Encontrando a Idade Média (I)

Alertado por Franklin de Oliveira, no prefácio de “Literatura e Civilização”, comecei há alguns anos a empreender uma busca que me levou a compreender que “a Idade Média…não foi, de forma alguma, a Dark Ages inventada pelos historiadores liberais do séc. XIX, mas a genuína herdeira do mundo greco-romano.” E com a ajuda dele Franklin, de Robert Bossuat e, sobretudo, de Jacques Le Goff, compreendo hoje que “ela (a Idade Média) significa a fundação da Europa em sua base cristã-romana” e comecei a me deliciar com um dos dois fatos apontados por Franklin como de alta significação cultural do período, a saber: “o estupendo fenômeno da literatura provençal e a aparição da poesia dos clerici vagantes.”

Em outro contexto, Franklin cita Arnold Hauser (A História Social da Arte) para justificar que a presença da mulher no centro do lirismo trovadoresco (la poésie lyrique au Moyen Age), com a mescla do platonismo e sensualismo, determina “aquilo que chamamos de a mais importante transformação da história literária do ocidente” (Hauser). E conclui: “A poesia do amor moderno é obra da Idade Média”.

Hoje, me alegra trazer essa descida a um dos gêneros listados por Bossuat* (La chanson de Toile ou D’Histoire), termo cunhado para designar composições de cunho popular destinadas seja para acompanhar as danças das mulheres, seja para acompanhá-las em seus trabalhos caseiros, daí porque o nome de “chansons de toile”. Sem passar pela estrutura poética de como foi composta, a amostra que transcrevo (A Canção de Renaud ou “Quando chega o mês de maio…”) é uma das mais antigas que, bem conservadas ao longo do tempo, são ‘traduzidas’ do francês arcaico (coluna à direita) para o moderno (coluna à esquerda).
Chanson de toile du XII° ou D’Histoire (XIII° siècle).
Quand vient Mai qu’on appelle le mois des longs jours  (Quant vient en mai que l’on dit as lons jors) .

I. Quand vient mai qu’on appelle le mois des longs jours,
Que les français de France s’en reviennent à la cour royale,
Renaut se trouve en première ligne.
Ainsi passa-t-il devant la maison d’Erembour,
Mais il ne daigna pas lever la tête.
Ô Renaut, mon amour !
I. Quant vient en mai que l’on dit as lons jors,
Que Franc de France repairent en roi cort,
Reynauz repaire devant el premier front ;
Si s’en passa lez lo meis Arembor,
Ainz n’en dengfna le chief drecier amont
E Raynaut, amis !
II. Belle Erembour devant la fenêtre à la lumière
Sur ses genoux tient une soie colorée.
Elle voit les Français de France qui reviennent à la cour,
Elle voit Renaut en première ligne.
A voix haute elle prononce cette parole :
Ô Renaut, mon amour !
II. Bele Erembors a la fenestre au jor
Sor ses genolz tient paile de color,
Voit Frans de France qui repairent de cort
Et voit Raynaut devant el premier front.
En haut parole, si a dit sa raison :
E Raynauz, amis !
III. « Ami Renaut, jadis j’ai connu des jours,
Où, si vous passiez devant la tour de mon père,
Vous auriez été fort triste que je ne vous parle pas.
–  Vous avez mal agi, fille d’empereur,
Vous en aimez un autre et nous avez oublié. »
Ô Renaut, mon amour !
III. « Amis Raynauz, j’ai ja veü cel jor
Se passisoiz selon mon pere tor,
Dolanz fussiez se ne parlasse a vos,
– Ja le mesfaïstes, fille d’empereor ;
Autrui amastes, si obliastes nos. »
E Raynauz, amis !
IV. « Seigneur Renaut, je m’en justifierai ;
Avec cent jeunes filles, je vous prêterai serment sur des reliques,
Avec trente dames que j’amènerai avec moi,
Que jamais je n’ai aimé nul homme que vous.
Acceptez ma justification, je vous donne un baiser. »
Ô Renaut, mon amour !
IV. « Sire Raynauz, je m’en escondirai ;
A cent puceles sor sainz vos jurerai,
A trente dames que avuec moi menrai,
C’onques nul home fors vostre cors n’amai.
Prennez l’emmende et je vos baiserai. »
E Raynauz, amis !
V. Le comte Renaut gravit l’escalier ;
Il avait les épaules larges, la taille mince,
Il avait les cheveux blonds bouclés.
En nulle terre il n’y eut si beau jeune homme.
Erembour le voit, elle se mit à pleurer.
Ô Renaut, mon amour !
V. Li cuens Raynauz en monta lo degré,
Gros par espaules, greles par lo baudré ;
Blonde ot le poil, menu recerlé ;
En nule terre n’ot si biau bacheler.
Voit l’Erembors, si comence à plorer.
E Raynauz, amis !
VI. Le comte Renaut est monté dans la tour.
Il s’est assis sur un lit brodé de fleurs.
A ses côtés s’assied Belle Erembour.
Alors recommencent leurs premières amours.
Ô Renaut, mon amour !
VI. Li cuens Raynauz est montez en la tor,
Si s’est assis en un lit point a flors ;
Dejoste lui se siet bele Erembors.
Lors recomencent lor premieres amors.
E Raynauz, amis !

