“Destino Palavra” em Goiânia

Diletos amigos do meu blog:

A presença de vocês me deixará ainda mais feliz!
Venha participar do coquetel. Estarei autografando a partir das 19h30.
lancamento-ube-horizontal

O livro tem posfácio do mestre (doutorando) Francisco Perna Filho.
Capa e projeto gráfico – Mário Zeidler Filho.
Revisão – Sérgio Marinho.
Edição – Beto Queiroz Livros , 88 p.
logobeto

Os Salmos e a insônia

Refletindo sobre os Salmos, em companhia de Sergio de Souza e seus amigos.
Leia no Blog O CamponêsJanela_Solidão

Para ler na Quaresma

Dreamstime3cruzes (2)  Por vezes penso em Ti
Ou: Tua dor assim sentida

Ao pensar no Teu Sacrifício
repito: não há suplício igual a
essa dor – símile, impingida.
HḠentanto, uma alegria
em tamanha dor sentida.

 

Mesmo o pagão, incréu,
reconhece a paga recebida.
Se as escamas dos olhos
caem; se do cavalo é descido.

Incompreensão é um lenço
embebido em vinagre, sabem:
os que o Cordeiro mutilaram.
Longe e calmo o Verbo ouvia.

O clamor na Cruz emitido.
O Filho de Deus a tudo tolera
para que ao fim o homem viva.

Morte e vida; céus rasgados
de alto a baixo feito seda.
O silêncio do sepulcro aberto
foi a coda de tal infâmia finda.

Ressuscitou! Disseram mulheres
e o mundo as seguiu, em páscoa –
Eia que imensa luz assumida!

Do cordeiro ao homem unindo, a
dor reata Deus e criatura decaída
Há na dor uma contrapartida:
Tu e Eu atados em fio de Vida.

****
Literatura Goyaz / Adalberto de Queiroz (org.). – Goiânia: Edit. Livres Pensadores, 2015, p.19.

No mínimo…#28

o espaço*Espaço_Poema2016

*Adalberto de Queiroz,  Cadernos de Sizenando, vol. II, 2016.

Imortal Jorge de Lima, apesar de a Academia achar que não!

LEIA-SE, dizia Manuel Anselmo em 1939, no Ensaio de Interpretação Crítica sobre A Poesia de Jorge de Lima:

Poema “Acendedor de Lampiões”, do livro XIV Alexandrinos (1907)
O ACENDEDOR DE LAMPIÕES
****************************************
Lá vem o acendedor de lampiões de rua!
Este mesmo que vem, infatigavelmente,
Parodiar o Sol e associar-se à lua
Quando a sobra da noite enegrece o poente.

Um, dois, três lampiões, acende e continua
Outros mais a acender imperturbavelmente,
À medida que a noite, aos poucos, se acentua
E a palidez da lua apenas se pressente.

Triste ironia atroz que o senso humano irrita:
Ele, que doira a noite e ilumina a cidade,
Talvez não tenha luz na choupana em que habita.

Tanta gente também nos outros insinua
Crenças, religiões, amor, felicidade
Como este acendedor de lampiões de rua!

—–
“LEIA-SE, com atenção, esse seu [dele, Jorge] célebre soneto “O Acendedor de Lampiões”, que consta hoje de várias antologias brasileiras…Aqui está, afinal, uma atitude de solidariedade humana que não destoa daqueloutra que consta dos seus poemas negros, por exemplo, “Pai João”, e se continua, com intensidade, nas páginas do seu romance “Calunga”. Além disso, esse soneto acusa uma facilidade verbal que não é, aliás, irmã dos esforços deslumbrados desses ourives florentinos que foram os parnasianos. Erradamente se apelidou, pois, de parnasiana, uma experiência que foi, afinal, clássica e tradicional.”

(*) Transcrito de Jorge de Lima, Poesia Completa, vol. I, p.37/8.

