Fechado para Balanço (II)

MINHAS MELHORES LEITURAS em 2011:

A de A.C. Villaça, que continuo lendo sem cansar: “O Pensamento Católico no Brasil” (livro que resgata o melhor da inteligência Católica de nosso país) e outros livros, citados ou não neste blog; e, a partir dele, tudo que achei nos sebos (thanks Estante Virtual – Onde comprar) e que me levou ao excelente Miguel Torga – “Contos da Montanha” e “Novos Contos…”, de onde derivei para outras leituras portuguesas, incluindo António Lobo Antunes (“As Naus”) – leitura concluida nesta viagem aos EUA.

Enquanto que durante minha viagem de 7 dias a Portugal, eis que encontrei numa livraria d’O Porto o maravilhoso
“A Rebelião das Massas”, de José Ortega Y Gasset (que, lido há tempos em papel antigo e aos pedaços, numa biblioteca pública, agora ressurge agora em primorosa edição da Edit. Relógio D’Agua).

B de Bernanos
Coleção Bernanos na ERealizações de quem tivemos o melhor lançamento do ano, graças a É Realizações,  que reeditou 3 dos livros deste católico francês que morou no Brasil (e finalmente podemos ler a trad. de Jorge de Lima para “O Sol de Satã”, não encontrada mais nem mesmo nos bons sebos).
E também B de A.S. Byatt Capa Livro AS Byatt(que traz consigo, em minhas memórias de leituras, o sr. Rex Stout, pois são dicas do mesmo virtual friend e escritor de talento, Sr. Soares Silva, Alexandre (Lord ASS).  Destaques para “Possession” (Byatt) e “Too Many Cooks” (entres outros de uma lista bem grande de contos/novelas – “Fer-De-Lance”, “Champagne for One”, saborosos romances do gênero “mistery”, contos policiais em geral curtos com o personagem central Nero Wolfe e seu inseparável e fiel servidor – ‘confidential assistant’, mr. Archie Goodwin –, que sem ombreiam ao nosso velho Maigret e seus pupilos, incluindo no tanto que bebem em serviço, rs!). Onde comprar? Byatt http://amzn.to/sZTntj . Rex Stout (que pode ser achado no Brasil nas melhores livrarias e nos sebos).

C de Comércio onde sei que muita gente como eu espera findar o expediente – com a disciplina exigida pelos negócios – e voltar-se para a Família, a Arte, a Literatura, o convívio social (com amigos do peito), tudo isso formando âncora fundamental do bem viver.
E na A palestra que não ministrei no Ted-X Puc/GO era disso que gostaria de falar. Quem sabe em 2012 ?

D de Direção, de que todos estamos sempre à busca: estas publicações do filósofo Eric Voegelin no Brasil que devem ser saudadas como uma das melhores iniciativas da inteligência editorial… Library of Modern Thinkers, ISI Books, 2002(thanks É Realizações pelas traduções que tornam minha vida mais fácil – pois estava a ler EV em inglês com enorme dificuldade mas persistentemente – ; e thanks Amazon & Barnes and Noble por me proporcionar este maravilhoso pensamento na contramão da academia brasileira, cada vez mais Gramsciana). D de Direção também vinda de Roger Scruton, Product Detailspra mim a mais fantástica descoberta no domínio do pensamento neste ano 2011.
Thanks Amazon for these books! E também D de Dante –  

O Alighieri e o MilanoDSC01410, dos quais fiz Releituras de Dante A. e Milano por conta de uma amiga virtual (MEG).

E de Estado rico, empresário pobre de Arte. Ou posto de outro modo Estado dito “rico e com educação incipiente para a responsabilidade social”, cenário em que empresas sustentáveis estão em busca de dar retorno à sociedade. Revi conceitos a partir de Palestra de P.Kotler na Acieg/GYN e voltei aos livros do papa do Marketing, mr. Philip Kotler, que em suas reflexões me fez pensar em quanto temos a realizar em termos de doação ao social. Um bom caminho é a liderança que pode aprender com o exemplo de pessoas como Frances Hesselbein da Fundação PK. E muito podemos fazer abaixo do Equador neste domínio. E de EMILY Dickinson, emily-dickinson-photo1que amo e continuo lendo e transcrevendo forever e, se memória houvesse, decorando e recitando. F de Flusser, Vilem. Descoberta maravilhosa a partir dos estudos que realizei para uma palestra que nunca ministrei (vide cit. acima) e das dicas de César Miranda – O intelecto ´sensu stricto` é uma tecelagem que usa palavras como fios”, é a porta para entendê-lo: Vilém Flusser.

