Destino palavra

O que estão dizendo sobre Destino palavra:

No posfácio de Destino Palavra: “CONTRITO NA SUA LITANIA POÉTICA, Adalberto de Queiroz refaz o caminho ancestral (desde Cádiz à Vila Jaiara, em Anápolis), e traça sua ontologia, quando, ubiquamente, se coloca no tempo: o do presente e o da memória, no diálogo com a Tradição Poética. Assim, na sua busca pelos mistérios da alma, Adalberto Queiroz traz a lume uma obra esteticamente refinada, que foge dos artificialismos da linguagem, e se consolida como uma das vozes da nossa Poesia.(Francisco Perna Filho é Poeta, doutorando e mestre em Letras e Linguística: Estudos Literários pela UFG).

 

Para adquirir o livro, clique sobre a imagem.Dashboard nova Julho17 (2)

Amostra de poemas no meu Google Drive. Clique para ler e comentar.

Ao nosso amor…

                              Ao nosso amor_Poema Beto.png             à Helenir Queiroz.

Nada importa menos ao nosso amor
que a ingênua rima em flor – rosa nomeada.
Pouco importa, ainda que um soneto –
pouco importa a forma exata, a rima
ao nosso amor pouco importa.

Nada importa, amor, se lhe dou forma
no leito, em lugar e fora de hora
se cedo ou tarde, não importa,
se madrugada clara ou à nona hora.

Nada importa menos ao nosso amor
o tempo que sem cessar conforma
o outro ao desalento, ao desamor –
ao nosso amor pouco importa.

Ao nosso amor nada importa

menos. Pois, sem cessar, ele se conforma
ao leito como o rio ao que a chuva forma.

Ao nosso amor pouco importa o som
dos outros, a balbúrdia, bailado ou alaúde
pois a todos ele contorna: ao amor, à paz
volta-se; ao aconchego sem alarido; e amiúde
nosso amor pouco se importa
com o que se passa lá fora…

Nada em nosso amor seja triste
pois que à lágrima opor-se-á o vento –
no silêncio de nossas madrugadas estelares.

Só nós dois, amor, resistimos sob a chuva
ao frio e ao calor – entrelaçados, sim;
não importa – nada – amor, nem goteiras

de um telhado antigo e sob a chuva;
um pistilo se anunciando calmo,
um que duas estalactites soam:
plânctons, íons, átomos de um só.

Pouco importa ao nosso amor a morte.
./.


Goiânia, 31/5/17.

 

Ao nosso amor_Poema JUN2017.png

Preparando-me para a ‘virada’

Champagne by Beto

REVEILLON, festa pagã, mas tão boa!
Não posso deixar de pensar em fazer um balde como esse que fiz em casa para receber amigos.
Aqui na casa de minha filha Maíra é um tantinho diferente: o balde é menor, os horários são outros, as pessoas também são outras (e muito boa gente) e o carinho e a proximidade dos meus netos e minha filha ‘não tem preço!’ – enfim, para unificar (US-BR) decidimos, pois, celebrar o Reveillon às 8h00p.m. local time – que será meia-noite no Brasil.
IMG_1930Ben e Lucas - Abr2011  (olha só quem vem para o Reveillon 2011/12).
E, assim, poderemos cumprimentar todo mundo via Skype ou cel phone. Depois, lhes mostro como ficou e como foi a festa.

“Beber bem, comer bem, estar em boa companhia…” – já é uma boa f’órmula de viver consagrada pelos Amaral Queiroz Foust. As garrafas geladíssimas do balde acima e as pessoas que o aproveitaram seguem nas fotos abaixo (em momentos diferentes do ano 2011):

DSC01604

E pra mim, sobre o convidado em minha casa tenho eu (nós, minha mulher e eu) a responsabilidade pela felicidade dele(s) pelo tempo que passarem conosco. A gente se esmera pra isso, principalmente minha querida Helenir.
DSC01427

I promise you!
(Roger Scruton diz em “Beauty” que este é um dos prazeres que a Beleza nos propicia: “The aesthetics of everyday life” – organizar uma bela mesa para seus convivas, esticar sua própria cama, manter o mundo ordenado para você e para os que você ama. Concordo. Ah. E os jardins… outra alegria deste capítulo 4 de “Beauty” – Everyday Beauty.
Take a look of our garden
  DSC01261DSC00872
DSC00550IMG_8821

E, ao fechar este post, deixo um especial Obrigado a todos os amigos (e sócios) que conviveram conosco em 2011.
A casa continua de portas abertas pra vocês em 2012, caríssimos.