Assim foi a “1a. Noite Cultural Acieg/Ube-GO – Homenagem a Augusto Frederico Schmidt

AMIGOS da Acieg e da Ube; diletos associados e escritores – recebam meu mais sincero “Muito Obrigado!” pela acolhida e o carinho que demonstraram participando da organização e da celebração da 1a. Noite Cultural – “Homenagem a Augusto Frederico Schmidt”.

À Fundação Yedda & Augusto, meu muito obrigado por repercutir.
Aos parceiros do evento, um super-Obrigado, em especial a Mário Zeidler Filho e Editora Livraria Caminhos.

Homenagem a Augusto Frederico Schmidt (pág.1)

Homenagem a Augusto Frederico Schmidt (pág.1). Editora Caminhos.Acieg/Ube.Org.  Adalberto de Queiroz.

Que venham outras noitadas de poesia na Acieg.
Saiba como foi o evento no site da Acieg.
************************************************

Colagem Schmidt, Acieg

Colagem de momentos da Homenagem a Augusto Frederico Schmidt, Acieg, Goiânia, 21/MAI/2015.


**Obs.: Sobre o Poema Falado do vídeo –

Trechos de Soneto sobre a Luz (e não ‘Luz do Mar’, como os técnicos fizeram constar sobre o vídeo).

Poema Falado – vídeo.

São Bernardo de Clairvaux (i)

ESTUDANDO a vida e a obra de São Bernardo de Clairvaux (Claraval, Fr)…. +++++++++Encontramo-nos com a força da FÉ e da persistência. O Amor a Deus que se transforma em ação tranformadora ++++++++++++++++++++++++

No domingo de Páscoa de 1113 uma grande comoção toma conta de uma multidão à porta do Mosteiro de Burundy… Um pequeno ‘exército’ de jovens nobres não procuravam o mosteiro para resolver uma disputa de terras (o que era comum naquele tempo), mas para apôr

seus nomes entre aqueles que gostariam de se juntar a Bernardo numa vida consagrada no Mosteiro.

ELES eram 30 companheiros que começaram a ordem dos Cistercenses. Monges que, apenas 40 anos, multiplicaram-se e se transformaram em milhares, vivendo uma vida consagrada em mais de 340 mosteiros em 1153, quando o “Santo Difícil” – como foi alcunhado Bernard de Clairvaux, faleceu.

============ Grande força de persuasão, firme, assustador, às vezes super-influente – essas características de São Bernardo – fizeram-no receber o epíteto de “Difícil”. Conta as hagiografias que até as mães dele escondiam os filhos, temendo que à força do convencimento (não da imposição) Bernard os levasse ao convento ou à Cruzada. ______Foi a 2a.cruzada que o levou à depressão. Com a débacle da expedição em 1148, Bernard se recolhe para escrever, em importante e decisiva contemplação, seu principal tratado – “On Consideration” (circa 1148-53). Além de sermões, tratados (como este), deixou-nos o santo mais de 500 cartas.*****”Cântico dos Cânticos” é seu Sermão mais conhecido e divulgado – foi a inspiração dos anos de maior recolhimento e preparação para a morte, ocorrida em 1153. S.Bernard de Clairvaux, inspiração para dias difíceis e espírito inundado da presença de Deus.+++++ SEU homônimo, prof. Bernard McGinn, meu amado e respeitado professor na UNM Continuing Education é uma autoridade em doutores da Igreja e das notas de conferências e do livro “The Doctors of the Church” (Crossroad Book, 1999, p.107/111).

Ver CapaBernardMcGinnBernard-of-Clairvaux_Manuscritomais

lendo The Doctors of the Church: Thirty-Three Men and Women Who Shaped Christianity.SBernardo_CanticoDosCanticos Bernard-of-Clairvaux_Manuscrito SaoBernardo

Post ligeiros (3) – Georges Bernanos

…Mas o coração do mundo sempre está batendo.

O escritor católico-francês Georges Bernanos.

O escritor católico-francês Georges Bernanos.

A infância é esse coração. Não fosse o gentil escândalo da infância, a avareza e o ardil teriam, em um século ou dois, exaurido a terra.

