Anúncio* Cult*GoYaz

Caros amigos do meu blog:

Mais uma página que abri aqui no excelente WordPress – clique na figura para conhecer.

Capa Blog LitGoYaz

Caderno de rascunhos (1)

O temor ao Grifo

                                       “…encolhe-se o animal nas entrelinhas,
                                             e ri-se a sós de quem, por estar vivo,
                                             faz da poesia um desafio e um risco.”                                                                                                                                                (Ivan Junqueira).Grifo

Dizer o quê – do posto em que me vejo?
– Todo dia ler um pouco e estar a postos.
Não é o rio de minha aldeia nenhum Tejo.
Restam-me esses parcos versos compostos.

Digo do ponto de vista em que me vejo:
Ler e reler o mesmo livro, au rez-de-chaussée
Vehementius et pronfundius‘ – é meu desejo.
Confissão de leitor, doravante réu do escrever.

Ler e reler o mesmo livro de alto a baixo,
antes de o véu noturno cobrir-me o rosto
de solidão e medo qual a Ciência amarga.

Seguir incólume à fera que nas dobras do livro
A poesia abafa; ah, sede que o Grifo encolhido;
Sobranceiro, ameaça quem, sedento, vá ao poço.
*****
Goiânia, abril 2016.

 

Da série `Posts Perdidos´ (2)

A doçura
Adalberto de Queiroz*
A doçura,
– Que Tomás em segredo me revelara
(em minha confissão continuada):
É produzida
Pela ação do calor
”.
 
Por este trópico onde, exaurido
Traço o caminho de minha vida
ouso pensar, enquanto só: 
– A doçura, te recordas?
É produzida pelo calor
Que lento digere
E dissolve
O úmido…
” 

Entanto, meu corpo 
É doce, segreda a amada:
– Não por ser quentinho. 
O úmido e doce e o salgado reúne
Feito edredom
Que nos cobre
E nos une. Mas isso já é outra coisa
Onde a doçura aquece ainda mais. 
====
Originalmente, publicado em Goiânia, 26/06/2004.