Preparando-me para a ‘virada’

Champagne by Beto

REVEILLON, festa pagã, mas tão boa!
Não posso deixar de pensar em fazer um balde como esse que fiz em casa para receber amigos.
Aqui na casa de minha filha Maíra é um tantinho diferente: o balde é menor, os horários são outros, as pessoas também são outras (e muito boa gente) e o carinho e a proximidade dos meus netos e minha filha ‘não tem preço!’ – enfim, para unificar (US-BR) decidimos, pois, celebrar o Reveillon às 8h00p.m. local time – que será meia-noite no Brasil.
IMG_1930Ben e Lucas - Abr2011  (olha só quem vem para o Reveillon 2011/12).
E, assim, poderemos cumprimentar todo mundo via Skype ou cel phone. Depois, lhes mostro como ficou e como foi a festa.

“Beber bem, comer bem, estar em boa companhia…” – já é uma boa f’órmula de viver consagrada pelos Amaral Queiroz Foust. As garrafas geladíssimas do balde acima e as pessoas que o aproveitaram seguem nas fotos abaixo (em momentos diferentes do ano 2011):

DSC01604

E pra mim, sobre o convidado em minha casa tenho eu (nós, minha mulher e eu) a responsabilidade pela felicidade dele(s) pelo tempo que passarem conosco. A gente se esmera pra isso, principalmente minha querida Helenir.
DSC01427

I promise you!
(Roger Scruton diz em “Beauty” que este é um dos prazeres que a Beleza nos propicia: “The aesthetics of everyday life” – organizar uma bela mesa para seus convivas, esticar sua própria cama, manter o mundo ordenado para você e para os que você ama. Concordo. Ah. E os jardins… outra alegria deste capítulo 4 de “Beauty” – Everyday Beauty.
Take a look of our garden
  DSC01261DSC00872
DSC00550IMG_8821

E, ao fechar este post, deixo um especial Obrigado a todos os amigos (e sócios) que conviveram conosco em 2011.
A casa continua de portas abertas pra vocês em 2012, caríssimos.

Governador Marconi Perillo, Ben Self, Helenir Queiroz e time do Evento MKT Político DSC01595-1   DSC01253   DSC00537 DSC01255DSC01254 DSC01433  DSC00533DSC00532DSC00547DSC00531 DSC00548
     
Irani, Carlos e Fernanda DSC00538 

+++++
Fonte: Vida minha, v.2011.
SCRUTON, R. “Beauty: very short introduction”, Oxford Press, 2011, p. 67 e ss.

Uma Ave Maria para celebrar o ano que se encerra

Charles Aznavour com Arte e Fé para dizer-lhes: Feliz 2012. Paz & Bem.
Que o Filho de Maria esteja sempre presente em nossos pensamentos no ano que chega…
Obrigado a todos que tiveram paciência, amizade e fraternidade comigo.

BetoQ.

Post-Post. E esta, mais tradicional: com Pavarotti, que só fará bem aos fiéis:
Luciano aqui.

Fechado para Balanço (II)

MINHAS MELHORES LEITURAS em 2011:

A de A.C. Villaça, que continuo lendo sem cansar: “O Pensamento Católico no Brasil” (livro que resgata o melhor da inteligência Católica de nosso país) e outros livros, citados ou não neste blog; e, a partir dele, tudo que achei nos sebos (thanks Estante Virtual – Onde comprar) e que me levou ao excelente Miguel Torga – “Contos da Montanha” e “Novos Contos…”, de onde derivei para outras leituras portuguesas, incluindo António Lobo Antunes (“As Naus”) – leitura concluida nesta viagem aos EUA.

Enquanto que durante minha viagem de 7 dias a Portugal, eis que encontrei numa livraria d’O Porto o maravilhoso
“A Rebelião das Massas”, de José Ortega Y Gasset (que, lido há tempos em papel antigo e aos pedaços, numa biblioteca pública, agora ressurge agora em primorosa edição da Edit. Relógio D’Agua).

B de Bernanos
Coleção Bernanos na ERealizações de quem tivemos o melhor lançamento do ano, graças a É Realizações,  que reeditou 3 dos livros deste católico francês que morou no Brasil (e finalmente podemos ler a trad. de Jorge de Lima para “O Sol de Satã”, não encontrada mais nem mesmo nos bons sebos).
E também B de A.S. Byatt Capa Livro AS Byatt(que traz consigo, em minhas memórias de leituras, o sr. Rex Stout, pois são dicas do mesmo virtual friend e escritor de talento, Sr. Soares Silva, Alexandre (Lord ASS).  Destaques para “Possession” (Byatt) e “Too Many Cooks” (entres outros de uma lista bem grande de contos/novelas – “Fer-De-Lance”, “Champagne for One”, saborosos romances do gênero “mistery”, contos policiais em geral curtos com o personagem central Nero Wolfe e seu inseparável e fiel servidor – ‘confidential assistant’, mr. Archie Goodwin –, que sem ombreiam ao nosso velho Maigret e seus pupilos, incluindo no tanto que bebem em serviço, rs!). Onde comprar? Byatt http://amzn.to/sZTntj . Rex Stout (que pode ser achado no Brasil nas melhores livrarias e nos sebos).

C de Comércio onde sei que muita gente como eu espera findar o expediente – com a disciplina exigida pelos negócios – e voltar-se para a Família, a Arte, a Literatura, o convívio social (com amigos do peito), tudo isso formando âncora fundamental do bem viver.
E na A palestra que não ministrei no Ted-X Puc/GO era disso que gostaria de falar. Quem sabe em 2012 ?

D de Direção, de que todos estamos sempre à busca: estas publicações do filósofo Eric Voegelin no Brasil que devem ser saudadas como uma das melhores iniciativas da inteligência editorial… Library of Modern Thinkers, ISI Books, 2002(thanks É Realizações pelas traduções que tornam minha vida mais fácil – pois estava a ler EV em inglês com enorme dificuldade mas persistentemente – ; e thanks Amazon & Barnes and Noble por me proporcionar este maravilhoso pensamento na contramão da academia brasileira, cada vez mais Gramsciana). D de Direção também vinda de Roger Scruton, Product Detailspra mim a mais fantástica descoberta no domínio do pensamento neste ano 2011.
Thanks Amazon for these books! E também D de Dante –  

O Alighieri e o MilanoDSC01410, dos quais fiz Releituras de Dante A. e Milano por conta de uma amiga virtual (MEG).

E de Estado rico, empresário pobre de Arte. Ou posto de outro modo Estado dito “rico e com educação incipiente para a responsabilidade social”, cenário em que empresas sustentáveis estão em busca de dar retorno à sociedade. Revi conceitos a partir de Palestra de P.Kotler na Acieg/GYN e voltei aos livros do papa do Marketing, mr. Philip Kotler, que em suas reflexões me fez pensar em quanto temos a realizar em termos de doação ao social. Um bom caminho é a liderança que pode aprender com o exemplo de pessoas como Frances Hesselbein da Fundação PK. E muito podemos fazer abaixo do Equador neste domínio. E de EMILY Dickinson, emily-dickinson-photo1que amo e continuo lendo e transcrevendo forever e, se memória houvesse, decorando e recitando. F de Flusser, Vilem. Descoberta maravilhosa a partir dos estudos que realizei para uma palestra que nunca ministrei (vide cit. acima) e das dicas de César Miranda – O intelecto ´sensu stricto` é uma tecelagem que usa palavras como fios”, é a porta para entendê-lo: Vilém Flusser.

G de Gianetti, Eduardo e deGoogle Guys”, livro que desde que lido na América (fev.11), na minha temporada com os Fousts, “esperando Benjamin Foust”, aprendi a gostar, respeitar e, através de quem (Google Enterprise) espero fazer muitos bons negócios em 2012. Eduaro Giannetti, de quem já possuía referências interessantes em entrevistas escritas e ‘faladas’ (ótimo esse termo radiofônico, não? ), resgatei aqui com seu “Auto-Engano” (confesso estar ainda lendo e com menor entusiasmo do que no início).

