Poemas de esperança (V)

Se toda lua é atroz; se todo sol, amargo
o que seria de ti, oh triste caminhante
desse destino com o peso do desencargo
trazido às costas? sulcas o solo e avante

Leia Mais...

Um “serpentário de erros”

JORGE DE LIMA em seu testamento poético criou uma longa “biografia épica” e recriou-se como poeta, na pele de um insular da poesia de nosso hemisfério

Canto I, 1
Um barão assinalado
sem brasão, sem gume e fama
cumpre apenas o seu fado:
amar, louvar sua dama,
dia e  noite navegar,
que é de aquém e de além-mar
a ilha que busca e amor que ama.

(…)

Canto I, 15
E em cada passo surge um serpentário de erros
e uma face sutil que de repente estaca
os meninos, os pés, os sonhos e os bezerros.

Canto X, 20
No momento de crer,
criando
contra as forças da morte
a fé.

No momento de prece,
orando
pela fé que perderam
os outros.

No momento de fé
crivado
com umas setas de amor
as mãos
e os pés e o lado esquerdo
Amém.

EXPLICIT.

invencao-de-orfeu_

Há tanto para redescobrir nesta ébria viagem, desde a “Fundação da ilha” (Canto I) até a findada “Missão e promissão” (Canto X) que, causando ódio ou amor, as dificuldades suplementares surgem para entender os cimos e os vales do poeta em seu derradeiro canto.

“Invenção de Orfeu – diz-nos Fábio de Souza Andrade, “recoloca em circulação outro Jorge de Lima, mais ambicioso (e, portanto, mais ricos em picos e vales), mais resistente à assimilação, que costuma provocar reações extremas: ódio ou amor.”

Experimentação e hermetismo se misturam nessa ilha e o poeta – um insular bem treinado, exige do que navega igual perícia ou maior. Considerada uma biografia épica “Invenção de Orfeu” teria sido a sua própria, dele poeta “que propõe a forjar aqui, combinando gêneros eles mesmos, se apresentam abalados, compostos e heteróclitos. Sua ‘épica’ convoca os modelos clássicos (Virgílio, Dante, Camões e Milton), nunca como uma imitação exterior da tradição agonizante, mas como uma releitura de seus temas, episódios e motivos líricos e narrativos a partir da valorização pós-romântica do polo subjetivo no processo de criação”.

No Canto I, a gênese do longo poema de dez cantos, em que os 1800 versos primeiros são como “a explosão inicial” (Fábio Andrade) e aí, no centro, a referência bíblica ao lado da referência a uma tradição poética imensa. Tarefa árdua seria a de cavar nesse terreno da ilha para descobrirmos mais e mais. Uma hermenêutica se impõe à leitura de Invenção de Orfeu (Jorge de Lima, e sua “biografia épica”), dedicada ao amigo (também católico) Murilo Mendes.


Por ora,  fica a gênese do Mal que no jardim plantada hoje se repete ao longo de um século mau. “O serpentário de erros” aponta-nos a humanidade que conspurca o Éden divino – somos nós, humanos, na ilha,

“Vês, vão os reis de Lúcifa e Malvilha
batidos, tão sem brilho a espada de aço;
tão cansada a carcaça de olho em quilha;
são réus de quem, senão do humano braço
ou de quem for que à sombra os dentes rilha?
Ou de quem vencer pode todo o espaço?
Vencer com jogos tais e tal bravura,
de Deus chamar podemos, de loucura.”


E a violência que espoca na ilha tem nome e referência:

“Contudo grande Ovídio, o calendário
necessita de grandes abluções.
Mataram César ontem – sangue diário
nesses marços de guerra e de aflições;
os jogos deste mês tumultuário
são os roteiros das condenações.
Penduraram cabeças inocentes,
enodoaram de sangue os teus poentes.”

Como seu o poeta pudesse antecipar o Século Mau e o Mal banalizado dos vindouros.
Uma hermenêutica se impõe. Ou como dizia Murilo Mendes, lembrado não sem utilidade por João Gaspar Simões: “O trabalho de exegese do livro terá que ser lentamente feito, através dos anos, por equipes de críticos que o abordem com amor, ciência e intuição, e não apenas com um frio aparelhamento erudito”. Entre os críticos, Murilo por primeiro; outros mais vêm se debruçando (ou navegando a dentro, se prefere o leitor) “penetrando” (como quer Gaspar Simões):
“Extraño todo el designio, la fábrica y el modo” como diria Góngora, é de Góngora que realmente nos lembramos quando penetramos nesta floresta de imagens, de metáfora, de símbolos, de mitos, de ritos, de formas, de seres, de coisas que se associam para viver dentro dessa ‘ilha’ tropical que é a ‘ilha’ em que vamos assistir à invenção de Orfeu”.
Será preciso que sucessivas gerações de críticos se debrucem sobre a fábrica imensa deste imenso poema para, finalmente, se obter uma rigorosa exegese do mistério que o envolve.

