Emily Dickinson, P. Henriques Britto e o leitor

Um poema de Emily Dickinson e duas traduções de Paulo Henriques Britto (2)

NO POST anterior, trouxemos o original do poema #185 (da coletânea de poemas de Emily Dickinson, por Johnson*) e duas traduções de Paulo Henriques Britto.

Nosso desafio ao leitor era o de escolher entre “A” e “B”.

O tradutor o fez. Saiba como, lendo antes o processo que levou Britto às duas versões citadas. As anotações estão no livro “A tradução literária”, da editora Civilização Brasileira, 1ª. ed., 2012.

Inicialmente, Britto constata que “no campo da tradução, poucos temas têm sido tão discutidos, e têm levado à adoção de posturas tão radicalmente opostas, quanto a tradução de poesia”. E por quê?
Embora o interesse teórico seja “inversamente  proporcional ao volume de traduções de poesia efetivamente publicadas”, Britto alinha algumas verdades sobre o contexto brasileiro:

i. “Num extremo, temos aqueles que defendem a absoluta impossibilidade de se traduzir poesia; no extremo oposto, temos os que afirmam que se pode traduzir poesia tal como qualquer outro tipo de texto.”
ii. Nas posições intermediárias, Britto localiza os que defendem: a)“em tese, é possível traduzir poesia, mas na prática todas as traduções poéticas são falhas; b) a poesia não pode (e não deve) ser propriamente traduzida, mas sim recriada, ou imitada, ou parafraseada, ou transpoetizada; c) é possível traduzir poesia, mas é impossível julgar a qualidade da tradução: tudo que se pode dizer a respeito da tradução de um um poema é “eu gosto” ou “eu não gosto”. O Autor assume – antes de explicar (ou apresentar) algumas dessas posições, a dele:

A meu ver, um poema é um texto literário que pode ser traduzido como qualquer outro texto literário. A diferença é que, quando se trata de um poema, em princípio toda e qualquer característica do texto – o significado das palavras, a divisão em versos, o agrupamento de versos em estrofes, o número de sílabas por verso, a distribuição de acentos em cada verso, as vogais, as consoantes, as rimas, as aliterações, a aparência visual das palavras no papel etc. – pode ser de importância crucial. Ou seja: no poema, tudo, em princípio, pode ser significativo; cabe ao tradutor determinar, para cada poema, quais são os elementos mais relevantes, que portanto devem necessariamente ser recriados na tradução, e quais são menos importantes e podem ser sacrificados – pois, como já vimos, todo ato de tradução implica perdas. Quanto a esse aspecto, a diferença entre poesia e prosa literária é apenas de grau.”

Por ser “o aspecto formal” o que caracteriza a poesia acima de tudo, assinala Britto, “os jogos de palavras, trocadilhos, duplos sentidos e demais efeitos semânticos são recursos que também ocorrem na prosa, embora sejam mais frequentes na poesia” – eis, pois, “o que há de mais específico na Poesia” –  esse aspecto formal tão fundamental provê ao leitor (e desafia o tradutor) no que um teórico (Meschonnic) traduziu numa palavra: “ritmo”. É à procura dessa essência que Paulo Henriques Britto propõe um exercício com um poema curto de Emily Dickinson – o de #185 da coletânea de Th. H. Johnson* (Dickinson: The Complete Poems, p.87).

PHBritto+EmilyPoema

Pois bem, as considerações do tradutor são muito relevantes e nos ensinam – mesmo não tendo nenhum interesse em tornar-nos tradutores – como ler mais apurada e acuradamente uma tradução. O mal-estar de ler uma tradução e não se conformar com o que apreendemos do original, às vezes são frequentes em tradutores da própria Emily Dickinson (tal foi a sensação que meu causou a maioria das traduções do Sr. José Lira e as liberdades tomadas com os poemas de ED em “Alguns Poemas”, edit. Iluminuras, para ficar em um único exemplo).