Fontes: A tradução acima foi transcrita do website “Saint-Escobille Le village phare du sud-essonne” e pode ser recuperada no link http://www.saint-escobille.fr/spip.php?article131 sob o título de “Chanson de toile du XII° ou du XIII° siècle ; anonyme”. Tradução creditada a S.N. Rosenberg et H. Tischler; 1995. Se o leitor francófono preferir, há a tradução de Robert Bossuat no opúsculo “La Poésie Lyrique au Moyen Age”, Larouse, Paris, s/data, pág.9-11, Classiques Larousse.
Le GOFF, Jacques. “Em Busca da Idade Média”, Civilização Brasileira, RJ, 2005.
DE Oliveira, Franklin. “Literatura e Civilização”, Difel/INL, Brasília, 1978. Idem in: “A Fantasia Exata”, Zahar Edit., RJ, 1959, p.65. BOSSUAT, Robert. “Le Moyen Age”, Del Duca de Gigord, Paris, s/data. Idem in “La Poésie Lyriqye au Moyen Age” (cit. acima). Aos francófonos mais curiosos, uma pérola nesse ‘mar de conhecimento compartilhado’ (que é a Internet): há um curso de Old French na Universidade do Texas (Austin), que pode ser seguido pelo link http://www.utexas.edu/cola/centers/lrc/eieol/ofrol-0-X.html

Encontrando a Idade Média (I)

Alertado por Franklin de Oliveira, no prefácio de “Literatura e Civilização”, comecei há alguns anos a empreender uma busca que me levou a compreender que “a Idade Média…não foi, de forma alguma, a Dark Ages inventada pelos historiadores liberais do séc. XIX, mas a genuína herdeira do mundo greco-romano.” E com a ajuda dele Franklin, de Robert Bossuat e, sobretudo, de Jacques Le Goff, compreendo hoje que “ela (a Idade Média) significa a fundação da Europa em sua base cristã-romana” e comecei a me deliciar com um dos dois fatos apontados por Franklin como de alta significação cultural do período, a saber: “o estupendo fenômeno da literatura provençal e a aparição da poesia dos clerici vagantes.”

Em outro contexto, Franklin cita Arnold Hauser (A História Social da Arte) para justificar que a presença da mulher no centro do lirismo trovadoresco (la poésie lyrique au Moyen Age), com a mescla do platonismo e sensualismo, determina “aquilo que chamamos de a mais importante transformação da história literária do ocidente” (Hauser). E conclui: “A poesia do amor moderno é obra da Idade Média”.

Hoje, me alegra trazer essa descida a um dos gêneros listados por Bossuat* (La chanson de Toile ou D’Histoire), termo cunhado para designar composições de cunho popular destinadas seja para acompanhar as danças das mulheres, seja para acompanhá-las em seus trabalhos caseiros, daí porque o nome de “chansons de toile”. Sem passar pela estrutura poética de como foi composta, a amostra que transcrevo (A Canção de Renaud ou “Quando chega o mês de maio…”) é uma das mais antigas que, bem conservadas ao longo do tempo, são ‘traduzidas’ do francês arcaico (coluna à direita) para o moderno (coluna à esquerda).
Chanson de toile du XII° ou D’Histoire (XIII° siècle).
Quand vient Mai qu’on appelle le mois des longs jours  (Quant vient en mai que l’on dit as lons jors) .

