Lucchesi, Drummond e adeus! ano velho…

A tendência do cronista, já disse, é fazer o que todos fazem, mas as listas abundam em redor, melhor fazer um levantamento poético-afetivo do ano que finda. E para isso, as musas me concederam lembrar de dois poetas - Lucchesi, tradutor e escritor e do poeta Carlos Drummond de Andrade, que em sua receita de … Continuar lendo Lucchesi, Drummond e adeus! ano velho…

Spes, Ultima Dea

Lorenzo Steccheti, que bellissima scoperta…
Obrigado, Schadeck e Editora Anticítera!

O original do poema traduzido por Bruno Gomes.

 

75b9b1f40e422dca368aeb9a2966aa12.gif

Eu inquiri meu coração tremendo:
— Por que tanta tristeza e desconforto?
— É morto o amor! — falou-me ele gemendo.
E eu com ansiedade retornei dizendo:
— Por que esperas então, se o amor é morto?
— Eu nada espero, amigo, estou morrendo.

Lorenzo Stecchetti. Trad. de Bruno Gomes

Ver o post original

Ainda (e sempre!) Emily Dickinson…

  Um poema de Emily Dickinson e duas traduções de Paulo Henriques Britto.   Original – poem 185* Trad. “A” Trad. “B” “Faith” is a fine invention Quando se pode enxergar A “Fé” é um ótimo invento When Gentlemen can see – A “Fé” tem conveniência; Quando se enxerga a contento; But Microscopes are prudent … Continuar lendo Ainda (e sempre!) Emily Dickinson…

Seven-Sided Poem, Drummond in English

UMA DAS excelentes descobertas destas férias na América é (tem sido) a poetisa Elizabeth Bishop. Comecei lendo-a em nota de Hirsch - em "How to Read a Poem and Fall in Love with Poetry" -, onde o professor Edward Hirsch fala sobre (e transcreve) o poema "One Art" - leia o post com a tradução de … Continuar lendo Seven-Sided Poem, Drummond in English

No mínimo…dia #8

PIERRE RONSARD (1524-1585), traduzido ao português por Mário Laranjeira. Da série de posts "No mínimo, um poema ao dia"  - Dia 8. À Cassandre A Cassandra Mignonne, allons voir si la rose Querida, vamos ver se a rosa Qui ce matin avait déclose Que esta manhã abriu garbosa Sa robe de pourpre au soleil Ao sol … Continuar lendo No mínimo…dia #8

No mínimo um poema ao dia (dia #3)

No mínimo, um poema ao dia (3)   Walt Whitman trad. Rodrigo Garcia Lopes (1819-1892). Song of Myself (trechos) EU CELEBRO a mim mesmo, E o que eu assumo você vai assumir, Pois cada átomo que pertence a mim pertence a você. Vadio e convido minha alma, Me deito e vadio à vontade . . . … Continuar lendo No mínimo um poema ao dia (dia #3)

No mínimo, um poema ao dia (2)

Projeto para gerar riqueza espiritual: Ler, no minimo, um poema por dia; ver um quadro; ouvir música de qualidade.

No mínimo, um poema ao dia (I)

Chansons – Canções De Clément MAROT (1497-1544). Tradução de Mário Laranjeira.* De la rose Da rosa    La belle Rose, à Venus consacrée,     A bela rosa, a Vênus consagrada, L’oeil et le sens de grand plaisir pourvoir; Ao olho e olfato tanto prazer dá; Si vous dirai, dame qui tant m’agrée. Assim direi, senhora … Continuar lendo No mínimo, um poema ao dia (I)

Emily, a intraduzível ?

Uma tradução reinventa (há) "Outro céu", outra constelação de Emily Dickinson, com fiel originalidade.