As considerações citadas estão nas páginas de 135-146 – que trarei, em breve, em outro post, no modo ‘escaneado’ por absoluta preguiça de as transcrever.

Eu vos asseguro, leitores! Vale a pena lê-las.

De tudo pesado e bem lido, fico com o Autor (Sr. Britto) com a tradução “B”, onde

Original – poem 185* Trad. “A”
“Faith” is a fine invention Quando se pode enxergar
When Gentlemen can see A “Fé” tem conveniência;
But Microscopes are prudent Mas Microscópios convêm
In an Emergency. Em caso de Emergência.

 

A versão “B”, por Paulo Henriques Britto:

Trad. “B”
A “Fé” é um ótimo invento
Quando se enxerga a contento;
Mas numa Emergência, não:
Tenha um Microscópio à mão.

Assista a um vídeo sobre a Poesia sintética de Emily Dickinson, com P.H.Britto, na ABL.

Sobre P.H. Britto – fonte: website da ABL: Paulo Henriques Britto nasceu no Rio de Janeiro em 1951. É tradutor e professor de tradução, literatura e criação literária da PUC-Rio. Publicou seis livros de poesia: Liturgia da matéria (1982); Mínima lírica (1989); Trovar claro(1997, Prêmio Alphonsus de Guimaraens); Macau (2003, Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira e Prêmio Alceu Amoroso Lima); Tarde (2007, Prêmio Alphonsus de Guimaraens); e Formas do nada (2012, 8º Prêmio Bravo! Bradesco Prime de Literatura, Melhor Livro).

Publicou ainda um livro de contos, Paraísos artificiais (2004, segundo lugar, Prêmio Jabuti); e três de ensaios: Eu quero é botar meu bloco na rua, de Sérgio Sampaio (2009); Claudia Roquette-Pinto (2010); e A tradução literária(Prêmio Literário Fundação Biblioteca Nacional 2013, categoria Ensaio Literário).

Traduziu cerca de 110 livros, entre os de português e os inglês. Sua tradução de A mecânica das águas, de E. L. Doctorow (1995) ganhou o Prêmio Paulo Rónai de tradução. Organizou e traduziu antologias poéticas de Wallace Stevens e Elizabeth Bishop, e traduziu também livros de poesia de Byron, Allen Ginsberg e Ted Hughes. Entre as traduções de ficção mais importantes dos últimos anos destacam-se Contra o dia, de Thomas Pynchon, e Grandes esperanças, de Charles Dickens, ambos de 2012.

Veja esse vídeo da TvSenado com o Paulo Henriques Britto.

Obs.: por último, mas não menos importante: sou um dickinsoniano desde a minha 1a. viagem aos States, há umas décadas atrás. Depois que descobri o volume de traduções e comentários de dona Aíla de Oliveira Gomes (E.Dickinson: Uma centena de poemas, da T.A. Queiroz editora) nunca mais deixei de lê-la com regularidade quase religiosa. E postar poemas escritos e falados.

+++++

Fontes: BRITTO, Paulo Henriques. “A tradução literária”, Civilização Brasilieira, Rio de Janeiro, 2012, 157 pág.
(*) O poema citado é o de n◦. 185 cf. a edição de Thomas H. Johnson (Emily Dickinson: The Complete poems, p.184 – edição digital).

O café de Eliot

<<“TU! Hypocrite lecteur! – mon semblable -, mon frère!“>>
AQUI tens a 1a parte de A Terra desolada – I. O Enterro dos Mortos.
Há uma versão transcrita em inglês e, falada, tambm inglês *mp3.
Logo abaixo, terás a tradução de Ivan Junqueira. Enjoy it.
(*) Nam Sibyllam quidem … é citação de Petrônio (Caius Petronius Arbiter), assim traduzida do Satyricon por Ivan Junqueira: “Pois com meus próprio olhos em Cuma a Sibila, suspensa dentro de uma ampola, e quando as crianças lhe diziam: ‘Sibila, o que queres? ; ela respondia: ‘Quero morrer'” (N.doT.)

