Caderno de rascunhos (draft xxvii)

O Tarol*
I
Minha memória musical
alhures em remota escola
toca tarol na banda marcial
e clama o direito de parola.

A sonoridade perdida,
inclusive nos poemas;
– Mas jamais si desirée’ –
“…de la musique
avant toute chose;
et pour cela préfère
L’Impair…”

Voltas, idas e vindas
co’a rara matemática
musical do regente:
muito tempo ainda
há de ensair na mente;
antes que o tio violeiro –
o nome me emprestara;
e sua viola de doze cordas
mostrasse – bem antes
das guitarras na igreja
iconoclastas – e nem assim
aprendi a tocá-las…

O incapaz de dó maior
vai tocar tarol! – determinou
o maestro ante o desafinado
contralto: capataz do coral.

II
Em compensação, a Física
toca bem – é outra coisa
matéria mais definida –
maçã bem mais vadia
caída bem direitinho
em meu 1º. caderno
do ginásio – aquela
que caindo n’alma
para sempre…

A música, entanto,
sempre ligada n’alma
sabe-se Ímpar; cabeça
é maior que 7 notas
e suas variações –
Et pourtant‘ fala à alma:
(#) sustenidos & bemóis (b)
desafinado canto alto:
Staccato‘ – para sempre
às partituras audíveis
sorvidas, outro toca
instrumental vário.
+++++
Drafts xxvii para Cadernos II.

No mínimo…#11

ManuelBandeira_thumb.jpgMANUEL BANDEIRA (1886-1968), poema vertido ao inglês por Elizabeth Bishop.

O ÚLTIMO POEMA MY LAST POEM
Asssim eu queria o meu último poema I would like my last poem thus
Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos
intencionais
That it be gentle saying the simplest and least
intended things
Que fosse ardente como um soluço de                                                     lágrimas That it be ardent like a tearless sob
Que tivesse a beleza das flores quase sem                                              perfume That it have the beauty of almolst scentless                                                          flowers
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos The purity of the flame in which the most limpid Diamonds are consumed
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação. The passion of suicides who kill themselves without explanation.

Esta Antologia provê uma visão de 14 poetas brasileiros notáveis à altura da publicação (1972), de uma geração que os editores intitulam “Modern Generation” e da Geração do pós-guerra (A Geração de ’45). De Manuel Bandeira a Ferreira Gullar, a antologia contempla aqueles poetas que passaram na seleção de leitura da “estrangeira” Bishop vivendo no Brasil, com a sua sensibilidade poético-cultural aguçada. Incluir Marcos Konder Reis entre os 14 seletos, parece um critério advindo do grupo de convivência da poetisa e de sua companheira Lota de Macedo Soares, quem sabe?!

Constata-se que Bishop e Emanuel Brasil conseguem uma visão interessante, embora não abrangente da poesia brasileira, para americano v(l)er, reunindo diversos tradutores – entre eles Ashley Brown que encarou com êxito a versão para o inglês de alguns trechos de Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto.

Ainda na mesma antologia, temos 20 poemas de João Cabral de Melo Neto (incluindo os trechos de Morte e Vida), vertidos ao inglês por diferentes poetas (e tradutores) norte-americanos. Cabral é o mais aquinhoado na antologia e isso porque deve ter correspondido ao que mais agradou a Elizabeth Bishop – em sua descoberta do nosso país – onde viveu por mais de 15 anos, aprendendo a ler e a escrever nosso idioma (a falar nem tanto, como dizia em carta a amigos).

Quem sabe em futuro próximo, volte com outras transcrições? Por ora, fica o Bandeira acima e esta imagem “scanned” de A Educação pela Pedra, traduzido por James Wright.
CabralEm Ingles By Wright


Fonte: An Anthology of Twentieth-Century Brazilian Poetry”, Edição e introdução de Elizabeth Bishop e Emanuel Brasil. Trad. Bishop et alli. Wesleyan University Press, Middletown, Connecticut, 1972; p.2/3.