Perdida! — um poema de Camilo Castelo-Branco

Camilo Castelo Branco, lido em todos os países lusófonos, mas ´cassado´ do CV de escolas do Brasil.

vicio da poesia

A vida faz-se muito de desencontros, momentos falhados, ou fugazes olhares de felicidade entrevista. Afinal, o sonho a escapar-se no bulício dos dias.
Uma dessas perdas conta-a Camilo Castelo-Branco (1825-1895) no poema Perdida! escrito em 1850. Nele encontramos a flor, metáfora da mulher e sua beleza, no registo caro aos poetas ultra-românticos que Camilo, nos seus inícios de escritor também foi.
Neste poema estamos nos antípodas das imagens de flores e sentimentalidade trabalhadas pela mesma época por Maria Browne (1797-1861), e que no artigo anterior mostrei.
Será contemporâneo destes poemas o encontro (com laivos de paixão?) ocorrido entre Camilo e Maria Browne que levou ao duelo do escritor com o filho desta, e que relatos da época referem com motivações obscuras, sendo esse relacionamento insinuado.
Registado o pormenor biográfico, passemos ao poema onde o poeta faz gala da sua fogosidade viril e do imparável desejo de descobrir que assalta…

Ver o post original 186 mais palavras

Roberto Campos, a “Nona Lei do Kafka” e a “Teoria Animista do Subdesenvolvimento”

Centenário de Roberto Campos muito bem lembrado por meu amigo Cláudio Ribeiro.

O Indivíduo

Cláudio Ribeiro

Na segunda-feira, 17 de abril, o diplomata, economista e espadachim da ironia Roberto de Oliveira Campos teria completado cem anos de vida. A ocasião me fez, a princípio, assistir ao debate (as línguas mais escarnecedoras diriam “atropelo”) que Campos travou em 1985 com o então senador Luís Carlos Prestes, na TVE, no Rio de Janeiro – Quem ainda não viu, veja! Está disponível aqui. Depois, procurei em minhas estantes o livrinho A Técnica e o Riso (Edições APEC, 1966), comprado em um sebo no ano passado, mas do qual ainda não havia lido sequer uma linha. Encontrei-o e comecei a leitura imediatamente.

Todo A Técnica e o Riso é sensacional. Porém, vou dar destaque aqui a dois textos nele contidos: “Uma Reformulação das Leis do Kafka” e “Teoria Animista do Subdesenvolvimento”, pois um completa o outro. Aliás, do primeiro, meu destaque é ainda mais específico: abordarei apenas…

Ver o post original 964 mais palavras

“As dimensões da viagem…” – sobre Destino Palavra (poesia)

Gabriel Santamaria, romancista e poeta com cinco livros publicados e inúmeros artigos em mídias sociais, apresenta sua visão crítica da leitura de meu livro “Destino Palavra”.

DestinoPalavraMenor
Fico muito feliz em compartilhar este artigo com os meus amigos do blog “Leveza & Esperança”, expressando minha gratidão ao autor de “O Evangelho dos Loucos”.

Ementa do artigo de Gabriel Santamaria sobre Destino Palavra
Início do artigo, clique sobre a imagem para continuar lendo…*

*Clique sobre a imagem acima para continuar lendo o artigo “As dimensões da Viagem em Adalberto de Queiroz”, por Gabriel Santamaria.

Presença e permanência de Georges Bernanos

Republicação em razão da recente e saudável onda de releitura de Bernanos – terminei recentemente Monsieur Ouine, “le grand roman”. O livro sobre o qual o próprio autor teria dito: “escrevo olhando para o futuro…serei compreendido daqui a vinte anos” (1943).

Post ligeiros (3) – Georges Bernanos

Devo concluir em breve duas resenhas – esta prometida há tanto tempo. A segunda, sobre Monsieur Ouine, lido no original de 1946 (portanto, a edição revisada e livre dos erros da Ed. do romance – em francês, mas feita no Brasil, pela Ed. Atlântica, em 1943), repleta de erros tipográficos e falhas (ausências de páginas!) etc.

Em Goiânia, diretor Marcos Fayad leva Kharms ao palco do SESC

Segundo o editor do Jornal Opção, sr. Euler De França Belém,
a adaptação feita pelo diretor brasileiro [Marcos Fayad] não é mera reprodução daquilo que escreveu o escritor russo e isto é um dos pontos fortes de sua peça ou de suas peças.”

“Uma peça adaptada torna-se uma peça de seu autor e do diretor e, sim, dos atores. Porque, a rigor, embora não sejam trabalhos inteiramente distintos — um é pai-mãe e o outro é filho-filha —, o texto escrito é uma coisa e o texto falado-declamado é outra coisa. Portanto, a peça “Cerimônia Para Personagens Estranhos — Miniaturas Grotescas”, dirigida por Marcos Fayad a partir da adaptação de histórias curtas de Daniil Kharms, é tanto do criador patropi quanto do escritor russo.”

Continue lendo, no link abaixo.
Via Jornal Opção.