G de Gianetti, Eduardo e deGoogle Guys”, livro que desde que lido na América (fev.11), na minha temporada com os Fousts, “esperando Benjamin Foust”, aprendi a gostar, respeitar e, através de quem (Google Enterprise) espero fazer muitos bons negócios em 2012. Eduaro Giannetti, de quem já possuía referências interessantes em entrevistas escritas e ‘faladas’ (ótimo esse termo radiofônico, não? ), resgatei aqui com seu “Auto-Engano” (confesso estar ainda lendo e com menor entusiasmo do que no início).

H de Helenir, minha mulher, que saiu da rotina empresarial e leu ao longo do ano nosso amado e sempre presente Maigret, by G. SIMENON, quase um membro da família, como Balzac – o cachorro que perdemos e o escritor que mantemos no coração afetivo da literatura (Maigret, pois, o personagem de Simenon é bem-vindo; já o autor um mulherengo incorrigível, parece que todo homem latino prefere manter longe de sua casa).  E ainda H de Hansen, Morten T. “Collaboration”, image o livro que trouxe os conceitos certos para tudo que fiz profissionalmente nesses últimos 14 anos e que (re)estudei em 2011; o que me proporcionou voltar a ministrar palestras (Obrigado Amcham GYN e UDI).

I de Igreja, de onde emergiram dois livros fortes para um ano de provações e de muita fé e persistência – e, convenhamos, de um excelente trabalho depurador de nosso Papa Bento XVI : “The Courage to be Catholic”,  de autoria do biógrafo do papa JP II, mr. George Weigel (só recomendado aos fiéis, pois os curiosos e ateus em geral não entenderiam) e o novo livro do Papa Bento XVI “A Luz do Mundo”: Light of the World: The Pope, The Church and the Signs Of The Times”.

* T de Third Sector – Um novo domínio do conhecimento para mim, que planejo seguir após o conselho do meu orientador espiritual (Padre Rubens, parq. N.Sa. Aparecida e Sta. Edwiges, Goiânia) que, sabiamente, me disse para cultivar valores que, ao longo da minha carreira de servidor público e nos últimos 20 anos de empresário, não tiveram muito tempo para ser cultivados. “The Third Sector”, by Rupert Taylor para começar bem 2012.

Bem, meus 6 leitores, este é o balanço, sem dizer que muitas revistas foram importantes ao longo do ano e também muita leitura pelos e-Books e pelos portais de leitura. Continuo gostando mais de ler em papel, mídia em que foi criado como leitor, mas já tenho um legado em e-Books – p.ex. no meu iPad emprestado por ora à minha mulher – tenho mais Baudelaire do que em minha prateleira IMG_8826e em minha vida inteira. Rimbaud, Sertillanges etc. também e uns outros tantos à espera de tempo para leitura – pois que me dóem os olhos quando leio só na tela.
Au revoir, mes enfants! Feliz 2012.
Amitiés, BetoQ.

Fechado para Balanço (II)

MINHAS MELHORES LEITURAS em 2011:

A de A.C. Villaça, que continuo lendo sem cansar: “O Pensamento Católico no Brasil” (livro que resgata o melhor da inteligência Católica de nosso país) e outros livros, citados ou não neste blog; e, a partir dele, tudo que achei nos sebos (thanks Estante Virtual – Onde comprar) e que me levou ao excelente Miguel Torga – “Contos da Montanha” e “Novos Contos…”, de onde derivei para outras leituras portuguesas, incluindo António Lobo Antunes (“As Naus”) – leitura concluida nesta viagem aos EUA.

Enquanto que durante minha viagem de 7 dias a Portugal, eis que encontrei numa livraria d’O Porto o maravilhoso
“A Rebelião das Massas”, de José Ortega Y Gasset (que, lido há tempos em papel antigo e aos pedaços, numa biblioteca pública, agora ressurge agora em primorosa edição da Edit. Relógio D’Agua).

