José Geraldo Vieira

A ladeira da memória (2a. ed., 1962).José Geraldo Vieira

Assista ao vídeo abaixo, sobre a origem do romance, no grupo coord. por Francisco Escorsim em Instituto Borborema.
22/07 – Post-post – foi somente vendo o segundo vídeo, que devo dar divulgação amanhã, que me dei conta de que a edição que eu lera (1962) foi totalmente modificada pelo Autor. José Geraldo muda passagens inteiras dando-lhes mais verossimilhança e mais concatenação para o entendimento do leitor e chega a alterar o final.
As duas capas – sendo que a segunda é de minha leitura via Kindle – com uma boa introdução de André Caramuru Aubert (março de 2015), Editora Descaminhos – edição digital, disponível em Amazon.com.Capas de José Geraldo Vieira_60 e 70

Ideologia de Gênero e a destruição da família

Um alerta que o Papa Francisco já havia feito sobre o tema:

Agência ZENIT:

A ideologia de “gênero” prega, em matéria sexual, a “liberdade” e a “igualdade”. A “liberdade”, porém, é entendida como o direito de praticar os atos mais abomináveis. E a “igualdade” é vista como a massificação do ser humano, de modo a nivelar todas as diferenças naturais que existem entre o homem e a mulher.

A origem da ideologia de gênero é marxista. Para Marx, o motor da história é a luta de classes. E a primeira luta ocorre no seio da família. Em seu livro A origem da família, da propriedade privada e do Estado (1884), Engels escreveu:

Em um velho manuscrito não publicado, escrito por Marx e por mim em 1846, encontro as palavras: ‘A primeira divisão de trabalho é aquela entre homem e mulher para a propagação dos filhos’. E hoje posso acrescentar: A primeira oposição de classe que aparece na história coincide com o desenvolvimento do antagonismo entre homem e mulher unidos em matrimônio monogâmico, e a primeira opressão de classe coincide com a do sexo feminino pelo sexo masculino[1].

Dentro da família, há uma segunda opressão – a dos filhos pelos pais – que Marx e Engels, no Manifesto Comunista (1848), pretendem abolir: “Censurai-nos por querer abolir a exploração das crianças por seus próprios pais? Confessamos esse crime”[2].

Fiel à sua raiz marxista, a ideologia de gênero pretende que, em educação, os pais não tenham nenhum controle sobre os filhos. Nas escolas, as crianças aprenderão que não há uma identidade masculina nem uma feminina, que homem e mulher não são complementares, que não há uma vocação própria para cada um dos sexos e, finalmente, que tudo é permitido em termos de prática sexual.

Note-se que a doutrina marxista não se contenta com melhorias para a classe proletária. Ela considera injusta a simples existência de classes. Após a revolução proletária não haverá mais o “proletário” nem o “burguês”. A felicidade virá em uma sociedade sem classes – o comunismo – onde tudo será de todos.

De modo análogo, a feminista radical Shulamith Firestone (1945-2012), em seu livro A dialética do sexo (1970), não se contenta em acabar com os privilégios dos homens em relação às mulheres, mas com a própria distinção entre os sexos. O fato de haver “homens” e “mulheres” é, por si só, inadmissível.

Como a meta da revolução socialista foi não somente a eliminação do privilégio da classe econômica, mas a eliminação da própria classe econômica, assim a meta da revolução feminista deve ser não apenas a eliminação do privilégio masculino, mas a eliminação da própria distinção de sexo; as diferenças genitais entre seres humanos não importariam mais culturalmente[3].

Se os sexos estão destinados a desaparecer, deverão desaparecer também todas as proibições sexuais, como a do incesto e a da pedofilia. Diz Firestone:

O tabu do incesto é necessário agora apenas para preservar a família; então, se nós acabarmos com a família, na verdade acabaremos com as repressões que moldam a sexualidade em formas específicas[4].

Os tabus do sexo entre adulto/criança e do sexo homossexual desapareceriam, assim como as amizades não sexuais […] Todos os relacionamentos estreitos incluiriam o físico[5].

Por motivos estratégicos, por enquanto os ideólogos de gênero não falam em defender o incesto e a pedofilia, que Firestone defende com tanta crueza. Concentram-se em exaltar o homossexualismo.

Ora, não é preciso uma inteligência extraordinária para perceber que os atos de homossexualismo são antinaturais. Nas diversas espécies, o sexo se caracteriza por três notas: a dualidade, a complementaridade e a fecundidade.
Continue lendo os números citados estão na matéria original de Zenit (*) ou siga para o Blog abaixo:

*** ASSINE A PETIÇÃO CONTRA A IDEOLOGIA DE GÊNERO:

 http://www.citizengo.org/pt-pt/5312-ideologia-genero-na-educacao-nao-obrigado

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz.

Presidente do Pró-Vida de Anápolis.

Ideologia de Gênero e a destruição da família.

