Plotino e a retórica da ascensão


Longo mas edificante ensaio de BERNARDO LINS BRANDÃO.

Noites Áticas

Na Vida de Plotino, Porfírio afirmou que seu mestre escrevia sem nunca revisar o seu texto e que estava mais preocupado com o pensamento e a verdade que com a eloquência. Uma análise mais cuidadosa de passagens das Enéadas, no entanto, mostra-nos outro cenário: uma notável habilidade em dizer o indizível, imagens poderosas, discursos passionais, em suma, um refinado uso da linguagem de modo a conduzir o texto filosófico para além da mera argumentação racional.
 
É certo que Plotino escreveu tratados áridos dedicados a questões técnicas. Mas a leitura atenta de textos como a Enéada I, 6 ou a Enéada VI, 9 nos revela um grande mestre da diatribe – essa forma de pregação moral pagã, mistura de texto filosófico e discurso retórico que, começando com uma questão teórica, conclui em um tom lírico, próprio para convencer e comover. Os textos de Plotino não se constituíam apenas como…

Ver o post original 3.381 mais palavras

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.