O dom da profecia em tempos pós-modernos…

S.DomingosMeditando
São Domingos medita sobre uma leitura…

<

Era 2006…Olha só o profeta Olavo de Carvalho: in Jornal do Brasil, 7 de setembro de 2006:
“A construção do sistema nacional de roubalheira petista não começou em 2003, nem é um desvio acidental da linha partidária. Vem do início dos anos 90. É parte integrante da estratégia de conquista progressiva do poder total, que passa pela destruição sistemática da ordem pública e pela parceria ignóbil entre partidos esquerdistas e organizações criminosas no Foro de São Paulo.

“Não há um só dirigente do PT ou de qualquer outro partido de esquerda que não saiba disso, nem jornalista que o ignore. Por isso mesmo conseguiram escondê-lo tão bem.
Agora que se tornou difícil continuar negando as patifarias mais espetaculares usadas para implementar o grande engodo, só resta aos mentores esquerdistas fazer aquilo que previ em março de 2004: “Se o PT cair em total descrédito…, entrará em ação o Plano B: suicidar o governo alegando que falhou porque estava muito ‘à direita’ — e aproveitar-se da oportunidade para acelerar a transformação revolucionária do país, … transferindo a militância (petista) para outra e mais agressiva organização de esquerda.”.

Minha linha-do-tempo em FB – Adalberto De Queiroz.

Vá para o artigo de Artigo de Olavo

Professor Olavo de Carvalho, jornalista, pensador
Professor Olavo de Carvalho, jornalista, pensador e profeta, nas horas em que vaga, vagamos sob o Equador…

“A vida Muda o morto em multidão” – Mudará?

DO VERSO DE FERREIRA GULLAR

há lições a serem retiradas (da) e cotejadas com a realidade atual…(FGullar recebeu o prêmio Camões, 2010, foto sem (c) indicado

O livro “Dentro da Noite Veloz”, poemas de 1962-1974,  é de 1975. O poema-título é de 24.07.69. Era a fase do poeta em oposição ao regime militar – estamos, portanto, diante daquele típico livro de combate…

“Dentro da Noite…” traz poemas diversos em que, mesmo tendo a poesia como arma de sobrevivência, não deixa de conter o estilo de José Ribamar Ferreira (Ferreira Gullar) que o levará à maturidade poética e como pensador e crítico da Cultura que chega a ser considerado “o rei” da poesia brasileira contemporânea (Piza, 1999).

‘Está fora

de meu alcance

o meu fim

Sei só até

onde sou

contemporâneo

de mim.’

Mesmo que o guerrilheiro argentino “Che” Guevara apareça como protagonista do poema datado “dentro da Noite”, o poeta não se esconde na militância – abdicando do verso que forjará o seu estilo com o passar dos anos…A doença do esquerdismo juvenil parece não perdurar na maturidade do poeta.

O  poeta preso na Vila Militar (1969) pensa na liberdade como “sons de uma porta que bate”, de “árvores sob as nuvens; não havendo como não ver em Poesia com a marca do tempo, do combate temporário, a poesia dita datada – como se só o tempo presente parecesse interessar ao poeta: “A poesia é o presente” – diz. Ou quando, impotente diante da estarrecedora realidade da ditadura, o poeta clandestino (e depois exilado em B. Aires) (con)cede diante da realidade aterradora um mínimo para a estética ou para a poesis, preferindo “o neo-concreto” – corrente literária que por fim será um dos ícones:

“o poema, senhores,
não fede nem cheira”.                                                        

Gullar_Nordeste© foto de onordeste.com

O Ferreira Gullar maduro é o poeta que, por mais uma vez, se bate contra a ditadura – agora a ditadura do PT, dos governantes de agora, prováveis parceiros de outrora…
E se antes denunciava a fome em seus poemas das décadas passadas, hoje alerta que “Lula comprou os pobres do Brasil”, pela barriga…mercadejando com a Fome dos Outros.

Gullar mostra-se antenado com o momento brasileiro e alerta-nos para os riscos da “táticas bolivarianas” postas em prática pelo governo do PT, como também o fez corajosamente a poetisa mineira Adélia Prado.

Os intelectuais estão ausentes… os ditos artistas, intelectuais de esquerda…essas pessoas se calaram”.

