Por que o Olavo tem razão?

O que estou fazendo aqui?


I. De todos os bens humanos, a inteligência –e inteligência não quer dizer senão consciência –se distingue dos demais por um traço distintivo peculiar: quanto mais a perdemos, menos damos pela sua falta.
Aí as mais óbvias conexões de causa e efeito se tornam um mistério inacessível, um segredo esotérico impensável. A conduta desencontrada e absurda torna-se, então, a norma geral.
(…)

II. O que neste país se chama de “debate político” é de uma miséria intelectual indescritível, que por si só já fornece a explicação suficiente do fracasso nacional em todos os domínios – economia, segurança pública, justiça, educação, saúde, relações internacionais etc.
Digo isso porque a intelectualidade falante demarca a envergadura e a altitude máximas da consciência de um povo. Sua incapacidade e sua baixeza, que venho documentando desde os tempos do Imbecil Coletivo (1996), mas que depois dessa época vieram saltando do alarmante ao calamitoso e daí ao catastrófico e ao infernal, refletem-se na degradação mental e moral da população inteira.
Leia Mais...

Leve no trato; firme na ação…

AOS LEITORES.

A vocês, seis fiéis que vêm sempre em busca do pão cotidiano da poesia, lamento ter que lhes absorver o tempo como esponja em água suja para falar do tempo dividido que vivemos.

Como sabem, o Brasil vive à beira da ruptura institucional. Apodrecidas práticas políticas e ações nas sombras levaram ao limite a boa vontade de toda a gente, à espera de uma solução pacífica, negociada, razoável e “republicana” – eu que sou monarquista não confio no termo, mas vá lá – é o que se tem.

Impossível de vir e, mesmo diante da mais evidente manifestação de desapreço ao governo de Dilma Rousseff e das mazelas da política praticadas por muitos, mas principal e sistematicamente pelo partido da presidente e do ex-presidente Luis Inácio da Silva, o Lula,  pessoas deram demonstração inequívoca de querem mudanças já!

Ao contrário de uma resposta positiva, os donos do Poder achincalham toda a gente com a ação sombria e a prática típica de gângsters. A linguagem deturpada expõe a alma em desordem. Já o filósofo Eric Voegelin dizia sobre o tema Ordem na gestão pública como consequência da ordem interna – e vice-versa. Sobre isso, falei há algum tempo e ilustrei (ver link abaixo).

Eric Voegelin e a Ordem na História.

capa-veja-sabia-de-tudo

Creio, firmemente, que a Ordem é resultado da Paz interior e entre os cidadãos. E, por decorrência, vejo o Brasil em completa desordem mental e espiritual – do que o caos e a “aporia” (R.Romano) – o beco-sem-saída da política é consequência e não causa.

A ordem nos ambientes públicos – como na Escola, na Igreja, no Estádio, nos meios de transporte etc. – é consequência da Ordem no interior das pessoas; sendo requisito para a boa e harmoniosa convivência e a PAZ.

 

Em conclusão, cito um texto do ministro-decano da mais alta corte brasileira, reagindo aos achaques do sr. Luiz Inácio Lula da Silva, o desordeiro maior que chamou o STF de uma corte acovardada.

Leia abaixo a íntegra do pronunciamento de Celso de Mello – a fonte é o site G1 globo.com:

Os meios de comunicação revelaram, ontem, que conhecida figura política de nosso País, em diálogo telefônico com terceira pessoa, ofendeu, gravemente, a dignidade institucional do Poder Judiciário, imputando a este Tribunal a grosseira e injusta qualificação de ser “uma Suprema Corte totalmente acovardada”!

Esse insulto ao Poder Judiciário, além de absolutamente inaceitável e passível da mais veemente repulsa por parte desta Corte Suprema, traduz, no presente contexto da profunda crise moral que envolve os altos escalões da República, reação torpe e indigna, típica de mentes autocráticas e arrogantes que não conseguem esconder, até mesmo em razão do primarismo de seu gesto leviano e irresponsável, o temor pela prevalência do império da lei e o receio pela atuação firme, justa, impessoal e isenta de Juízes livres e independentes, que tanto honram a Magistratura brasileira e que não hesitarão, observados os grandes princípios consagrados pelo regime democrático e respeitada a garantia constitucional do devido processo legal, em fazer recair sobre aqueles considerados culpados, em regular processo judicial, todo o peso e toda a autoridade das leis criminais de nosso País!

