Poema “Oh! navios à barra atados!”

Oh, navios, à barra atados!” – poema publicado em meu livro “Destino Palavra” (2016) ganhou três publicações de grande alcance. Agora, foi a vez da revista do Sicoob – Ano II, nr. 3 – Maio 2017 – o que me deixa muito feliz. Leia o poema em fac-símile abaixo (ilustr. Amaury Menezes)


O livro Destino Palavra pode ser adquirido com frete grátis neste link de Livraria Caminhos.

Abaixo, capa da revista – reproduzindo escultura (Mulher tropical),
de autoria do artista plástico goiano Elifas Modesto.
Scanner_20170527 (3)
Capa: rep. Mulher Tropical – escultura de Elifas Modesto.

Talvez seja este o caso…

Pode ser.

Literatura Goyaz

Fernando Monteiro_Rascunho Afinal

“Os poetas não precisarão participar dessa rodada de desencanto, pois eles já escrevem para um vazio que não é só o das grandes livrarias grosseiras, com sua girândolas de livros de ocasião com capas brilhantes como catarro em parede. Os poetas, como que abençoados por Deus ou pelo diabo, estão escrevendo para leitores tão escassos (há muitíssimo tempo), que se tornaram monges trapistas da literatura, escrevendo em monastérios transformados nos palácios da mente que os libertam de escrever para quem já não possui o código da Poesia, a tábua de decifração (e salvação) do verso que foi carne, no Princípio etc.
“Enfim, os poetas estão libertados pelo silêncio que os cerca – enquanto aqui se convocam, sim, principalmente os praticantes da ficção, nesta hora “vigésima quinta” por obra e graça, em parte, das editoras voltadas, nos últimos anos, quase exclusivamente para aquilo que passou a se entender como sucessos

Ver o post original 7 mais palavras

A defesa da fé e o amor: armas de São Bernardo contra as heresias de Abelardo

LEIA meu artigo-resenha sobre o livro “As heresias de Bedro Abelardo”, trad. Carlos Nougué e Renato Romano, É Realizações, Col. Medievalia, coord. Sidney Silveira.

Edição do livro do santo católico que viveu no século 12, na Alta Idade Média, representa, mais que uma mera publicação para especialistas e eruditos, um ato pedagógico.

Adalberto de Queiroz
Especial para o Jornal Opção

 

Em abril, foi lançado o livro “As Heresias de Pedro Abe­lardo” (É Realizações, 120 páginas, tradução de Carlos Nougué e Renato Romano), livro em edição bilíngue latim-português, de alto valor tanto para os fiéis e os estudiosos da obra de São Bernardo de Claraval, bem como para aqueles que mesmo não partilhando da fé católica, prezam a verdade e estão interessados nos pensadores da Idade Média. Depois de publicar Duns Scot, Clemente de Alexandria e Santo Tomás de Aquino, com títulos raros ou disponíveis apenas em edições portuguesas, a editora É Realizações, sob a coordenação do medievalista Sidney Silveira, presta um grande serviço ao leitor brasileiro interessado no pensamento dos filósofos e teólogos medievais. “Este lançamento representa um ato pedagógico”, resume Sidney Silveira.
Continue lendo no link Opção Cultural.

Neste link, leia o artigo completo, antes da edição pelo jornal.

Sá-Carneiro

É! o melhor amigo ofuscou o conhecimento de sua (dele) poesia entre nós, lusófonos.
Há quem diga que é melhor poeta que o Pessoa, a quem avisou da decisão de se suicidar.

Não conheço ainda as cartas que trocaram, mas há um texto do Pessoa na abertura da edição dos poemas do Mário (indisponível), pela Ed. Cia das Letras que é uma grandeza. Por ora, delicie-se com os poemas dele.
Sá-Carneiro N.S.De Paris
Neste link, site Poemário, há vários poemas de Sá-Carneiro.

MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO  (1890-1916)
02027_gg

11798_gg
Livro definitivo, mas indisponível!

O que podemos aprender com o Rabi

Leia Martin Buber, porque “Para que o homem alcance esse grande feito [alcançar a sua ordem], ele precisa primeiro – partindo de todos os penduricalhos de sua vida – chegar ao seu EU (3), ele precisa se encontrar, não o eu evidente do indivíduo egocêntrico, mas o ‘eu’ profundo da pessoa que vive numa relação com o mundo.

A gênese de um livro (2017)

VIII – Farsante (I)

“Assim é que eu deveria ter escrito, dizia consigo.
Meus últimos livros são demasiado secos,
teria sido preciso passar várias camadas de tinta,
tornar a minha frase preciosa em si mesma,
como este panozinho de muro” –  
Marcel Proust.

Tempo não há de refazê-lo
a este livro duro e insone
a este pão, insosso, ei-lo!

Ainda pão, sem forma ou forma
própria, alimenta ao que tem fome
de poesia ou beleza, que importa!

Além da forma pronta de um nome,
deseja o moto próprio, chave da porta
à saída do inferno onde se encontra.

Também o bardo a chave busca
sozinho à deriva; afogado em ar.

E na enésima camada de tinta fresca
sofre com a secura do que dissera –
coxo solto em perdido paraíso
cego vagando o Éden imaginado

Seus brancos ossos, a Fera fixa:
– tempo não há de dizê-lo, Hélas!

Mas insiste, desafinado farsante –
pé-quebrado do verso, as falhas
o ferem de morte no instante.

./.