H de Helenir, minha mulher, que saiu da rotina empresarial e leu ao longo do ano nosso amado e sempre presente Maigret, by G. SIMENON, quase um membro da família, como Balzac – o cachorro que perdemos e o escritor que mantemos no coração afetivo da literatura (Maigret, pois, o personagem de Simenon é bem-vindo; já o autor um mulherengo incorrigível, parece que todo homem latino prefere manter longe de sua casa).  E ainda H de Hansen, Morten T. “Collaboration”, image o livro que trouxe os conceitos certos para tudo que fiz profissionalmente nesses últimos 14 anos e que (re)estudei em 2011; o que me proporcionou voltar a ministrar palestras (Obrigado Amcham GYN e UDI).

I de Igreja, de onde emergiram dois livros fortes para um ano de provações e de muita fé e persistência – e, convenhamos, de um excelente trabalho depurador de nosso Papa Bento XVI : “The Courage to be Catholic”,  de autoria do biógrafo do papa JP II, mr. George Weigel (só recomendado aos fiéis, pois os curiosos e ateus em geral não entenderiam) e o novo livro do Papa Bento XVI “A Luz do Mundo”: Light of the World: The Pope, The Church and the Signs Of The Times”.

* T de Third Sector – Um novo domínio do conhecimento para mim, que planejo seguir após o conselho do meu orientador espiritual (Padre Rubens, parq. N.Sa. Aparecida e Sta. Edwiges, Goiânia) que, sabiamente, me disse para cultivar valores que, ao longo da minha carreira de servidor público e nos últimos 20 anos de empresário, não tiveram muito tempo para ser cultivados. “The Third Sector”, by Rupert Taylor para começar bem 2012.

Bem, meus 6 leitores, este é o balanço, sem dizer que muitas revistas foram importantes ao longo do ano e também muita leitura pelos e-Books e pelos portais de leitura. Continuo gostando mais de ler em papel, mídia em que foi criado como leitor, mas já tenho um legado em e-Books – p.ex. no meu iPad emprestado por ora à minha mulher – tenho mais Baudelaire do que em minha prateleira IMG_8826e em minha vida inteira. Rimbaud, Sertillanges etc. também e uns outros tantos à espera de tempo para leitura – pois que me dóem os olhos quando leio só na tela.
Au revoir, mes enfants! Feliz 2012.
Amitiés, BetoQ.

Fechado para Balanço (I)

E ASSIM SE VAI o nosso 2011. Hora em que os jornais rapidamente juntam suas edições do ano que finda com títulos da pletora das manchetes: 1000 fatos que marcaram; 1000 fotos que você não pode deixar de rever etc. etc.

E nós como bons cordeiros lá vamos nós seguindo fotos e manchetes, sem de fato pensarmos naqueles fatos que realmente marcaram nossas vidas, no seio dos lares, nas agruras do comércio ou da indústria, na labuta pelo pão que se ganha com o suor – seja do trabalho manual, seja dos riscos de empreender (como é o meu caso). Pois bem, a manhã de uma dia após o Natal me traz justo essa necessidade de refletir sobre o que foi importante para mim e para minha família.

O ano começou com um enorme desafio – que nos dominou a todos e a mim em particular, porque representou uma prova da Vida que deve ser defendida. Conto-lhes o caso como deve ser. Minha primeira filha estava grávida do meu segundo neto (Benjamin and me) e precisava de cuidados especiais.

Isso ela vem a saber em consulta de rotina. Até aí, tudo bem. Só não sabíamos que o pequeno mereceria muita atenção até que viesse à luz em março p.p. Tudo está contado na matéria que o pessoal do Hospital Sagrado Coração de Pensacola (Flórida, US) me economiza de contar-lhes. A emoção ao ler tudo isso é revviver o que foi para mim, em especial, os 45 dias que passei aqui em Navarre (FL) ajudando meu genro e minha filha, como um vovô babá (quase escrevo babão, mas não o faço com razões só minhas… depois lhes conto), com cuidados do primeiro neto – Lucas Q. Foust. A luta de minha amada Maíra Queiroz Foust foi a de uma guerreira da qual me orgulho muito.