I. Quand vient mai qu’on appelle le mois des longs jours,
Que les français de France s’en reviennent à la cour royale,
Renaut se trouve en première ligne.
Ainsi passa-t-il devant la maison d’Erembour,
Mais il ne daigna pas lever la tête.
Ô Renaut, mon amour !
I. Quant vient en mai que l’on dit as lons jors,
Que Franc de France repairent en roi cort,
Reynauz repaire devant el premier front ;
Si s’en passa lez lo meis Arembor,
Ainz n’en dengfna le chief drecier amont
E Raynaut, amis !
II. Belle Erembour devant la fenêtre à la lumière
Sur ses genoux tient une soie colorée.
Elle voit les Français de France qui reviennent à la cour,
Elle voit Renaut en première ligne.
A voix haute elle prononce cette parole :
Ô Renaut, mon amour !
II. Bele Erembors a la fenestre au jor
Sor ses genolz tient paile de color,
Voit Frans de France qui repairent de cort
Et voit Raynaut devant el premier front.
En haut parole, si a dit sa raison :
E Raynauz, amis !
III. « Ami Renaut, jadis j’ai connu des jours,
Où, si vous passiez devant la tour de mon père,
Vous auriez été fort triste que je ne vous parle pas.
–  Vous avez mal agi, fille d’empereur,
Vous en aimez un autre et nous avez oublié. »
Ô Renaut, mon amour !
III. « Amis Raynauz, j’ai ja veü cel jor
Se passisoiz selon mon pere tor,
Dolanz fussiez se ne parlasse a vos,
– Ja le mesfaïstes, fille d’empereor ;
Autrui amastes, si obliastes nos. »
E Raynauz, amis !
IV. « Seigneur Renaut, je m’en justifierai ;
Avec cent jeunes filles, je vous prêterai serment sur des reliques,
Avec trente dames que j’amènerai avec moi,
Que jamais je n’ai aimé nul homme que vous.
Acceptez ma justification, je vous donne un baiser. »
Ô Renaut, mon amour !
IV. « Sire Raynauz, je m’en escondirai ;
A cent puceles sor sainz vos jurerai,
A trente dames que avuec moi menrai,
C’onques nul home fors vostre cors n’amai.
Prennez l’emmende et je vos baiserai. »
E Raynauz, amis !
V. Le comte Renaut gravit l’escalier ;
Il avait les épaules larges, la taille mince,
Il avait les cheveux blonds bouclés.
En nulle terre il n’y eut si beau jeune homme.
Erembour le voit, elle se mit à pleurer.
Ô Renaut, mon amour !
V. Li cuens Raynauz en monta lo degré,
Gros par espaules, greles par lo baudré ;
Blonde ot le poil, menu recerlé ;
En nule terre n’ot si biau bacheler.
Voit l’Erembors, si comence à plorer.
E Raynauz, amis !
VI. Le comte Renaut est monté dans la tour.
Il s’est assis sur un lit brodé de fleurs.
A ses côtés s’assied Belle Erembour.
Alors recommencent leurs premières amours.
Ô Renaut, mon amour !
VI. Li cuens Raynauz est montez en la tor,
Si s’est assis en un lit point a flors ;
Dejoste lui se siet bele Erembors.
Lors recomencent lor premieres amors.
E Raynauz, amis !

Fontes: A tradução acima foi transcrita do website “Saint-Escobille Le village phare du sud-essonne” e pode ser recuperada no link http://www.saint-escobille.fr/spip.php?article131 sob o título de “Chanson de toile du XII° ou du XIII° siècle ; anonyme”. Tradução creditada a S.N. Rosenberg et H. Tischler; 1995. Se o leitor francófono preferir, há a tradução de Robert Bossuat no opúsculo “La Poésie Lyrique au Moyen Age”, Larouse, Paris, s/data, pág.9-11, Classiques Larousse.
Le GOFF, Jacques. “Em Busca da Idade Média”, Civilização Brasileira, RJ, 2005.
DE Oliveira, Franklin. “Literatura e Civilização”, Difel/INL, Brasília, 1978. Idem in: “A Fantasia Exata”, Zahar Edit., RJ, 1959, p.65. BOSSUAT, Robert. “Le Moyen Age”, Del Duca de Gigord, Paris, s/data. Idem in “La Poésie Lyriqye au Moyen Age” (cit. acima). Aos francófonos mais curiosos, uma pérola nesse ‘mar de conhecimento compartilhado’ (que é a Internet): há um curso de Old French na Universidade do Texas (Austin), que pode ser seguido pelo link http://www.utexas.edu/cola/centers/lrc/eieol/ofrol-0-X.html

Emily Dickinson, ainda uma centena de poemas

Are Friends Delight or Pain?
Could  Bounty but remain
Riches were good –,

But if they only stay
Ampler to fly away
Riches are sad.
++++++++++++++++++++

Amigos são dor ou ventura ?
Durasse sua fartura
A riqueza era boa.
Se eles, porém, só se demoram
Cobrando força p’ro vôo –
A riqueza é agrura.

++++

Poema 1199, p.136/7, “Emily Dickinson: Uma Centena de Poemas”, Edit. T.A.Queiroz/USP, S.Paulo, 1984. Tradução, introdução e notas de Aíla de Oliveira Gomes.
Nota da tradutora:
“A medida curta, tercetos de 6-6-4 sílabas, com 3-3-2 acentos, foi substituída por outra, de 8-7-6 sílabas, com os mesmos números de acentos tônicos (forçado, uma vez, na primeira estrofe). As liberdades tomadas quanto ao esquema rítmico não só encontram respaldo no encontro  ‘sad’ e ‘good’ (Vs. 3 e 6 do original) como são compensadas por todos os finais de versos mantidos numa área vocálica constante, entre /u/ e /o/.
“Amor e amizade, nos poemas de Emily Dickinson, estão sempre ligados à separação. A miséria, para a abelha, é a sua separação da rosa” (cf. 620).
Provavelmente, dona Aíla queira se referir a (211), assim traduzido:
“Chega apressada à flor,
Zumbe em volta a sua alcova
Avalia o néctar,
Entra – e se afoga em bálsamos (211).