Como não encontrei a citação à medida do mundo em “colher de café”; encontrei um jeito de levá-lo, meu irmão, meu igual – leitor de Eliot para um café.

© Vincent Mo_Latte

Clique na imagem para ouvir trecho do poema           A Terra Desolada – I. O enterro dos mortos; falado em inglês.

I. The Burial of the Dead

April is the cruellest month, breeding
Lilacs out of the dead land, mixing
Memory and desire, stirring
Dull roots with spring rain.
Winter kept us warm, covering
Earth in forgetful snow, feeding
A little life with dried tubers.
Summer surprised us, coming over the Starnbergersee
With a shower of rain; we stopped in the colonnade,
And went on in sunlight, into the Hofgarten,
And drank coffee, and talked for an hour.
Bin gar keine Russin, stamm’ aus Litauen, echt deutsch.
And when we were children, staying at the archduke’s,
My cousin’s, he took me out on a sled,
And I was frightened. He said, Marie,
Marie, hold on tight. And down we went.
In the mountains, there you feel free.
I read, much of the night, and go south in the winter.

What are the roots that clutch, what branches grow
Out of this stony rubbish? Son of man,
You cannot say, or guess, for you know only
A heap of broken images, where the sun beats,
And the dead tree gives no shelter, the cricket no relief,
And the dry stone no sound of water. Only

There is shadow under this red rock,
(Come in under the shadow of this red rock),
And I will show you something different from either
Your shadow at morning striding behind you
Or your shadow at evening rising to meet you;
I will show you fear in a handful of dust.

Frisch weht der Wind
Der Heimat zu,
Mein Irisch Kind
Wo weilest du?

“You gave me hyacinths first a year ago,
“They called me the hyacinth girl.”
—Yet when we came back, late, from the Hyacinth garden,
Your arms full, and your hair wet, I could not
Speak, and my eyes failed, I was neither
Living nor dead, and I knew nothing,
Looking into the heart of light, the silence.
Oed’ und leer das Meer.

Madame Sosostris, famous clairvoyante,
Had a bad cold, nevertheless
Is known to be the wisest woman in Europe,
With a wicked pack of cards. Here, said she,
Is your card, the drowned Phoenician Sailor,

(Those are pearls that were his eyes. Look!)
Here is Belladonna, the Lady of the Rocks,
The lady of situations.
Here is the man with three staves, and here the Wheel,
And here is the one-eyed merchant, and this card,
Which is blank, is something he carries on his back,
Which I am forbidden to see. I do not find
The Hanged Man. Fear death by water.

I see crowds of people, walking round in a ring.
Thank you. If you see dear Mrs. Equitone,
Tell her I bring the horoscope myself:
One must be so careful these days.

Unreal City,
Under the brown fog of a winter dawn,

A crowd flowed over London Bridge, so many,
I had not thought death had undone so many.

Sighs, short and infrequent, were exhaled,
And each man fixed his eyes before his feet.

Flowed up the hill and down King William Street,
To where Saint Mary Woolnoth kept the hours
With a dead sound on the final stroke of nine.
There I saw one I knew, and stopped him, crying, “Stetson!
“You who were with me in the ships at Mylae!
“That corpse you planted last year in your garden,
“Has it begun to sprout? Will it bloom this year?
“Or has the sudden frost disturbed its bed?
“Oh keep the Dog far hence, that’s friend to men,
“Or with his nails he’ll dig it up again!

“You! hypocrite lecteur!—mon semblable,—mon frère!”


A TERRA DESOLADA – 1. O enterro dos mortos
**************************************Trad. IVAN JUNQUEIRA.*

Abril é o mais cruel dos meses, germina
Lilases da terra morta, mistura
Memória e desejo, aviva
Agônicas raízes com a chuva da primavera.
O inverno nos agasalhava, envolvendo
A terra em neve deslembrada, nutrindo
Com secos tubérculos o que ainda restava de vida.
O verão; nos surpreendeu, caindo do Starnbergersee
Com um aguaceiro. Paramos junto aos pórticos
E ao sol caminhamos pelas aléias de Hofgarten,
Tomamos café, e por uma hora conversamos.
Big gar keine Russin, stamm’ aus Litauen, echt deutsch.
Quando éramos crianças, na casa do arquiduque,
Meu primo, ele convidou-me a passear de trenó.
E eu tive medo. Disse-me ele, Maria,
Maria, agarra-te firme. E encosta abaixo deslizamos.
Nas montanhas, lá, onde livre te sentes.
Leio muito à noite, e viajo para o sul durante o inverno.

Que raízes são essas que se arraigam, que ramos se esgalham
Nessa imundície pedregosa? Filho do homem,
Não podes dizer, ou sequer estimas, porque apenas conheces
Um feixe de imagens fraturadas, batidas pelo sol,
E as árvores mortas já não mais te abrigam, nem te consola o
canto dos grilos,
E nenhum rumor de água a latejar na pedra seca. Apenas
Uma sombra medra sob esta rocha escarlate.
(Chega-te à sombra desta rocha escarlate),
E vou mostrar-te algo distinto
De tua sombra a caminhar atrás de ti quando amanhece
Ou de tua sombra vespertina ao teu encontro se elevando;
Vou revelar-te o que é o medo num punhado de pó.
  Frisch weht er Wind
       Der Heimat zu
       Mein Irisch Kind,
       Wo weilest du?

”Um ano faz agora que os primeiros jacintos me deste;
Chamavam-me a menina dos jacintos.”
– Mas ao voltarmos, tarde, do Jardim dos Jacintos,
Teus braços cheios de jacintos e teus cabelos úmidos, não pude
Falar, e meus olhos se enevoaram, eu não sabia
Se vivo ou morto estava, e tudo ignorava
Perplexo ante o coração da luz, o silêncio.
Oed’ und leer das Meer.

Madame Sosostris, célebre vidente,
Contraiu incurável resfriado; ainda assim,
É conhecida como a mulher mais sábia da Europa,
Com seu trêfego baralho. Esta aqui, disse ela,
É tua carta, a do Marinheiro Fenício Afogado.
(Estas são as pérolas que foram seus olhos. Olha!)
Eis aqui Beladona, a Madona dos Rochedos,
A Senhora das Situações.
Aqui está o homem dos três bastões, e aqui a Roda da Fortuna,
E aqui se vê o mercador zarolho, e esta carta,
Que em branco vês, é algo que ele às costas leva,
Mas que a mim proibiram-me de ver. Não acho
O Enforcado. Receia morte por água.
Vejo multidões que em círculos perambulam.
Obrigada. Se encontrares, querido, a Senhora Equitone,
Diz-lhe que eu mesma lhe entrego o horóscopo:
Todo o cuidado é pouco nestes dias.

Cidade irreal,
Sob a fulva neblina de uma aurora de inverno,
Fluía a multidão pela Ponte de Londres, eram tantos,
Jamais pensei que a morte a tantos destruíra.
Breves e entrecortados, os suspiros exalavam,
E cada homem fincava o olhar adiante de seus pés.
Galgava a colina e percorria a King William Street,
Até onde Saint Mary Woolnoth marcava as horas
Com um dobre surdo ao fim da nona badalada.
Vi alguém que conhecia, e o fiz parar, aos gritos: “Stetson,
Tu que estiveste comigo nas galeras de Mylae!
O cadáver que plantaste ano passado em teu jardim
Já começou a brotar? Dará flores este ano?
Ou foi a imprevista geada que o perturbou em seu leito?
Conserva o Cão à distância, esse amigo do homem,
Ou ele virá com suas unhas outra vez desenterrá-lo!
Tu! Hypocrite lecteur! – mon semblable -, mon frère

  • Tradução de IVAN JUNQUEIRA (Trecho de) ”Terra Desolada”, publicado pela Editora Nova Fronteira em ”T.S. Eliot – Poesia”, 1981 – Coleção Poiesis.