A República, Senhor Presidente, além de não admitir privilégios, repudia a outorga de favores especiais e rejeita a concessão de tratamentos diferenciados aos detentores do poder ou a quem quer que seja.

Por isso, Senhor Presidente, cumpre não desconhecer que o dogma da isonomia, que constitui uma das mais expressivas virtudes republicanas, a todos iguala, governantes e governados, sem qualquer distinção, indicando que ninguém, absolutamente ninguém, está acima da autoridade das leis e da Constituição de nosso País, a significar que condutas criminosas perpetradas à sombra do Poder jamais serão toleradas, e os agentes que as houverem praticado, posicionados, ou não, nas culminâncias da hierarquia governamental, serão punidos por seu Juiz natural na exata medida e na justa extensão de sua responsabilidade criminal!

Esse, Senhor Presidente e Senhores Ministros, o registro que desejava fazer.”

ENSAIO-Limite (1)

IMPRESSIONANTE como em minhas leituras tenho um velho hábito de pensar em círculos.

E desses círculos, saio sempre nutrido mas com uma certa fadiga.
Se e quando a leitura me agrada (em tanto e tal extensão) penso em esparramar o amor ao texto (livro, artigo) lido; mas aprendi que para refletir sobre o que se lê, é preciso tempo e um projeto contínuo de leitura e reflexão.
Duro é quando o ciclo (ou círculo) passa e a reflexão objetiva e lógica parece não vir…

O grande segredo da ação bem sucedida é o seu limite.” – ensina-me o pensador Olavo de Carvalho.

 

POIS BEM, EIS PORQUE TAIS FASES precisam ser emolduradas em seus próprios limites. Em minhas leituras foram tantas as fases quantas idades. Ventos diversos me levaram (e continuam me levando) a uma espécie de ‘rincão’, um “terrain”, donde colho algumas boas uvas e parece necessário um certo tempo para que essas se acomodem até se transformar em suco ou vinho e possa passá-las a uma garrafa e transportá-las, já consumíveis, por algum leitor ávido do fruto da videira do leitor, o outro. Busco o segredo e o limite, esperando…

LEMBRO-ME com alegria de fases de leituras antigas e essas se vão, como a água do João Leite, pois que nunca hei de considerar-me um leitor de Araguaia, Tocantins ou – suprema vaidade – um leitor amazônico.

HOUVE um tempo em que me debrucei sobre os gregos, a Eneida eu a comprei num livrinho barato dessas editoras (livro de bolso), creio que Ediouro. Eu quebrei-o em pedaços que levava comigo no trajeto até o trabalho. E assim fui substituindo os “pedaços” até o final do longo poema Virgiliano. Vieram outros da mesma safra e preço.

COM a biblioteca Pública de Porto Alegre, vieram-me os livros emprestados e lidos durante as noites frias da cidade de Dyonélio Machado (ou por onde ainda passeava o poeta-anjo e suas heras, Mário Quintana). Uma das fases mais interessantes deste período ficou-me gravada – a leitura das fantasias de J. L. Borges e seu amigo Adolfo (Bioy Casares).

JÁ ganhava alguns trocados a mais e pude começar minha coleção de livros que ia alinhando nas prateleiras de minha casa (apartamento) em Porto Alegre. Os sebos sempre foram uma fonte acessível e me deram a Comédia Humana de Balzac em estado de seminovos. Dias e noites de boa leitura. Cartas, anotações, paixão.

Minha mulher não teve dúvida, anos mais tarde, de nomear nosso lindo ‘collie’ de Balzac; a quem o amigo francês (prof M. Evreinoff), quando nos honrava com sua visita à casa do Jardim América, chamava-o por Honoré…

Comecei pensando nas leituras e na pilha de livros e nas fases para tecer-lhes a planta-baixa de minha dificuldade atual. Tenho todo o tempo do mundo para ler e não consigo palmilhar a lista interminável de livros (bons) que alinhei para a leitura, sobretudo com o apoio do curso de Filosofia que faço online.

