Um ser de circunstância e eterno

MURILO MENDES (1901-1975)

Murilo Mendes, “o poeta brasileiro de Roma”, é o protagonista desta terceira crônica da série. O cosmopolita poeta mineiro continua sendo o menino de Juiz de Fora que se fez Poeta como “ser de circunstância e eterno”

Clique na figura abaixo para ler o artigo completo.

Destarte 05 ABR 2018.PNG

Diário de uma viagem ao Chile (III)

Santiago de Chile, 09 e 10 de outubro de 2015 – natural ansiedade com o fato de que irei falar amanhã numa universidade internacional. Há muitos anos falo para auditórios diversos e há sempre um pouco de ansiedade, mas não como esta. Não sei o que vou encontrar, não sei o perfil do público que me ouvirá, se me ouvirá; ou, sequer, se haverá público. Acordo com essa sensação estranha de que não haverá ninguém para ouvir-me que falarei para o coordenador – que no pesadelo é uma espécie de Inspetor Geral, severo como era o professor Hegel no velho ginásio em Anápolis.

O dia amanhece frio como usual nesta viagem. No meu caderno de rascunhos (como diz o professor Olavo sobre o seu, dele, facebook), registrei: 37°F Feels Like 37° – Santiago a exigir café e cobertor de orelhas…Buenos Dias, Chile!

Das rotinas do dia, o sol foi o que mais me agradou presenciar. Viajar a dois tem o condão de aproximar ou afastar os viajantes. No meu caso, sinto-me mais próximo de minha companheira de viagens (a mesma há mais de quarenta anos). Lembro-me que numa dessas viagens (à França), tivemos uma terceira pessoa em nosso convívio e pessoa de tamanha calma e boa personalidade que não só não rompeu o equilíbrio, como serviu de ponto de apoio na extensão da viagem até o território marroquino. Tempos idos, lá vamos nós caminhando…como dizia o mago António Machado na España dos 1890 et plus…

E a mais fina das notícias e descobertas de hoje, cai do céu:
O MAIS POÉTICO dos pareceres científicos vem da NASA. Cito Mr. Alan STERN:
“Quem teria esperado um céu azul no Cinturão de Kuiper? É lindo”,
disse Alan Stern, da missão New Horizons –
pesquisador principal do Instituto Southwest Research (SwRI), em Boulder, no Colorado.
link consultado dia 09.oct-15

E fomos andando. Agora, tenho no meu telefone móvel (antes celular, hoje ‘smartphone’, no anglicismo diário!) um conta-passos que é uma coisa muito útil. Caminho muito nas minhas viagens e nunca tive idéia (ortografia antiga, por favor revisor!) do quanto caminhava… hoje, consegui um recorde (10.786 passos). De nada valeria isso, se não deixasse gravado em minhas retinas e meus sentimentos mais profundos, a alegria que o dia me proporcionou em Santiago.

A decepção com o Museu Nacional de Belas Artes foi amplamente compensada hoje, com a visita que fizemos à Catedral e ao Museu Histórico Nacional na Plaza de Armas. O lugar respira a história de Santiago e, apesar de lotado, com tantos turistas atraídos pelo sol que desfazia a friagem da manhã, tudo demonstrava uma ordem europeia ou, se preferir, espanhola e mestiça. E se todos caminhamos e ao caminhar aprendemos, como queria o poeta alemão H. Heine – “todos nós marchamos; homens e deuses; crenças, lendas e tradições...” – eis-nos, minha mulher e eu, caminhando na Santiago histórica e aprendendo.
Um guia interessante vem das páginas de um historiador que descobri quase por acaso, com meu hábito de ler os jornais locais (ou pelo menos um deles, em papel) e, agora, também via internet. O guia seguro é Alfredo Jocelyn-Holt que me chega através do tablóide “La Tercera”. O texto me atrai e vou seguindo em busca de livros do autor.

Uma observação rápida sobre o museu histórico nacional feita por minha mulher marca bem o que é a compensação completa: eis um museu agradável de se visitar. Ordenado, rico em informações e didático, o museu recebia uns dois grupos de alunos dos colégios da Capital. Ambos bem uniformizados e em trajes sociais – os meninos de gravata e paletó e as meninas, saias e também lenços a imitar gravatas… um traço bem europeu dos colegiais enriquecia a atmosfera do museu. Curiosamente, além do cão (exposto que está, empalhado) de um presidente da Nação, o museu chamava a atenção dos pequenos por um grande painel nacional no pátio interno do recinto. Os cães são personagens da cena urbana chilena. Estão por toda a parte.