B de Bernanos
Coleção Bernanos na ERealizações de quem tivemos o melhor lançamento do ano, graças a É Realizações,  que reeditou 3 dos livros deste católico francês que morou no Brasil (e finalmente podemos ler a trad. de Jorge de Lima para “O Sol de Satã”, não encontrada mais nem mesmo nos bons sebos).
E também B de A.S. Byatt Capa Livro AS Byatt(que traz consigo, em minhas memórias de leituras, o sr. Rex Stout, pois são dicas do mesmo virtual friend e escritor de talento, Sr. Soares Silva, Alexandre (Lord ASS).  Destaques para “Possession” (Byatt) e “Too Many Cooks” (entres outros de uma lista bem grande de contos/novelas – “Fer-De-Lance”, “Champagne for One”, saborosos romances do gênero “mistery”, contos policiais em geral curtos com o personagem central Nero Wolfe e seu inseparável e fiel servidor – ‘confidential assistant’, mr. Archie Goodwin –, que sem ombreiam ao nosso velho Maigret e seus pupilos, incluindo no tanto que bebem em serviço, rs!). Onde comprar? Byatt http://amzn.to/sZTntj . Rex Stout (que pode ser achado no Brasil nas melhores livrarias e nos sebos).

C de Comércio onde sei que muita gente como eu espera findar o expediente – com a disciplina exigida pelos negócios – e voltar-se para a Família, a Arte, a Literatura, o convívio social (com amigos do peito), tudo isso formando âncora fundamental do bem viver.
E na A palestra que não ministrei no Ted-X Puc/GO era disso que gostaria de falar. Quem sabe em 2012 ?

D de Direção, de que todos estamos sempre à busca: estas publicações do filósofo Eric Voegelin no Brasil que devem ser saudadas como uma das melhores iniciativas da inteligência editorial… Library of Modern Thinkers, ISI Books, 2002(thanks É Realizações pelas traduções que tornam minha vida mais fácil – pois estava a ler EV em inglês com enorme dificuldade mas persistentemente – ; e thanks Amazon & Barnes and Noble por me proporcionar este maravilhoso pensamento na contramão da academia brasileira, cada vez mais Gramsciana). D de Direção também vinda de Roger Scruton, Product Detailspra mim a mais fantástica descoberta no domínio do pensamento neste ano 2011.
Thanks Amazon for these books! E também D de Dante –  

O Alighieri e o MilanoDSC01410, dos quais fiz Releituras de Dante A. e Milano por conta de uma amiga virtual (MEG).

E de Estado rico, empresário pobre de Arte. Ou posto de outro modo Estado dito “rico e com educação incipiente para a responsabilidade social”, cenário em que empresas sustentáveis estão em busca de dar retorno à sociedade. Revi conceitos a partir de Palestra de P.Kotler na Acieg/GYN e voltei aos livros do papa do Marketing, mr. Philip Kotler, que em suas reflexões me fez pensar em quanto temos a realizar em termos de doação ao social. Um bom caminho é a liderança que pode aprender com o exemplo de pessoas como Frances Hesselbein da Fundação PK. E muito podemos fazer abaixo do Equador neste domínio. E de EMILY Dickinson, emily-dickinson-photo1que amo e continuo lendo e transcrevendo forever e, se memória houvesse, decorando e recitando. F de Flusser, Vilem. Descoberta maravilhosa a partir dos estudos que realizei para uma palestra que nunca ministrei (vide cit. acima) e das dicas de César Miranda – O intelecto ´sensu stricto` é uma tecelagem que usa palavras como fios”, é a porta para entendê-lo: Vilém Flusser.

G de Gianetti, Eduardo e deGoogle Guys”, livro que desde que lido na América (fev.11), na minha temporada com os Fousts, “esperando Benjamin Foust”, aprendi a gostar, respeitar e, através de quem (Google Enterprise) espero fazer muitos bons negócios em 2012. Eduaro Giannetti, de quem já possuía referências interessantes em entrevistas escritas e ‘faladas’ (ótimo esse termo radiofônico, não? ), resgatei aqui com seu “Auto-Engano” (confesso estar ainda lendo e com menor entusiasmo do que no início).