E quando a fase de Augusto Frederico Schmidt, revisitado por seis meses, viu-se como fase passada, tenho a chance de publicar um ensaio em uma conceituada revista online, mas me sinto paralisado pela síndrome do “ensaio-que-não-sai…” 

O limite que me imponho agora é o de ouvir o ruído da ventania que me traz um dado autor (ou conjunto de autores, pois que nunca chegam sozinhos), prescrutar-lhes o sentido e a mensagem de seus (deles) livros, artigos, aulas e deixar passar um tempo, até que amadureça o bom vinho do ensaio. Ensaio que no fundo é “tentativa” de dizer algo, para além do que foi lido.

Eis um plano aceitável como limite para um leitor que tem na imortalidade posta sua esperança… E assim, o ensaio virá, digo a mim mesmo e ao amigo confrade-professor Francisco, mesmo que a fase Schmidt pareça ter visto seu (dele)

FIM.

Um ensaio que não sai…

Leveza & Esperança | Literatura e Arte: um olhar Cristão

IMPRESSIONANTE como em minhas leituras sou vítima de uma tendência a pensar em círculos.
Nada mal, pois que desses círculos, saio sempre nutrido mas com uma certa fadiga.
Se e quando a leitura me agrada, penso em esparramar o amor ao texto (livro, artigo) lido; mas aprendi que para refletir sobre o que foi lido, é preciso tempo e um projeto contínuo de leitura e reflexão.
Duro é quando o ciclo (ou círculo) – como agora – anuncia-se como passado e a reflexão objetiva e lógica parece não vir.
(…)

separador

EIS PORQUE TAIS FASES precisam ser emolduradas em seus próprios limites. Em minhas leituras foram tantas as fases quantas idades. Ventos diversos me levaram (e continuam me levando) a uma espécie de ‘rincão’, um “terrain”, donde colho algumas boas uvas e parece necessário um certo tempo para que essas se acomodem até se transformar em suco ou vinho e possa passá-las a uma garrafa e transportá-las, já consumíveis, por algum leitor ávido do fruto da videira do leitor, o outro. Busco o segredo e o limite, esperando…

LEMBRO-ME com alegria de fases de leituras antigas e essas se vão, como a água do João Leite, pois que nunca hei de considerar-me um leitor de Araguaia, Tocantins ou – suprema vontade – um leitor amazônico.

HOUVE um tempo em que me debrucei sobre os gregos, a Eneida eu a comprei num livrinho barato dessas editoras (livro de bolso), creio que Ediouro. Eu quebrei-o em pedaços que levava comigo no trajeto até o trabalho. E assim fui substituindo os “pedaços” até o final do longo poema Virgiliano. Vieram outros da mesma safra e preço.

COM a biblioteca Pública de Porto Alegre, vieram-me os livros emprestados e lidos durante as noites frias da cidade de Dyonélio Machado (ou por onde ainda passeava o poeta-anjo e suas heras, Mário Quintana). Uma das fases mais interessantes deste período ficou-me gravada – a leitura das fantasias de J. L. Borges e seu amigo Adolfo (Bioy Casares).

JÁ ganhava alguns trocados a mais e pude começar minha coleção de livros que ia alinhando nas prateleiras de minha casa (apartamento) em Porto Alegre. Os sebos sempre foram uma fonte acessível e me deram a Comédia Humana de Balzac em estado de seminovos. Dias e noites de boa leitura. Cartas, anotações, paixão.

Minha mulher não teve dúvida, anos mais tarde, de nomear nosso lindo ‘collie’ de Balzac; a quem o amigo francês, quando nos honrava com sua visita chamava-o por Honoré…

Comecei pensando nas leituras e na pilha de livros e nas fases para tecer-lhes a planta-baixa de minha dificuldade atual. Tenho todo o tempo do mundo para ler e não consigo palmilhar a lista interminável de livros (bons) que alinhei para a leitura, sobretudo com o apoio do curso de Filosofia que faço online.