”Os que faziam o panegírico
do PT, não tiveram a humildade de dizer: ERRAMOS!”

O País está naquele estágio em que Jean Braudillard chamava de
transparência do Mal”…

Ele, o Mal, está por toda a parte, em todos os poderes da República, na vida do país.

Leia mais

Um tempo Cinzento: Brasil 2014–a transparência do Mal…Misererê!

Com Licença Poética, eis que se anuncia a lucidez da poetisa mineira Adélia Prado!
A seguir, neste link, veja a entrevista completa de dona Adélia Prado: é lucidez de Poeta-Profeta!

ADÉLIA nos alerta que estamos vivendo “um tempo cinzento… em que o Mal está em toda parte, por todo canto dos poderes do Brasil e isso gera um país triste…

“Nós estamos vivendo um momento muito esquisito, um momento muito triste. É uma ditadura disfarçada. Não me sinto em um país democrático. (…) Na ditadura (militar) nós estávamos mais vivos do que estamos agora.”

“Eu não me sinto vivendo numa democracia” (Adélia Prado).
“Ai, a ausência de Qualidade do nosso Parlamento…”

Sobre a omissão dos intelectuais, ditos de esquerda: “Os intelectuais estão ausentes… os ditos artistas, intelectuais de esquerda…essas pessoas se calaram”.
”Os que faziam o panegírico
do PT, não tiveram a humildade de dizer: ERRAMOS!”
O País está naquele estágio em que Jean Braudillard chamava de
transparência do Mal”…
Ele, o Mal, está por toda a parte, em todos os poderes da República, na vida do país.

Vivemos num país que é como “comida envenenada”.
“Isso tudo me dá uma ‘aflição danada’…”

Será que só a Poetisa sente isso?

A banalidade do Mal tirou da República sua face alegre…
Talvez por isso mesmo as bandeiras verde-amarelas não tremulam a 25 dias da Copa do Mundo.

A honestidade intelectual e a coragem desta poetisa mineira já vem de longe, no livro de estréia:

“Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.”

(Com Licença Poética, Adélia Prado)

Um desabafo tão lúcido assim tem a ver com um tema histórico, recorrente na história da humanidade: a banalidade do Mal.

Viva a República do Brasil

Visita Virtual ao Museu da República.

Embora eu seja muito simpático à Monarquia, somos um país republicano. Portanto, só me cabe dizer um viva à República F. do Brasil e deixar a quem interessar possa uma dose de polêmica do blog Monarquia x República: http://monarquiaxrepublica.blogspot.com.br/

Planilha do jogo: do defensor ao atacante, do roupeiro ao ‘coach’

E o chefe da quadrilha diz: “acatarei a decisão da Justiça” (que bom moço! como se sente acima do Estado a frase é a cara dele).
Entenda o jogo ampliando a figura abaixo.

E arremata: “mas não me calarei…” (hum, eu fiquei me pergunto: não se calará com os colegas de prisão; com os sindicalistas que aparelharam o Estado; nem com os comandados do PCC?! Será?
Iria pra rua? Iria para a clandestinidade? ou fugirá do país para o Paraguai…
hipóteses mil para quem já fez o que fez o sr. J.D. fez ao longo de sua conturbada vida).

Penso ainda que quando assumiu a Casa Civil expressou o desejo de ser como um grande antecessor que nunca ´meteu a mão em cumbuca`. Oh, destino, oh, céus, oh dor… diria o personagem de desenho animado sobre o indigitado ex-ministro.
Agora, você acredita mesmo que o big boss 2 será mesmo preso: responda à enquete de Veja.

STJ e PGR destrincham o esquema Ali Dirceu Babá

A Marinha dos EUA mostra sua grandeza

Em meio a discussão e aos rompantes dos iranianos, a Marinha dos Estados Unidos mostra sua grandeza. Confirme nessa matéria do The Envoy, reproduzida pelo Yahoo News.

Almirante Craig S. Faller (US Navy) é cumprimentado pelo secretário da Defesa USA

Amid tensions, U.S. Navy rescues Iranians from Somali pirates | The Envoy – Yahoo! News.