Georges BERNANOS, em “Joana, Relapsa e Santa”, É Real.Editora, S.Paulo, 2013. Trad. por Pedro Sette-Câmara.

Segundo o release da É Real. Editora: “Em Joana, Relapsa e Santa, a exaltação de Joana d’Arc assume para Bernanos a figura de uma dupla meditação sobre a Igreja: Igreja de clérigos e Igreja de santos.

“No caso de Joana d’Arc, a Igreja pura e simplesmente condenou uma santa. Que Igreja? Bernanos aponta o dedo para a Igreja institucional, de que faz um retrato nada lisonjeiro. No entanto, não coloca a instituição de lado; ela, apesar de sofrível, é necessária. Porém, “o menor dos garotinhos de nossas catequeses sabe que a bênção de todos os homens do clero juntos somente levará a paz às almas já dispostas a recebê-la. Rito nenhum dispensa de amar”.
*******(Mais tarde, volto comentando como resumo de minha leitura. Por ora, a impressão que tenho é a de que estou diante de um pequeno grande livro – 48 páginas de um Bernanos que não deixa pedra-sobre-pedra do processo do pessoal da Igreja contra a santinha, os clérigos ‘bien-pensants’ contra a menina “relapsa e Santa…”).

Pâques des martyrs

Ce message chrétien, du miracle envers et contre la raison et les apparences, s’adresse me semble-t-il à tous les hommes par delà les frontières et les religions. Il n’a jamais peut-être été aussi vivant et indispensable qu’aujourd’hui.
PAZ, PEACE, PAIX, sans martyrs!

Maxime Tandonnet - Mon blog personnel

téléchargement (1)En ce jour de Pâques 2015, qui n’a rien de joyeux, toutes nos pensées sont tournées vers un seul horizon: celui des chrétiens martyrisés dans le monde. Depuis la proclamation de l’Etat islamique en irak, 600 000 chrétiens ont dû fuir leur maison, des milliers ont été massacrés, torturés, réduits en esclavage (Le Monde 21 juillet 2014). Le 2 avril 2015, 142 étudiants chrétiens sont exterminés par les Shebab sur le campus de Garissa au Kenya. Le 15 février, 21 coptes sont décapités sur une plage libyenne par Daesh. Le 4 novembre 2014, au Pakistan, un jeune couple de 24 et 26 ans est immolé dans des conditions d’une atrocité innommable. Le 24 octobre 2014, 31 chrétiens sont tués dans deux églises au Nigéria, etc. Au total, on estimait en 2013 que 100 000 chrétiens étaient assassinés chaque année pour leur foi (le Monde 28 mai 2013), des centaines d’églises…

Ver o post original 336 mais palavras

Cartas do Pai (1)

DA NATURALIDADE, post originalmente publicado em 28/02/2004.Alceu Amoroso Lima: “Cartas do pai: de Alceu para sua filha Madre Maria Teresa”

Collagem Alceu Cartas do pai: de Alceu a sua filha madre Maria Teresa

Montagem com Capa e algumas páginas de “Cartas do Pai: de Alceu a madre Teresa ou simplesmente: Tukinha!”

Um dos muitos presentes que eu ganhei em meu aniversário, o livro do Alceu Amoroso Lima tem lugar de destaque. Estou lendo as “Cartas do Pai*” com a economia da contemplação.
Um livro tão bem escrito assim merece ser lido com atenção e cuidado. A seleção de cartas foi feita por Alceu Filho e pela destinatária das cartas, a madre superiora de um mosteiro beneditino, a abadessa Maria Teresa, a filha bem amada de Alceu, ou simplesmente a “querida Tukinha” das cartas do pai Amoroso.

Contaram esses dois filhos com o privilégio divino de ter recebido como pai esse grande brasileiro (e grande católico) Alceu AMOROSO Lima. Para navegar por 11 anos de vida de Alceu, brindando-nos com este belo livro, contaram com o apoio do Instituto Moreira Salles (IMS) e com a revisão da irmã Sílvia do citado mosteiro beneditino.