Governador Marconi Perillo, Ben Self, Helenir Queiroz e time do Evento MKT Político DSC01595-1   DSC01253   DSC00537 DSC01255DSC01254 DSC01433  DSC00533DSC00532DSC00547DSC00531 DSC00548
     
Irani, Carlos e Fernanda DSC00538 

+++++
Fonte: Vida minha, v.2011.
SCRUTON, R. “Beauty: very short introduction”, Oxford Press, 2011, p. 67 e ss.

Fechado para Balanço (I)

E ASSIM SE VAI o nosso 2011. Hora em que os jornais rapidamente juntam suas edições do ano que finda com títulos da pletora das manchetes: 1000 fatos que marcaram; 1000 fotos que você não pode deixar de rever etc. etc.

E nós como bons cordeiros lá vamos nós seguindo fotos e manchetes, sem de fato pensarmos naqueles fatos que realmente marcaram nossas vidas, no seio dos lares, nas agruras do comércio ou da indústria, na labuta pelo pão que se ganha com o suor – seja do trabalho manual, seja dos riscos de empreender (como é o meu caso). Pois bem, a manhã de uma dia após o Natal me traz justo essa necessidade de refletir sobre o que foi importante para mim e para minha família.

O ano começou com um enorme desafio – que nos dominou a todos e a mim em particular, porque representou uma prova da Vida que deve ser defendida. Conto-lhes o caso como deve ser. Minha primeira filha estava grávida do meu segundo neto (Benjamin and me) e precisava de cuidados especiais.

Isso ela vem a saber em consulta de rotina. Até aí, tudo bem. Só não sabíamos que o pequeno mereceria muita atenção até que viesse à luz em março p.p. Tudo está contado na matéria que o pessoal do Hospital Sagrado Coração de Pensacola (Flórida, US) me economiza de contar-lhes. A emoção ao ler tudo isso é revviver o que foi para mim, em especial, os 45 dias que passei aqui em Navarre (FL) ajudando meu genro e minha filha, como um vovô babá (quase escrevo babão, mas não o faço com razões só minhas… depois lhes conto), com cuidados do primeiro neto – Lucas Q. Foust. A luta de minha amada Maíra Queiroz Foust foi a de uma guerreira da qual me orgulho muito.

Foi a luta pela Vida como ato desejável e necessário a todos que creem na Vida, mas que marcou as ‘coronárias cansadas’ deste “vovô Boy” intensamente.

Maíra Ben e dr. Thorp 001

 Maira, Ben Dr Thorp 2 001

Bem, se você leu até aqui, já sabe porque meu neto Ben é chamado de “Miracle Baby” e pode compreender a luta da Maíra e da equipe médica do Sacred Heart Medical Group (Pensacola, FL) para salvar a vida do pequenino Ben. Concordo com minha filha quando ela diz: “É muito mais do que gratidão o que sinto pelo dr. Thorp e sua equipe”. E neste Natal podemos em família todos agradecer a Deus pela vida do Ben e pela oportunidade de trocar muitas fraldas e ter “a baby to rock”.

Naturalmente, como convém a um avô lusófono com um neto “English-native”, na altura dos 4 anos, a comunicação com o meu primeiro neto (Lucas) foi outro enorme aprendizado. Desde a gravidez da Maíra, quando Lucas cunhou a expressão vovô Boy (and vovô Girl) para diferenciar quando quer falar comigo ou com a vovó (a gente não imagina o que são os sons para iniciantes numa língua estrangeira, a menos que vivenciando isso no dia-a-dia). O caminho que ele encontrou para me designar é pra mim muito afetivo e diferenciado de todos os netos americano-brasileiros.