Foi a luta pela Vida como ato desejável e necessário a todos que creem na Vida, mas que marcou as ‘coronárias cansadas’ deste “vovô Boy” intensamente.

Maíra Ben e dr. Thorp 001

 Maira, Ben Dr Thorp 2 001

Bem, se você leu até aqui, já sabe porque meu neto Ben é chamado de “Miracle Baby” e pode compreender a luta da Maíra e da equipe médica do Sacred Heart Medical Group (Pensacola, FL) para salvar a vida do pequenino Ben. Concordo com minha filha quando ela diz: “É muito mais do que gratidão o que sinto pelo dr. Thorp e sua equipe”. E neste Natal podemos em família todos agradecer a Deus pela vida do Ben e pela oportunidade de trocar muitas fraldas e ter “a baby to rock”.

Naturalmente, como convém a um avô lusófono com um neto “English-native”, na altura dos 4 anos, a comunicação com o meu primeiro neto (Lucas) foi outro enorme aprendizado. Desde a gravidez da Maíra, quando Lucas cunhou a expressão vovô Boy (and vovô Girl) para diferenciar quando quer falar comigo ou com a vovó (a gente não imagina o que são os sons para iniciantes numa língua estrangeira, a menos que vivenciando isso no dia-a-dia). O caminho que ele encontrou para me designar é pra mim muito afetivo e diferenciado de todos os netos americano-brasileiros.

Esse foi outro fato muito importante em minha vida de empresário e de ‘intelectual nas horas vagas (quando vagam, rs!) – aprender a conviver com um moleque dos seus 4 anos e ser vovô-Babá e amigo. O início não foi fácil porque como é comum e aceitável em uma situação dessas, não ter a mãe por perto e o pai trabalhando muito, convenhamos um avô é uma aberração que não preenche nenhuma carência. It’s not fair – dizia o Lucas muitas vezes. Porque let’s see ‘mom at the doctor’ ( i.e. no hospital) significava um grande alento (de 3/4 horas de duração) e muita perda quando voltávamos pra casa. E o caminho de Pensacola-Navarre (perto de 40min com bom trânsito) virava uma dificuldade enorme para a nossa cinquentena de anos – eu e Lucas juntos como meninos na noite voltando pra casa sem a mãe dele, sem as pessoas a nossa volta. Superamos.
E este foi o momento mágico (registrado em um iPhone da família) em que Lucas (big brother) viu o ‘little brother’ pela vez primeira, na sua saída (dele, Ben) da UTI do Sacred Heart, onde ficou menos tempo (5 dias) do que o previsto.

Este Sacred Heart hospital católico em Pensacola fundado pelas irmãs da “Divina Caridade”, em 1915, é reconhecido por prestar socorro especial a muitas mães em gravidez problemática e outras tantas pessoas em especialidades diferentes, tendo se tornado referência na região Flórida/Alabama.
Lucas e Ben_VesperNatal 2011 (Lucas e Ben, Natal 2011, Navarre, FL)
Neste Natal, o que mais disse ao Divino Pai Eterno foi “Obrigado, Senhor” por tudo. Inclusive as provações. Este amor às pessoas que nos rodeiam, este amor às situações que vivemos nos dão uma outra dimensão do sofrimento de outros tantos ao redor do mundo que não possuem assistência nenhuma. E pra fechar este post com Poesias, relembro Jorge de Lima:
“AS MÁGICAS que a Graça do Senhor faz são Poesia”. E mais não digo.
+++++
Não perca o próximo post desta série: Fechado pra balanço (2) – Melhores leituras em 2011.

Feliz Natal com boa música (I)

Musical excerpts from a rehearsal of The Toronto Consort’s production of the “Praetorius Christmas Vespers”. The concert reconstructs a possible vespers service for Christmas as it might have sounded in a large north German church. The music was composed by Michael Praetorius in the early 17th century, and the production is directed by David Fallis. Video, sound, and editing by Bill Found (Dalvorem International).

Poetas da minha vida

Lendo um blog sobre poesia me ocorreu de iniciar uma série sobre poetas que li e gostei ao longo dos meus 56 anos.