Não sei desse fato senão o que me contou meu compadre (que é um Franciscano até no nome!) que estes convivem com as pessoas e as rotinas urbanas por seu grande préstimo da acuidade auditiva, que poderia prevenir (avisar com seus ganidos) a proximidade de um terremoto… Não fui conferir a história, mas o fato é que os cães são uma maioria silenciosa pelas ruas… E eis que os meninos nossos colegas de visita ao museu na manhã de 09 de outubro, paravam entusiasmados com o cão empalhado pelos milagres da taxidermia. Reabilito a história do cão, deixando com vocês o texto do website do Museu. Confira:


HISTORIA DEL OBJETO – o cão “ULK” – do presidente Arturo Alessandri (1932-1938).

El ejemplar fue preparado por el taxidermista del Museo Nacional de Historia Natural, Sr. Carlos Vergara, ayudado por su hermano Adrián Vergara, durante la presidencia de don Arturo Alessandri. Don Carlos era tío y don Adrián padre del actual taxidermista del MNHN Ricardo Vergara. Esta pieza fue una atracción de público por muchos años y se exhibía en el hall central del MNHN. En 1984 y por insistencia del Jefe del Área de Zoología, el biólogo José Yáñez, respecto a que el ejemplar tenía un tremendo valor histórico antes que biológico, el Director de la época (Hans Niemeyer) accedió a entregar el ejemplar y su correspondiente collar al Museo Histórico Nacional.© Surdoc – Museu Histórico Nacional do Chile.


Bem, chegou finalmente a hora de enfrentar a Academia. Sei por informação preliminar que a universidade aqui, como no Brasil, está em mãos de uma esquerda quase furiosa e que ali se aninha, se concentra como em barricada…
Vou para a Aula Magna e me agrada o discurso de uma pessoa (cabelos brancos, um reitor?!) que denuncia o publicismo das teses, a publicação atual no mundo universitário que cresce em razão inversamente proporcional ao número de marcas e patentes. Segundo o palestrante, ao contrário dos países da Ásia que, menos preocupados na indústria da publicação de teses, ocupa-se em construir novos objetos úteis a toda a comunidade. Fico pensando no incrível número de universitários que conheço lá no Brasil e que, formados por um sistema gratuito de ensino, nunca devolveram nada à comunidade. Decido não ficar para o coquetel prometido, o ar, o clima da academia não me é acolhedor; mesmo do coordenador da viagem que resolvi fazer…

Na volta ao flat, onde estamos “morando” minha mulher e eu, falo sobre o que ouvi, fazemos uma refeição leve à base de omeletes (podemos cozinhar aqui e estocar nossa própria comida, quando conveniente). Ela concorda e ilustra meu raciocínio de apoio à tese ouvida na Aula-Magna. [Esqueci-me de fazer a inscrição ao congresso.]

Dia seguinte, ainda sob o efeito dos pesadelos sobre a responsabilidade que me pesa sobre “a palestra”, parto para a Universidade, novamente caminhando – o que me é extremamente saudável e me deixa animado… Ao chegar encontro colegas de viagem – a Sra. S., o sr. V. e a esposa deste, mas não o coordenador.
A melhor acolhidaUSACH
Esperamos por mais um tempo, até a sua (dele) chegada e abertura da porta da sala, onde dar-se-ia a palestra. Ufa!
Há um pequeno colóquio sobre a conveniência de adiarmos para a parte da tarde, ao que me oponho, pois não aguento de ansiedade – ter que esperar mais um turno para ministrar a ‘bendita` palestra que já me exaspera. (Na foto, ao lado, sentindo-me acolhido por Signorelli, Vanderlan e Teresinha, à espera da palestra…).
BetoUSACH_Palestrando
Finalmente, há concordância e faço a palestra… Para agradar alguns poderia dizer, ao final: “Que maravilha!” Estaria mentindo. A um confidente, entretanto, respondo pelo sistema de mensagens do Facebook o que achei: “Frustrante”; embora tenha saldo positivo em falar da tríade Poética, ou “um instantâneo de poesia falada de católicos poetas do Brasil no séc. XX”. Pretensioso título e amazônico para contar minha paixão e a necessidade de relermos Jorge de Lima, Augusto Schmidt e Murilo Mendes… Talvez salve-se o artigo, consolo-me… Se tiver ânimo de voltar ao assunto, pois estou no meu limite sobre o tema. Fiz minha inscrição – puxa, com o mesmo valor compraria uma série de livros usados… Está feita.