Esse foi outro fato muito importante em minha vida de empresário e de ‘intelectual nas horas vagas (quando vagam, rs!) – aprender a conviver com um moleque dos seus 4 anos e ser vovô-Babá e amigo. O início não foi fácil porque como é comum e aceitável em uma situação dessas, não ter a mãe por perto e o pai trabalhando muito, convenhamos um avô é uma aberração que não preenche nenhuma carência. It’s not fair – dizia o Lucas muitas vezes. Porque let’s see ‘mom at the doctor’ ( i.e. no hospital) significava um grande alento (de 3/4 horas de duração) e muita perda quando voltávamos pra casa. E o caminho de Pensacola-Navarre (perto de 40min com bom trânsito) virava uma dificuldade enorme para a nossa cinquentena de anos – eu e Lucas juntos como meninos na noite voltando pra casa sem a mãe dele, sem as pessoas a nossa volta. Superamos.
E este foi o momento mágico (registrado em um iPhone da família) em que Lucas (big brother) viu o ‘little brother’ pela vez primeira, na sua saída (dele, Ben) da UTI do Sacred Heart, onde ficou menos tempo (5 dias) do que o previsto.

Este Sacred Heart hospital católico em Pensacola fundado pelas irmãs da “Divina Caridade”, em 1915, é reconhecido por prestar socorro especial a muitas mães em gravidez problemática e outras tantas pessoas em especialidades diferentes, tendo se tornado referência na região Flórida/Alabama.
Lucas e Ben_VesperNatal 2011 (Lucas e Ben, Natal 2011, Navarre, FL)
Neste Natal, o que mais disse ao Divino Pai Eterno foi “Obrigado, Senhor” por tudo. Inclusive as provações. Este amor às pessoas que nos rodeiam, este amor às situações que vivemos nos dão uma outra dimensão do sofrimento de outros tantos ao redor do mundo que não possuem assistência nenhuma. E pra fechar este post com Poesias, relembro Jorge de Lima:
“AS MÁGICAS que a Graça do Senhor faz são Poesia”. E mais não digo.
+++++
Não perca o próximo post desta série: Fechado pra balanço (2) – Melhores leituras em 2011.

Especialíssima

Dia desses, a Patroa escreveu umas linhas* sobre a minha humilde pessoa. A maioria das coisas que ela disse são fantasias de mulher.

Como não sei falar sobre isso (da forma como ela o fez) e já é o dia do niver dela (madrugada alta), vou ao jardim colher algumas flores (e folhas) para o café-da-manhã com dona Sherazade, com dona Carmen (mãe de minha mulher e minha segunda mãe adotiva) e com Cecília.

O fato é o seguinte: não sei muito fazer elogios em blogs. Eu adoro falar em público e fazer o que o Hermilo Borba Filho chamava de ´lovação`. Pois eu, hoje gostaria de louvar minha mulher (hoje e sempre). Ela é 1.52m de pura energia, alegria, entusiasmo, disposição para realizar e GENEROSIDADE. Se pudesse definir minha mulher numa palavra, seria essa em letras maiúsculas.

A vida nos coloca diante de grandes escolhas: no meu caso, havia duas mulheres na Engenharia (eu era da Física – ela era a Nina da Engenharia Elétrica) e eu escolhi a melhor  – e lá se vão 36 anos… (rs! e, mais tarde, quando li “Memórias de duas jovens esposas”, de Honoré De Balzac, eu tive certeza de que Helenir era “A Esposa”). Ela vem fazendo por mim e por todos nós da família Amaral Queiroz o que toda esposa e mãe tem que fazer (mas ela faz ainda melhor e com Arte).

O exemplo da minha mulher é exemplo de caráter e formação. Lembro um dia, numa festa de S.João (e não é letra de música), em que um moço se aproximou da gente e disse: “dona Helenir eu guardo um cartão que a senhora me deu quando eu era estagiário da CEF…” (e mais não digo!).
Confesso, sim, que começamos a namorar numa festa de S.João na saudosa chácara da Aseg.

Pois essa mensagem – de caráter e formação e doação de si mesma ao Outro – é a ideia que qualifica a minha mulher, a professorinha e filha de Santa Clara. A menina de Campinas (periferia de Goiânia) que olhou pro mundo (estudou, se formou em Engenharia e Francês avançado, Marketing e administração de empresas), mas nunca perdeu a humildade de quem começou ensinando as crianças (no primário) e atendendo no balcão do bar da família (onde um pedido comum era “uma pinga e um bolo era um pedido bem comum…”).