Saudades do Carnaval*

Agora sim, é Carnaval.Imagem Vive-se no país inteiro o Carnaval – festa pagã, com um pé na concessão cristã de a `Carne-Vale´, festa descendente das saturnais antigas do paganismo. Para mim, hoje não vale mais o grito da escola de Samba, mas o ” Carnaval dos Animais”, do compositor Camile Saint-Saëns. O leitor-ouvinte pode começar com a abertura do rei Leão e escolher entre as faixas: Galinhas e Galos, Antílopes, Tartarugas, Elefante, Cangurus, Aquário, Personagens orelhudos, O cuco no fundo do bosque, O cisne, pianistas etc. Enjoy it. Bom Carnaval. Aos interessados, uma reflexão de J.G. Merquior (*) no rodapé deste post.
ADENDO AO POST (em 04/03/2014).


Caros Amigos –
No momento político do Brasil, uma conclusão: a prática marxista que faz o PT agir na sombra (ou à luz do dia) nos leva a crer que não se trata de um bloco de mensaleiros, mas sim de um bando de ‘revolucionários oportunistas’ a fornicar com a Pátria…
Capa_VejaCarnaval'14A capa da revista VEJA, que me chegou às mãos com atraso de 24 horas, me azedou meu Carnaval em Paz. A gravidade da situação política do país deve afligir os homens de bem.
A ‘virada’ na votação do STF me dá a dimensão exata do poder que os petistas tem na República hoje. A desfaçatez com que a Presidente tira recursos de investimentos no país para aplicar em Cuba, Venezuela e ditaduras outras, somada à manipulação das instâncias diversas do Poder, nos dão a exata dimensão de que vivemos numa ditadura do partido dos Trabalhadores.
E isso parece não ter um fim próximo. Talvez por isso o ministro Gilberto Carvalho fique tão a cavalheiro para dizer que “continuaremos investindo” na baderna, enquanto minguam os recursos para a Produção… Pobre país alucinado enquanto sambam todos uns poucos fazem de Brasília uma verdadeira pocilga.


Le Carnaval des Animaux: I. Introduction et Marche Royal du Lion

Para entender melhor a obra de Saint-Saëns, explicações do blog do Maestro EMANUEL MARTINEZ, a melhor info em português sobre esta obra: http://bit.ly/ONZu7a

  • REPERTÓRIO: SAINT-SAËNS, Camille – Carnaval dos animais
    repertoriosinfonico.blogspot.com

  • Pianistas, entre os animais? Pode parecer-lhe estranho, dileto leitor, mas quem explica é o Maestro Martinez :
    – “De repente aparecem dois pianistas que também querem participar da festa do zoológico. Eles vão tocar para vocês, mas não reparem: são principiantes e a única coisa que sabem tocar, mais ou menos, é um certo exercício de piano. Por favor, perdoem os erros…”

  • Eu que amava a Marcha Real do Leão…já estou repensando minha predileção, diante do movimento “O Cisne”.
    Ainda o Maestro Martinez:
    “CISNE – Chegamos ao lago de nosso zoológico. Bem no meio, nobre e tranqüilo, um belo cisne branco desliza sobre as águas. Ninguém melhor que o naipe das cordas para representar a calma, a solitária elegância do cisne, que lentamente desaparece ao nosso olhar.”
    (cit. do blog REPERTÓRIO SINFONICO do Maestro Emanuel Martinez).
  • há 21 horas: © um Poeta pensava: Já o rufar dos tambores se fazia ouvir nos morros do Brasil afora… Outros locais menos afeitos às tradições do Carnaval, preparavam-se para retiros espirituais ou longas sonecas nas tardes vazias; longos passeios nas ruas desertas; pequenos furtos nas casas à vista – com suas luzes permanentes na varanda; os amantes se preparavam para desfazer o mal-estar da ausência do Eros durante as longas jornadas de trabalho; um esguio senhor magro como tantos, amarelo como todos no escritório, deixava seu subsolo para se mostrar como Juscélia num bloco que saía há 30 anos em seu bairro… e outros cristãos cruzavam a solidão dos dias do reinado de Momo olhando de esguelha pela janela aberta e excitados com o neon do aparelho de TV sempre ligado…
    “Saudades do Carnaval era o pensavam o escritor sem assunto, o repórter sem matéria, o político sem palanque, a mulher que estreita as coxas – sem a presença do amante… Saturnais, “carnaval, ah, desengano!” – soa
    a canção antiga na mente dos solitários.”

  • (*) Reflexões sobre o Carnaval, do pensador J.G. Merquior:
    Esse psiquismo reprimido, de manifestação cuidadosamente restrita a determinados momentos do calendário tradicional, se alimentava do orgiástico – daquele ´êxtase agudo´que Weber distinguiu do crônico estado de santidade proporcionado pelas éticas rigoristas. O delírio orgiástico, a celebração dionisíaca, o transe coletivo, são válvulas plenamente reconhecidas (embora enquadradas) pelas culturas de tipo arcaico; elas permitem ao indivíduo e aos grupos sociais um periódico desforrar-se das suas opressões e frustrações. Na festa orgiastíca – saturnais, carnaval –, a sociedade vivia o reconhecimento da sua própria contestação (esse poder institucional de subversão singulariza o impulso carnavalesco na libido lúdica da sociedade. Sem ele, o ludismo cultural descrito por Huizinga fica condenado às sublimações mais ou menos conformistas – erro evitado por G. Bataille).Imagem
      • Vem assim, “em seguida, o espírito da máscara – ou, na fórmula de Mikhail Bakhtin, da ´negação da estúpida coincidência consigo mesmo´; a rebelião contra o ego submetido a uma continuidade dócil à repressão. A máscara princípio de metamorfose, antítese da persona sufocante. Segundo Walter F. Otto, vários cultos gregos utilizavam máscaras, mas só no de Diônisos existia uma relação íntima entre máscara e teofania; Diônisos, o deus da alteridade radical, fazia coincidir sua presença com a ausência de toda imagem fixa: com o rosto vazio a ser preenchido pelo Outro. A 3a. característica maior do saturnalismo é a profanação sisstemática, as aproximações excêntricas (do baixo com o sublime, do sábio com a insensatez etc.) signo da consciência protéica do inacabamento do universo. Na visão do mundo carnavalesca, a realidade é uma transformação incessante.
        “No centro do carnaval se situa o rito que Bakhtin chamou de felicidade de ´endestronização´: a elevação ao trono de um rei-bufão, senhor-escravo, velho-criança; de um rei Momo, abbas stultorum, lord of misrule, abbot of unreason. Na posse de tal monarca já transparece a sua deposição; o gesto da coroação significa ironicamente um veto radial a todo poder estabelecido ou por estabelecer – uma relativização de todo valor instalado ou instalável, uma Welt-Verlachung (J-P.), ridicularização do mundo inteiro. O cetro do rei Momo é pura parõdia. Mas essa paródia zomba de si mesma: a relativização saturnal não é negativa absoluta, é antes a consagração do sentimento do ciclo, da lei da perecibilidade de toas as condensações culturais, da sequência necessária de morte-e-regeneração. A paródia carnavalesca relembra a finitude, mas conjura a imortalidade. O riso de entrudo descende do escárnio ritual que, na sociedade primitiva, castigava deuses e soberanos, a fim de pô-los em brios e de obrigá-los  a renovar-se, promovendo a fecundação da terra e da raça. É uma gargalhada cosmogônica praticada em tempos de crise. Riso instigador da vitalidade, porque ele próprio é símbolo da exuberância da libido: Freud ligaria a consciência do cômico ao senso da energia psíquica economizada. (…)
        “…O carnaval é, a rigor mais festa do que espetáculo; seu palco é o mundo, seu protagonista é toda gente, ou o bufão que não é ator, e sim continuamente, cotidianamente bobo.
        “(…) Seria triste que o Brasil, sendo, por sua formação, depositário de paradigmas culturais que mal ou bem resistiram a algumas das mutilações humanas provocadas pela racionalização da vida, abdicasse de seu passado no exato instante em que o futuro lhe confere tanto sentido. Triste e irônico – porque a guinada que sufocasse em nós o espírito do carnaval, o espírito lucidamente ´amoral´ de Macunaíma, em proveito de não-sei-que forçada compostura, conseguiria tão-somente nos colocar na órbita sombria do atraso cultural. E então, só restaria rezar para que o gênio da avacalhação – esse saci verde-amarelo – nos restituísse a nós mesmos, à nossa autêntica ´inautenticidade´ ética.”

+++++
Fonte:
MERQUIOR, J.G. “Saudades do Carnaval. Introdução à Crise da Cultura”. Forense. Rio de Janeiro, 1971. p.183 e seguintes; p.243.

Dom Bertrand de Orleans e Bragança ao Papa Francisco

O Príncipe da Casa Imperial do Brasil, Dom Bertrand, ativo participante da vida pública do Brasil, dirige-se ao Papa Francisco, “para lhe externar uma grave preocupação concernente à causa católica no Brasil e na América do Sul em geral.”

Lei a íntegra da Carta

“Quo vadis, Domine?”

Reverente e filial Mensagem  a Sua Santidade o Papa Francisco
do Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança.

“Movimentos que combatem obstinadamente a propriedade privada, inclusive por meio de ações violentas, são convidados a participar de reuniões em importantes organismos da Santa Sé e um deles é recebido pelo Pontífice.”

LEIA a íntegra da Carta.

Viva nossa pátria amada, Brasil

Oh, pátria amada, oh patriazinha…pobre Brasil, pobrezinho, sempre amado, mas sempre desrespeitado.

Seu momento eterno é ser cortejado, por bardos como Vinicius de Moraes.

Este é meu jeito de dizer ao amigo leitor, feliz Dia da Independência, feliz 7 de setembro!

Bandeira do Brasil em movimento 550x385 Bandeira do Brasil

Viagens de negócios

O problema de estar viajando só pelas montanhas de Minas:
– não poder olhar as montanhas.
O problema de estar viajando só nas imensidões do céu deste setembro brasileiro:
– não ter um ombro pra se encostar…
eis, em resumo, meus dilemas de caixeiro-viajante.
+++++
*O crédito das fotos pode ser visto na assinatura destas.