V.S. Naipaul (3)

Minha coluna sobre V. S. Naipaul no Jornal Opção Cultural.  

José Geraldo Vieira

A ladeira da memória (2a. ed., 1962). Assista ao vídeo abaixo, sobre a origem do romance, no grupo coord. por Francisco Escorsim em Instituto Borborema. 22/07 - Post-post - foi somente vendo o segundo vídeo, que devo dar divulgação amanhã, que me dei conta de que a edição que eu lera (1962) foi totalmente modificada … Continuar lendo José Geraldo Vieira

Da série Queres Ler o quê? (v) – “Sangue Sábio”

SANGUE SÁBIO (WISE BLOOD)* POR MUITO TEMPO ouvi falar de Flannery O'Connor nos meios católicos do Brasil, sem nunca ter encontrado um livro dela traduzido para o português. Li trechos de obras, algumas amostras em inglês, mas nada que me levasse (ou trouxesse) um romance ou um livro de contos às mãos. Em Maceió, passeando … Continuar lendo Da série Queres Ler o quê? (v) – “Sangue Sábio”

Leitura atenta: escrita criativa (exerc. #1)

V.S.NAIPAUL  "Jamais me ocorreu que escrever este livro poderia vir a ser um fim em si, que o ato de registrar uma vida poderia se tornar uma extensão daquela vida. Jamais me ocorreu que eu pudesse vir a gostar da vida metódica e regulamentada do hotel, que antes me levava ao desespero, e que o … Continuar lendo Leitura atenta: escrita criativa (exerc. #1)

Os políticos

Uma página de V.S. NAIPAUL* "O tipo mais comum de ambição política é o desejo de derrubar e suceder" (Naipaul) "Os políticos são pessoas que verdadeiramente fazem algo a partir do nada. Pouco de concreto têm a oferecer. Não são engenheiros nem artistas; nada constróem. São manipuladores; oferecem seus serviços de manipulação. Como nada têm … Continuar lendo Os políticos

Para sempre, Bernanos

Uma moça me pergunta com inteligência sobre Céu e Inferno. E, ao responder, me dou conta de que não havia essa maravilhosa citação de Georges Bernanos em meu sitio. Eu gosto da definição de Georges Bernanos "o inferno, minha senhora, é não (se) amar mais". O céu na Terra ? Ser Amado e ter o … Continuar lendo Para sempre, Bernanos

Henry James (i)

Diversão e prazer na leitura. A melhor síntese pra quem está na pág. 90, é essa: "O romancista Thomas Hardy, contemporâneo de James, dizia que ele tinha uma maneira particular de ´dizer nada em frases infinitas´. A prosa de James é, por contraditório que isso seja, um prazer exasperante." (Jerônimo Teixeira) Para os apaixonados pelo … Continuar lendo Henry James (i)