Helenir viajou comigo todos os destinos. A gente foi a alguns lugares por conta das amizades: Marrocos (Rabat & Marrakesh), Marseille e Aix-en-Provence, Porto Alegre (de volta) etc. Nossos sapatos são guardados como na música de um dos nosso amados cantores francófonos:
“moi mes souliers ont beaucoup voyagé…ils nous ont porté de école à la guerre” (et à la vie entière).

E, se Deus quiser, hei de palmilhar umas outras milhas com minha Nina até Oslo, ano que vem…

A gente cantou tantas canções, a gente chorou tantos prantos, percorremos tantos destinos iguais além daquele dos amigos: sofremos, lutamos, esperamos duas filhas e dois netos como num ninho em que se espera com alegria e ansiedade; plantamos muitas árvores em 3 casas e alguns apartamentos. Levamos nosso piano para tocar em Recife e o deixamos agora no Canto do Beto…

Helenir, seu nome é generosidade. Quando falo de você hoje é porque é um dia especialíssimo e eu aqui me sinto assim menos sozinho com você.

Babi, i´m not alone…never  ´cause you are my baby for ever & ever…

Desculpa o mal-jeito de vez em quando porque também me sinto meio atrapalhado falando de nós dois…but j´ai t´aime d´amour! ma chérie…   

+++++
(*) Muito especial a homenagem que ela com muita classe me prestou, no meu aniversário.

O nome é gratidão

Meus caros amigos,

Longe do blog por razões pessoais, volto para dizer como fiquei feliz e grato pela nascimento de meu segundo neto: Benjamin Queiroz Foust é um guerreiro desde o ventre materno. Minha filha lutou por 9 semanas (com uma gravidez problemática) e, com os cuidados profissionais de uma grande equipe médica, pôde trazê-Lo ao mundo. Estou 99,999% certo de que nossas preces foram atendidas para termos os dois em seu lar, na comunidade de Naverre (FL), depois de muitas tribulações.

Agradeço aos amigos pelas orações e pelo encorajamento. Aos profissionais do Sacred Heart Hospital  (Pensacola, FL) pela dedicação e perseverança.

Mas principalmente agradecemos ao Divino Pai Eterno,  que nos deu forças para enfrentar os desafios e a enorme alegria de ver o pequeno Ben junto de sua família.

Fiquei por 5 semanas apoiando minha filha, meu genro e meu neto Lucas nas rotinas diárias. Queria eu ter mais paciência, mais juventude e mais disponibilidade para ficar com os Queiroz Foust por mais tempo.

De volta ao Brasil, continuei meu voto de silêncio no blog como uma penitência nesses tempos de Quaresma, haja vista que outros sacrifícios são mais difíceis para este cinquentão.

Hoje, acordei pensando em quanto devo a tantos amigos e irmãos pela solidária amizade e a Deus pela Graça de ter minha família reunida e em Paz, quando decidi por escrever de novo no blog.

Obrigado a todos que rezaram pela saúde da Maíra e do Ben. Estão eles em casa há um mês e poucos dias e este vovô aqui no Brasil, muito agradecido por tudo que Deus nos provê. Eu sei que a paciência e a calma de todos nós com situações difíceis é que nos fazem superá-las com mais tranquilidade. Aprendi agora que nada é tão necessário como o calma e o Amor para superar desafios impensados, inesperados. Deus nos ajude a ter paciência e calma. Deus nos faça nunca esquecer do Todo. Que possamos nunca nos esquecermos do Criador, nosso Pai Amado… O Divino Pai Eterno.

E essa cruz que trago ao pescoço de me lembrar há-de que nada é tão transitório (e tão nobre) como a Vida. Sua Defesa nas tarefas mais simples se impõem aos que amam o Eterno.

Obrigado Equipe do Sacred Heart Hospital. Obrigado, Pai Amado, pelo Ben e sua chegada ao seio de nossa Família: Helenir, Maíra, Cecília, Craig, Lucas e, agora, ao esperado Ben Q. Foust nossa certeza – Deus te escolheu para estar entre nós!

