Drafts de poemas (xii)

Chuva feito enxame de abelhas

 – à memória de yêda schmaltz,

I

chuva feito     enxame
de abelhas           que  sobrevoam      –    e querem enxotar –
tomba  em tons e        sobretons, como se sob
o zinco houvessem.

sobre o teto de minha casa  no cerrado esta savana amada  chove  poesia sobre o teto da casa onde a poeta yêda                                                   schmaltz
ante-
vi(u)veu.

eu nem te vi; quem te vê, poeta amiga, sumida nos tempos de antanho; tanta abelha, tanto zumbido tanto som de mato tanto som de rio de riacho.

le douve como o joão leite

                                   rio, riacho       clara     sanga…

la douce                           

la douceur

du sexe, du feu.

II

sons de minha terra e da tua terra e era céu o que via ouvia quando era pequeno e o teto desabava e eu nem era Asterix                                                  nem era nada

do que eu sou agora  –

um nada diante de ti e de tua memória se fosses viva eu te daria um beijo na boca um beijo como só klimt dera em teu poema eu daria uma casa e uma kombi cheia de poesia só para que tu visses ouvisses vivesses o que vivo agora – Withman o que dissera que um menino leria o poema dele (him) –
séculos depois.

Eis-nos: não o dera nada de bandeja para que o menino o lesse – eu o li e tu?
eu o ouvi e a Ti;
(tudo confesso)
fumando um cigarro de folha de chuchu ou diamba – sim, eu ouvi quando a chuva de prata pousou em tua casa do bairro Feliz.

eu vi eu ouvi quando o mato passara pelo couro de gibão do teu avô do meu avô eu prometo que é a mesma coisa do que eu juro eu não esconjuro ninguém                                                       que ouve vozes, como tu, você e eu o fizéramos, mas já nos curamos somos todos uns sem ouvidos – oiças duras somos – uns moucos
uns loucos que não ouvimos mais nada…

 
III

gerardo mourão e hermilo, o borba; e yves bonnefoy, de boa fé ouviam vozes e bruno também – eles ouviam coisas tão claras, tão distintas do sussurro que ouço  sem estrutura que resista.

como em joaquim cardozo, o moço nordestino, nas minas gerais que viu ruir toda a sua (dele, him) estrutura mental

– como quando vozes nenhuma ouvia mais

aquele pobre padre –
o que descreu e não conseguia mais celebrar a Eucaristia!

como quando aquele menino lá do abrigo
teve leucemia como aquele que um dia fez um furo no muro do hospício –

e por ali eu ouvi; ele me ouvia – outros também – o José Décio ouvia,                           José J.Veiga [eu desconfio que também ] –

porque não é possível a ninguém criar nada nesse mundo de meu Deus
se não ouvir vozes,
se não ouvir a chuva como Benedetti a ouvia em menino, se não ouvir o doce  frio friozinho friozão; bão-bá-lá-lão –
de um poeta na contramão…

se não, se não …

poesia pé de poesia poesia pela poesia feito sobrinho e sua tia
poesia sobre si sobre Ti

a mesma mentirosa só:
fingida e fugidia…

IV

pode outra coisa a não ser o poeta fazer assim chover?

– pode essa chuva de poesia no meio da madrugada

acordar a gente dizendo

que está chovendo poesia em nossa horta

– quando hei de me lembrar e quem há de?

fazer ouvido mouco para tanta doidera de ouvir vozes

bastardas vespas zumbindo em nossa cabeça quando a tempestade assume o comando e já não se é ninguém

só a memória de abelhas                                      européias

e de sonetos que o florentino –
(não o meu tio Flô!) escrevia
com giz nas paredes antes de (se) jogar
pela janela do paraíso.

Ω
[Goiânia, Abril de 2016]

Walt Whitman (1/10)

“Feuillage, ensemble, accoucheur, trottoir, rendez-vous, embouchure, nonchalance, rondure, rapport…

– A maioria dessas palavras (entre outras do pequeno dicionário “franglais” de Walt Whitman) podem ser achadas no Webster’s “An American Dictionary of the English Language (News Haven, 1841).

Isso é o que nos conta Francis Murphy na introdução à edição da obra de Whitman – “The Complete Poems”, Penguin Books.

H.L. Mencken on Walt Whitman Lingua
Word-coiner, Whitman usou a língua das ruas, o francês, a língua dos negros e dos púlpitos, tudo para enriquecer o verso-livre.

Num famoso artigo, citado por Murphy (não o da lei que leva seu sobrenome!), Mme. Louise Pound refere-se a Whitman como um poeta que, apesar de não ter sido um estudioso da língua de Molière – e nunca ter viajado à França; gostava de incluir o francês em seus poemas. Mme. Pound acreditava que “sua [dele] predileção por coisas francesas tenha vindo de uma viagem que o poeta fizera a New Orleans, em 1848” (*).

O sr. Murphy diz que, desde que Emerson espirituosamente assinalou que “As Folhas da Relva” do Whitman era uma ‘combinação do Bhagavad-Gita com o New York Herald’, os editores têm o prazer de chamar atenção para o fato de que Walt Whitman é um “poliglota” em seu vocabulário poético. É o caso do famoso artigo de Mrs. Pound citado acima – ver referência completa no rodapé deste post.

H. L. Mencken diz que Whitman apenas inventava termos novos e se apropriava de palavras como um “word-coiner” – cunhador de alto estilo, by the way… que, além do franglais queria em sua poesia a língua dos negros, do púlpito, das ruas…enfim, uma língua que fosse próxima da língua falada. Talvez por isso mesmo o efeito final na maioria dos poemas de Whitman é que são muito bons de ser falados, lidos “em voz alta”, como gosto de dizer ou “declamados” que é como se dizia antigamente.
//ws-na.amazon-adsystem.com/widgets/q?ServiceVersion=20070822&OneJS=1&Operation=GetAdHtml&MarketPlace=US&source=ss&ref=ss_til&ad_type=product_link&tracking_id=httpbetoqueco-20&marketplace=amazon&region=US&placement=B00GR0CJSI&asins=B00GR0CJSI&linkId=BJZAETGXBU42KLOC&show_border=true&link_opens_in_new_window=true

O verso-livre lhe caía bem por ter sido um tipógrafo, antes de enfermeiro na guerra de Secessão. Enfim, a pesquisa sobre “a polegada a mais sobre Mrs. Dickinson, Emily Dickinson está a toda por essas bandas. Culpa do Euler Fagundes De França Belém, o incentivo de Helio Moreira e de Cecilia Do Amaral Queiroz (que descobrimos, no jantar de ontem, ser excelente pra ler poemas de WW em voz alta!). No Facebook, compartilhei este texto com meu amigo e ex-professor de Francês, com muito aprendi sobre a França, M. Serge Evreinoff e à minha amiga, a poetisa Maria Abadia Silva, francófona.

+++++
(*) A edição da Peguin Books é boa (e portátil) antologia, mas não se rivaliza com a da Library of America (sel. de Justin Kaplan) – “Poetry and Prose”, 1982, que se encontra fácil na B&N ou na Amazon (link acima, para Kindle) e referências abaixo:

Walt Whitman, uma vida dedicada a lapidar Folhas da Relva
As duas edições citadas, sobre a minha mesa, ao compor este post.

Fontes: WHITMAN, Walt. Leaves of Grass. Editoras citadas acima; POUND, Louise. “Walt Whitman and the French Language, in American Speech, vol. I, 1925-6, p. 421-50, cit. by MURPHY, Francis, in Whitman, The Complete Poems, da Penguin Books, 1977, p.22. + Links web acima.