Almoço sozinho, na verdade passo com um sanduíche e um “jugo” (os sucos aqui são maravilhosos, apesar de muito adocicados, mais ainda do que no Brasil). Descanso e chego com 10 minutos de atraso para a palestra dos colegas da parte da tarde. Aproveito bem as palestras (quatro) e tenho um bom diálogo todos do grupo, com exceção de um jovem acadêmico paulista que tenta provar que a criminalidade aumentou por conta do analfabetismo, manipulando números estranhos e desconexos, mas com “sólidos” argumentos ideológicos. Em sua (dele) réplica o sr. F. insinuou que sou um fascista.

Entristeci-me e calei-me; ao final do evento, presentei-lhe com um livreto que fizemos (eu e Mário Zeidler Filho) sobre o Cinquentenário da morte do poeta Augusto F. Schmidt. Fico triste apenas, não me revolto, nem tampouco revido quando me chamam ‘fascista’, pois sei que não o sou.

BetoPoesiaFaladaUSACH2
Falando Jorge de Lima, O Poema do Cristão, final

Como não gosto de polêmica, nem de enfrentar o contraditório, e mesmo assim decidi-me a debater, me sinto exausto… ainda mais frustrado.

Uma anotação do La Tercera do dia dá-me a exata dimensão do sacrifício a que está submetido um sujeito não alinhado à esquerda ou esquerdófilo que tenha que (sobre)viver neste meio:
Alfredo-Jocelyn-Holt_avatar_1-200x200
“A universidade é um centro de operação donde (a esquerda) se replica, onde ela se reconhece, onde pretende concentrar os humilhados, com o objetivo de fazer-lhes ver quão mal anda o sistema…”
(Alfredo Jocelyn-Holt, em La Tercera, oct-2015).
Creio que esse evento terminou para mim. Última providências: repasso os livros que trouxe para doação a uma instituição local (dois meus e dois da amiga romancista Clara) e me vou… Pretendo acompanhar minha mulher em nossas caminhadas (e dependendo da confirmação, visitar uma empresa líder no setor de software aqui); e vamos de ônibus para Valparaíso.

A cidade cultural nos espera amanhã cedo. Está decidido. Adeus, Academia, Universidade, adeus a tudo em Santiago, penso em visitar a Sebastiana – uma das três (!) casas do poeta laureado com o Nobel após a primeira chilena que foi (e é minha predileta) premiada em 1945 – Gabriela Mistral. É. Vou a Valparaíso e a uma das casas do “comunista” laureado; o proprietário abastado Pablo Neruda … Vejamos o que há de se passar! Amanhã, conto o resto. ./.
*****
Para ler as partes 1 e 2 do Diário de uma viagem ao Chile, clique aqui.

A JORGE DE LIMA* por Murilo Mendes

POEMA FALADO por mim em SoundCloud.

Jorge de Lima+CapaVol1ObraCompleta

A JORGE DE LIMA (por Murilo Mendes)
INVENTOR, teu próprio mito, Jorge, ordenas,
e este reino de fera e sombra,
Herdeiro de Orfeu, acrescentas a lira.

À mesa te sentaste com os cimeiros
Dante, Luís de Góngora, o Lusíada,
e Lautréamont, jovem sol negro
que inaugura nosso tempo.

O roteiro traçando, usaste os mares.
A ilha tocas, e breve, a configuras:
ilha da realidade subjetiva
onde a infância e o universo do mal
abraçam-se, perdoados.
Tudo o que é do homem e terra te confina.

Inventor de novo corte e ritmo,
sopras o poema de mil braços
fundas a realidade.
Fundas a energia.
Com a palavra gustativa.
A carga espiritual
e o signo plástico
nomeias todo ente.

Oh frêmito e movimento do teu verso
mantido pela forte e larga envergadura.
Força da imagem que provoca a vida
e, respirando, manifesta
o mal do nosso tempo, em sangue exposto.

Aboliste as fronteiras da aparência:
no teu livro de espanto se conjugam
sono e vigília,
vida e morte,
sonho e ação.

