Ainda e sempre, é Natal*

Em meio à noite, eu me recordo das palavras de um velho escritor português e seu tom arcaico, pronunciado em crônica datada de 1886, a frase não me chega inteiramente como deve ser agora lembrada aos leitores:

“…Dia seguido a dia, melancolicamente, esterilmente, nos foge o tempo… O dia de Natal vai de novo chegar. Com quanta saudade do doce e risonho tempo da minha infância eu o digo! Vai dar a hora de se retirar do presépio iluminado e florido, do centro do grupo orante dos pastores e dos Reis Magos, a sorridente imagem do mimoso e terno Menino destinado a padecer e a morrer crucificado para remir os homens”.
(*) Texto originalmente publicado em 2004, no site Oito Colunas.

Continue lendo…

À (La) Table O&Co.

Estamos no restaurante La Table O & Co., em Sampa, jantando com nossa filha Cecilia. Tin-tin!

Cecilia, Crisma DEZ2009

O motivo de nosso afeto é essa senhorita das fotos.
O evento: a sua Crisma.
Estamos (mamãe, sua sister e eu) muitos felizes!

Benza Deus!

Feliz Natal

Wordle: Feliz Natal

Natal!
O Natal de Cristo representa (e deve nos relembrar) a Encarnação de Deus no meio dos homens.
Jesus Cristo, o Nazareno, nasceu numa manjedoura, em Belém da Judéia, como um pequenino ser Humano, que veio para salvar os filhos de Adão.
Sua mãe, Maria Santíssima, interecede junto ao Trono do Altíssimo por nós, os degredados filhos de Eva.
É tempo de se entender melhor o aforisma: “non coerceri maximo, contineri tamen a minimo, divinum est – não ser abarcado pelo máximo, mas deixar-se abarcar pelo mínimo, isso é divino
Desejo um Feliz & Santo Natal aos poucos mas sempre frequentes leitores deste blog.

Imaginário Poético

Quero dar meu mais caloroso Boas-Vindas a ….

Um lugar simples, arejado, bonito, de classe: “Imaginário Poético”.

E ainda que tem César Miranda nos arranjos musicais

Um desses oásis que vale a pena neste “mar de conhecimento compartilhado“.

Uma boa resposta à questão fundamental:
– Que futuro estará reservado à imaginação individual nessa que se convencionou chamar de a civilização da imagem?
SE a imaginação é um lugar dentro do qual chove“? (sem ser S.Paulo – SP, biensur!) (Starobinski/Dante) – sentença 1
SE imaginação é o motor da Poesia, bem como razão de ser dos exercícios do espírito! – sentença 2.

Conclusão:

– Recomendo com entusiasmo o “Imaginário Poético: revista eletrônica de artes, música, literatura e filosofia.
++++

Emily Dickinson, 31/100*

Shall I take thee, the Poet said
To the propunded word?
Be stationed with the Candidates
Til I have finer tried –

The Poet searched Philology
And when about to ring
For the suspended Candidate
There came unsummoned in –

That portion of the Vision
The World applied to fill
Not unto nomination
The Cherubim reveal –

—–A tradução de Dona Aíla—–

“Escolho-te?” indaga o poeta
À palavra antes proposta –
“Fique ali com as candidatas,
Até que eu as ponha à prova”.

Consulta a Filologia –
Quando vai ser convocada
A candidata em suspenso,
Entra sem ser chamada

A parcela da Visão
Que meu mundo pede e espera –
Não vem por nomeação –
O anjo é que a revela.

++++
Fonte: DICKINSON, Emily. “Uma Centena de Poemas”. Tradução Aíla de Oliveira Gomes, T.A.Queiroz Ed/Usp, 1985, pág. 134/135.

Da série poemas em draft (1)

trago comigo esse búzio oco
tenho comigo esse busílis
que levo ao ouvido tosco
quando stress por um triz

tenho comigo esse búzio
que levo ao ouvido
se estou triste…
e de tanto ouvir-nos
ele me assiste:

na pressa da cidade
nas agruras do comércio:
tenho esse buziozinho
que me põe feliz, feliz…

Emily Dickinson, 30/100*

I sing to use the Waiting
My Bonnet but to tie
And shut the Door unto my House
No more to do have I
Till His best step approaching
We journey to the Day
And tell each other how We sung
To keep the Dark away

Canto para usar a Espera.
É só atar o chapéu
E fechar a porta da casa –
Nada mais preciso eu,

Até que Ele, enfim, chegando,
Viajemos para o Dia,
Contando-nos como espantamos
O Escuro com cantoria.

+++++
(*) Fonte: Dickinson, Emily. “Uma Centena de Poemas”.
Tradução Aíla de Oliveira Gomes, T.A.Queiroz Ed/Usp, 1985, pág. 116/117.