Para ouvir na Quaresma (3)

Anton Bruckner – compositor austríaco (1824-1896).

Em tudo que fez, escreveu – Missas, Sinfonias – Deus é a grande presença. Talvez a respeito de Bruckner mais do que de qualquer outro compositor possamos falar das relações da música com a Teologia como duas esferas intimamente ligadas. ´Músico de Deus` era o seu epíteto e talvez fosse por isto que mais do que qualquer outro romântico, ele fundava sua sinfonia no puro som. (…)
a profunda fé religiosa de Bruckner era destituída de escolasticismo: era na sua simplicidade a fé do “cristão das catacumbas” como acentua numa imagem feliz Otto Maria Carpeaux… O barroco de Bruckner é o católico…
E se de sua 4a. sinfonia se pode dizer (repetindo Mahler, apud Franklin de Oliveira): “música dos anjos para os homens atormentados” muito mais, por certo, se aplicaria à sua música sacra.
(cit. tirada de A Fantasia Exata, Franklin de Oliveira, Zahar, RJ, 1959, p. 68-70)

Para ouvir na Quaresma (2)

Se este é o período em que “…a fibra cristã compreende em que modo revigorar-se…”, a boa Música pode ser a melhor aliada. Eis uma amostra: Quatuor pour la Fin du Temps, de Olivier Messiaen. Claude Desurmont (clarinete) , Luben Yordanoff (violino), Albert Tetard (violoncelo), Daniel Barenboim (piano). Deutsche Grammophon, 1990.

Para download, a pista de MR é essa.

É preciso dizer que Messiaen tem uma história vinculada à II Guerra e em se acreditando na Wikipedia, esta obra em 8 movimentos foi composta na prisão, pois OM fora feito prisioneiro pelos alemães, e teve como parceiros Jean le Boulaire e Étienne Pasquier, companheiros de desventura.

Outro movimento e mais história: Louange à l’éternité de Jésus:

Outra versão da Louange:

++++

Com este post quero expressar meu reconhecimento à amizade de Milton Ribeiro, ele próprio amigo de um grande especialista em música erudita: Monsieur P.Q.P.Bach. a quem agradeço tantas informações e fontes de boa música!

Para ouvir na Quaresma (1)

O lugar ideal seria .
Mas aqui a sua sede de boa música sacra pode ser saciada.

(Merci a Vilma Machado).

Imaginário Poético

Quero dar meu mais caloroso Boas-Vindas a ….

Um lugar simples, arejado, bonito, de classe: “Imaginário Poético”.

E ainda que tem César Miranda nos arranjos musicais

Um desses oásis que vale a pena neste “mar de conhecimento compartilhado“.

Uma boa resposta à questão fundamental:
– Que futuro estará reservado à imaginação individual nessa que se convencionou chamar de a civilização da imagem?
SE a imaginação é um lugar dentro do qual chove“? (sem ser S.Paulo – SP, biensur!) (Starobinski/Dante) – sentença 1
SE imaginação é o motor da Poesia, bem como razão de ser dos exercícios do espírito! – sentença 2.

Conclusão:

– Recomendo com entusiasmo o “Imaginário Poético: revista eletrônica de artes, música, literatura e filosofia.
++++

Trenzinho caipira

Foi brincando com meu neto, antes da sonequinha que me garantiu vir aqui (to do a quick post), que pensei em quanta saudade o trem – meio de transporte – me causa.

O barulhinho de ´tchu-tchu, train` que Lucas emitia, enquanto brincava com sua pequena composição, me fez lembrar de mil referências emocionais e afetivas relacionadas ao trem.

Algumas são musicais, como o Trenzinho Caipira (F.Gullar-Villa-Lobos), o Trenzinho na voz do João…e, mais recentemente, The Train, canção do The Nits.

Outras lembranças são literárias e musicais, ao mesmo tempo:

Penso agora que minha memória afetiva registrou Milton, mas só acho EDU Lobo com a interpretação para o Trenzinho.

A evasão é sonho antigo, viajando de trem.

Post-post: a memória me traiu, pois o arranjo para o poema é mesmo de Edu Lobo. O outro trem que andava rondando a memória era o Trem Azul, este sim do Milton Nascimento.

Johnny Cash ou: Sunday Morning Coming Down…

Meu desejo era postar uma de minhas músicas prediletas de Cash, a saber: Cry, Cry, Cry (com a June) ou Sunday Morning (que é bem apropriada), mas foi isso que consegui. Enjoy!

A experiência da música compartilhada

Como se sabe, a França tem se mobilizado em batalhas campais contra a música compartilhada, nos moldes atuais de distribuição pela internet. A Sacem, a poderosa sociedade dos direitos autorais tem ganho sucessivas vezes, a ponto de um website como Paroles.net ter jogado a toalha.

Agora, temos a BlipFm que nem sempre tem o áudio, mas recorre ao YouTube, para possibilitar compartilhamento de vídeos.

Faço agora a experiência abaixo com o Dropbox, que me pareceu intuitivo, fácil de usar para leigos como este bloguero. Se der certo, vou nessa linha de Blipfm + streams de áudio aqui.

Profitez-en:

Françoise Hardy

Lucienne Boyer

Onde meu Sony Ericsson me levou

Almoço no Spot.

Fim de Noite, no All Jazz.

Manset (1)

Solitude des Latitudes, Gérard Manset
Seu mais recente lançamento é “manitobe ne répond pas“.
Não acredito que mais este amigo do Brasil queira doar (ao mundo) a Amazônia e seus recursos naturais. Nunca se sabe…de qualquer forma, conheça u´a amostra do talento de Manset no link abaixo, antes que o Lula doe a Amazônia ao Manitoba…
Assista o vídeo Ô, Amazonie!