Dia dos Avós

Festa de São Joaquim e Sant´Ana, 26 de julho marca para todos nós o Dia dos Avós.

Sao Joaquim + Sant'Ana
Sao Joaquim + Sant'Ana

“É muito antiga a devoção a São Joaquim e Santa Ana, sobretudo no Oriente. A liturgia de São João Crisóstomo refere-se a eles como “os santos Avós de Jesus, Joaquim e Ana“. Grande deve ter sido a santidade dos dois esposos, para que deles nascesse a Virgem Imaculada, a Mãe de Deus!”
Neste 26 de julho curto meu primeiro ano como avô, vivendo o deslumbramento desta condição, e penso no meu neto Lucas como o tema freqüente de minhas anotações no blog e das minhas conversas com os amigos, além de tema de minhas preces e meus sonhos.


Não conheci meu avô (Sizenando Queiroz), mas dele tenho as melhores lembranças e uma só foto em preto e branco, mas mantive com minha avó Cecília Pereira Leal de Queiroz o maior dos afetos que uma família biológica pode nutrir, embora a distância do orfanato nos impedisse do afeto da convivência diária.
Dona Tutu“, como era conhecida minha avó Cecília, ficou de tal forma gravada em meu coração – como o mais forte dos profundos afetos – que dei seu nome a minha filha caçula.

pão e vinho
Beto, Lucas: pão e vinho

Tenho, pois, com os avós a extensão desejada do respeito ao quarto mandamento (e vocês, meus amigos, não sabem quanto incomoda pensar no problema que foi para mim esse mandamento no que respeita aos pais biológicos: o pai que nunca conheci e a mãe com quem mantenho uma relação distante, pelas circunstâncias da vida).

Pois, eis-me aqui nesse dia dos Avós com as minhas circunstâncias: antes de vestir a camisa que mandei fazer com a minha foto predileta do Lucas,

articulo o pensar, a reflexão sobre a minha condição de avô como a extensão natural de toda uma vida, bem vivida, com suas dificuldades, rotinas e pequenos e grandes êxitos. Penso na família que formei a partir da sensação de isolamento que caracterizou a minha juventude. Penso na possibilidade de não só transmitir um sobrenome centenário mas a história pessoal e familiar que se escreve com os Amaral Queiroz e de agora em diante com os Queiroz Foust.

Viva os Avós! Viva eu, viva tu, vovó do Lucas, por que não?

Vovó Helenir e Lucas

Feliz Aniversário, Lucas!

Link para Fotos do Lucas

Há um ano e um mês atrás, eu escrevi o texto abaixo, embevecido com o nascimento do Lucas…
(como este é um post da série the lost posts, do meu tempo de Verbeat), deixo o rascunho e com a enorme emoção do avô que conta os 5 dias restantes para a viagem ao Arizona, onde poderemos, se Deus quiser, celebrar o 1o.aniversário do Lucas e de nossa filha Maíra):

Lucas Queiroz Foust

Goiânia, 12 de maio 2007 – Um mês: essa a idade do mais novo Queiroz Foust. Nascido em Surprise, Arizona (EUA) às … horas do dia 12 de abril p.passado (12 April 2007 at 1:35 am, 7 pounds 2 oz, 20 inches long), Lucas hoje está com 9 lb, 7 oz…
Ah, mas como este pequeno ser traz (tão) intensa vida e doce afeto com apenas um mês de vida!
Hoje, véspera do dia das Mães, Lucas completa um mês entre nós.

Não pude ainda conhecer pessoalmente o Lucas, mas convivo virtualmente com ele, graças à tecnologia da internet. Aqui no Brasil, tenho minha câmera e as ferramentas de mensageria instantânea e falo com minha mulher, minha filha e meu genro quase todos os dias.