JUSTO quando a fase de Augusto Frederico Schmidt, revisitado por seis meses, é dada como fase passada, tenho a chance de publicar um ensaio em uma conceituada revista online, mas sinto-me paralisado pela síndrome do “ensaio-que-não-sai…

Se é verdade que “o grande segredo da ação bem sucedida é o seu limite” – como ensina-me o pensador Olavo de Carvalho –, eis-me a impor um limite.

O limite da hora presente é o de ouvir o ruído da ventania que me traz um dado autor (ou conjunto de autores, pois que nunca chegam sozinhos); prescrutar-lhe(s) o sentido e a mensagem da(s) obra(s), artigos, aulas etc. e deixar passar um tempo, até que amadureça o bom vinho do ensaio, da reflexão meditada.

Ensaio que no fundo é “tentativa” de dizer algo, para além do que foi lido.
Featured Image -- 5282

Eis um plano aceitável como limite para um leitor que deseja colocar na imortalidade sua esperança.

Assim, o ensaio virá e já disponho de uma justificativa interessante perante o amigo-professor Francisco, mesmo que a fase A.F. Schmidt pareça ter visto seu FIM.

separador

O dom da profecia em tempos pós-modernos…

S.DomingosMeditando
São Domingos medita sobre uma leitura…

<

Era 2006…Olha só o profeta Olavo de Carvalho: in Jornal do Brasil, 7 de setembro de 2006:
“A construção do sistema nacional de roubalheira petista não começou em 2003, nem é um desvio acidental da linha partidária. Vem do início dos anos 90. É parte integrante da estratégia de conquista progressiva do poder total, que passa pela destruição sistemática da ordem pública e pela parceria ignóbil entre partidos esquerdistas e organizações criminosas no Foro de São Paulo.

“Não há um só dirigente do PT ou de qualquer outro partido de esquerda que não saiba disso, nem jornalista que o ignore. Por isso mesmo conseguiram escondê-lo tão bem.
Agora que se tornou difícil continuar negando as patifarias mais espetaculares usadas para implementar o grande engodo, só resta aos mentores esquerdistas fazer aquilo que previ em março de 2004: “Se o PT cair em total descrédito…, entrará em ação o Plano B: suicidar o governo alegando que falhou porque estava muito ‘à direita’ — e aproveitar-se da oportunidade para acelerar a transformação revolucionária do país, … transferindo a militância (petista) para outra e mais agressiva organização de esquerda.”.

Minha linha-do-tempo em FB – Adalberto De Queiroz.

Vá para o artigo de Artigo de Olavo

Professor Olavo de Carvalho, jornalista, pensador
Professor Olavo de Carvalho, jornalista, pensador e profeta, nas horas em que vaga, vagamos sob o Equador…

Teria esta Lição maior validez…

“Se em vez de carioquinha, o Millôr fosse um velho chinês…”

(paródia a um poema do Millôr (*)

Um dia depois de eu ter transformado o jogador colombiano Zúñiga em “bode expiatório” de minha revolta contra o “cordeiro imolado” que é nosso melhor jogador de futebol (e um dos mais jovens da Copa), pensei, repensei.

Lembrei-me de dois textos que me ajudam a entender o momento e por um instante, racionalmente deixo minha paixão futebolística de lado, para refletir sobre violência do homem contra o homem (homem lobo do homem?! – mesmo? Deixe sua resposta para o final do texto do Millôr.

Leiam o texto “Homem” de Millôr (abaixo), após o um texto do pensador francês René Girard sobre Violência e a Teoria do Bode Expiatório.  E entre Millôr e Girard, naturalmente, fico com o francês, mas ambos válidos para esta minha mirada para entender-me, entender-nos, nós Homens – seres humanos, mulheres inclusas, viu dona Ministra da igualdade pe(a)Teista).