H de Helenir, minha mulher, que saiu da rotina empresarial e leu ao longo do ano nosso amado e sempre presente Maigret, by G. SIMENON, quase um membro da família, como Balzac – o cachorro que perdemos e o escritor que mantemos no coração afetivo da literatura (Maigret, pois, o personagem de Simenon é bem-vindo; já o autor um mulherengo incorrigível, parece que todo homem latino prefere manter longe de sua casa).  E ainda H de Hansen, Morten T. “Collaboration”, image o livro que trouxe os conceitos certos para tudo que fiz profissionalmente nesses últimos 14 anos e que (re)estudei em 2011; o que me proporcionou voltar a ministrar palestras (Obrigado Amcham GYN e UDI).

I de Igreja, de onde emergiram dois livros fortes para um ano de provações e de muita fé e persistência – e, convenhamos, de um excelente trabalho depurador de nosso Papa Bento XVI : “The Courage to be Catholic”,  de autoria do biógrafo do papa JP II, mr. George Weigel (só recomendado aos fiéis, pois os curiosos e ateus em geral não entenderiam) e o novo livro do Papa Bento XVI “A Luz do Mundo”: Light of the World: The Pope, The Church and the Signs Of The Times”.

* T de Third Sector – Um novo domínio do conhecimento para mim, que planejo seguir após o conselho do meu orientador espiritual (Padre Rubens, parq. N.Sa. Aparecida e Sta. Edwiges, Goiânia) que, sabiamente, me disse para cultivar valores que, ao longo da minha carreira de servidor público e nos últimos 20 anos de empresário, não tiveram muito tempo para ser cultivados. “The Third Sector”, by Rupert Taylor para começar bem 2012.

Bem, meus 6 leitores, este é o balanço, sem dizer que muitas revistas foram importantes ao longo do ano e também muita leitura pelos e-Books e pelos portais de leitura. Continuo gostando mais de ler em papel, mídia em que foi criado como leitor, mas já tenho um legado em e-Books – p.ex. no meu iPad emprestado por ora à minha mulher – tenho mais Baudelaire do que em minha prateleira IMG_8826e em minha vida inteira. Rimbaud, Sertillanges etc. também e uns outros tantos à espera de tempo para leitura – pois que me dóem os olhos quando leio só na tela.
Au revoir, mes enfants! Feliz 2012.
Amitiés, BetoQ.

Sábio conselho…

“Ora, pois, come alegremente teu pão e bebe contente teu vinho, porque Deus já apreciou teus trabalhos. (…)
Desfruta da vida com a mulher que amas, durante todos os dias da fugitiva e vã existência que Deus te concede debaixo do sol. Esta é tua parte na vida, o prêmio do labor a que te entregas debaixo do sol.”

Eclesiastes 9: 7.

Festa do Batismo de Cristo

O Batismo. Piero della Francesca

Batismo, Piero Della Francesca, National Gallery, Londres. (c)Corbis Images.

21*
Se Ucello foi o lúdico profeta
do mundo-como-idéia, o redentor
da luz às cegas neste mundo em flor
foi o velho Piero, o anacoreta
de retorno à cidade por amor.
O mundo, transbordando-lhe a palheta,
era uma exatidão tanto maior
quanto mais perdulária, como a seta
que sobe e sem saber vai aonde for…
Piero della Francesca batizou
o eterno com o efêmero, na cor
das paredes mortais que tanto amou,
pôs sua geometria e sua dor:
seu par de asas frágeis como o vôo.

22
Penso, naturalmente, no Batismo,
seu céu de asas abertas sobre o imenso;
ou na Natividade; mas se penso
em tudo o que ele viu penso no abismo,
na argila cor de cinza, e no silêncio.
É do silêncio o estranho imobilismo
do Cristo ressurrecto, aquele intenso
adentramento quieto em cada prisma,
pronto a mostrar a chaga à criatura.
Mas foi nas pedras de uma igreja obscura,
no coração de Arezzo, que Piero
atravessou a adaga do real.
O conceito, a ilusão e o desespero
não puderam cruzar aquele umbral!

23
Em Arezzo é o fugaz que se proclama
nas interrupções do luminoso:
o mundo é interrompido como a chama
e é tudo meio incerto como um gozo,
tudo proclamação do duvidoso,
porque as paredes morrem e quem ama
esse acabar-se, escama por escama,
aceita seus vestígios como um pouso.
Piero equilibrou no temporal
a majestade toda do real;
nas paredes mortais daquele templo
tudo vira presença, reticência,
adeus interrompido, cada exemplo
unindo opacidade e transparência.
(…)
+++++
(*) Poema extraído do livro “O Mundo Como Idéia“, Bruno Tolentino, pág. 399/400. Ed.Globo, 2001.

