T.S.Eliot (4) com Ivan Junqueira, poeta e tradutor

IVAN JUNQUEIRA e T.S. ELIOT ou: Como um devoto quebra o altar onde  sua poesia é incensada e, ainda assim, se torna o maior criador da poesia inglesa?   T.S. Eliot (1888-1965)       - Essa a pergunta que o poeta e crítico literário Ivan Junqueira tenta responder num ensaio belíssimo (lembrando que a palavra ensaio … Continuar lendo T.S.Eliot (4) com Ivan Junqueira, poeta e tradutor

“Porque estás vivo aqui, agora e sempre…” Adeus, poeta!

IVAN JUNQUEIRA, 1934-2014, poeta e tradutor, autor entre outros de “Os Mortos” (1964), “Três Meditações na Corda Lírica” (1977), “A Rainha Arcaica” ( 1980). Tradutor a quem devemos o melhor de T.S. Eliot em português – “Quatro Quartetos” (1967) e T.S.Eliot Poesia Completa (1981) e os Ensaios (1991). Para consultar uma  bibliografia completa visite este … Continuar lendo “Porque estás vivo aqui, agora e sempre…” Adeus, poeta!

“Porque estás vivo aqui, agora e sempre…” Adeus, poeta!

IVAN JUNQUEIRA, 1934-2014, poeta e tradutor, autor entre outros de “Os Mortos” (1964), “Três Meditações na Corda Lírica” (1977), “A Rainha Arcaica” ( 1980). Tradutor a quem devemos o melhor de T.S. Eliot em português – “Quatro Quartetos” (1967) e T.S.Eliot Poesia Completa (1981) e os Ensaios (1991). Para consultar uma  bibliografia completa visite este … Continuar lendo “Porque estás vivo aqui, agora e sempre…” Adeus, poeta!

Eu bebo, logo existo (2)

Mais uma dose de bom texto e bom vinho: Segundo R. Scruton, a famosa descrição de T.S.Eliot de uma "jornada espiritual" (em Little Gidding, 4 Quartetos) pode-se aplicar a nossa "jornada de conhecimento do Vinho". Será? "We shall not cease from exploration, And the end of all our exploring Will be to arrive where we … Continuar lendo Eu bebo, logo existo (2)