Fechado para Balanço (II)

MINHAS MELHORES LEITURAS em 2011:

A de A.C. Villaça, que continuo lendo sem cansar: “O Pensamento Católico no Brasil” (livro que resgata o melhor da inteligência Católica de nosso país) e outros livros, citados ou não neste blog; e, a partir dele, tudo que achei nos sebos (thanks Estante Virtual – Onde comprar) e que me levou ao excelente Miguel Torga – “Contos da Montanha” e “Novos Contos…”, de onde derivei para outras leituras portuguesas, incluindo António Lobo Antunes (“As Naus”) – leitura concluida nesta viagem aos EUA.

Enquanto que durante minha viagem de 7 dias a Portugal, eis que encontrei numa livraria d’O Porto o maravilhoso
“A Rebelião das Massas”, de José Ortega Y Gasset (que, lido há tempos em papel antigo e aos pedaços, numa biblioteca pública, agora ressurge agora em primorosa edição da Edit. Relógio D’Agua).

B de Bernanos
Coleção Bernanos na ERealizações de quem tivemos o melhor lançamento do ano, graças a É Realizações,  que reeditou 3 dos livros deste católico francês que morou no Brasil (e finalmente podemos ler a trad. de Jorge de Lima para “O Sol de Satã”, não encontrada mais nem mesmo nos bons sebos).
E também B de A.S. Byatt Capa Livro AS Byatt(que traz consigo, em minhas memórias de leituras, o sr. Rex Stout, pois são dicas do mesmo virtual friend e escritor de talento, Sr. Soares Silva, Alexandre (Lord ASS).  Destaques para “Possession” (Byatt) e “Too Many Cooks” (entres outros de uma lista bem grande de contos/novelas – “Fer-De-Lance”, “Champagne for One”, saborosos romances do gênero “mistery”, contos policiais em geral curtos com o personagem central Nero Wolfe e seu inseparável e fiel servidor – ‘confidential assistant’, mr. Archie Goodwin –, que sem ombreiam ao nosso velho Maigret e seus pupilos, incluindo no tanto que bebem em serviço, rs!). Onde comprar? Byatt http://amzn.to/sZTntj . Rex Stout (que pode ser achado no Brasil nas melhores livrarias e nos sebos).

C de Comércio onde sei que muita gente como eu espera findar o expediente – com a disciplina exigida pelos negócios – e voltar-se para a Família, a Arte, a Literatura, o convívio social (com amigos do peito), tudo isso formando âncora fundamental do bem viver.
E na A palestra que não ministrei no Ted-X Puc/GO era disso que gostaria de falar. Quem sabe em 2012 ?

D de Direção, de que todos estamos sempre à busca: estas publicações do filósofo Eric Voegelin no Brasil que devem ser saudadas como uma das melhores iniciativas da inteligência editorial… Library of Modern Thinkers, ISI Books, 2002(thanks É Realizações pelas traduções que tornam minha vida mais fácil – pois estava a ler EV em inglês com enorme dificuldade mas persistentemente – ; e thanks Amazon & Barnes and Noble por me proporcionar este maravilhoso pensamento na contramão da academia brasileira, cada vez mais Gramsciana). D de Direção também vinda de Roger Scruton, Product Detailspra mim a mais fantástica descoberta no domínio do pensamento neste ano 2011.
Thanks Amazon for these books! E também D de Dante –  

O Alighieri e o MilanoDSC01410, dos quais fiz Releituras de Dante A. e Milano por conta de uma amiga virtual (MEG).

E de Estado rico, empresário pobre de Arte. Ou posto de outro modo Estado dito “rico e com educação incipiente para a responsabilidade social”, cenário em que empresas sustentáveis estão em busca de dar retorno à sociedade. Revi conceitos a partir de Palestra de P.Kotler na Acieg/GYN e voltei aos livros do papa do Marketing, mr. Philip Kotler, que em suas reflexões me fez pensar em quanto temos a realizar em termos de doação ao social. Um bom caminho é a liderança que pode aprender com o exemplo de pessoas como Frances Hesselbein da Fundação PK. E muito podemos fazer abaixo do Equador neste domínio. E de EMILY Dickinson, emily-dickinson-photo1que amo e continuo lendo e transcrevendo forever e, se memória houvesse, decorando e recitando. F de Flusser, Vilem. Descoberta maravilhosa a partir dos estudos que realizei para uma palestra que nunca ministrei (vide cit. acima) e das dicas de César Miranda – O intelecto ´sensu stricto` é uma tecelagem que usa palavras como fios”, é a porta para entendê-lo: Vilém Flusser.

