade que oferece Salammbô pra ser lido em francês, mesmo por um sujeito que fez o Nancy-3 da velha e boa Aliança Francesa. Mas já consegui uma edição portuguesa perdida em minha prateleira e por conta deste texto da Claire, vou encarar a leitura dos dois volumes
de Lello & Irmão (Porto, s/data).

Mais uma vez, Claire, obrigado por compartilhar.

2 comentários em “Claire vê a Cartago de Flaubert

  1. Muito boa a resenha. Comentário vívido e sólido ao mesmo tempo. Grata a vc tbém, Beto, por compartilhar conosco a Claire. Viva vc, Claire!! Abs, Si
    +++++
    Que bom você ter gostado, SI.
    Bom domingo!
    Beto.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: