Seja bem-vindo, "Monsieur Ouine"

Citar

Bernanos foi assunto central no livro de Sebastien Lapaque (2003) e H. Sarrazin (1968) – a figura do mais brasileiro dos escritores católicos franceses ganha novas leituras

Lançamento do romance de
Georges Bernanos no Brasil

Finalmente, o leitor brasileiro tem à sua disposição esse que é considerado a obra máxima de Georges Bernanos.
A É Realizações, passadas mais de seis décadas do lançamento do livro, publica Monsieur Ouine na tradução de Pablo Simpson.
Confira os dados sobre o livro e a sinopse de Monsieur Ouine (Lançamento)preparada pela competente equipe editorial comandada pelo abnegado Editor Édson Filho.

Aos francófonos, recomendo este site do link abaixo.

via Bernanos, Monsieur Ouine

Fundamentos da liberdade (3) – Russell Kirk

Citar

Criado à imagem e semelhança de Deus, o homem decaiu por conta da desobediência, e o pecado original cometido tornou o que naturalmente é bom em um ser humano falho. Adão o provou, Eva idem; nós os seguimos, pois somos “filhos de Adão e filhas de Eva”. Não há, pois, país perfeito porque não há governante perfeito, em decorrência não há aliado perfeito.  João Camilo de Oliveira Torres: “o governante – seja qual for o regime político e o sistema de governo – está sujeito a erros e enganos de toda sorte”. Afinal, pela doutrina cristã do pecado original, todos estamos sujeitos a enganos e erros de toda sorte e por conta do pecado é que foi inventado o “regime legal”

Continue lendo, via Fundamentos da liberdade (3) – Jornal Opção

O livro de Kirk traduzido por Alex Catharino é uma boa introdução ao pensamento do conservador norte-americano e um diálogo entre Kirk e o poeta T.S. Eliot

Conservadores – o que nos une?

Fundamentos da liberdade (2) – Jornal Opção

Citar

Este é o artigo de hoje na coluna Destarte, no Jornal Opção (Goiânia, GO).

Senti-me um tantinho envergonhado quando me dei conta de que o título dessa série é o mesmo da obra em português de um gigante do pensamento, o economista e filósofo austríaco Sr. Friedrich August Hayek.
Deslize de um cronista de província que não teve o cuidado de examinar todas as fontes antes de nomear seus próprios textos, mas que não se arrepende do que fez e o mantém nesta segunda crônica, isto sim por ter descortinado possibilidades outras de evoluir com esta série sobre o Conservadorismo. Confira no link:
 Fundamentos da liberdade (2) – Jornal Opção

 

“O homem se agita, mas Deus o conduz” (Fénélon) – Adalberto De Queiroz

Citar

De “O elogio do conservadorismo”, de João Camilo de Oliveira Torres, org. prof. Daniel Fernandes, via “O homem se agita, mas Deus o conduz” (François… – Adalberto De Queiroz

A água clara dos princípios

Citar

via Jornal Opção, coluna Destarte:
A água clara dos princípios – Jornal Opção

No aniversário de 116 anos do poeta Drummond, ouça poesia falada por Paulo Autran

Citar

Carlos-drummond-de-andradeCarlos Drummond de Andrade (1902-1987) – hoje, portanto, seria seu 116o. Aniversário.
Salve o poeta brasileiro!
No link, você encontra uma série de poemas falados pelo saudoso ator Paulo Autran.
Clique no link para pular ao YouTube:
via Poesia Falada Carlos Drummond de Andrade por Paulo Autran – YouTube

A graça da amizade – Jornal Opção

Citar

Amigos mais próximos sabem o que representa Jacques Maritain em minha caminhada espiritual, com seu Tomismo renovado e sua experiência de vida exemplar, que não é senão o que todos devemos fazer: seguir o exemplo de Cristo. A conversão de sua esposa Raïssa tem, como a minha, influxos das experiências do Outro e da aceitação da Graça divina. Afinal, como diz um dos personagens do livro de memórias de Raïssa Maritain, “A Graça é a parte de Deus; o desejo da Graça é a minha parte”.

De Berson a Bloy, passado por todo o ensino que a Amizade pode conter

Capa do livro de Raïssa Maritain

Devo muito ao livro “As grandes amizades[i]” de autoria de Raïssa Maritain e o recomendo com entusiasmo, porque sei que pode ser uma descoberta notável para aqueles quem conhecem e para os que desconhecem a obra dos Maritain.

Jacques e Raïssa Maritain desempenham o papel de um “casal-farol” da vida intelectual e espiritual francesa, na primeira metade do séc. XX. Foram alunos do filósofo Henri Bergson, afilhados espirituais do escritor católico Léon Bloy, amigos de Ernest Psichari e de Jean Cocteau, de Charles Péguy e de numerosas outras figuras ilustres da literatura francesa.

Jacques e Raïssa superaram as crenças de sua época, marcada por duas guerras mundiais, pelo positivismo que dominava o ambiente intelectual, e se consagraram à busca da verdade cristã.

via A graça da amizade – Jornal Opção

(2) A hora do olé argentino – no Diario Olé – Adalberto De Queiroz

Citar

via (2) A hora do olé argentino – no Diario Olé – Adalberto De Queiroz

Anne Sexton, por Beatriz Regina Guimarães Barboza

Citar

A tradução da poesia de Anne Sexton por Beatriz Barboza.
Vale muito a pena.
via Anne Sexton, por Beatriz Regina Guimarães Barboza