Nutres a natureza que te nutre,
mesmo as bacantes que te exaurem o peito.
Aplaca tua lira a pedra, a angústia:
cantando clarificas
a substância de argila e estilhaços divinos
que mal somos.
+++++
Poema publicado em “Letras & Artes”, suplemento do jornal A Manhã, Rio de Janeiro, 24 de agosto 1952.

A estatura do poeta Tasso (i)

– MAS POR QUE ler e pesquisar um poeta tão velho?
A pergunta vem de gente instruída, leitores de boa cepa, conhecedores da literatura da hora e da antiga.
Não me surpreende tal desconhecimento, em relação ao Tasso da Silveira, quanto me chocou o mesmo, ao eleger o Augusto Frederico Schmidt como alvo de uma homenagem ao Cinquentenário de seu último livro (Sonetos) – o evento que realizamos, com sucesso, no primeiro semestre deste ano 2015 teve de superar o estigma do “poeta velho”.
HomeroPoeta Tasso-da-SilveiraTorquato Tasso

Minha resposta em um modo meio embaraçado é mais ou menos na linha do pesquisador que ama o assunto pesquisado. Então, hum…
Por dentro, respondo em silêncio:
– Velho? Imagina. Perto de Homero é uma criança saída dos cueros, como o outro Tasso (o Torquato) é um jovem adulto.
Não há idade na boa Poesia ou se prefere use a metáfora do vinho etc. etc.
Portanto, prossigo com minha leitura encantada da obra de um dos maiores poetas do Brasil no século passado. Poeta Tasso da Silveira_Bico-De-PenaIsmailovitch

Então, dá-se que descubro um artigo do professor José Carlos Zamboni (ver link abaixo para ler a íntegra) – o que só me fez caminhar para uma certeza: o que seria uma palestra-artigo sobre “A tríade dos poetas católicos do Brasil” há de se tornar um ensaio sobre um quarteto, em que o 4o. elemento passa de coadjuvante a protagonista. Agora são 4: Augusto, Jorge, Murilo e Tasso.

Assim provocou-me o professor Zamboni, falando sobre o Tasso da Silveira – entre os demais católicos escritores ao falar de “nomes como os romancistas Cornélio Pena, Lúcio Cardoso, Octavio de Faria (cunhado de Alceu), Gustavo Corção, José Geraldo Vieira, Plínio Salgado; e poetas como Tasso da Silveira, Murilo Mendes, Jorge de Lima, Augusto Frederico Schmidt, e até o Vinícius de Moraes da primeira fase (que depois trocaria o catolicismo da juventude pelo animismo panteísta dos terreiros de candomblé). Não se deve excluir desta lista nem o poeta Manuel Bandeira, que foi recuperando a fé à medida que envelhecia, nem Mário de Andrade, católico que fingia não o ser…

“O mais homogeneamente católico dos nossos poetas católicos foi sem dúvida o curitibano Tasso da Silveira, cuja obra se encontra infelizmente esquecida dos editores e do público. Quando for reeditado, os futuros leitores de poesia tombarão de espanto (na remota hipótese dessa espécie, a dos leitores de poesia, sobreviver aos predadores culturais desta e das próximas décadas).

“UM POETA a ser lembrado sempre. Curitibano, cantou sua terra, viveu a poesia mesmo com a vista cansada lhe faltou. A história do “mais homogeneamente católico” dos poetas-católicos-poetas do Brasil assim se pode contar.”

Poetas católicos do Brasil
Por José Carlos Zamboni*

“Num país e numa época em que os principais críticos literários brasileiros eram homens sem fé religiosa, ou já sem entusiasmo pela fé, a conversão e militância católica de Alceu de Amoroso Lima foi uma extraordinária novidade, de extensa repercussão, sobretudo a partir de 1928, ano em que assumiu a direção do Centro Dom Vital e de sua revista “A Ordem”, criados em 1922 por Jackson de Figueiredo (mesmo ano da exageradamente famosa semana de arte moderna paulista). Jackson morreu prematuramente, em 1927, e foi o principal responsável pela conversão de Alceu.

”Ainda está por ser feito o estudo definitivo da importância do Centro Dom Vital e de sua revista “A Ordem” para o pensamento brasileiro, responsáveis pela criação de uma mentalidade cultural cristã disposta a discutir a realidade contemporânea e nela seriamente influir. Aquele periódico criou uma atmosfera favorável à expressão e expansão de uma corrente literária espiritualista, basicamente católica, que reunia nomes como os romancistas Cornélio Pena, Lúcio Cardoso, Octavio de Faria (cunhado de Alceu), Gustavo Corção, José Geraldo Vieira, Plínio Salgado; e poetas como Tasso da Silveira, Murilo Mendes, Jorge de Lima, Augusto Frederico Schmidt, e até o Vinícius de Moraes da primeira fase (que depois trocaria o catolicismo da juventude pelo animismo panteísta dos terreiros de candomblé). Não se deve excluir desta lista nem o poeta Manuel Bandeira, que foi recuperando a fé à medida que envelhecia, nem Mário de Andrade, católico que fingia não o ser.” (José Carlos Zamboni em “Poetas católicos do Brasil”).

Da tríade elevada ao quarteto e a importância do 4o. elemento. Eis o meu delicioso desafio da hora presente.

Mini-bio de TASSO DA SILVEIRA (1895-1968).LivroTassodaSilveira_CancoesCuritibaPoeta Tasso-da-Silveira

Murilo Mendes, retrato by Guignard.

Poeta e escritor nascido em Curitiba (Paraná, Brasil). Formado em Direito,  no Rio de Janeiro. Considerado um dos representantes da ala espiritualista do modernismo, ao lado de Cecília Meireles e Tristão de Ataíde. Pertenceu ao Jorge de Lima_Foto Retocadagrupo da

O grande lírico, o
O grande lírico, o “poeta-gordo”, o poeta do amor, do mar, da morte. O poeta de Deus.

Revista Festa, da qual foi um dos fundadores. Estreou como poeta com Fio d’Água, em 1918. Somente a partir do terceiro livro — Alegorias do Homem Novo—, em 1926  é que adere ao verso livre.

Seleta
A seleção de poemas de Antonio Miranda é uma amostra representativa da poesia de Tasso da Silveira e eu a li com alegria, mas o pequeno volume “Canções a Curitiba & Outros Poemas”, intr. e seleção de Cassiana Lacerda Carolo, editado pela prefeitura de Curitiba no centenário do poeta em 1996, na coleção Farol do Saber* provê ao leitor visão mais ampla da obra poética de Tasso.

Da SELEÇÃO de Antonio Miranda…entre as jóias do “mais homogeneamente católico” dos ‘católicos-poetas’ do Brasil.
***********************************
O ÚLTIMO SONETO

AINDA hoje a Vida, a carcereira,
deu-me, por entre as grades da prisão,
a minha bilha de água verdadeira
e o meu pedaço humílimo de pão.

A fome fez da minha boca mendigueira
uma cítara, e a sede deu-lhe a afinação
que têm as folhas outoniças da amendoeira
para os dedos sutis da viração.

Assim, cada bocado de centeio
que trituro nos dentes, sabe-me, antes,
a um manjar esquisito e sem igual.

E cada sorvo de água, fresco e cheio,
vibra em meu paladar cordas ressoantes
de secreta lascívia espiritual.

************************************

LIBERTAÇÃO

NOSSOS desejos se purificaram
e o nosso pensamento
foi subindo, ascendendo, serenando…

Nossas paixões se altearam
como o vento,
que, depois de varrer o pó do chão,
para as estrelas tremulas se eleva,
e, mais alto que a sombra, além da treva,
fica ressoando,
longe e livre, na ignota solidão…
++++++
Fonte: SILVEIRA, Tasso da. O Canto absoluto seguido Alegria do mundo. Poemas. Rio de Janeiro: Edição dos Cadernos da Hora Presente, 1940. 143 P. 15X21 cm. “ Tasso da Silveira “ Ext. bibl. Antonio Miranda.


| Do livro “Canções a Curitiba & Outros poemas” |

INVERNO.
(c) Tasso da Silveira.
**************************
Chegou junho …
E Curitiba vestiu-se toda de branco
e apertou o seio túmido,
que cheira a malva, em rendas alvas,
e pôs no cabelo a estrela da manhã
pensando que o sol claro
era um príncipe louro e jovem
que vinha
todo coberto de ouro,
pedir-lhe a mão …
Oh, logo à noite, ela porá, sem dúvida,
o seu colar de fogueiras de São João …
++++++++
PENSAMENTO
A Jackson de Figueiredo.

Ah! ventura de ser a pedra informe
que não sonha, não pensa, não cogita,
e dentro da mudez erma e infinita
do próprio ser eternamente dorme …

A dor suprema, o orgulho desconforme,
o ódio a sangrar, – tudo o que em mim se agita –
devo-o à centelha dessa luz maldita
que mais negra me faz a treva ernome …

O mal que dela nasce, o mal tremendo,
foi subindo … aumentando … foi crescendo,
e hoje minha alma toda inteira inunda …

E hei-de ir em busca do Último-Momento,
vendo que se me torna o Pensamento
uma ferida cada vez mais funda ! …
******************************************
Do livro “Canções a Curitiba & Outros Poemas”, Tasso da Silveira, Farol do Saber, Curitiba, 1996, edição do Centenário do Poeta. p. 14 e 38/39.

FIO D’ÁGUA (1918) – poema 1
(sem título)
******************************************************
(c) Tasso da Silveira.

Fio d’água, humilde e brando,
Da transparência dos cristais:
Tão claro e límpido vais
Cantarolando,
Que deixas ver, lá, no fundo,
A areia fina alvejando …
Tão diáfano ! Até parece
Que a areia é que vai cavando …
Verso meu, fio d’água oriundo
Da fonte da dor … pudesse
(Ai de mim!)
Fazer-te tão claro assim,
que se visse, lá no fundo,
– só – minha alma cantando
ou soluçando …
++++++++++++++++++++++

O POÇO
O poço estreito e profundo
é que era o centro do mundo.
Havia outras coisas mais:
a cerca de ripa tosca,
além da cerca, o banhado,
onde as rãs em tom maguado,
cantavam na noite fosca
velhas cantigas irreais:
vago, perdido, distante,
no descampado da frente,
o dormente chafariz,
ensinando a toda gente
seu jeito de ser feliz.

Mas o poço é que era o centro
do mundo, com a água inquietante
dormindo, a sonhar, lá dentro.
Quando a branca madrugada
surgia no azul etéreo,
do fresco e puro mistério
do poço é que, em debandada,
a matinal passarada
erguia o vôo triunfante.
E quando a sombra suspensa
sobre o mundo, serenava
meu juvenil alvoroço,
as estrelas fascinadas
tombando da noite imensa
caíam na água do poço.
*******************************
Tasso da Silveira, “Canções a Curitiba & outros poemas”, edição do centenário do poeta. Farol do Saber, Curitiba, 1996. Ilustr. bico-de-pena de Dimitri Ismailovitch, 1961, retrato de Tasso da Silveira (do livro citado, p.xxv).


Coda – o último poema.
Solilóquio (i) – Tasso da Silveira(*) – Nota do livro citado:
“Este foi o último texto ditado por Tasso da SIlveira a sua mulher. Este livro [Regresso a Origem, 1960] integra textos de um período no qual o poeta já havia perdido a visão, e tinha em sua mulher uma companheira de trabalho a quem ditava seus versos. Contam os filhos que este texto foi ditado à noite, como que antevendo a morte da mulher no dia seguinte. Como o pássaro que ficou só depois que o outro ergueu o vôo,Tasso da Silveira deixou definitivamente de escrever.” (in Canções…p.123, nota do editor).

Soliloquio_Poema de Tasso Da SilveiraPara finalizar, deixo um estudo de O.M. GOMES “Tasso da Silveira e seu Itinerário Luminoso”/. Aproveitem e apaixonem-se pela poesia de deste poeta que merece estar no panteão dos católicos poetas do Brasil. Clique neste link.Tasso e seu Itinerário Luminoso (O.M.Martins)

O pão (espiritual) cotidiano de todos…

O pão (espiritual) cotidiano de todos…

Retrato da amizade (2)

AINDA SOB A INFLUÊNCIA de Maria Betânia Amoroso que nos convida a viajar ao universo de Murilo Mendes, reencontro “Tempo e Eternidade” – 

d’onde se pode ampliar o campo de visão e se vislumbram os raios da amizade profunda que uniu esses dois artistas brasileiros e cosmopolitas: Ismael Nery e Murilo Mendes.

A conversão de Murilo Mendes ou: “Retrato Da Amizade” (1)

MURILO MENDES o Poeta Brasileiro de Roma – livro de Maria Betânia Amoroso
é livro de erudição e muito informativo.

