Crônica do deserto particular

Um poema de Alberto da Cunha Melo Poema nenhum, nunca mais, será um acontecimento: escrevemos cada vez mais para um mundo cada vez menos, para esse público dos ermos composto apenas de nós mesmos uns joões batistas a pregar para as dobras de suas túnicas seu deserto particular, ou cães latindo, noite e dia, dentro … Continuar lendo Crônica do deserto particular

Onde trato do vazio de traduções no Brasil…

No artigo de hoje em Opção Cultural (Goiânia), trato do desprezo que as editoras e os tradutores dão no Brasil a dois escritores católicos dos EUA - Flannery O´Connor e Hart Crane. Confiram, clicando no link.

Um poema falado na revista Perseus

Feliz por poder ampliar meus poemas falados num novo veículo. Agradeço aos editores da Revista Perseus pela acolhida. Cliquem na figura para ouvir o poema de Afonso Felix de Sousa, nosso conterrâneo (goiano) mais famoso no mundo da Poesia do século XX. TURRIS EBURNEA ****Afonso Felix de Sousa. https://revistaperseus.wordpress.com/2018/05/01/turris-eburnea/?fb_action_ids=158671438305075&fb_action_types=news.publishes Foram degraus e degraus e degraus … Continuar lendo Um poema falado na revista Perseus

Walt Whitman, Oh! Pioneers

Poema de W. Whitman* 1 COME, my tan-faced children, Follow well in order, get your weapons ready; Have you your pistols? have you your sharp edged axes?  Pioneers! O pioneers!    2 For we cannot tarry here, We must march my darlings, we must bear the brunt of danger, We, the youthful sinewy races, all … Continuar lendo Walt Whitman, Oh! Pioneers

Dois andares na “Casa da poesia brasileira”

Para os poetas Augusto Frederico Schmidt e Tasso da Silveira... E ao traçar estes dois perfis em resumida crônica, encerro o ciclo "Poetas católicos do Brasil". Confira o artigo na íntegra, clicando no link abaixo:  

Um ser de circunstância e eterno

MURILO MENDES (1901-1975) Murilo Mendes, “o poeta brasileiro de Roma”, é o protagonista desta terceira crônica da série. O cosmopolita poeta mineiro continua sendo o menino de Juiz de Fora que se fez Poeta como “ser de circunstância e eterno”.  Clique na figura abaixo para ler o artigo completo.

Herberto Helder (1930-2015)

Neste artigo, o foco é a obra do poeta português Herberto Helder, considerado por muitos como o maior poeta português pós-Fernando Pessoa. Vale a pena conhecê-lo.