G de Gianetti, Eduardo e deGoogle Guys”, livro que desde que lido na América (fev.11), na minha temporada com os Fousts, “esperando Benjamin Foust”, aprendi a gostar, respeitar e, através de quem (Google Enterprise) espero fazer muitos bons negócios em 2012. Eduaro Giannetti, de quem já possuía referências interessantes em entrevistas escritas e ‘faladas’ (ótimo esse termo radiofônico, não? ), resgatei aqui com seu “Auto-Engano” (confesso estar ainda lendo e com menor entusiasmo do que no início).

H de Helenir, minha mulher, que saiu da rotina empresarial e leu ao longo do ano nosso amado e sempre presente Maigret, by G. SIMENON, quase um membro da família, como Balzac – o cachorro que perdemos e o escritor que mantemos no coração afetivo da literatura (Maigret, pois, o personagem de Simenon é bem-vindo; já o autor um mulherengo incorrigível, parece que todo homem latino prefere manter longe de sua casa).  E ainda H de Hansen, Morten T. “Collaboration”, image o livro que trouxe os conceitos certos para tudo que fiz profissionalmente nesses últimos 14 anos e que (re)estudei em 2011; o que me proporcionou voltar a ministrar palestras (Obrigado Amcham GYN e UDI).

I de Igreja, de onde emergiram dois livros fortes para um ano de provações e de muita fé e persistência – e, convenhamos, de um excelente trabalho depurador de nosso Papa Bento XVI : “The Courage to be Catholic”,  de autoria do biógrafo do papa JP II, mr. George Weigel (só recomendado aos fiéis, pois os curiosos e ateus em geral não entenderiam) e o novo livro do Papa Bento XVI “A Luz do Mundo”: Light of the World: The Pope, The Church and the Signs Of The Times”.

* T de Third Sector – Um novo domínio do conhecimento para mim, que planejo seguir após o conselho do meu orientador espiritual (Padre Rubens, parq. N.Sa. Aparecida e Sta. Edwiges, Goiânia) que, sabiamente, me disse para cultivar valores que, ao longo da minha carreira de servidor público e nos últimos 20 anos de empresário, não tiveram muito tempo para ser cultivados. “The Third Sector”, by Rupert Taylor para começar bem 2012.

Bem, meus 6 leitores, este é o balanço, sem dizer que muitas revistas foram importantes ao longo do ano e também muita leitura pelos e-Books e pelos portais de leitura. Continuo gostando mais de ler em papel, mídia em que foi criado como leitor, mas já tenho um legado em e-Books – p.ex. no meu iPad emprestado por ora à minha mulher – tenho mais Baudelaire do que em minha prateleira IMG_8826e em minha vida inteira. Rimbaud, Sertillanges etc. também e uns outros tantos à espera de tempo para leitura – pois que me dóem os olhos quando leio só na tela.
Au revoir, mes enfants! Feliz 2012.
Amitiés, BetoQ.

A banalidade do mal

O fenômeno de Hitler não se esgota em sua pessoa. Seu sucesso deve ser situado no quadro geral de uma sociedade arruinada intelectual ou moralmente, no qual figuras que em outros tempos seriam grotescas e marginais podem ascender ao poder público por representarem formidavelmente o povo que as admira. Essa destruição interna de uma sociedade não terminou com a vitória dos aliados sobre os exércitos alemães na II Guerra Mundial, mas continua até hoje. Devo dizer que a destruição da vida intelectual na Alemanha em geral e nas universidades em particular é fruto da destruição perpetrada sob seu regime. O processo ainda está em curso e não é possível entrever seu fim, de sorte que consequências surpreendentes são possíveis. O estudo do período (hitlerista) por Karl Kraus, e especialmente sua arguta análise do detalhe sujo (aquilo que Hannah Arendt chamou de `banalidade do mal´) tem grande importância para nós hoje, pois é possível encontrar fenômenos correlatos na sociedade ocidental, embora não ainda, felizmente, com os efeitos destrutivos que resultaram na catástrofe alemã.

*****
Reflexões Autobiográficas“, Eric Voegelin, pág. 41, Ed. ÉRealizações, 2008.
(Qualquer semelhança entre Brasil e Alemanha é mera coincidência)