Do espanto e outros mistérios

Minha crônica desta semana é sobre um fato pontual

A greve dos transportadores no Brasil colocou-nos na posição de reféns de um movimento paredista que por pouco não se deixa dominar pela irresponsabilidade.

E se não entendo (e resolvo) essa circunstância não poderia continuar escrevendo nem lendo…
“Termino de ler “A Mente Naufragada”, do pensador norte-americano Mark Lilla em meio (ou no fim?) da greve dos transportadores. Eu havia me transportado para um mundo de análise profunda do que seria um naufrágio de análises políticas e me sinto um Jonas cuspido por uma baleia em praia brasileira…”

LEIA MAIS, no link abaixo.

Em greve, transportadores tomam o cidadão comum como refém (c) Foto-Tomaz-Silva-Ag-Brasil
RIO DE JANEIRO 28 05 2018 Caminhoneiros ocuparam trechos de rodovias em todo o país, neste caso, foto da Rod. Presidente Dutra Rio de Janeiro. (c) Tomaz Silva/Ag Brasil

Para dizer adeus a 2015

CRÔNICA PUBLICADA EM PORTAL RAÍZES. – Goiânia, 23-DEZ-15.
ANTES que o ano se vá, esvaindo-se em dias, horas, minutos; antes que a contagem regressiva que anuncia o Novo comece, eis-me aqui para dizer-lhe duas ou três coisinhas. Nem sei ao certo se ficaria bem dizê-las numa página de jornal eletrônico; se melhor não ficariam em uma folha de papel envelhecido, num cartão artesanal, desses feitos com muito amor pelos Pintores com a Boca e os Pés…
24fae0cf4e190078d5b9896e00870cd9_l
Quero dizer mas não me sinto seguro se esta mensagem há de chegar-lhe inteira. Quero dizer mas não encontro as palavras. Há um ruído medonho no mundo a impedir-me de ouvir (ou sentir) sua reação; nem seus olhos dialogam comigo, usando essa página de computador.
Entanto, sei que se persistir dizendo; você dirá a outro e outros mais e tê-lo-emos dito de uma forma intensa e duradoura.
Leia mais

Bravo! Do sonho e outras quimeras, por Nélson L. Castro

“Sonho…e enquanto sonho,

desenho um mundo risonho

onde se não morre nem mata

Um mundo de faz-de-conta,

no qual o tempo não conta,

tão belo que só o sonho o retrata…
(Nélson L Castro).
Continue lendo no link abaixo
https://mukandasdonelsinho.files.wordpress.com/2015/03/dreams.jpg?w=471&h=321

Falar de mim….

Cartas do cotidiano-Sobre Bernanos e os teólogos da corte…

Caderno de notas do cotidiano

EU e o JORNAL DIÁRIO: uma carta publicada no jornal local de Goiânia (GO), Brasil.

Carta ao Popular, Goiânia
Adalberto Queiroz a’O Pop, Goiânia.

Georges BERNANOS sempre atual
BERNANOS e os sacerdotes da Igreja!

Donissan e Cénabre: exemplo e contra-exemplo da conduta cristã.

Sobre Bernanos e a prática dos sacerdotes hoje…
Carta a’O Popular (Goiânia-GO).

Posts ligeiros (1)

Quase uma legenda: minhas amadas árvores.
Um dia compramos um terreno, minha mulher e eu. Lá havia sete árvores.
Planejamos e projetamos tudo para que nenhuma fosse sacrificada.
Do projeto ao acabamento, às árvores prestamos homenagem e respeito.
Mantivemos as sete – uma delas engastada no beiral da garagem improvisada, pois garagem não havia.
Um dia, nos mudamos.

Tamburil, orelha-de-macaco...
Tamburil, orelha-de-macaco…

O cidadão que a nossa casa comprara, mandou meter a serra-elétrica nas copas frondosas e a tudo destruiu.
Mudança feita, abraçamo-nos às árvores do novo território. Onde há esse tamburil centenário, abraço-me à terra que nos é dada. Felizes, minha mulher e eu; genros e filhas e netos. Um caloroso abraço que não cessa de me dar alegria.

Linguagem

Um neto pode mudar muita coisa. A forma de comunicação é só uma faceta de um universo em mutação para nós, avós. É hora de rever nosso jeito de nos comunicarmos, falando ou ouvindo: no esforço de entender o garoto e procurando ser entendidos.
Meu neto de 2 anos e meio (born in USA), ouve a língua de Camões (por ser a língua materna) e o inglês, do pai. Responde em língua de criança de 2,5 anos com um strong accent da língua de Shakespeare.
No meio, há palavras ininteligíveis até pra Mommy (dele).DSC01441
Não vou fazer um glossário do portuglish do meu neto porque não me acho preparado ainda (estou cadastrando algumas mais engraçadas) mas de vez em quando eu me sento como o matuto que vai ao cinema, na estória de Jessier Quirino.

De qualquer forma, nossa comunicação transcende a tudo por conta dos laços familiares… mas de vez em quando, me sinto como o matuto no cinema:

– “Aí o artista: “num-sei-que-lá, num-sei-que-lá, num-sei-que-lá…

Bom é saber que os laços familiares mudam tudo, possibilitando uma comunicação eficaz e, principalmente, de muito Afeto…

Aproveito o tema Linguagem – em qualquer idade -, para deixar pra você, leitor, a criação de Jessier Quirino que com certeza pode fazer você rir um bocado!.