Na semana passada, trabalhando em S.Paulo, pude curtir esse convívio virtual menos do que desejo, mas fui brindado com três filmes em nosso Multiply. Assisti pela Tv a chegada do Papa Bento XVI ao Brasil e fiquei muito feliz com a doce figura do Santo Padre. Sua presença e suas mensagens (por alguns adjetivadas de ´duras`, mostram-me o Papa Bento XVI que conheci nos escritos do Cardeal Ratzinger e em sua primeira Encíclica – Deus Caritas Est! – suas palavras são como o chamado do Pai a que levemos uma vida cristã intensa, lembrando-nos os mandamentos de todo Cristão e, atento à sua passagem de professor e Pastor, sinto o coração batendo para uma renovada conversão diária. Ouço, Santo Padre, a sua voz que ressoa em minha mente, como fez no silêncio do estádio Pacaembu, falando a mais de 40 mil jovens. Sua voz me vem à mente e ao coração ao iniciar essas linhas assumindo a defesa da Vida – “desde a sua concepção até o seu declínio natural”:

“Sede homens e mulheres livres e responsáveis; fazei da família um foco irradiador de paz e de alegria; sede promotores da vida, do início ao seu natural declínio; amparai os anciãos, pois eles merecem respeito e admiração pelo bem que vos fizeram.”

Há uma doce conclusão prática: na vida do Lucas que pode (e deve) estar nesta mesma hora da história das famílias, sendo repetida alhures, com seus bebês amados como únicos e belos e queridos de seus pais e avós.

Eu próprio posso testemunhar o que vivo a distância e me convenço pelos apaixonados relatos de minha mulher e pelas fotos e vídeos e longas conversas via skype – ela não é senão, agora, a avó encantada com os progressos do neto: no Lucas desperta o dom da Vida que a tudo supera e, presto, nos encanta.

Lucas, é para nós a expressão do dom de Deus: o Dom da Vida. Esta dádiva é apaixonadamente visível no trabalho incomensurável de superação das barreiras e dificuldades de lidar com o mundo, no aprendizado que a cada dia deste seu primeiro mês, Lucas faz. Aprendizado que é ao mesmo tempo a lenta expressão da semente e a rápida ascensão da flor.

Lucas está agora em seu primeiro mês de vida à procura de seus “pedaços de universo”(*) e nos serve um banquete com sua presença – com seu crescimento visível aos nossos olhos e rezamos para que cresça em sabedoria e graça como crescia o Menino Jesus de Nazaré. Seus pequenos passos agora surgem da conjunção benfazeja entre o desejo de integração e o anseio que habita o mais profundo da semente divina dentro do pequeno ser.

É, pois, a pureza da primeira infância o que lemos em seus lábios movimentando para os primeiros sons – um quase ronronar dos doces ecos divinos, uma leitura da língua dos anjos comunicada aos homens. É um reflexo da luz do sol intenso que é o Criador aquilo que podemos enxergar em seus olhinhos desejosos de ver a Vida. É, pois, a alegria do movimento dos astros que podemos atestar em seus braços que carinhosos quando procuram o colo da mãe e da avó e do pai a seu alcance.

E para nós que somos a sua família, Lucas vem trazer o atestado do Amor do Divino Pai Eterno.

Rezo para que a compreensão da vida e a sua defesa que se dá, por vez primeira e mais intensa no seio da Família, sejam mais visíveis ainda nos Lucas e Marcelas e Mateus e Marias e Antonias e Paulas que nascem neste início de Século XXI como testemunhos do Dom da Vida e da Bondade de Deus.

Que Deus abençôe o pequeno Lucas e Nossa Senhora da Conceição Aparecida o proteja !

Feliz 1º. Mês de Vida, meu querido neto.
Feliz dia das Mães, Maíra e Helenir.”

+++++

Pedaços de universo” é criação de César Miranda.

O discurso de Bento XVI está aqui.
Recomendo, entusiasmado, a leitura atenta deste discurso do Papa Bento XVI.

Bom-dia, vovô!

hey-pessoas-aqui-e-o-lucas.jpgMes chers amis,
Pouco tempo tenho para vir atualizar este espaço – que é muito importante em minha vida -, porque uma causa maior se levanta…
Meu neto, Lucas, está entre nós, no Brasil
paixao-pelo-radio.jpg
…encantando a todos com seu charme e presença marcantes.
Se você me perdoa pela ausência aqui, veja mais fotos do Lucas no meu Multiply.
Amitiés,
Beto.