Eis um projeto que pode nutrir toda uma vida de apreciador da poesia de Jorge de Lima. Eis uma agenda para um leitor atento dos poetas católicos do Brasil (Jorge, Murilo, Schmidt e o 4o. elemento adicionado à Tríade – Tasso da Silveira).

“Os poemas se tingem de vermelho;
é uma face sangrenta cada espelho.”

Uma chave para entender o futuro em que nos situamos. Ah, século xxi de “pura veneza e seu restelo“; de civilização e seu revés; de fausto e violência extremada – das prisões às areias sem lei do deserto em que se nutre “o serpentário de erros” dos humanos, sobretudo dos maometanos.

./.

Poema de Natal

Natal, 2016

Vendo piscantes luzes à vitrine exposta,
à véspera do Natal de Jesus; acende-se
em mim de pronto este mortal desgosto
do falso brilho emanado dessa luz.

Não há nesses presentes ouro, incenso e mirra.
Sábios de bom gosto; presentes de dois mil anos;
antes fossem hoje mimos a compor eterno hino.

Entanto, hoje, não há senão mercadoria
n’alma do infante extasiada e fria —
que marca p’ra sempre a criança inerte.

Há múltiplos bens  todos vazios:
comprando o que de Graça teríamos —
a vida e a alegria do Jesus Menino.

∴∴∴∴∴∴∴

*Draft de poema inédito em livro.

Queres ler o quê?

Muito se publica e a subliteratura parece imperar. As listas são um horror para aquele que quer ler com critério. Um guia para ler e saborear a leitura.

Leia Mais...

Entrevista ao Opção Cultural

Conversei com Yago Rodrigues Alvim, editor de Cultura do semanário Jornal Opção (Goiânia). Leia a entrevista abaixo.

Clique no logo do jornal para ler a entrevista Opção Cultural.capa-opcao-16out2016

Da série canções mexicanas (iv)

MEXICANAS (4)

Cantar uma canção que seja pura umidade
Abolir o seco do cerrado com água do mar.
O canto assim reproduzido na seca tarde:
um por ter vivido e outro por se fabricar.

Eis o mister do que se quer molhado –
sem espanto ou abalo, na face do fado.
Do que do seco há de estar à contrapelo,
Silente se deseja mas cria grave apelo.

Eis o candente canto que reluz sem nada
Eis o mar do que na savana embarcara
Só a vela e o vento, sem trastes ou remos
Eis o que vai à raiz da fala e o ser aclara.

Todo dia, quando da janela, te vejo, ó Mar
– É o que desejo dizer-te: sou do Cerrado…
Desde menino tenho notícia do salgado
escondido e velado: tua face mais vulgar.

A candente luz na superfície de vidro é falsa
Sei que queres à lagoa grande te esgueirares
Deixa estar, amigo, viajo com a gaivota –

Aqui não estarei para sempre. Meu caminho
entanto, não deixarás jamais; o sal da memória
Vale, ó mar, intenso e duradouro – isso me basta!

Caderno de rascunhos poéticos (2)

Mexicanas (1)
************AguaEsol_shutterstock_156114050

Deito-me com a água
Ela me envolve e acaricia
Feito nuvem à montanha –
pelagem de lhama
em cordilheira.

Deito-me com a água
Ela me exalta –
dedo de um deus
Na corredeira:
Sábio riacho.

Deito-me com a água
Como quem vai renascer:
Ela me dessedenta –
Fresco pote de barro
Na tarde do sertão.

Deito-me com a água
Ela tão doce;
Ela tão clara…

Cheio de sonhos e clareiras
Na mata: meu coração.
Deito-me com a água
em divórcio-aquário
à amada não causo
ciúme nem paixão…

Deito-me em seu ventre
Nasciturno e dependente
Um Jonas penitente –
à espera de voltar à praia e à missão:
escavar o mineral do verso em terra.

Deito-me com a água
epifania –
ressurreição.
***************
Cancún, 02/05/16.