O professor Olavo de Carvalho resumiu, em 1998, o pensamento de René Girard em um parágrafo:

(…) Todas as instituições humanas têm origem ritual, e o ritual resume-se no sacrifício. O sacrifício consiste em descarregar sobre um bode expiatório, vítima inocente e indefesa, os ódios e tensões acumulados que ameaçavam romper a unidade social. Estes ódios e tensões, por sua vez, surgem da impossibilidade de conciliar os desejos humanos. A razão desta impossibilidade reside no caráter mimético do desejo: cada homem não deseja isto ou aquilo simplesmente porque sim, porque é bonito, porque é gostoso, porque satisfaz alguma necessidade, mas sim porque é desejado também por outro ser humano, cujo prestígio cobre de encantos, aos olhos do primeiro, um objeto que em si pode ser inócuo, ruim, feio ou prejudicial. O mimetismo é o tema dominante da literatura, assim como o sacrifício do bode expiatório é o tema dominante, se não único, da mitologia universal e do complexo sistema de ritos sobre o qual se ergue, aos poucos, o edifício político e judiciário. A vítima é escolhida entre as criaturas isoladas, inermes, cuja morte não ofenderá uma família, grupo ou facção: ela não tem vingadores, sua morte portanto detém o ciclo da retaliação mútua. Mas a paz é provisória. Por um tempo, a recordação do sacrifício basta para restabelecê-la. Nesta fase a vítima sacrificial se torna retroativamente objeto de culto, como divindade ou herói cultural. Ritualizado, o sacrifício tende a despejar-se sobre vítimas simbólicas ou de substituição: um carneiro, um boi. Quando o sistema ritual perde sua força apaziguante, renascem as tensões, espalha-se a violência que, se não encontrar novas vítimas sacrificiais, leverá tudo ao caos e à ruína. A sociedade humana ergue-se assim sobre uma violência originária, que o rito ao mesmo tempo encobre e reproduz.”
(Fonte: Continue lendo no Site Olavo de Carvalho).

Apoio-me ainda, nas palavras de Felipe Cherubin:
A função do sacrifício é, portanto, apaziguar a violência e impedir a explosão de conflitos decorrentes de rivalidades cada vez mais crescentes que paradoxalmente focalizam uma vítima arbitrária cuja eliminação reconcilia o grupo e alcança o estatuto do sagrado. Essa vítima é chamada por Girard de “bode expiatório”, um inocente que polariza para si o ódio universal.”  (Felipe Cherubin, na Dicta & Contradicta)

Dá tempo até o próximo jogo interessante…

“Homem!”

© Millôr Fernandes.

“Besta! Você é uma besta!” Besta é como aprendemos a xingar desde cedo. E chamamos de animais os que matam com crueldade, os que violentam, agridem, ferem: “O criminoso reagiu à polícia como uma verdadeira fera!” Como? Correu? Não – atirou, esfaqueou, matou.

Porco-chovinista. A hiena-nazista. Alimentei uma serpente no meu seio. “Rato!” “Cavalos, são todos umas ca-valgaduras!” Pato. Cão. Teimoso como uma mula. Bêbado co-mo um gambá. Burro. Galinha. Lesma. Lágrimas de cro-co-di–lo. Traiçoeiro como uma raposa. Praticamente todos os ani-mais têm sido usados pelo homem para símiles das suas pró-prias fraquezas e defeitos. E os animais, dóceis, conti-nuam sua vida, ignorando que os usamos para cobrir toda a gama de nossa imensa canalhice, quando bebemos mais do que podemos, espancamos os mais fracos, prevaricamos sem medida, agimos, enfim, “como verdadeiros animais selvagens”.

Talvez isso se deva ao fato de que os animais sempre nos evitaram, com raras exceções, como a do cão (um quisling animal, o Pai Thomaz da espécie). Mas, agora que a história natural sabe muito mais sobre os animais, você já tentou ler, ao mesmo tempo, paralelamente, a biografia de uma família “ilustre” e a monografia de um grupo de chimpanzés? Em qualquer família “ilustre” a prevaricação sexual é a constante, a traição sentimental a regra, o ciúme, o impulso, e a violência resultado quase fatal.

Mas um grupo de chimpanzés do Quênia, estudado detidamente por naturalistas holandeses, mostrou que os brutos (perdão!) ficam satisfeitos com apenas seis atos sexuais por ano, já que as fêmeas só se interessam pelo assunto duas ou três vezes por mês e nem querem ouvir falar (grunhir) disso em todo o período da gestação e da lactação. O problema, porém, vejam bem, não é saber se os gorilas são ou não melhores do que o homem porque se importam menos com sexo, mas apenas mostrar que não é válido, na descrição de violências sexuais, num caso de estupro, por exemplo, dizer que o homem “cedeu a seus instintos bestiais”. O que ele cedeu mesmo foi a seus instintos humanos.

