Milagre na Toscana. Destarte Opção Cultural

No Caminho de siena (I) —”E então se me abriram os olhos para o milagre duplo que ocorria em Sena: de um lado, um professor de província nos lega um livro universal, em que mesmo sendo ateu, consegue nos revelar Deus; de outro, uma menina humilde e semianalfabeta surpreende com a sabedoria infusa os cardeais e papas, tornando-se Doutora da Igreja.

Clique na figura abaixo para ir para o site do Jornal Opção Cultural.

Coluna Destarte_nr.7

Encontro das águas

Uma análise do poeta-editor e crítico Wagner Schadeck que muito me alegra – estar ao lado de um dos maiores poetas entre os novíssimos – Wladimir Saldanha, por si só, é um prêmio. Obrigado, WS.

Por Wagner Schadeck

breakwater-379252_1920.jpg

1.
Como duas águas distintas que se encontram, a melancolia e o sarcasmo poucas vezes desembocaram em uma mesma leitura. É uma alquimia singularíssima, alcançada no Quixote de Cervantes e no Quincas Borba de Machado de Assis. Na poesia é ouro negro igualmente raro. Talvez só mesmo do quilate da requintada sátira de si mesmo de Heine e da melancolia sutil de Bandeira. Mas estes mestres sabiam a enorme dificuldade da mistura. Ao contato com a pedra do sarcasmo, o vinho espesso da bílis negra torna-se ácido. E como nos lembra Machado de Assis, a depender do temperamento do leitor, esse elixir pode fazer rir ou chorar…
O leitor poderá sorver vestígios dessa solução na poesia de Wladmir Saldanha.
No livro Culpe o Vento, poemas como A caminho de casa, onde desmascara a nossa mesquinharia cotidiana, No ponto. Sob a marquise, ou O assinalado

Ver o post original 1.750 mais palavras

%d blogueiros gostam disto: