T.S.Eliot (3) + PostPost

Uma amiga querida, recentemente, indagava o porquê de Mário Faustino preferir Pound a T.S.Eliot - dúvida a que não soube responder, mesmo correndo ao meu "Poesia Completa e Traduzida", d'onde me lembrava ter aprendido com o prof. Benedito Nunes que o autor de "O Homem e Sua Hora" era conhecedor e apreciador dos dois bardos anglófonos, a quem … Continuar lendo T.S.Eliot (3) + PostPost

Emily Dickinson (“uma centena de poemas”)

QUÃO SABOROSAS SÃO AS MANHÃS DE SÁBADO... Tanto mais quando as completamos com poesia. ABRO “Uma Centena de Poemas"(*) ao acaso, como quem abrisse um breviário. E me vem este presente: “Dizem, ‘com o tempo se esquece’, Mas isto não é verdade, Que a dor real endurece, Como os músculos, com a idade. O tempo … Continuar lendo Emily Dickinson (“uma centena de poemas”)

Emily Dickinson (“uma centena de poemas”)

QUÃO SABOROSAS SÃO AS MANHÃS DE SÁBADO... Tanto mais quando as completamos com poesia. ABRO “Uma Centena de Poemas"(*) ao acaso, como quem abrisse um breviário. E me vem este presente: “Dizem, ‘com o tempo se esquece’, Mas isto não é verdade, Que a dor real endurece, Como os músculos, com a idade. O tempo … Continuar lendo Emily Dickinson (“uma centena de poemas”)