Seguindo o conselho de Bento XVI

Proposta do Papa, resumida por Zenit com a frase lapidar “reze, trabalhe… e leia” de São Bento de Nursia e retomada por Bento XVI.
Bento XVI apresentou em um lema a chave para voltar a humanizar a sociedade e a cultura: “Ora et labora et lege”: “Reze, trabalhe e leia”, constata o porta-voz da Santa Sé. Siga aqui.
Inclui, pois, nesse período especial que se iniciou domingo passado, horas a mais de leitura. Aí cabem, além das leituras em tela, as muitas em papel da pilha de livros que me lançam olhares de cobrança desde a estante desordenada, ansiosos por merecer a visita de minhas retinas e reflexões.
Lugar inicial reservado a Voegelin, a Geraldo França Lima e ao meu abandonado Sébastien Lapaque (sur Bernanos au Brésil).D&C#3
E no intervalo, uma revista de ensaios: Dicta & Contradicta, (em papel, biensur!), que se lê com alegria, no meio de tanta leitura vazia. D&C é fruto saboroso de “respeito, amor e paixão pela verdade“. É, pois, recomendação entusiasmada de leitura a você, leitor deste blog.
Pedidos aqui. Ou aqui (mais em conta).

Maigret volta à rotina

A SEMANA passada começou sob forte chuva. Na segunda-feira úmida, movido pela carga natural que as segundas-feiras costumam depositar sobre meus ombros, me vi de mau-humor – agravado pela umidade deste verão no cerrado goyano, sentindo-me impotente diante da evidente onipresença da chuva sob os pés, os olhos e em meus ossos e membros (gotas finas persistentes, gotas grossas, acompanhadas de um céu nada acolhedor – muita chuva); na segunda-feira pela manhã, dizia-lhes: debrucei-me à janela do escritório como o garoto antigo e assustado que se movia para o colégio há alguns (muitos) anos atrás, com o medo ancestral (de gaulês antigo) de que o céu me cairia sobre a cabeça.

Lembrei-me do comissário Maigret naquelas passagens em que Simenon o faz surgir para o leitor olhando a chuva de sua janela na Paris dos anos 50, enquanto acende seu cachimbo – este ato que dá forma e consistência ao início do dia do personagem – e que também parece dar força, para nós leitores, diante dos embates do dia-a-dia, como se ao ritmo das gotas tamborilando na janela admitisse num sussurro:

– Bem-Vinda, senhora rotina.

Não era esse o meu caso. Sentia-me na pele do comissário, mas com grande mau-humor trazido por aquela manhã em que até o ato de se barbear parece tornar-se uma rotina desagradável (obrigatória já o é há muito), pois não temos o sol por testemunha e ainda perdemos o álibi dos pássaros, ou da vizinha que nos sorri ao passar sob nossa janela. Estamos sós nessa rotina da disciplina de higiene diária, num dia que se inicia obrigando-nos a tirar o velho guarda-chuvas do seu gancho habitual e procurar a capa com a nostalgia do chapéu que era moda ao tempo dessas estórias de Maigret.

Uma semana depois, acordo sob o véu cinzento da cidade de São Paulo, mas o astral mudou. As razões que me trouxeram a Paulicéia não eram apenas comerciais e sim envolviam o melhor do afeto familiar: devia ajudar minha filha caçula em sua mudança para essa metrópole – tudo tem um ar de doce aceitação, mesmo da persistente chuva que nos castigou quase todo o tempo de estada na capital.

Da janela, logo cedo descortino o horizonte que a Vila Mariana nos permite e me entristeço com a cena de uma família de migrantes que se arranjam como podem sob uma lona amarela, enfrentando a chuva e a fria umidade em pleno canteiro central da Vergueiro. Ainda dói ver as circuntâncias como se recapitulasse na mente a inteira fórmula de felicidade do inglês Bertrand Russell para quem é pouco o requisito para se iniciar no caminho da felicidade – e entre os requisitos está a casa deste homem que busca com garra a felicidade. Serviu-me a cena matutina na Paulicéia inundada para me afastar o mau-humor e pensar no caráter vetorial da felicidade. Pensar no Outro como um ser instalado precariamente e que enfrentava o aguaceiro e a carência com denodo e bravura, diante de quem meu humor de classe média não resistia a mais mínima barreira com sua susceptibilidade.

Mas, ah, que “a felicidade se defende mediante desvios ou rodeios” (1) e mesmo em condições diversas, eu me ponho de pronto em comunhão com aquele homem em sua luta diante dos obstáculos, como se me irmanasse em pensamento a um casal, que encontrei na estrada caminhando impássivel sob a chuva, prosseguia de frontes erguidas sob o aguaceiro, sem muxoxos, em sua viagem em busca de sua felicidade…

Era da mesma cepa e estirpe aquele casal no meio da chuva que me inspirou ainda jovem a escrever os versos a seguir transcritos. E isso já faz 22 anos…(2):

“…Que esperança a nossa:
Eu e esse casal
De mãos dadas pela via Anhanguera
Em que passo?
Que esperança a desse menino de bicicleta
Medindo o espaço que se abre
Em seu quintal?
Que esperança
Em todos nós
Pelo mundo em sua rota?
A mesma porção de fé
Que nos iguala ao cão
A se esconder do frio
E do trovão em meio à chuva
Na mesma medida de espera
Das aves que suportam
Chuva e frio
Iguais existimos
E sob as dificuldades
Do limbo arrancamos
Uma raiz de vida e resistimos.

+++++
Fontes: (1) A Felicidade Humana, Julián Marías, Duas Cidades, S. Paulo, 1989.
(2) “Frágil Armação: Poemas”, A. Queiroz, Edit. Barão de Itararé, Goiânia, 1985.