 

http://bit.ly/vU09PG Rimbaud bio

Prosa do mundo? O espanhol Cervantes, o luso Camões (oops! poesia+prosa =invenção da língua), um francês: Balzac. Um americano: Faulkner. Um alemão (pode ser 2?rs!): Hesse e Th.Mann. Um francês: BERNANOS (ah, já tem Balzac, mais j’en ai sure, ça vaut la peine!). Um belga? G. Simenon (tb. precisamos d’une détente, rs!). Um só brasileiro? Ooo… Rosa, o Guimarães. Há também os prosadores católicos franceses Mauriac e J. Green q merecem ser lidos todo o tempo possível, independente de religião. De fato, os franceses, só comecei a entendê-los e a amar sua poesia de verdade, agora na maturidade: Rimbaud e Baudelaire. E há René Char e Yves Bonnefoy, poesia pra ser amada, antes de ‘entendida’.

Poesia do mundo? Rimbaud e sua turmaA mais amada: Emily DICKINSON, depois de Dante, Camões (oops, não seria este um prosador do mundo? um inventor da língua portuguesa), Walt Whitman (second in English), W. B. Yeats, T.S. Elliot, Yves Bonnefoy, René Char (já citados); ah, tem tb. o prosador-poeta Victor HUGO, pra nos deixar au res du chaussée…Charles Baudelaire e o mercador de armas Arthur Rimbaud.
E os brasileiros se resumem na trindade sagrada da Poesia: Murilo Mendes + Jorge de Lima & Augusto F.Schmidt. E há ainda o parnaso-modernista Bandeira, estrela para nossa vida inteira; há os ‘novos’ Gerardo Mello Mourão e Bruno Tolentino – nosso poeta ‘maldito’ do séc.XX – e o clássico de minha terra Brasigóis Felício!

Paraíso (1)

Lo maggior don che Dio per sua larghezza
fesse creando, ed a la sua bontate
piú conformato, e quel ch´é piú apprezza,

fu de la volontà la libertate;
di che le creature intelligenti,
e tutte e sole, fuoro e son dotate.
+++++
“O maior dom que, em sua sabedoria,
Deus fez na criação, e à sua bondade
mais conforme, e que mais Ele aprecia,

foi do próprio querer a liberdade
da qual criaturas inteligentes
todas, só elas, tem a propriedade.”
(…)
+++++
Fonte: Alighieri, Dante. `Paraíso´. pág.38. Ed. 34. SP, 1998/2004. Trad. Italo E. Mauro.

Especialíssima

Dia desses, a Patroa escreveu umas linhas* sobre a minha humilde pessoa. A maioria das coisas que ela disse são fantasias de mulher.

Como não sei falar sobre isso (da forma como ela o fez) e já é o dia do niver dela (madrugada alta), vou ao jardim colher algumas flores (e folhas) para o café-da-manhã com dona Sherazade, com dona Carmen (mãe de minha mulher e minha segunda mãe adotiva) e com Cecília.

O fato é o seguinte: não sei muito fazer elogios em blogs. Eu adoro falar em público e fazer o que o Hermilo Borba Filho chamava de ´lovação`. Pois eu, hoje gostaria de louvar minha mulher (hoje e sempre). Ela é 1.52m de pura energia, alegria, entusiasmo, disposição para realizar e GENEROSIDADE. Se pudesse definir minha mulher numa palavra, seria essa em letras maiúsculas.

A vida nos coloca diante de grandes escolhas: no meu caso, havia duas mulheres na Engenharia (eu era da Física – ela era a Nina da Engenharia Elétrica) e eu escolhi a melhor  – e lá se vão 36 anos… (rs! e, mais tarde, quando li “Memórias de duas jovens esposas”, de Honoré De Balzac, eu tive certeza de que Helenir era “A Esposa”). Ela vem fazendo por mim e por todos nós da família Amaral Queiroz o que toda esposa e mãe tem que fazer (mas ela faz ainda melhor e com Arte).

