A Covid e eu – eu e a Covid

Caros amigos.
Eu li muito sobre tudo o que podia ser, mas nunca imaginei que seria tão demorado sofrimento. Penso no primeiro livro que resenhei alhures do meu conterrâneo, o romancista André De Leones – “Os dentes negros”, que me fez pensar em “A peste”, do meu amigo pessoal (sim, porque romancistas francófonos são meus amigos pessoais!) Albert Camus.
Depois, teve o livro-bisturi de Martim Vasques “O contágio da mentira”, do qual deixei notas aqui.

Enfim, alcançamos a vergonhosa marca de mais de 300 mil mortes. Então, parece ter caído a ficha para autoridades de nosso Brasil varonil. E hoje, por uma questão do calendário, minha mulher foi vacinada. Ela mesma, que tem sido um guerreira ajudando o grupo de Mulheres do Brasil na campanha Todos pela vacina.

Ora, ora… apesar de todo o discurso (ou anti-discurso) governamental, eis a sociedade mostrando o que é possível fazer.

Grupo Mulheres do Brasil |
Luiza Helena Trajano on Twitter: "Vocês já conhecem o movimento  #UnidosPelaVacina? Ele partiu do meu chamado no #GrupoMulheresDoBrasil e  hoje jáfazparte da sociedade civil como um todo! Nós temos o desafio de
Vacinada no Jardim Guanabara em Goiânia, ela ficou emocionada. É uma pena que o WordPress não admita arquivos *,mp4 para mostrar-lhes. Segue o link para mídias sociais…

Instagram mostra o momento supremo.