 

 

 

Poesia Metafísica (2)

Cenas de poesia explícita em Antologia da Poesia Metafísica.
Poesia Metafísica

Uma Antologia.
Organização, tradução, introdução e notas de
Aíla de Oliveira Gomes

>>AQUI AMOSTRAS DO AMOR “Sensous Thought” na Poesia Metafísica.<< Áudio de Naxos Poetas Metafísicos (em inglês) Retiro outros poemas e outro trecho do TRABALHO CAPRICHOSO feito por minha tradutora predileta – D. Aíla de Oliveira Gomes -, de quem divulgo há muito tempo as traduções impecáveis de Emily Dickinson (devo ainda em breve dedicar-me às traduções de Gerard Manley Hopkins feitas por D. Aíla) – aqui, agora, o foco é em “Poesia Metafísica”. Recorro, ainda, às anotações de leitura de anos atrás. Já havíamos ressaltado o “pensamento e a sensibilidade” advindas da prática da meditação cristã na obra dos poetas desta “escola”. A profundeza da concepção cristã da vida e o forte pendor espiritual que os aproxima da poesia medieval, ainda que composições datadas dos “Seiscentos”. O segundo aspecto ressaltado pela organizadora do volume citado é o “sensous thought em uma aura de wit”. Continuar lendo

Poesia Metafísica (2)

Cenas de poesia explícita em Antologia da Poesia Metafísica.
Poesia Metafísica

Uma Antologia.
Organização, tradução, introdução e notas de
Aíla de Oliveira Gomes

>>AQUI AMOSTRAS DO AMOR “Sensous Thought” na Poesia Metafísica.<< Áudio de Naxos Poetas Metafísicos (em inglês) Retiro outros poemas e outro trecho do TRABALHO CAPRICHOSO feito por minha tradutora predileta – D. Aíla de Oliveira Gomes -, de quem divulgo há muito tempo as traduções impecáveis de Emily Dickinson (devo ainda em breve dedicar-me às traduções de Gerard Manley Hopkins feitas por D. Aíla) – aqui, agora, o foco é em “Poesia Metafísica”. Recorro, ainda, às anotações de leitura de anos atrás. Já havíamos ressaltado o “pensamento e a sensibilidade” advindas da prática da meditação cristã na obra dos poetas desta “escola”. A profundeza da concepção cristã da vida e o forte pendor espiritual que os aproxima da poesia medieval, ainda que composições datadas dos “Seiscentos”. O segundo aspecto ressaltado pela organizadora do volume citado é o “sensous thought em uma aura de wit”. Continuar lendo

Poesia Metafísica (1)

CEREBRAL e de profunda espiritualidade, eis a Poesia Metafísica, reabilitada para os leitores modernos.
CENAS POÉTICAS DA ANTOLOGIA organizada por Aíla de Oliveira Gomes.

Poesia Metafísica

Uma Antologia, org., trad. introd. e notas de                          D. Aíla de Oliveira Gomes

TRABALHO CAPRICHOSO da minha tradutora predileta – D. Aíla de Oliveira Gomes que já conhecíamos de traduções impecáveis de Emily Dickinson e Gerard Manley Hopkins – agora selecionou, organizou, traduziu e, ainda mais, brindou-nos com uma introdução magnífica deste volume de 1991, pela Schwarcz Editora (Cia das Letras).

Retiro o volume da estante com as anotações de 1993, feitas à época sob o influxo dos estudos que eu fazia e que me foram úteis à minha própria visão de mundo e do fazer poético.

Se T.S. Eliot compôs um clássico ensaio (“The metaphysical poets”) sobre a chamada poesia metafísica do séc. XVII, D. Aíla, com sua introdução a essa Antologia, alcança o mérito de nos situar nessa releitura de Eliot, como um guia seguro do leitor moderno que se aventura a viajar nesta “amálgama muito típico de paixão e pensamento“.