Mas, se alguns animais copulam menos, todos brigam menos do que os homens. Ainda estou para ver elefantes se adestrando militarmente para atacar leões, tigres se mobilizando para enfrentar uma horda de jacarés invasores, búfalos matando bisões por questões de fronteiras, ri-no-ce-ron-tes vendendo chifres a girafas, e assim por diante. Quando não se sentem efetivamente atacados, todos os animais deixam pra lá. Não brigam por conceitos, não reagem por pressupostos, não se ofendem por questões lingüísticas, não matam por religião. E, mesmo atacados por razões vitais, inúmeras vezes rugem, (zurram, escoiceiam, berram) mas, assim que podem, satisfeitas as necessidades teatrais da espécie, fingem que não foi nada e dão o fora. Paz! Paz!

Mesmo os animais definitivamente vitoriosos em lutas quase nunca procuram tirar partido disso. Viram as costas e vão embora. No máximo comem um pedaço do inimigo, se for o caso; se o caso é fome. Não há condecorações, butins de guerra, nem retaliações em nome do passado, tratados preservando um pasto para o futuro, colinas de Golan contestadas entre jaguatiricas e cascáveis, e, sobretudo, não há arcos do triunfo.

Pois é: já é tempo de inverter os termos e afirmar que uma pessoa é “suave como um elefante”, “maternal como uma cobra”, “tímido como um rinoceronte”, “delicado como um urso”, ou que “o coelhinho me olhou com um olhar quase humano”, isto é, de ódio ou inveja. Pois desde a Bíblia a interpretação foi sempre contra os animais: a serpente era pérfida e perdeu o homem. E, no entanto, tudo o que a serpente fez, afinal, foi contestar uma portaria aparentemente sem nexo. Possivelmente ela teve apenas a intenção de instigar o homem a um prazer que ele até então não desfrutara. E certamente a coisa não teria o desfecho desastroso que teve (o pão com o suor de nosso rosto, etc.) se não tivesse se metido na história o elemento agressivo e agressor, o anjo com a espada de fogo na mão. Um homem!

+++++
Fontes: Texto “Homem”, de Millôr Fernandes, transcrito de Revista Veja online.
(*) Poemas do Millôr (não achei a fonte – se você, leitor, souber, me envia por favor!):
”Tudo o que eu digo
Teria maior validez
Se em vez de carioquinha
Eu fosse um velho chinês”.

Mais que140 toques…não é twitter!

É mais fácil publicar músicas ou 140 caracteres. A preguiça me impede de vir mais vezes aqui mostrar a voz do dono do blog.  O mais das vezes, orquestro vozes e tons.

César Miranda, sim, publica originais e inovadores 2000 toques.

Isso me faz lembrar de meu tempo de estágio em jornalismo em que havia laudas e laudas para preencher e se exigia cumprir uma pauta. Éramos os filhos da pauta… Agora, somos filhos do pluto: latindo a 140 toques, numa verdadeira conversa de malucos.

Quando jovem eu amava as manchetes, mas imagino que o mancheteiro de O Globo deva ser uma pessoa infeliz, obrigado que é a se expressar em um texto blocado de uma ou duas linhas e x (poucos, pouquíssimos?) toques.

Não me sinto confortável com 140 toques, mas também não me sinto confortável com a pletora moderna de (des)informação: escrever, escrever, de vez em sempre mentir…

Caetano tem a certa aproximação: “quem lê tanta notícia?” Ou seria: quem mente em tanta (des)notícia?

O fato é que aqui em meu espaço de flâneur internet me permito variar do minimalismo da citação ao espaço pensador da resenha de livro, não mais que isso: não há filosofia ou pensamento que me faça perder em variações.

Trazidas por Nivaldo Cordeiro ou Fal Azevedo, as pessoas que aqui chegam podem migrar para Voegelin ou Cesar Miranda (ou vice-versa). O normal é continuarem vindo por conta de Françoise Hardy e Piero Della Francesca…Eric Voegelin, Emily Dickinson etc.

