Negócios

Lições da Copa do Mundo 2014


World-Cup-2014-930x521“O que os Gestores
podem aprender
com a
Copa do Mundo
de futebol, 2014”

Este mês marca o início da Copa do Mundo, evento esportivo mais popular do mundo.

As partidas deste torneio mundial de futebol estão em pleno andamento [o artigo original é de uma semana antes, dia 10/06/14*] tendo o (nosso) país anfitrião Brasil enfrentado a Croácia.

Enquanto uma quantidade enorme de colaboradores deve inventar todo tipo de doenças para permanecer em casa, sem trabalhar durante toda esta competição que vai durar um mês, a Copa do Mundo também pode nos ensinar tanto os colaboradores (e seus gerentes de negócios) mais do que apenas formas criativas para sair do escritório mais cedo para assistir aos jogos.

A Copa do Mundo afeta nossas vidas de trabalho de uma forma diferente – ela nos ensina a importância de construir uma equipe de qualidade para alcançar o sucesso em um ambiente de trabalho que está, cada vez mais, se transformando.

Afinal, no campo, os jogadores precisam se adaptar rapidamente aos esquemas de jogos, aos árbitros, aos torcedores, e a outras forças que cercam as partidas- tudo ao mesmo tempo garantindo que eles se comuniquem bem com sua própria equipe. Tudo isso exige a capacidade de mudar de rumo em um instante, e gerar enorme oportunidade de pensar “fora-da-caixa” (no orig. : outside-the-box thinking).

Tudo isso parece um pouco com o seu trabalho?

Então, quais são algumas lições que empregados e suas empresas podem tirar da formação das equipes para a Copa do Mundo deste ano?

LIÇÕES DOS TRÊS LEÕES

Assim como os Jogos Olímpicos, os atletas na Copa do Mundo representam seus países de origem, como parte de uma equipe nacional. Cada equipe na Copa do Mundo teve quatro anos ser montada, com os treinadores pesando os pontos fortes, os pontos fracos, e química geral do time, para escolher entre centenas de jogadores, chegando a uma lista final de 23. É um processo meticuloso, mas que tem como objetivo criar o máximo valor deste conjunto.

Fabio Capello, ex-técnico da seleção da Inglaterra – agora dirigindo a equipe da Rússia na Copa do Mundo – afirmou ao AskMen.com que o fator fundamental para a construção em suas equipes na Copa do Mundo é o respeito.

Ele espera que os seus jogadores trabalhem forte para o conjunto – um para outro – e este é um elemento crítico para a sua abordagem de ritmo elevado no jogo, onde sua equipe pressiona incansavelmente para recuperar a posse de bola em zonas perigosas do campo; mas ele salienta que a última coisa que ele quer é uma equipe composta por robôs que estão apenas seguindo ordens.

Em vez disso, Capello estimula a imaginação e a flexibilidade – duas qualidades que são tão importantes para a vitória no local de trabalho quando os jogadores em campo. Olhando para os membros da equipe que têm essas características pode-se construir uma equipe dinâmica que gera idéias de muitos, ao invés de apenas fazer rolar as idéias de cima para baixo.

Capello diz que adapta os seus discursos motivacionais para combinar com o clima da sua equipa. Ele acredita no contato olho no olho para dizer à sua equipe se é hora para uma pequena dose de lembretes sobre erros recentes, uma repreensão suave que se torna mais aceitável se feita com bom-humor; ou se é hora de elogio aberto a um trabalho bem feito.
Líder colaborativos tem uma agenda de coaching
Para os gestores (ou empregadores) seria prudente seguir o método de Capello e saber quando encorajamento gentil irá produzir melhores resultados do que a simples recriminação do colaborador. É claro que esta é uma habilidade que vem com o tempo . Também é bom ter em mente a importância de fazer coaching em público ou privado – existem algumas situações em que é apropriado para chamar a equipe para a não realização acima do par, mas a crítica individualizada, de modo geral, deve ser feito em um one-on- base.

Capello também incentiva seus jogadores a aproveitar a vida fora do futebol. Ele ressalta a importância da família e passatempos quando se trata de equilibrar o stress imenso que vem de uma campanha de ultra-focado como a Copa do Mundo.

Ele vai mostrar que o equilíbrio trabalho-vida é importante para a equipe felicidade, mesmo para atletas de elite. Se você ver os membros da equipe a mostrar sinais de queima para fora, você pode precisar de ser o único a garantir que desacelerar e dar um tempo – como os atletas de elite, muitos trabalhadores qualificados têm dificuldade em tomar-se fora do jogo, mesmo que por pouco tempo.

A “DEBACLE”(*) DE DONOVAN

Finalmente, eis uma lição sobre o que “não-fazer”, considerando o caso de Landon Donovan dos EUA . Donovan, claramente o melhor jogador dos EUA no futebol de todos os tempos, e herói da equipe da Copa do Mundo de 2010, esnobou o elenco deste ano, deixando os seus fãs em polvorosa.

Embora as estatísticas revelem que aos 32 anos, Donovan seja um jogador veterano parecia em declínio, e sua motivação havia sido posta em causa devido a um recente ano sabático que ele se auto-impôs; mas a decisão do treinador de deixá-lo de lado em favor de jovens talentos, não comprovada didn ‘ t ir mais além. Muitos especularam que o desprezo tinha menos a ver com o jogo de Donovan e mais a ver com o fato de que ele e o treinador, Jurgen Klinsmann, não se davam bem.
Por sua parte, Klinsmann foi muito reservado sobre a decisão, com relatórios que estão fora de campo ; que ele não teria consultado ninguém durante o processo, e até mesmo surpreendido os dirigentes do futebol dos EUA, quando a decisão foi tomada.

As mídias sociais se iluminaram em protesto, e todo o episódio parecia uma grande distração desnecessária. Ele continua a ser visto como a precipitação e deverá afetar o moral da equipe durante a Copa do Mundo.

A “dêbacle” Donovan é uma boa lição para qualquer chefe de equipe: se você estiver decidido a se livrar de um membro da equipe que é popular, há uma forma certa e uma forma errada. Considere consultar conselheiros antes de tomar a decisão, e sendo totalmente transparente sobre o seu processo de tomada de decisão. Além disso, embora seja importante manter-se firme como um líder, lidar com uma situação volátil como que deve ser feito com um toque de mais delicadeza. E é melhor você ter certeza de que há uma boa razão para cortar um membro da equipe de qualidade, além de apenas basear-se em disputas mesquinhas.

Afinal, um treinador (ou Gestor) verdadeiramente bom toma decisões tendo sempre em mente o bem do todo (do conjunto) . Um bom gestor não corta pessoas produtivas de uma forma irresponsável e impensanda.

Então, da próxima vez que você encontrar-se em uma encruzilhada de decisões gerenciais, você deve considerar que é útil pensar em sua equipe como uma equipe de futebol.
O que você precisa fazer para garantir que eles trabalham juntos com sucesso, e com a resiliência para se adaptar ao seu ambiente em constante mudança? ./.
_____
(*)Dêbacle: s.f. queda, ruína, desmoronamento.

FONTE: © Todos os direitos do texto original para Website WorkIntelligent.ly
(Tradução livre deste blogueiro, com ajuda de Google Translate e Linguee* – este texto está sendo republicado com autorização de © WorkIntelligent.ly Staff.

Olhando para obter o máximo de sua equipe? WorkIntelligent.ly pode ajudar:

ARTIGOS POPULARES

Também recomendamos:

As empresas 9 Empregado Traços estará procurando

MAIO15

Tags: culturademografialiderançaequilíbrio trabalho-vidaworkstyle

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s