Os fãs do poeta mineiro (e cosmopolita) temos em Betânia uma fonte riquíssima de informações sobre a vida, a viagem, as amizades, os amores e a invenção muriliana.

Apesar de manter um certo jargão acadêmico, “vício do cachimbo da pesquisadora universitária“, o livro é muito bom.

Amorosa viagem com  "o Poeta Brasileiro de Roma"
Amorosa viagem com “o Poeta Brasileiro de Roma”

DESTA FEITA, venho para registrar meu encantamento com a leitura do livro da professora Maria Betânia e a grande curiosidade não resolvida sobre o sobrenome da Autora que pode ter (ou não) a ver com meu amado Alceu.

Tamanho é meu entusiasmo com o estilo de Betânia Amoroso que já encomendei à Estante Virtual outro livro dela, Betânia: “Pier Paolo Pasolini“, sobre, evidentemente, a vida e obra do cineasta, poeta e polêmico escritor italiano.

O livro que tenho em mãos e que leio com entusiasmo foi gestado em longa pesquisa, realizada em parte na Itália (entre 2001/09), período em que Betânia Amoroso ouviu, leu e viveu (imagino, pela paixão que o texto transmite) Murilo e suas memórias.

Por ora, fiquem com o belo texto sobre a conversão de Murilo Mendes, de outra safra de Maria Betânia (os artigos), encontrado em academia.edu -, pois ainda não me considero preparado para uma resenha completa do livro, digamos que ainda estou percorrendo o caminho nesta viagem com (e sobre) “O Poeta Brasileiro de Roma”.

 

Leia mais

Espírito Humano x Comunismo, por Murilo Mendes

https://pbs.twimg.com/media/Bq-qyIWCcAMyjoM.jpg
+++++
Fonte: MENDES, Murilo. “O Discípulo de Emaús”, Rio de Janeiro, Ed. Nova Aguilar (Murilo: Poesia Completa e Prosa), p.832, aforismo #160.

J.G. Merquior: Muriloscopia

[Ou: “O travo agridoce da Saudade.]

J.G.MerquiorJ.G. MERQUIOR escreveu, em maio de 1978,
aquele que considero o prefácio definitivo
e, naturalmente, com um título tipicamente merquioriano:

Notas para uma Muriloscopia“.

Ninguém melhor do que J. Guilherme poderia ter uma visão tão aguçada sobre a poesia de MM (1901-1975).

E se o leitor perguntar-se: porque a mensagem de Murilo Mendes, baseada num catolicismo não militante, traz uma mensagem única e até hoje válida num mundo ?

– “…No legado do cristianismo uma mensagem tão ou mais pertinente ao nosso tempo social de que à época de Jesus de Nazaré.
Ou:  porque “o sentimento básico do poeta Murilo Mendes era [é], segundo Merquior: “…no seio mesmo da sua consciência da finitude do mundo criatural, antes a vibração da esperança, a crença… na regeneração do ser.

MURILOSCOPIA (c)J.G. Merquior

“NA CONSCIÊNCIA do público e da crítica de poesia, a imagem da obra ímpar de Murilo Mendes parece ter passado de tangente a eixo da nossa tradição moderna. Longamente considerado voz solitária e insólita, o poeta figura hoje, e com toda a razão, entre os tetrarcas da lírica modernista. Qual o sentido dessa inusitada parábola na recepção de Murilo? Quais as linhas de força que, na sua produção poética, se responsabilizam por ela?
“Creio que o segredo se prende à própria natureza do modernismo. Como estilo compósito, próprio à primeira fase da nossa ‘modernização’, isto é, a esta transição social que ainda estamos vivendo (e em muitos pontos, sofrendo), o modernismo brasileiro foi um estilo híbrido e heterogêneo, feito da convivência ou fricção de estilemas tipicamente ‘arte moderna’ com vários traços a rigor bem pré-modernos (porque prolongamentos de formações artísticas anteriores) e, no entanto, dotados (como se vê em Cecília, Schmidt, Cornélio Pena) de inegável poder adaptativo e funcionalidade estética. Por isso mesmo é que nosso modernismo literário seria, ainda mais que o plástico, e sem dúvida bem mais que o musical, um complexo estilístico. Não foi por acaso que só pôde ter a unidade de um movimento, jamais a uniformidade de uma escola.


Leia mais