Ou, pessoas chegam por conta da respeitável aproximação com  SS. o Papa Bento xvi que cita Hoederlin  ( e sem fazer referência à inscrição no túmulo de Pascal ), onde se lê:  non coerceri maximo, contineri tamen a minimo, divinum est – não ser abarcado pelo máximo, mas deixar-se abarcar pelo mínimo, isso é divino!

Sinto também que as pessoas que me visitam chegam até aqui movidas por um assunto e depois se movem para outros: dia dos avós, eric voegelin, aznavour etc. etc. toda a francofonia e todo o catolicismo incluso…

Aos pacientes que continuam me visitando, prometo mais ânimo para escrever 200 toques or more… além do Twitter e do Blip.fm.

Post-post: Lembrei-me de um texto antigo do professor Olavo de Carvalho que tem a ver com isso. (Re)Leiam, vale a pena (post original de 12.julho.2004,sob o título “Uma Conversa de Maluco Foi”):

Foi pensando sobre o avassalador crescimento do Orkut – que é uma iniciativa do oráculo pós-moderno (Google) -, sobre a multiplicidade de opiniões e a profusão das “comunidades virtuais” que ali se hospedam, quando me veio à mente este texto do filósofo Olavo de Carvalho em sua Aula 4, “Aristóteles”:

É preciso uma certa homogeneidade do imaginário para que as pessoas consigam opinar diferentemente sobre as mesmas coisas. Uma certa unidade do mundo imaginativo, simbólico, artístico etc. é condição sine qua non para que possam surgir correntes de opinião que de fato reflitam os conflitos e as diferenças nascidas da experiência real daquela comunidade.
(…)
Quando falo do imaginário organizado, estou tomando como exemplo alguma sociedade bem simples, uma tribo de índios que vive numa paisagem mais ou menos estável, conhecida de todos, e onde os elementos básicos da experiência humana também acabam sendo conhecidos de todos. Desde que o sujeito nasce até ele ficar adulto, ele mais ou menos teve experiências parecidas com as dos outros membros da tribo e sabe como expressá-las. Este seria o caso mais simples, portanto, o caso ideal. Quando dois índios dessa tribo imaginária divrgem, eles sabem sobre o que estão divergindo, porque o fundo de experiência é comum e a linguagem simbólica na quala experiência se expressa também é comum. (…)

À medida que a sociedade humana se integra em comunidades maiores, integrando também elementos de proveniências culturais diferentes – como, por exemplo, todos os grandes impérios da Antiguidade, que se formam por agregação de pequenas culturas -, então, aí se instaura a Torre de Babel. A partir desse momento surge a necessidade de novas formas artísticas que consigam expressar a experiência comum. Às vezes o artista consegue fazer isso, às vezes não consegue. Na situação brasileira atual, por exemplo, creio que há mais de 30 anos eu não vejo uma obra de arte literária, teatral, cinematográfica que tenha algo a ver com a experiência real brasileira. Tudo me parece repetição do que foi dito numa outra etapa. Nós estamos no ano 2002, e as formas artísticas são exatamente as mesmas dos anos 60, com tudo o que aconteceu depois. Então isto aqui ficou enormemente complicado, mas parece que que a imaginação artística não está conseguindo abarcar e dizer o que a gente vivencia no dia-a-dia.

Na medida em que acontece isso, as discussões públicas, que são evidentemente a confrontação dos discursos retóricos, começam a parecer uma conversa de maluco, porque o indivíduo acredita que está expressando uma coisa que tem validade coletiva, que é a experiência coletiva, mas não é; às vezes é experiência só dele, do grupo dele, aquilo é muito subjetivo. O interlocutor, por sua vez, às vezes não percebe que aquilo é subjetivo, não percebe que o indivíduo está falando somente dele mesmo; acredita que está falando dele e responde. Daí, é totalmente inviável essa discussão – é por isso que nenhuma discussão sobre nada a chega a conclusão alguma.
+++++
Fonte: “Aristóteles: Aula 4″ por Olavo de Carvalho, Coleção História Essencial da Filosofia, Ed. É Realizações, S. Paulo, 2003.