A piscina do Sagrado

domingo, 8 de outubro de 2006
A piscina do sagrado

Sonho proteína
Leite condensado
Caio na piscina
Do Sagrado
”(*)

Avalanche de informações, embates na rua, na tv – quem lê tanta notícia? e mais tantos reclames que rondam a cabeça, assim a cabeça roda num mundo cheio de alarido. São Tiago me proteja, ouço, calado e cabisbaixo, seu exemplo na igreja dos santos e dos mártires – há muito barulho no mundo, ruído, roído, o espaço pequeno em volta da mesa, a mesa tão rara, a conversa real sumida, puída – queria castrar o adjetivo e não posso ou preciso do facão do Mourão, da esgrima do Tolentino, da pena o Lima – eu, estou agora só, diante da (minha) Nossa Senhora de Aparecida à beira da cama, e só assim consigo conciliar sono e descanso e paz, e repouso, depois do beijo da mulher amada quando é tarde e o corpo arde – rima sem solução, raimundo, raimundo aquele do vasto mundo, em busca da rima e pobre de inspiração.

Tem o homem esse buraco no peito, por isso mesmo não basta “nomear todos os animais dos campos e todas as aves do céu” – é preciso que tenha a seu lado, “osso dos seus ossos, carne de sua carne” para se sentir inteiro, ah, os filhos de eva, somos todos nós, ora bradamos: queremos o retorno ao sagrado. Ah, a cosmogonia, ah a biblioteca de nossos sonhos, ah, divino altar, onde o sacrifício de Cristo é rememorado, do nascer ao pôr-do-sol…se o sagrado nos falta, aproximamo-nos, céleres de um abismo. E a idéia, donde vem, e a inspiração que contem?
– “De Deus é que vem a idéia”, prega Levinas. E hei de um dia encontrar-me pronto para compreender, como sonham entender no versículo: “de seu ventre brotarão fontes de água viva”. Ah, a poesia sem medo da ciência, a poesia que se faz calda, na moeda do pensar, a poesia de um são Jorge de Lima. Eis uma fonte d´água fresca que reconforta:

“Debruça-te sobre tua voz para escutá-la:
tua voz existiu antes de tua forma.
Se o alarido do mundo não te permite entendê-la,
vai para o deserto,
e então a ouvirás com a inflexão inicial das palavras do Verbo
e com a fecundidade do Gênese ante o Fiat do Pai.
Ouve a tua voz sobre a montanha para que o divino eco
atravesse os milênios
e reboa dentro de ti que é o tempo de Deus!

“Ouve a tua voz entre as massas humanas
que como o mar se tornarão fecundas
e espalharão a palavra do Livro
pelas águas e pelos continentes.”

Oh, desejo supremo de ser ventríloquo do divino Pai Eterno. Oh, desejo santo, desejo de santificar a vida – há santos entre nós e não os enxergamos – Ah, Bendito seja o desejo de Sabedoria: “para que a poesia tenha a tua marca, Senhor”.
A idéia de Deus, do Deus em mim, não fui eu quem a inventou e não assisti ao congresso em que os filósofos se reuniram para criar a idéia de Deus. Eu digo com Jung que “naturalmente é impossível provar a Sua existência. De que maneira – pergunto em meio às águas da piscina do sagrado:
– “De que maneira uma traça que se alimenta de lã da Austrália poderia demonstrar às outras traças que a Austrália existe?”
E por isso consigo o sono azul na azulíssima piscina do sagrado. Azul é a cor de teu manto, minha Mãezinha, azul é o mundo que sonho na paz e na doçura. Eu te saúdo, ó Rainha, para dormir em paz, no silêncio da paciência que não pede demonstrações.
+++++
Fontes: Péricles Cavalcanti, Levinas, Jorge de Lima, Carl Jung, S.João 7,38.

Escrito e publicado em 08/10/2006, no Verbeat, às 10:49 | Poesia Brasileira, Religião | Ouse dizer! (0)