O exemplo da minha mulher é exemplo de caráter e formação. Lembro um dia, numa festa de S.João (e não é letra de música), em que um moço se aproximou da gente e disse: “dona Helenir eu guardo um cartão que a senhora me deu quando eu era estagiário da CEF…” (e mais não digo!).
Confesso, sim, que começamos a namorar numa festa de S.João na saudosa chácara da Aseg.

Pois essa mensagem – de caráter e formação e doação de si mesma ao Outro – é a ideia que qualifica a minha mulher, a professorinha e filha de Santa Clara. A menina de Campinas (periferia de Goiânia) que olhou pro mundo (estudou, se formou em Engenharia e Francês avançado, Marketing e administração de empresas), mas nunca perdeu a humildade de quem começou ensinando as crianças (no primário) e atendendo no balcão do bar da família (onde um pedido comum era “uma pinga e um bolo era um pedido bem comum…”).

Helenir viajou comigo todos os destinos. A gente foi a alguns lugares por conta das amizades: Marrocos (Rabat & Marrakesh), Marseille e Aix-en-Provence, Porto Alegre (de volta) etc. Nossos sapatos são guardados como na música de um dos nosso amados cantores francófonos:
“moi mes souliers ont beaucoup voyagé…ils nous ont porté de école à la guerre” (et à la vie entière).

E, se Deus quiser, hei de palmilhar umas outras milhas com minha Nina até Oslo, ano que vem…

A gente cantou tantas canções, a gente chorou tantos prantos, percorremos tantos destinos iguais além daquele dos amigos: sofremos, lutamos, esperamos duas filhas e dois netos como num ninho em que se espera com alegria e ansiedade; plantamos muitas árvores em 3 casas e alguns apartamentos. Levamos nosso piano para tocar em Recife e o deixamos agora no Canto do Beto…

Helenir, seu nome é generosidade. Quando falo de você hoje é porque é um dia especialíssimo e eu aqui me sinto assim menos sozinho com você.

Babi, i´m not alone…never  ´cause you are my baby for ever & ever…

Desculpa o mal-jeito de vez em quando porque também me sinto meio atrapalhado falando de nós dois…but j´ai t´aime d´amour! ma chérie…   

+++++
(*) Muito especial a homenagem que ela com muita classe me prestou, no meu aniversário.

O Saber dos Antigos (I)

Pois os gregos (que estão hoje falidos, como os irmãos portugueses e os espanhóis … e nós daqui a pouco – anotem isso! porque o Brasil vai falir muito “bunito” em alguns meses…sorry guys e protejam seus investimentos). Então os gregos já disseram sobre corrupção o que eu desejaria dizer na voz do filósofo italiano G.Reale. Abre aspas:

“Os problemas metafísicos que o homem desde sempre se colocou e sempre deverá fazê-lo, se quiser responder à corrupção do sentido de si e das coisas, são os da ‘geração’, da ‘corrupção’ e do ‘ser’ das coisas, centrados especificamente na ‘causa última’ ou ‘princípio’ que lhe serve de fundamento”. (G. Reale).G Reale

Fonte: REALE, G. O Saber dos Antigos, Ed. Loyola, pág. 131.

As antífonas de Bruno Tolentino (II)

II.70 – Bruno Tolentino em “A Imitação do Amanhecer”, Ed. Globo 2006:

“Tudo irá dar no ponto certo, Deus é Amor
E Agrippa d’Aubigné não marcou sua rota
para chegar ao porto por um deus idiota
ou um cometa já morto! Que vá por onde for
a quermesse dos doidos, todos hão de depor
seus balaios de perdas-e-ganhos, sua cota
de ouro oco ou de estanho, e tudo, nota a nota,
terá seu troco pelas mãos do Criador.
Por enquanto é o adeus de tudo a tudo, agora
é a hora do sol-pôr. Não importa se dura,
nada pode durar mais que a dor que não chora,
a dor dos olhos mansos que espiam a criatura
em seu instante coletivo de loucura…
Ora pro nobis, Virgem-Mãe Nossa Senhora! ”

+++++
Sobre Agrippa d’Aubigné : http://bit.ly/tUnxkX (Livro cit. pág. 167).

Livros