Bernard McGinn, Catolicismo, Doutores da Igreja, S.Bernardo de Claraval, Vida dos Santos

São Bernardo de Clairvaux (i)


ESTUDANDO a vida e a obra de São Bernardo de Clairvaux (Claraval, Fr)…. +++++++++Encontramo-nos com a força da FÉ e da persistência. O Amor a Deus que se transforma em ação tranformadora ++++++++++++++++++++++++

No domingo de Páscoa de 1113 uma grande comoção toma conta de uma multidão à porta do Mosteiro de Burundy… Um pequeno ‘exército’ de jovens nobres não procuravam o mosteiro para resolver uma disputa de terras (o que era comum naquele tempo), mas para apôr

seus nomes entre aqueles que gostariam de se juntar a Bernardo numa vida consagrada no Mosteiro.

ELES eram 30 companheiros que começaram a ordem dos Cistercenses. Monges que, apenas 40 anos, multiplicaram-se e se transformaram em milhares, vivendo uma vida consagrada em mais de 340 mosteiros em 1153, quando o “Santo Difícil” – como foi alcunhado Bernard de Clairvaux, faleceu.

============ Grande força de persuasão, firme, assustador, às vezes super-influente – essas características de São Bernardo – fizeram-no receber o epíteto de “Difícil”. Conta as hagiografias que até as mães dele escondiam os filhos, temendo que à força do convencimento (não da imposição) Bernard os levasse ao convento ou à Cruzada. ______Foi a 2a.cruzada que o levou à depressão. Com a débacle da expedição em 1148, Bernard se recolhe para escrever, em importante e decisiva contemplação, seu principal tratado – “On Consideration” (circa 1148-53). Além de sermões, tratados (como este), deixou-nos o santo mais de 500 cartas.*****”Cântico dos Cânticos” é seu Sermão mais conhecido e divulgado – foi a inspiração dos anos de maior recolhimento e preparação para a morte, ocorrida em 1153. S.Bernard de Clairvaux, inspiração para dias difíceis e espírito inundado da presença de Deus.+++++ SEU homônimo, prof. Bernard McGinn, meu amado e respeitado professor na UNM Continuing Education é uma autoridade em doutores da Igreja e das notas de conferências e do livro “The Doctors of the Church” (Crossroad Book, 1999, p.107/111).

Ver CapaBernardMcGinnBernard-of-Clairvaux_Manuscritomais

lendo The Doctors of the Church: Thirty-Three Men and Women Who Shaped Christianity.SBernardo_CanticoDosCanticos Bernard-of-Clairvaux_Manuscrito SaoBernardo

2 thoughts on “São Bernardo de Clairvaux (i)”

  1. Sobre são Bernardo, eu lembro de ter lido no Russell, em sua história da Filosofia, que sua santidade não bastou para faze-lo inteligente. Era inimigo da filosofia escolástica e da arte religiosa, e como diz um verbete da Enciclopédia Britânica que o Russell cita, esse santo puritano se distingue mais pelas suas qualidades morais que intelectuais.

    Curtir

    1. Douglas, obrigado por ler e comentar.
      Na verdade, BERNARDO era um clássico, no sentido de não aceitar modificações de fundo na teologia clássica. As inovações passarão ao largo do pensamento do santo. Era puro e pronfundo, naquela profundidade que não carece de iluminuras para portar seu canto. Fez enormes esforços para purificar o Canto Gregoriano e despir o local de culto de tudo que desviasse a atenção dos seus monges da visão do CRISTO.
      Essa é a leitura cristã (Russell não o era!) desses dois pontos sobre a arte Citerciense e Bernardina.
      Para a arte cisterciense, o essencial é que a “forma primeira reside num primeiro alicerce: viver segundo o
      Espírito de Deus.” (Duarte Morgado)
      A ordem cisterciense surge Cister surge num contexto histórico situado entre “dois grandes momentos estéticos e arquitetônicos, o românico e o gótico” e como um conservador que deseja reabilitar e ao mesmo tempo reformar (a ordem Beneditina) em oposição ao fausto de Cluny – é bem compreensível buscar a simplificação do espaço de culto.
      Ainda da tese de Duarte Morgado, destaco: “Depois de Bernardo de Claraval haverá uma alteração do paradigma acerca da obra artística cristã. Para o “Doctor Mellifluus”(Bernardo) o conceito de “ars sacra” não se referia à
      criação de peças em si mesma. Aliás, para ele, a arte não interessava como distração dos homens, qual mero prazer, mas pelo contrário, devia responder à necessidade da vida espiritual. Contemporâneo dos seus, São Bernardo assumiu profundamente na sua vida a compreensão clássica, recebida da Antiguidade e que se desenvolveria fortemente em plena Idade Média, de que a beleza não se limita ao sensível, mas que se reconhece
      pela sua participação no mundo inteligível.”

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s