Dito e não ouvido (1)*


 

 

 

 

 

 

 

Eu, perdido como sempre no meio de centenas
Pessoas: eu no paraíso de uma Varzim nova
Tão próximo e tão distante das antenas
Da raça. Eu, um só na moderna Póvoa.

Nós: porcelana e colante.
Tão sós, em meio a tanta gente.
Eu: sem definição e sem horizonte.
Tu: coragem de quem leva adiante.
++++
* ©Poema do livro “Cadernos de Sizenando”, ainda na gaveta do autor.

Um comentário em “Dito e não ouvido (1)*

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s