Pensamento e Sensibilidade
Tomamos gosto e passamos a apreciar essa “unificação do pensamento e sensibilidade” que entre os poetas metafísicos foi favorecida e exercitada pela prática da meditação sobre os temas religiosos fundamentais, muitas vezes desenvolvida na forma de oração mental.
A meditação cristã tem raiz em santo Inácio de Loyola (Exercícios Espirituais, 1548), relata-nos dona Aíla. John Donne, de família e formação católica muito enraizada, recebeu influência de seu tio, missionário jesuíta, que, ao que consta, morreu como mártir da Fé católica. Robert Southwell, poeta jesuíta e fervoroso adepto da meditação, teria sido o iniciador do movimento poético de “sensous thought” (Marz).
Três estágios são observados na meditação jesuítica:
i) Composição do cenário;
ii) Súplica ou análise de uma situação;
iii) Tentativa de comunicação com a divindade ou “exortação do devoto a si próprio, no sentido de um compromisso com seus bons propósitos.
São Francisco de Sales preconizava a prática da meditação cristão, à qual fora introduzido por Nicholas Ferrar, piedoso anglicano de Little Gidding. O livro de S. Francisco de Sales – “Introdução à vida devota” (1609) é inspiração para os católicos do séc. XVII na Inglaterra. Seria, segundo dona Aíla, “de natureza mais suave que a recomendada por Loyola em “Exercícios Espirituais”.

“A profundeza da concepção cristã da vida e o forte pendor espiritual entre os poetas metafísicos  – o humano, para eles, estando indissoluvelmente ligado ao divino – aproxima-os em sua inspiração, mais da poesia medieval (naturalmente em outra ambiência cultural) que da elisabetana; com esta, seus pontos de contato consistem no cunho erudito da arte que praticavam, na adoção frequente de certas formas poéticas – mormente o soneto -, no gosto pela imagística de navegação e descoberta de novas terras, no tema do efêmero da vida.” (Aíla de Oliveira Gomes).

Dois Poemas de Poesia Metafísica

1) John Donne – Preleção sobre a Sombra

Espera, que uma preleção eu vou te ler,
Amor, sobre o amor e sua filosofia.
Nessas três horas de nosso lazer,
Aqui vagando, um par nos precedia
De sombras, que eram por nós mesmos projetadas;
Ora o sol está a pino sobre nós, tu vês,
E nossas sombras, sob nossos pés;

E tudo se reduz à brava claridade.
Assim, ao que nosso amor infante crescia,
Nossas sombras, o nosso disfarce, sumia
De nós e nossos medos; mas avança o dia.

Nenhum amor atinge o seu mais alto grau
Enquanto a vista alheia teme, como um mal.

A menos que o amor no zênite haja parado,
Produziremos novas sombras do outro lado.
Se as primeiras servem a nos ocultar,
Aos outros cegando; estas, a atuar
Atrás de nós, é qual a nós mesmos cegar.
Se nosso amor definha e declina  no poente.
Tu a mim e eu a ti, falsamente,
Nossas ações deixamos se disfarcem
Entre nós. As sombras da manhã se desfazem;
Estas crescem sempre mais, todavia,
Pois, ai! se o amor se esvai, curto é o dia.

O amor é uma luz sempre crescente e constante;
Seu primeiro minuto após meio-dia é noite.

2) Henry Vaughan – Instante.

INSTANTE, poema de Henry Vaughan

Instante – poema de Henry Vaughan, trad. Aíla de Oliveira Gomes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte:


(1) Seg. Louis L. Marz, cit. by Aila de Oliveira GOmes.
(2) Poesia Metafísica / William Shakespeare…[et alli]; seleção, tradução, introdução e notas Aíla de Oliveira Gomes. – S. Paulo: Companhia das Letras, 1991.
1.Poesia Inglesa – Coletâneas I.Shakespeare, William, 1564-1616. II. Gomes, Aíla de Oliveira.
ISBN 85-7164-198-6.