No original inglês:
(Reaching late his flower,
Round her chamber hums –
Counts his nectars –
Enters – and is lost in Balms.)
(p.48/49, op. Cit.)

Manhãs de maio

Salve, manhãs de maio plenas desse azul a causar ciúme a Matisse.
Salve, manhãs de maio em que o tamboril de meu jardim estica os braços desejoso de alcançar uma nesga desse doce algodão dos céus…

Salve as manhãs de maio em que o cerrado testemunha a glória de Deus.
Salve manhãs de maio em que a clara alba estende o tempo pascal.
Salve manhãs de maio sucessoras do aguaceiro de abril e anteriores.

Manhãs de maio eu vos amo, tocando meu coração, por entre braçadas de rosas e o silêncio ducal das orquídeas de nossas varandas…

Manhãs de maio que me trazem em francês arcaico a rima perfeita
Entre a rosa florida e a galanteria*.

Manhãs de maio em que todas as mulheres despertam sua beleza secreta:
– Sorriso de pão-de-queijo, riso de cassis, gesto maroto de alcaçuz…

Prefiro a paz dessas manhãs ao peso de mil barras d´ouro em banco.
Vinde manhãs de maio com sua água fria dando fim ao sono indesejado.
Eu sou filho herdeiro das manhãs de maio como Matias herdou seu ofício.
Vinde, manhãs de maio, e seja vossa benção:
Inundai-me d´azul, les jours bleus, nutrindo-nos d´azur.

+++
(*)”L´autrier en mai, que rose est florie/Je l´alai coillir par grant druerie” [galanterie]

Manhãs de maio

Salve, manhãs de maio plenas desse azul a causar ciúme a Matisse.
Salve, manhãs de maio em que o tamboril de meu jardim estica os braços desejoso de alcançar uma nesga desse doce algodão dos céus…

Salve as manhãs de maio em que o cerrado testemunha a glória de Deus.
Salve manhãs de maio em que a clara alba estende o tempo pascal.
Salve manhãs de maio sucessoras do aguaceiro de abril e anteriores.

Manhãs de maio eu vos amo, tocando meu coração, por entre braçadas de rosas e o silêncio ducal das orquídeas de nossas varandas…

Manhãs de maio que me trazem em francês arcaico a rima perfeita
Entre a rosa florida e a galanteria*.

Manhãs de maio em que todas as mulheres despertam sua beleza secreta:
– Sorriso de pão-de-queijo, riso de cassis, gesto maroto de alcaçuz…

Prefiro a paz dessas manhãs ao peso de mil barras d´ouro em banco.
Vinde manhãs de maio com sua água fria dando fim ao sono indesejado.
Eu sou filho herdeiro das manhãs de maio como Matias herdou seu ofício.
Vinde, manhãs de maio, e seja vossa benção:
Inundai-me d´azul, les jours bleus, nutrindo-nos d´azur.

+++
(*)”L´autrier en mai, que rose est florie/Je l´alai coillir par grant druerie” [galanterie]

Mãos

Eis aqui duas mãos.
Mãos que a vida decidiu preservar e juntar.

Mãos que vimos nascer em condições diversas (adversas?).
Mãos que a vida sabe que ela própria Vida foi defendida.
Mãos tão pequenas diante da grande Mão de Deus.

Mãos a unir mãe e  filho… pelo fio da Vida, tão desejada e encantando a mente e as mãos de seus avós e pais.

Eis-nos diante do milagre da vida, sem nenhum retoque,
Senão o toque de mãos.O sentido da vida se expressa com essas mãos.
Sem retórica nenhuma, senão a do Amor de Mãe.
Expresso em receber e defender a Vida, desde sua mais tenra idade.
Eu amo essas mãos.
Eu vejo nessas mãos a Vida que há de ser defendida sempre.

Mesmo quando a Esperança pode parecer pequena.
Contra o vento da incompreensão,
Contra a difusão do relativismo,
Contra a fraqueza de não sabermos o segredo de Esperar (filho pequeno da Esperança)
.Em favor da vida que é de pai e mãe e de filho e neto. Que é de quem ama a vida e não a nega.

Louvado Seja Nosso Deus por essas mãos!

Mil graças sejam dadas por essas mãos.
+++++
(*)Mãos de Benjamin Q. Foust e Maira Queiroz Foust, depois de muita luta (durante 9,5 semanas em condição adversa num hospital em Pensacola, FL) para trazê-Lo ao mundo.