Eis-nos, leitores, diante de um grande e marcante livro. Aos poucos trarei pra vocês trechos que me encantem como este sobre a naturalidade,

Da carta enviada da fazenda São Lourenço em 6 de julho de 1958.

[…]

Alceu a Madre Teresa...

“Tukinha do meu coração…”

Você define a humildade como a porta de todas as virtudes. Como dizer melhor? Para mim, ela quase se confunde com a naturalidade. Esta é um modo de ser, alguma coisa que precede a virtude. É como que o adro de todas as virtudes,
de que a humildade é a porta de entrada. A naturalidade é qualquer coisa de indefinido, de aberto, de vago, é como um grupo de crianças brincando à porta da igreja. A marca da naturalidade é a despreocupação. Quem procura ser natural já não é.

A naturalidade é uma vocação. Embora a simples ausência de pose já seja uma forma de naturalidade. Esta, porém, no duro mesmo, é um estado constante.
[…]
A naturalidade é a preparação indefinida para a humildade. Esta já é alguma coisa de consciente, de definida, de consistente. Não é mais uma predisposição, uma vocação. É um estado. É uma estrutura do espírito. É uma moldura, dentro da qual nós colocamos a nossa pintura interior e exterior. (Ontem li que alguém – o pai de um tal de Paul Morand – classificava os pintores em de superfície, ou extrovertidos, como Rubens, ou de fundo, e introvertidos, como Rembrandt. A classificação é muito boa, não acha?)

Alceu e Madre Maria Teresa, Lia

Dr. Alceu ou simplesmente Papai (P.) e Lia, ou simplesmente Madre Maria Teresa.

Pois a naturalidade é como a pintura de fundo, vem de dentro e por isso é uma preparação, a melhor possível, para a humildade. Esta, porém, já é uma pintura de superfície, voltada para fora, no sentido de dever ser visível, embora nunca contrafeita ou artificial. Mas podendo e até devendo ser cultivada. Aprendemos a ser humildes. Temos de adestrar a nossa humildade. Melhoramos ou pioramos de humildade. A vida é uma mestra de humildade. Mas naturalidade, esta não se ensina, nem se melhora ou piora.

É ou não é. Pronto. Mas a humildade só é realmente uma grande coisa quando vem precedida de naturalidad, quando é uma humildade natural, que apenas temos o dever de cultivar, de educar, de melhorar, de ensinar, para que sempre vá crescendo
e não se deixe estragar pela vida e sobretudo artificializar-se. Pois a humildade que se contenta e se compraz consigo mesma, a que se exibe, já deixa de ser humildade – isto é, virtude real do publicano – para ser um farisaísmo às avessas,
um falso publicanismo, que é então pior que o verdadeiro farisaísmo. Pois o fariseu verdadeiro ao menos se exibe, é tolo, é ridículo, expõe a sua mazela, embora convencido de que não a tem, nem que é doença alguma julgar-se o tal.
[…]

Alceu a Madre Teresa...

“Tukinha do meu coração…”

A falsa humildade é o pior dos orgulhos, como a verdadeira humildade é a mais humana e mais natural das virtudes, desde que é justamente a que vem logo depois da naturalidade e é apenas uma naturalidade consciente e elaborada, embora essa elaboração deva tornar-se uma segunda natureza, sob pena de se converter em falsa humildade.
(Está um cheiro de melado que é uma gostosura…)!
P.
Que livro! Merci, Sirlene…:-)
++++++++
Fonte: *”Cartas do pai”, Ed. IMS, S.Paulo, 2003, p.36. Post publicado por Adalberto Queiroz 28/02/2004. Meus agradecimento à Sirlene Vieira, empreendedora, ex-sócia e para sempre amiga, que me presentou tão bem no meu aniversário de 2004. Deste livro pode-se repetir, sem medo de errar, o que Antonio F. De Franceschi diz no prefácio, repetindo Montaigne: “Eis aqui, leitor, um livro de boa fé – … ou melhor: “simplesmente, um livro de Fé”! Pois sim, foi na Fé que este livro encontrou razão de ser editado.